advertisement

Sistema Neuro Hormonal

50 %
50 %
advertisement
Information about Sistema Neuro Hormonal

Published on November 21, 2007

Author: leonorsm

Source: slideshare.net

advertisement

Sistema neuro-hormonal Ciências Naturais 9º ano

Sistema neuro-hormonal A função do sistema nervoso e do sistema endócrino é coordenar a actividade do nosso organismo. Com o objectivo de coordenar os órgãos à distância e transmitir mensagens, o nosso organismo possui duas vias: nervosa e hormonal

A função do sistema nervoso e do sistema endócrino é coordenar a actividade do nosso organismo.

Com o objectivo de coordenar os órgãos à distância e transmitir mensagens, o nosso organismo possui duas vias: nervosa e hormonal

No sistema nervoso as mensagens são transmitidas ao longo de células nervosas até ao aos diferentes órgãos. No sistema hormonal existem mensageiros químicos, elaborados em órgãos específicos, que circulam na corrente sanguínea. Sistema neuro-hormonal

No sistema nervoso as mensagens são transmitidas ao longo de células nervosas até ao aos diferentes órgãos.

No sistema hormonal existem mensageiros químicos, elaborados em órgãos específicos, que circulam na corrente sanguínea.

Coordenação nervosa Os vários milhares de milhão de células nervosas que existem no organismo do ser humano, formam uma rede que é infinitamente mais complexa que qualquer rede de estradas, circulando nela as mais diversas informações.

Os vários milhares de milhão de células nervosas que existem no organismo do ser humano, formam uma rede que é infinitamente mais complexa que qualquer rede de estradas, circulando nela as mais diversas informações.

O Sistema Nervoso Sistema nervoso central – integra o encéfalo e a espinal medula Sistema nervoso periférico – constituído pelos nervos e glânglios Estes dois sitemas estão em constante comunicação e comandam toda a nossa actividade.

Sistema nervoso central – integra o encéfalo e a espinal medula

Sistema nervoso periférico – constituído pelos nervos e glânglios

Estes dois sitemas estão em constante comunicação e comandam toda a nossa actividade.

Sistema Nervoso Central (SNC) O encéfalo e a espinal medula denominam-se centros nervosos. O Encéfalo – é constituído pelo cérebro, pelo cerebelo e pelo bolbo raquidiano. A Espinal medula – situa-se na continuação do bolbo raquidiano e encontra-se protegida pela coluna vertebral

O encéfalo e a espinal medula denominam-se centros nervosos.

O Encéfalo – é constituído pelo cérebro, pelo cerebelo e pelo bolbo raquidiano.

A Espinal medula – situa-se na continuação do bolbo raquidiano e encontra-se protegida pela coluna vertebral

 

O Encéfalo O encéfalo é um dos componentes do sistema nervoso com importância vital. A sua actividade comporta aspectos muito variados e complexos, como: pensamento , memória , raciocínio e vida afectiva .

O encéfalo é um dos componentes do sistema nervoso com importância vital.

A sua actividade comporta aspectos muito variados e complexos, como: pensamento , memória , raciocínio e vida afectiva .

 

O Encéfalo Na constituição dos órgãos que o formam encontram-se duas substâncias com tonalidade diferente: substância branca e substância cinzenta . O encéfalo consome cerca de 25% do oxigénio utilizado pelo organismo, embora constitua somente cerca de 2,5% da massa total do corpo.

Na constituição dos órgãos que o formam encontram-se duas substâncias com tonalidade diferente: substância branca e substância cinzenta .

O encéfalo consome cerca de 25% do oxigénio utilizado pelo organismo, embora constitua somente cerca de 2,5% da massa total do corpo.

O Encéfalo Entre todas as células do corpo, as células nervosas são as mais sensíveis à privação de oxigénio. Morrem quando privadas de oxigénio durante alguns minutos. O encéfalo exige também um fornecimento constante de glicose. Uma rede densa de vasos sanguíneos fornece ás células os materiais de que necessitam.

Entre todas as células do corpo, as células nervosas são as mais sensíveis à privação de oxigénio. Morrem quando privadas de oxigénio durante alguns minutos.

O encéfalo exige também um fornecimento constante de glicose. Uma rede densa de vasos sanguíneos fornece ás células os materiais de que necessitam.

 

Medula Espinal ou espinal medula Apresenta-se como um cordão esbranquiçado com cerca de 50cm de comprimento e 1cm de diâmetro. Alojada no canal raquidiano, está em comunicação com os diferentes órgãos do tronco e dos menbros graças aos 31 pares de nervos raquidianos que nela têm origem.

