Um pouco de Bion: psicanálise de grupo

60 %
40 %
Information about Um pouco de Bion: psicanálise de grupo
Technology

Published on January 8, 2010

Author: noelizapsy

Source: slideshare.net

Description

Este artigo apresenta a base da psicanálise de grupos segundo Bion.

BION – Estudo de Processos de Grupo NOELIZA LIMA* Dr. Antonio Terzis** Nascido na Índia em 1897, Wilfred Ruprecht Bion foi estudar na Inglaterra aos 8 anos. Durante a I Guerra Mundial ele serviu na França como comandante de um tanque, recebendo a medalha DSO e a da Legião de Honra. Após estudar História no Queens College, em Oxford, fez medicina na University College, Londres. Então iniciou seu interesse por Psicanálise e tornou-se trainee de John Rickman e mais tarde, de Melanie Klein. Durante os anos 40 seu interesse estava totalmente voltado para o estudo dos processos de grupo. Suas pesquisas culminaram na publicação de uma série de trabalhos publicados na forma de livretos como Experiências em Grupos. Abandonando seu trabalho neste campo em favor da prática psicanalítica, alcançou então a posição de Diretor da London Clinic of Psycho-analysis (1956 a 1962). Foi Presidente da British Psycho-analytical Society (1962 a 1965). Em 1968 trabalhou em Los Angeles, retornando à Inglaterra dois meses antes de sua morte, que ocorreu em 1979. GRUPOS Bion trabalhou como terapeuta de grupos na Clínica Tavistock de Londres, na década de 40 e 50. Sua experiência clínica levou-o a formular uma série de hipóteses e depois uma teoria. Seus estudos se referem à atividade mental que os grupos facilitam nos indivíduos que dele fazem parte. Estabeleceu então leis gerais e específicas dirigidas a cada tipo de configuração grupal. Nos grupos, assim como no indivíduo, existem dois níveis de funcionamento psíquico, inter relacionados entre si: O nível consciente e o nível inconsciente. o Nível Consciente Racional, regido pelo princípio da realidade, caracterizado pelo uso do processo secundário, orientado para a adaptação objetiva a realidade externa. o Nível Inconsciente - Emocional, regido pelo princípio do prazer, caracterizado pelo uso do princípio primário (deslocamento, condensação e deflexão). Orientado para evitar o desprazer. MENTALIDADE GRUPAL É a atividade mental desenvolvida dentro de um grupo. A esta mentalidade cada um dos indivíduos contribui, mesmo não tendo consciência disto. A mentalidade grupal não é a soma, mas a equivalência das demandas individuais. O 'estar em um grupo' re - atualiza as primeiras experiências de: fusão – discriminação, encontro – separação, individualização – massificação, assim como a perda da relação dual primitiva. É a inclusão da triangularidade e a dor edípica pela apreensão da realidade interna e externa, dando lugar à eclosão de intensas torrentes emocionais que podem dificultar a atividade psíquica necessária para a realização das tarefas propostas racionalmente. A este tipo de configuração grupal, regido pela lógica, Bion chamou de grupo de trabalho. CONCEITO DE GRUPO DE TRABALHO

