Técnicas de Ensino: Por que não?

67 %
33 %
Information about Técnicas de Ensino: Por que não?
Education

Published on March 12, 2014

Author: WilliamGonalves1

Source: slideshare.net

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E EDUCAÇÃO LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO DISCIPLINA: METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO RELIGIOSA DOCENTE: IOLANDA RODRIGUES TECNICAS DE ENSINO: POR QUE NÃO?. GIOVANNI MORAES DIANA DUARTE DYANE CRUZ RODRIGO BRUNO SOUZA WENDEL LEAL WILLIAMTEXEIRA

AULA EXPOSITIVA: SUPERANDO O TRADICIONAL  AULA EXPOSITIVA: Sujeita ao autoritarismo do professor, que é visto como único detentor do conhecimento e inquestionável. Ele não instiga os alunos ao hábito do questionamento, pelo contrário, tende a inibir essa possibilidade pois sua palavra é considerada como única e verdadeira.  TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA:  Pedagogia Tradicional (desde a época dos jesuítas);  Pedagogia Nova (meados da década de 30);  Pedagogia Tecnicista (década de 70);  Pedagogia Crítica (década de 80).

 AULA EXPOSITIVA DIALÓGICA: Propõe a construção do conhecimento através do diálogo entre o aluno e professor, onde ambos trocam experiências obtidas de sua interação com a sociedade. Nesse modelo há uma introdução teórica do assunto a ser trabalhado, e que será o fio condutor da discussão a ser feita em sala de aula.

O ESTUDO DE TEXTO COMO TÉCNICA DE ENSINO  ESTUDO DO TEXTO: Ao abordarmos o estudo do texto como técnica de ensino, devemos compreender que tal técnica consiste em trabalhá-lo de modo analítico e crítico. O objetivo desse tipo de atividade consiste em estimular no aluno a capacidade de interpretação, onde teremos como resultado uma nova produção textual que será fruto de tudo aquilo que o aluno conseguiur captar do texto.  TEORIA DE KATO:  Leitura ASCENDENTE: O leitor busca por um significado global.  Leitura DESCENDENTE: O leitor tem como ponto de partida um significado global para compreender as partes menores.

NA SALA DE AULA: O ESTUDO DIRIGIDO  Por que o Estudo Dirigido?  Como ele é usado em sala de aula?  E qual é a relação dele com os livros didáticos?  PARAABORDAR O ESTUDO DIRIGIDO NA REALIDADE ESCOLAR É PRECISO PRIMEIRO:  1. Análise da realidade do aluno assim como a estrutura e condições da escola.  2. Indagar-se como motivar os alunos a interpretarem e compreenderem um texto didático e fazer com o habito da leitura deixe de ser algo repetitivo para ser algo criativo e crítico.  3. Criar um mecanismo para fazer com que os alunos deixarem a dependência deles com o professor e buscar nos livros didáticos outra forma de busca por fontes de informação.

 ANÁLISE DO MATERIAL DIDÁTICO:  1. Questionários;  2. Perguntas com respostas curtas e simples  3. Registros de tudo o que o professor falava e escrevia de forma dura;  4. Exercícios objetivos como questões de múltipla escola  Esses tipos de conteúdos avaliativos são passados como sendo inquestionáveis e até dogmáticos fazendo da aprendizagem algo relativo a memorização com relação a datas, nomes, conceitos e etc.

 PARADIGMAS E PERSPECTIVAS DO ESTUDO DIRIGIDO:  1. Processo de ensino-aprendizagem;  2. Atividade passada pelo professor ao aluno;  3. O livro didático como ferramenta;  4. Processo de aplicação do estudo dirigido em sala de aula;

DA DISCUSSÃO E O DEBATE NASCE A REBELDIA.  A importancia da contextualização.  A discussão e debate.  A importancia e uso deles em sala de aula.  A importância da técnica.

NOS LABORATÓRIOS E OFICINAS ESCOLARES: A DEMONSTRAÇÃO DIDÁTICA. • Demonstrar significa: manifestar, revelar, comprovar, demonstrar um conceito. • A demonstração tem por objetivo articular a prática com o conhecimento teórico; aprofundar e consolidar conhecimentos, ilustrar o que foi exposto, entre outros. • A demonstração compreende três etapas: preparação, realização e avaliação. • A demonstração didática não é uma técnica neutra, pronta e acabada, desvinculada do ato educativo que ocorre nos laboratórios e oficinas. • Ela envolve o trabalho conjunto de dois agentes do processo de ensino-aprendizagem: professor e aluno.