Apresenta-se como um cordão esbranquiçado com cerca de 50cm de comprimento e 1cm de diâmetro.

Alojada no canal raquidiano, está em comunicação com os diferentes órgãos do tronco e dos menbros graças aos 31 pares de nervos raquidianos que nela têm origem.

Medula Espinal ou espinal medula

Sistema Nervoso Periférico (SNP) É constituído por nervos e gânglios que recebem as informações captadas pelos receptores sensoriais, conduzindo-as aos centros nervosos e vice-versa. Nervos – partem dos centros nervosos, ramificando-se em direcção a todas as partes do corpo

É constituído por nervos e gânglios que recebem as informações captadas pelos receptores sensoriais, conduzindo-as aos centros nervosos e vice-versa.

Nervos – partem dos centros nervosos, ramificando-se em direcção a todas as partes do corpo

Nervos Nervos cranianos – em número de 12 pares, partem do encéfalo e inervam as diferentes regiões da cabeça, nomeadamente os órgãos dos sentidos, músculos da face, da boca e da faringe.

Nervos cranianos – em número de 12 pares, partem do encéfalo e inervam as diferentes regiões da cabeça, nomeadamente os órgãos dos sentidos, músculos da face, da boca e da faringe.

Nervos Nervos raquidianos – em número de 31 pares, têm origem na medula espinal e ramificam-se pelo organismo. Os nervos raquidianos são nervos mistos, cada um deles inicia-se por duas raízes, uma raiz ventral ou anterior ( motora ) e uma raiz dorsal ou posterior ( sensitiva ). Na pele existem numerosas ramificações muito finas de nervos raquidianos.

Nervos raquidianos – em número de 31 pares, têm origem na medula espinal e ramificam-se pelo organismo.

Os nervos raquidianos são nervos mistos, cada um deles inicia-se por duas raízes, uma raiz ventral ou anterior ( motora ) e uma raiz dorsal ou posterior ( sensitiva ).

Na pele existem numerosas ramificações muito finas de nervos raquidianos.

Função dos nervos Nervos sensitivos ou aferentes – transmitem informações dos receptores sensoriais para os centros nervosos, (ex: nervo auditivo). Nervos motores ou eferentes – transmitem informações dos centros nervosos para os órgãos efectores, (ex: nervos dos músculos da língua). Nervos mistos – transmitem informações dos reseptores sensoriais para os centros nervosos e destes para os órgãos efectores, (ex: os nervos da medula).

Nervos sensitivos ou aferentes – transmitem informações dos receptores sensoriais para os centros nervosos, (ex: nervo auditivo).

Nervos motores ou eferentes – transmitem informações dos centros nervosos para os órgãos efectores, (ex: nervos dos músculos da língua).

Nervos mistos – transmitem informações dos reseptores sensoriais para os centros nervosos e destes para os órgãos efectores, (ex: os nervos da medula).

Fisiologia do sistema nervoso As células que, essencialmente, o constituem designam-se neurónios. Os neurónios são constituídos por corpo celular, no qual se localiza o núcleo, e seus prolongamentos: dendrites e axónio. Os prolongamentos destas células permitem que nelas circulem mensagens nervosas rapidamente e a longa distância.

As células que, essencialmente, o constituem designam-se neurónios.

Os neurónios são constituídos por corpo celular, no qual se localiza o núcleo, e seus prolongamentos: dendrites e axónio.

Os prolongamentos destas células permitem que nelas circulem mensagens nervosas rapidamente e a longa distância.

Os axónios terminam em ramificações ( arborização terminal ) e alguns apresentam uma protecção, a baínha de mielina . Os neurónios podem apresentar várias formas e tamanhos, (alguns podem atingir 1m de comprimento). Fisiologia do sistema nervoso

Os axónios terminam em ramificações ( arborização terminal ) e alguns apresentam uma protecção, a baínha de mielina .

Os neurónios podem apresentar várias formas e tamanhos, (alguns podem atingir 1m de comprimento).

 

Corpo celular – recebe mensagens de outros neurónios, trata-as e emite novas mensagens. Contém o núcleo e a maior parte do citoplasma celular. Dendrites – prolongamentos celulares muito ramificados que recebem informações provenientes de outros neurónios. Axónio – prolongamento celular de diâmetro mais ou menos constante, com uma arborização terminal, que transmite mensagens do neurónio a que pertence para outros neurónios. Fisiologia do sistema nervoso

Corpo celular – recebe mensagens de outros neurónios, trata-as e emite novas mensagens. Contém o núcleo e a maior parte do citoplasma celular.