No nível consciente as pessoas se unem para a realização de uma tarefa e têm consciência de seus objetivos. Suas atividades se desenvolvem segundo o tempo cronológico, do "aquí e agora", em espaços determinados. Cumprem papéis designados, seguem regras do grupo, são organizados em tempo, espaço e em alguns grupos - hierarquicamente. Os membros se unem em função de objetivos comuns, pela cooperação, estabelecendo-se relações de semelhança, complementaridade e suplementariedade, que levam ao estabelecimento da "sociabilidade por interação", segundo Bleger. GRUPO DE SUPOSTO BÁSICO Os membros de um grupo de trabalho se reúnem para realizar a nível real uma tarefa, mas esta tarefa tem um objetivo latente que é desconhecido. Estão então sujeitos à lei do desejo, de ordem do inconsciente, que é o sentido dado por Freud à "ilusão". É então que os sistemas formais de comunicação são substituídos ao nível inconsciente pelos "supostos, os pre-juízos, e os como se", que constituem a "linguagem de ação". As redes de intercâmbio social são substituídas por comunicações baseadas em identificações projetivas e introjetivas maciças, mecanismos de dissociação, negação, idealização e onipotência. No lugar de papéis e normas específicas, desenvolvem-se relações parciais com objetos parciais, que suscitam intensas ansiedades arcaicas (paranóicas e depressivas, segundo Klein , e confusionais, segundo Bleger, com concomitantes defesas esquizóides). Desta forma, o tempo cronológico cede lugar à atemporalidade própria do inconsciente, tempo do imaginário, desenvolvendo-se entre os membros a sociabilidade sincrética (segundo Bleger). O grupo se conecta por "valência", ou seja, por demandas equivalentes dentro da mentalidade grupal. PRESSUPOSTOS BÁSICOS DE BION Todo grupo simboliza para a pessoa a pertinência, a família primal, sendo então um continente onde surgem reações regressivas de busca e perda de afeto. Os sentimentos mais arcaicos são despertados, vivendo então o grupo os supostos básicos, que são: dependência, luta – fuga e acasalamento. Nunca pode haver mais de um em andamento. Quando um suposto básico predomina, os outros ficam depositados no que Bion chamou de "aparato proto-mental ". Neste sistema o somático e o psíquico são indiferenciados. Quando um processo de aprendizagem desencadeia uma dor (acerca de si mesmo ou do mundo externo), e as defesas do grupo não conseguem mitigar este sofrimento, o sistema proto-mental emitirá sintomas defensivos por parte do corpo e da mente ( acidentes, desmaios, crises epilépticas). Estes acontecimentos serão obstáculos a continuação da tarefa grupal, e serão fonte de ansiedades impossíveis de serem resolvidas pelos "supostos básicos". DEPENDÊNCIA O grupo é a possibilidade da renovação e muito mais que isto. O grupo é o objeto de desejo, a representação do seio bom (Melanie Klein), que sustenta todas as fantasias dos participantes. É um espaço de salvação, e o líder é o Messias que vai levar o grupo a satisfação plena. Sente-se que tudo pode ser realizado, não há medo nem ameaça nenhuma. É um momento de projeção de esperança e satisfação. LUTA – FUGA Crença inconsciente de que a solução dos seus problemas se dará na medida em que consigam evitar o perigo certo proveniente de um objeto persecutório – interno ou externo ao grupo – o qual deverão enfrentar, fugindo ou atacando, liderados por seu terapeuta ou coordenador. Qualquer investimento da libido no grupo, se sentido como mal correspondido, desperta na pessoa a ansiedade de perda e/ou fantasias de perseguição. A solução desejada se apresenta não como uma conquista, mas como a evitação clara da dor, por meio de uma ansiedade baseada em temores paranóides referentes a fantasia de objeto mau. É comum que ocorra este suposto básico após uma situação de total pertinência como no caso

