Semiótica é Experiência

50 %
50 %
Information about Semiótica é Experiência

Published on May 26, 2008

Author: carolreine

Source: slideshare.net

Description

Apresentação introdutória sobre a experiência através da Semiótica

SEMIÓTICA (as coisas mais importantes não são coisas) é a experiência

o que é? É o estudo dos signos – e os signos só existem na mente. coisa: objeto - bola representamen: meio/representação - imagem da bola significado: conjunto teórico dos detalhes (e os detalhes são signos com outros significados) Charles Pierce alguma coisa algo (signo) alguém imagens: [1,2] www..usabilidoido.com.brt [3] wikipedia.com

É o estudo dos signos – e os signos só existem na mente.

de onde vem? como percebemos os signos : representação interpretação objeto qualidade sensação relação coisa referida signo semiose significado “ o que em mim sente está pensando” (fernando pessoa) baseado em www.usabilidoido.com.br

como percebemos os signos :

como se dividem os signos? categorias ícone: semelhante ao objeto real tipos plásticos: aspecto físico (denotação) botão mão direção do sol gol paz fonema A A “ um signo é algo que substitui algum aspecto ou capacidade de alguma coisa para alguém” (Pierce) retas, retângulo, marrom foto do tijolo Nunca mais segurei um pinto . pinto: saiu do ovo ou está no meio? índice: relação imediata (conotação) símbolo: relação por convenção lingüísticos : enunciado verbal icônicos : relação de semelhança

categorias

ícone: semelhante ao objeto real

tipos

plásticos: aspecto físico (denotação)

índice: relação imediata (conotação)

símbolo: relação por convenção

lingüísticos : enunciado verbal

icônicos : relação de semelhança

como analisar? observar os tipos de signos; fazer correspondência com o significados convencionados ou tradicionais; obter cruzamento entre os tipos de signos e os diferentes significados; versão plausível da mensagem implícita vinculada ao alvo da análise; segundo Joly (1996)

observar os tipos de signos;

fazer correspondência com o significados convencionados ou tradicionais;

obter cruzamento entre os tipos de signos e os diferentes significados;

versão plausível da mensagem implícita vinculada ao alvo da análise;

quando pensar nisso? auto-crítica como é a cultura do público do projeto? a mensagem vai ser entendida claramente? já existe alguma convenção para isso? está bonito - mas é necessário ou faz sentido? “ serve pra o que mesmo – é botão ou enfeite?” “ a foto representa o que?” “ o texto é só pra ter ou pra levar? (conteúdo)” evitando o retrabalho (e a vergonha) “ mas é claro que todo mundo sabe o que é benchmark ! explicar pra que?” “ clique aqui até descobrir o pixel que é botão e o que é enfeite” “ deveria ter um link ‘Recanto do Cliente’ de onde ele vai mandar email e ligar pra gente” “ olha que legal, a padaria vende até notebook!” “ o nosso objetivo é respeitar nossos clientes e prover os melhores serviços em ‘insira a categoria aqui’”

auto-crítica

como é a cultura do público do projeto?

a mensagem vai ser entendida claramente?

já existe alguma convenção para isso?

está bonito - mas é necessário ou faz sentido?

“ serve pra o que mesmo – é botão ou enfeite?”

“ a foto representa o que?”

“ o texto é só pra ter ou pra levar? (conteúdo)”

não acredita?

ainda não entendeu? http://www.youtube.com/watch ?v=hMgKp8D6NMg nada a ver ou tudo a ver?

enfim... as coisas mais importantes não são coisas é a experiência que define o que o público vai lembrar (e falar) do seu trabalho. foi ótimo, é como se soubessem o que eu queria e do jeito que eu queria! foi cansativo, não entendi bem o que queriam dizer.. é fácil de mexer, parecia que eu nasci pra isso. nem vi direito, não consegui descobrir o que fazer e perdi a paciência. afinal de contas, o cliente sempre tem razão. (cliente feliz, dinheiro na mão)

as coisas mais importantes não são coisas

Add a comment

Related presentations

Related pages

Escola de Semiótica: A experiência de Tártu-Moscou para ...

Escola de Semiótica: A experiência de Tártu-Moscou para o Estudo da Cultura (Irene Machado) Seminário para a disciplina Semiótica da Cultura ...
Read more

Semiótica – Wikipédia, a enciclopédia livre

A semiótica é um saber muito antigo, ... Terceiridade - primeiridade é a categoria que dá à experiência sua qualidade "distintiva", seu frescor, ...
Read more

Charles Sanders Peirce – Wikipédia, a enciclopédia livre

A Fenomenologia é a ciência que permeia a semiótica de Peirce, e deve ser entendida nesse contexto. ... independente do sujeito e da experiência".
Read more

Paula Fraga: A Semiótica

A Semiótica é a ciência geral dos signos, estudando todos os acontecimentos e linguagens culturais como fenômenos produtores de significado, ou seja ...
Read more

Semiótica, Design e Modernidade (Parte II) - YouTube

O conhecimento é uma forma de propo ... Semiótica, Design e Modernidade (Parte II) ... Aula de Semiótica Cláudio Rabelo parte 01 ...
Read more

Entre semiótica, semântica e semiologia, qual o lugar da ...

... essa experiência é codificada em uma grade, ... (nem por isso, a semiótica deixa de ser uma filosofia). É claro que, para isso, ...
Read more

SEMIÓTICA | CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: FENOMENOLOGIA ...

O Blog da disciplina de SEMIÓTICA dos alunos do 2º Ano de Ciências Sociais e Humanas da Universidade de Cabo Verde
Read more

ESCOLA DE SEMIOTICA - A EXPERIENCIA DE - Livraria Cultura

ESCOLA DE SEMIOTICA - A EXPERIENCIA DE. Autor: MACHADO, IRENE (0 Avaliações) R$ 36,00. Adicionar a minha lista de desejos. Produto disponível. Últimas ...
Read more

Semiotica Studio – Spain & Latam

Semiotica Studio Spain & Latam ¿Semiótica/Semiotics? Somos/We are; Research & Consultancy; ... Esta web utiliza cookies para mejorar tu experiencia.
Read more