Dendrites – prolongamentos celulares muito ramificados que recebem informações provenientes de outros neurónios.

Axónio – prolongamento celular de diâmetro mais ou menos constante, com uma arborização terminal, que transmite mensagens do neurónio a que pertence para outros neurónios.

As associações que se estabelecem entre os neurónios podem efectuar-se entre: o axónio de um neurónio e o corpo celular do neurónio seguinte; o axónio de um neurónio e as dendrites do neurónio seguinte. Fisiologia do sistema nervoso

As associações que se estabelecem entre os neurónios podem efectuar-se entre:

o axónio de um neurónio e o corpo celular do neurónio seguinte;

o axónio de um neurónio e as dendrites do neurónio seguinte.

 

Os neurónios têm como principal função receber , transmitir e responder às mensagens que lhes chegam. Estas mensagens designam-se impulsos ou influxos nervosos . Fisiologia do sistema nervoso

Os neurónios têm como principal função receber , transmitir e responder às mensagens que lhes chegam.

Estas mensagens designam-se impulsos ou influxos nervosos .

Fisiologia do sistema nervoso O impulso transmite-se da seguinte forma: as dendrites recebem os sinais e o axónio, prolongamento emissor, transmite-os a outras células, nervosas ou musculares.

O impulso transmite-se da seguinte forma: as dendrites recebem os sinais e o axónio, prolongamento emissor, transmite-os a outras células, nervosas ou musculares.

Um neurónio estabelece contacto com outro neurónio ou com uma célula muscular, através da sinapse . A este nível o impulso nervoso transmite-se através de uma substância química . Esta substância transporta o sinal do neurónio emissor às células receptoras . As substâncias usadas na transmissão designam-se neurotransmissores e, até agora, foram identificados mais de 30. Fisiologia do sistema nervoso

Um neurónio estabelece contacto com outro neurónio ou com uma célula muscular, através da sinapse .

A este nível o impulso nervoso transmite-se através de uma substância química .

Esta substância transporta o sinal do neurónio emissor às células receptoras .

As substâncias usadas na transmissão designam-se neurotransmissores e, até agora, foram identificados mais de 30.

 

Conforme a sua função os neurónios podem ser sensitivos , motores e de associação .

O conjunto formado pelos axónios e pelas baínhas de mielina que o envolvem, quando existem, denomina-se fibra nervosa . As fibras nervosas reúnem-se formando os nervos .

O conjunto formado pelos axónios e pelas baínhas de mielina que o envolvem, quando existem, denomina-se fibra nervosa .

As fibras nervosas reúnem-se formando os nervos .

Actividade Cerebral O córtex contém zonas especializadas em diversas funções. No total, apenas 25% do córtex tem funções definidas – áreas primárias , como por exemplo as motoras ou as áreas sensitivas. Os restantes 75% constituem as áreas de associação , nas quais se encontram os neurónios que processam a informação antes de decidir o que fazer. Estas áreas têm um papel fundamental nas funções mentais superiores, como o raciocínio e a imaginação.

O córtex contém zonas especializadas em diversas funções.

No total, apenas 25% do córtex tem funções definidas – áreas primárias , como por exemplo as motoras ou as áreas sensitivas.

Os restantes 75% constituem as áreas de associação , nas quais se encontram os neurónios que processam a informação antes de decidir o que fazer. Estas áreas têm um papel fundamental nas funções mentais superiores, como o raciocínio e a imaginação.

 

Podem considerar-se várias etapas na transmissão das mensagens, desde os receptores sensoriais às estruturas efectoras, passando pelo cérebro. Actividade Cerebral

Podem considerar-se várias etapas na transmissão das mensagens, desde os receptores sensoriais às estruturas efectoras, passando pelo cérebro.

Dos receptores sensoriais ao cérebro – sob a acção de estímulos em receptores sensoriais especializados, originam-se mensagens nervosas que são conduzidas ao córtex sensitivo. As mensagens provenientes da metade direita do corpo são recebidas no hemisfério cerebral esquerdo e as mensagens da metade esquerda do corpo são recebidas no hemisfério cerebral direito. Actividade Cerebral

Dos receptores sensoriais ao cérebro – sob a acção de estímulos em receptores sensoriais especializados, originam-se mensagens nervosas que são conduzidas ao córtex sensitivo. As mensagens provenientes da metade direita do corpo são recebidas no hemisfério cerebral esquerdo e as mensagens da metade esquerda do corpo são recebidas no hemisfério cerebral direito.