da dependência, onde a angústia de ser possuído por alguém mau desencadeia temores de destruição ACASALAMENTO Crença de que o objeto salvador ainda deverá ser criado, e que esta atividade será executada por membros voluntários do grupo, que facilitarão o descanso dos demais, ou então pelo próprio coordenador. A ênfase aquí não é sobre quem trará a salvação, e sim que a solução desejada de fato virá a qualquer momento.Haverá então uma dupla ( de mesmo sexo ou sexo diferente) que produzirá o "grand finale" por meio de uma cópula fecunda, sendo então o restante do grupo os herdeiros e beneficiários do produto final. O desejo se veste de esperança, e o objeto desejado tem características messiânicas. A ansiedade subjacente aparece como a contrapartida do otimismo e se remete a : temor da morte do bebê Messias, temor de mal formação do feto, ansiedade desesperançada frente à pulsão de morte. OUTRAS FORMAS Bion assinala que além das estruturas assinaladas como ‘pressupostos básicos" há outras formas do grupo lidar com ansiedades arcaicas. Refere-se aquí as formas aberrantes dos supostos básicos e as formas duais. Exemplo Enquanto no suposto de dependência o terapeuta é visto como alguém que alimenta o grupo com ensinamentos e acolhida, dando-lhes a chave mágica da cura, a forma "dual" seria o grupo como fonte de alimento para um terapeuta com pouco treino e habilidade. CONCLUSÕES Todos estes tipos de defesas utilizadas buscam evitar o compromisso de auto prover-se no caminho do trabalho, dor, erro e reparação, do alimento necessário para o crescimento físico, psíquico e espiritual. As categorias desagradáveis são vividas como exigências desmedidas e injustas que devem ser evitadas a qualquer custo. Segundo Bion, os pressupostos básicos também se encontram em grupos organizados ou não dnossa sociedade. REFERENCIAS (Contracapa de “Cogitations”, edited by Francesca Bion, Karnac Books, London-New York, 1992) ROUSSEAU, M., Grupo, Esa Posible-Inpossibilidad..., B. Aires, Colección Psicologia y Psicoanalisis, Tekné, 1995, cap. 3º LIMA, N. Bion, Seminários de grupo, supervisão prof. Dr. Antonios Terzis, pós graduação em Psicologia Clínica, PUCCAMP, 1999, mimeo. * Psicóloga, CRP 6/505, trabalho para o mestrado em Psicologia Clínica – PUC-Campinas, 1999. ** Prof. Dr. Antonios Terzis, psicólogo, Supervisor no mestrado desta Universidade. Disciplina: Psicoterapia Analítica de Grupos, 1999.

Add a comment

Comments

aspombcuhu6y | 02/07/16
http://buy-stromectol.in.net/ - stromectol 3mg http://buy-augmentin.webcam/ - augmentin http://buy-vermox.eu/ - vermox plus

Related presentations

Presentación que realice en el Evento Nacional de Gobierno Abierto, realizado los ...

In this presentation we will describe our experience developing with a highly dyna...

Presentation to the LITA Forum 7th November 2014 Albuquerque, NM

Un recorrido por los cambios que nos generará el wearabletech en el futuro

Um paralelo entre as novidades & mercado em Wearable Computing e Tecnologias Assis...

Microsoft finally joins the smartwatch and fitness tracker game by introducing the...

Related pages

OPUS: Bion e a Dinâmica de Grupos

... pouco autorizada no universo literário de Bion. Bion foi um psiquiatra que enveredou pela psicanálise, ... grupos. No pós-guerra, Bion resolveu ...
Read more

Wilfred Bion – Wikipédia, a enciclopédia livre

Escreveu Experiências com Grupos ... seu interesse na psicanálise aumentou. ... muito pouco dinheiro e nenhuma renda regular.
Read more

Dinâmica de Grupo As contribuições da Psicanálise

Psicanálise. Dinâmica de Grupo ... Dinâmica de Grupo Contribuição de Bion: ...
Read more

Bion's Group Dynamics and the Work Organizations

A Trajetória dos Grupos de Bion. ... Baseado na psicanálise, Bion enfrentava ... Infelizmente o psiquiatra inglês se ateve pouco ao grupo de ...
Read more

A PSICANÁLISE APLICADA EM GRUPOS DE ATENDIMENTO

A pesquisa se orientou pelo estudo de autores da psicanálise, como Freud, Lacan e Bion, ... estudo da psicanálise aplicada em grupos de atendimento.
Read more

Para refletir:: Ícones da Psicanálise - Bion

Ícones da Psicanálise - Bion Wilfred Ruprecht Bion ... 1979) Escreveu Experiências com Grupos (Londres ... um pouco de historia e conhecimento sobre a ...
Read more

Wilfred Bion - Contribuições para o trabalho com grupos ...

Bion faz uma releitura da psicanálise introduzindo o uso de metáfora para facilitar a ... A teoria dos grupos de Bion se baseia no fato ...
Read more