ESTUDO DO MEIO  O objetivo desse texto visa analisar a possível contribuição à melhoria do ensino utilizando a técnica Estudo do Meio. Os autores apontam dois aspectos indispensáveis no que se refere á situação das escolas:  1- A ausência de pesquisas sobre a nova população escolar que tem conseguido progressivo acesso a rede pública. Esta ausência sobre a clientela escolar brasileira tem gerado, ao lado de outros fatores também relevantes:  1. 1-A inadequação do ensino, desde a instância da definição de fins educacionais;  1.2- A seleção de conteúdos;  1.3- Os procedimentos didáticos e de linguagem apropriada à interação pedagógica;

 ESSAS PREOCUPAÇÕES ACIMA LEVANTADAS SUSCITAM ALGUMAS QUESTÕES SE COLOCAM AOS EDUCADORES:  # Como dar atendimento as características especificas dos grupos sócio-culturais brasileiros de forma a colaborar para sobrevivência desses grupos?  #Como proporcionar ao aluno o acesso ao conhecimento erudito a partir do saber próprio de seu grupo de origem?  # E finalmente qual a escola requerida pela população brasileira?

 QUAL A CONTRIBUIÇÃO PODEMOS VERIFICAR NO ESTUDO DO MEIO:  O conhecimento do aluno que superlota e paradoxalmente esvazia a escola publica brasileira fundamental e média?  A diminuição dos índices de evasão?

 Estudo do meio e os métodos ativos:  Representada pelo trabalho escolar e condições gerais da vida e dos educandos;  O papel da escola no planejamento de situações facilitadoras e propiciadoras da ação do aluno;  A compreensão da aprendizagem como processo de aquisição segundo condições e ação pessoal;  A concepção de desenvolvimento como unidade representada pelos domínios intelectuais, moral e social;  A importância da cientificidade dos métodos de ensino.

 RELAÇÃO ENTRE ESCOLA E VIDA :  Estudar o meio não significa contemplar a realidade, Significa, isto sim, trazer a realidade para dentro de si - assumi-la.

REFERÊNCIAS:  VEIGA, Ilma Passos (ORG.).Tecnicas de ensino: por que não? Papirus, 2003. (Pag. 35 à 144)

#como presentations

Add a comment

Related presentations

Related pages

Técnicas de ensino: por que não? - Ilma Passos ...

Comprar livros no Google Play. Procure a maior eBookstore do mundo e comece a ler hoje na web, no tablet, no telefone ou eReader. Ir para o Google Play ...
Read more

Ubiratangeo : Técnicas de Ensino: por que não? - Ilma ...

Palestra Livro Técnicas de Ensino: por que não? (resumo, resenha, aula, palestra) Palestra Livro Técnias de Ensino: por que não??
Read more

Ilma Passos Alencastro Veiga em seu livro Técnicas de ensino

Ilma Passos Alencastro Veiga em seu livro Técnicas de ensino: Por que não¿, traz na pagina 103 o subtítulo, O seminário como técnica de Ensino ...
Read more

TÉCNICAS DE ENSINO - Editor coletivo de textos - Wiki

AZAMBUJA E SOUZA, Jorceline e Maria Letícia. O Estudo do Texto como Técnica de Ensino. In: Técnicas de Ensino: Por que não?. 11.ed. Campinar: Papirus ...
Read more

Ubiratangeo : Palestra Livro Técnicas de Ensino: por que ...

Palestra Livro Técnicas de Ensino: por que não? (resumo, resenha, aula, palestra) Palestra Livro Técnias de Ensino: por que não??
Read more

Técnicas de ensino: por que não? - Ilma Passos ...

Assentando-se a discussão sobre as técnicas de ensino nessa perspectiva, algumas questões afloram - Que relações essas técnicas guardam com a ...
Read more

Técnicas De Ensino: Por Que Não? (pdf) | por Antonio ...

Livro: Técnicas De Ensino: Por Que Não? (pdf) autor: Antonio Feltran,Antonia Osima Lopes,Jocelina Queir, Antônio Feltran,Antonia Osima Lopes,Jocelina ...
Read more

Revendo as técnicas de ensino | Didática Superior

Selecionar uma técnica de ensino faz parte do processo de planejamento, é algo que não se limita a uma escolha aleatória, por ser moderna ou atrativa ...
Read more

Técnicas de Ensino - Por que Não ?

Técnicas de Ensino - Por que Não ? Saraiva. Menu. Cartão Saraiva Peça já o seu! Meu carrinho. x ... Se ainda não se cadastrou? Cadastre-se. Volta às ...
Read more