Tratamento das informações – as mensagens recebidas ao nível das áreas sensoriais são transmitidas ao córtex de associação. Neste há a integração e a interpretação das mensagens, sendo elaboradas respostas. Actividade Cerebral

Tratamento das informações – as mensagens recebidas ao nível das áreas sensoriais são transmitidas ao córtex de associação. Neste há a integração e a interpretação das mensagens, sendo elaboradas respostas.

Transmissão de mensagens às estruturas efectoras – as respostas elaboradas propagam-se às estruturas efectoras, (ex: músculos). Se qualquer uma das vias sensitivas ou motoras é danificada ou destruída, são afectadas as zonas correspondentes do organismo e, em consequência, é afectada a realização das respectivas funções. Actividade Cerebral

Transmissão de mensagens às estruturas efectoras – as respostas elaboradas propagam-se às estruturas efectoras, (ex: músculos).

Se qualquer uma das vias sensitivas ou motoras é danificada ou destruída, são afectadas as zonas correspondentes do organismo e, em consequência, é afectada a realização das respectivas funções.

Os Estímulos São factores que obrigam o nosso organismo a reagir, (ex: luz, medo, fome) Os estímulos podem ser externos ou internos que são captados por receptores específicos. Os receptores dos estímulos externos são os órgãos dos sentidos . Os receptores dos estímulos internos informam-nos do estado do nosso organismo.

São factores que obrigam o nosso organismo a reagir, (ex: luz, medo, fome)

Os estímulos podem ser externos ou internos que são captados por receptores específicos.

Os receptores dos estímulos externos são os órgãos dos sentidos .

Os receptores dos estímulos internos informam-nos do estado do nosso organismo.

Os receptores são excitados por estímulos e enviam a mensagem ( impulso nervoso ) ao cérebro através dos nervos sensitivos. O cérebro transforma os impulsos em sensações , em função da origem e do ponto de chegada dos impulsos, (ex: visão, cheiro). Os Estímulos

Os receptores são excitados por estímulos e enviam a mensagem ( impulso nervoso ) ao cérebro através dos nervos sensitivos.

O cérebro transforma os impulsos em sensações , em função da origem e do ponto de chegada dos impulsos, (ex: visão, cheiro).

 

Actos Voluntários e Involuntários A actividade do sistema nervoso manifesta-se através dos diferentes actos que executamos, que podem ser voluntários ou involuntários. Os actos voluntários – são conscientes e dependem da nossa vontade . Nestes casos o impulso nervoso é gerado no cérebro e conduzido aos neurónios motores que inervam os órgãos implicados em cada acto, (ex: ler, escrever, falar, conduzir)

A actividade do sistema nervoso manifesta-se através dos diferentes actos que executamos, que podem ser voluntários ou involuntários.

Os actos voluntários – são conscientes e dependem da nossa vontade . Nestes casos o impulso nervoso é gerado no cérebro e conduzido aos neurónios motores que inervam os órgãos implicados em cada acto, (ex: ler, escrever, falar, conduzir)

Os actos involuntários – são inconscientes e não dependem da nossa vontade , (ex: o contrair da pupila quandose aproxima um foco de luz, o retirar imediatamente a mão quando tocamos num objecto quente). São actos reflexos. Nos actos voluntários, os centros de resposta situam-se no encéfalo, enquanto que nos actos involuntários, a resposta pode ter origem no encéfalo ou na espinal medula. Actos Voluntários e Involuntários

Os actos involuntários – são inconscientes e não dependem da nossa vontade , (ex: o contrair da pupila quandose aproxima um foco de luz, o retirar imediatamente a mão quando tocamos num objecto quente). São actos reflexos.

Nos actos voluntários, os centros de resposta situam-se no encéfalo, enquanto que nos actos involuntários, a resposta pode ter origem no encéfalo ou na espinal medula.

Os actos reflexos determinados pela espinal medula são um mecanismo automático que se designa arco reflexo Actos Voluntários e Involuntários

Os actos reflexos determinados pela espinal medula são um mecanismo automático que se designa arco reflexo

Os actos reflexos podem ser classificados em inatos e condicionados. Os reflexos inatos – são os que nascem connosco, (ex: sucção do bébé) Os reflexos condicionados – são os adquiridos pela aprendizagem e variam de pessoa para pessoa. Neste processo o encéfalo intervém, memorizando a experiência, (ex: levantar da cadeira, quando toca a campaínha da escola) Actos Voluntários e Involuntários

Os actos reflexos podem ser classificados em inatos e condicionados.

Os reflexos inatos – são os que nascem connosco, (ex: sucção do bébé)

Os reflexos condicionados – são os adquiridos pela aprendizagem e variam de pessoa para pessoa. Neste processo o encéfalo intervém, memorizando a experiência, (ex: levantar da cadeira, quando toca a campaínha da escola)

O Sistema Nervoso Autónomo (SNA) É a parte do sistema nervoso, cuja actividade habitualmente não damos conta, que regula as condições internas do nosso organismo. É constituído por dois sistemas: simpático e parassimpático , que diferem quanto aos locais onde têm origem os seus nervos e nas respectivas funções que são complementares e opostas .

É a parte do sistema nervoso, cuja actividade habitualmente não damos conta, que regula as condições internas do nosso organismo.

É constituído por dois sistemas: simpático e parassimpático , que diferem quanto aos locais onde têm origem os seus nervos e nas respectivas funções que são complementares e opostas .

 

O SNA é controlado pelo hipotálamo . Assim, o relacionamento emocional, que tem lugar no córtex cerebral, pode condicionar o funcionamento de órgãos que não controlamos directamente, como, por exemplo, os pulmões e o coração. O Sistema Nervoso Autónomo (SNA)

O SNA é controlado pelo hipotálamo . Assim, o relacionamento emocional, que tem lugar no córtex cerebral, pode condicionar o funcionamento de órgãos que não controlamos directamente, como, por exemplo, os pulmões e o coração.

Sistema Endócrino ou Hormonal É constituído pelas glândulas endócrinas que produzem e lançam directamente no sangue hormonas . As hormonas são mensageiros químicos , que regulam a actividade de diferentes órgãos. Como o sangue percorre todo o organismo, as hormonas actuam á distância, sobre tecidos, órgãos ou outras glândulas, (ex: adrenalina).

É constituído pelas glândulas endócrinas que produzem e lançam directamente no sangue hormonas .

As hormonas são mensageiros químicos , que regulam a actividade de diferentes órgãos.

Como o sangue percorre todo o organismo, as hormonas actuam á distância, sobre tecidos, órgãos ou outras glândulas, (ex: adrenalina).

 

A comunicação hormonal realiza-se por via química, através de hormonas. Somente determinadas células, chamadas células-alvo ou células efectoras , estão equipadas para receber o sinal que uma dada hormona transmite.

A comunicação hormonal realiza-se por via química, através de hormonas. Somente determinadas células, chamadas células-alvo ou células efectoras , estão equipadas para receber o sinal que uma dada hormona transmite.

Conclusão O sistema nervoso pode segregar hormonas que intervêm no funcionamento de diversas glândulas endócrinas. Reciprocamente, as hormonas, produzidas pelas glândulas endócrinas, têm acção sobre o funcionamento do sistema nervoso. Ambos os sistemas respondem a estímulos recebidos por receptores e enviam mensagens para órgãos efectores que efectuam respostas adequadas.

O sistema nervoso pode segregar hormonas que intervêm no funcionamento de diversas glândulas endócrinas.

Reciprocamente, as hormonas, produzidas pelas glândulas endócrinas, têm acção sobre o funcionamento do sistema nervoso.

Ambos os sistemas respondem a estímulos recebidos por receptores e enviam mensagens para órgãos efectores que efectuam respostas adequadas.

 

Add a comment

Related pages

Sistema Neuro-hormonal - YouTube

Vídeo que explica resumidamente como funciona o Sistema Nervoso e o Sistema Endócrino.
Read more

Sistema Neuro-Hormonal - Ciências 9º Ano

Sistema neuro-hormonal- é constituido pelo sistema nervoso e pelo sistema hormonal tem como função coordenar toda a actividade corporal. Sistema nervoso ...
Read more

Sistema Neuro-Hormonal I - YouTube

Sistema Neuro-Hormonal I Adriana Lopes. Inscrever-se Inscrito Cancelar inscrição 3 3. Carregando ... Sistema Nervoso 03 - Potencial de Repouso ...
Read more

Sistema Neuro-Hormonal | Ciências Naturais - 9ºano

Sistema Neuro-Hormonal Este tema é abordado por mim no powerpoint abaixo.
Read more

Espaço Vivo: Sistema Neuro-Hormonal

O nosso corpo é coordenado por um complexo sistema de informação que o protege e lhe confere capacidades únicas, como, por exemplo, a de imaginar.
Read more

Sistema neuro-hormonal by João Calaim on Prezi

Apresentação sobre o sistema neuro-hormonal para Ciências Naturais 9º ano
Read more

ciencias naturais - Colégio Vasco da Gama

Sistema Neuro-hormonal . A unidade básica da vida, é como tu sabes a célula, um conjunto de células especializadas numa determinada função constituí ...
Read more