Seminário paty aula 6

50 %
50 %
Information about Seminário paty aula 6
Education

Published on March 1, 2014

Author: neubertpaty

Source: slideshare.net

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Educação Departamento de Ciência da Informação Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Mestrado em Ciência da Informação Disciplina: PCI410008 – Tópicos Especiais: Informação em Acesso Aberto Professora: Dra. Rosângela Schwarz Rodrigues Seminário – Aula 6 - 24 de agosto de 2011 Temática: Produção Científica Patricia da Silva Neubert

Leitura recomendada ABADAL, Ernest. et al. Open access in Spain. In: ANGLADA, Lluís; ABADAL, Ernest. Open access in Southern European countries. Madrid: FECYT, 2010. cap. 7, p. 101-115. Acesso Aberto na Espanha (ABADAL, et al., 2010)

Estrutura da Apresentação 7.1 Introdução 7.2 Periódicos científicos 7.3 Repositórios 7.4 Políticas 7.4.1 Mandatos (regulamento) 7.4.2 Prestação de serviços 7.4.3 Comunicação e divulgação 7.4.4 Os incentivos econômicos 7.4.5 Coordenação Institucional 7.5 Conclusões 7.5.1 Periódicos 7.5.2 Repositórios 7.5.3 Políticas

7.1 Introdução A história do acesso aberto (OA) na Espanha remonta o início de 2000 e inclui a criação de repositórios e a adesão as iniciativas internacionais. O primeiro repositório de acesso aberto foi criado pelo CBUC (Consórcio de Bibliotecas Universitárias da Catalunha), em 2001, para o arquivamento de teses de doutorado: TDX (Tesis Doctorals en Xarxa). A Espanha também foi participante ativa na criação do E-LIS em 2003. Desde 2006 o número de repositórios tem mostrado um crescimento sustentado, passando de 12 para os atuais 62 (Busca Repositórios), 63 (OpenDOAR) e 65 (Roar).

7.1 Introdução

7.1 Introdução Em 2008, FECYT (Fundação Espanhola para Ciência e Tecnologia) e Rebiun (Rede Espanhola de Bibliotecas Universitárias) criam o Recolecta – coletor de informações acadêmicas. O objetivo do projeto é promover e coordenar uma rede integrada de repositórios digitais em acesso aberto e a divulgação e preservação da produção científica espanhola. desenvolvimento de serviços e funcionalidades (estatísticas, citações, avaliação) interoperabilidade dos repositórios (normas, protocolos e diretrizes internacionais). Recolecta é a primeira abordagem a nível nacional para coordenar a infra-estrutura de repositórios espanhóis e seu relacionamento com o desenvolvimento internacional de uma infra-estrutura global de repositórios.

7.1 Introdução Duas grandes iniciativas internacionais têm marcado a adoção do acesso aberto na Espanha: Em 2003, o Ministério da Educação, Cultura e Desporto das Ilhas Canárias foi a primeira instituição espanhola a assinar a Declaração de Berlim; Em 2004, a Universidade de Barcelona tornou-se o representante espanhol e promotor ativo das licenças Creative Commons. A importância do acesso aberto como um objeto de estudo na Espanha é mostrado na publicação, na realização de conferências específicas, e na criação de grupos de usuários e blogs dedicados ao acesso aberto e aos repositórios.

7.2 Periódicos científicos As principais fontes utilizadas foram: Diretório do CSIC (Spanish National Research Council); Latindex (Sistema regional de información en línea para revistas científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal); Ulrich; DOAJ (Directory of Open Access Journals). Outras fontes úteis são os estudos de Adelaida Román (2005), Julia Osca et al. (2008), e Abadal (2007). Os dados quantitativos devem ser considerados aproximados. Além dos periódicos científicos publicados na Espanha, há, naturalmente, um número grande e crescente de autores espanhóis publicando em revistas internacionais.

7.2 Periódicos científicos O número de documentos espanhóis publicados em periódicos internacionais abrangidos pela Web of Science subiu de 11.000 em 1990 para 58.000 em 2008. 52.000 documentos espanhóis no SCImago em 2008. A produção do conhecimento científico cresceu de 1,77% em 1995 para 2,44% em 2002 e quase 3% em 2006. Melhoria de posição no ranking internacional (Thomson Scientific de acordo com MOYA, 2008) 10ª posição no período 1996-2006 9ª posição no período 2000-2010 Os dados sobre o número total de revistas científicas publicadas na Espanha variam consideravelmente de acordo com a fonte: 2.014 títulos em Ulrich 2281 no diretório do CSIC 2822 em Latindex

7.2 Periódicos científicos Ao contrário dos principais mercados (Estados Unidos, Reino Unido, Holanda e Alemanha), editoras comerciais são responsáveis ​por menos de um quarto dos títulos na Espanha. Os restantes são publicados por editoras sem fins lucrativos (universidades, centros de investigação públicos, sociedades científicas e associações profissionais).

7.2 Periódicos científicos As Ciências Sociais e Humanidades são os temas predominantes cobertos pelos periódicos. Biomedicina, Ciências e Tecnologia são os campos mais globalizados (os autores publicam em revistas internacionais). Uma das maneiras de medir a qualidade das revistas é indicado pela sua indexação em bases de dados.

7.2 Periódicos científicos A Web of Science inclui 165 revistas espanholas (Janeiro 2010) Em 2008 eram 53, em 2009, 37 novas revistas foram acrescidas (a cobertura da produção científica espanhola neste índice subiu 70% em um ano). Scopus - 257 revistas científicas espanholas. Latindex - 1.365 periódicos de qualidade científica (42,6% do total)

7.2 Periódicos científicos Ulrich indica que 860 das revistas espanholas (42,3% do total) são acessíveis on-line. O diretório DOAJ inclui um total de 293 revistas publicadas na Espanha em acesso aberto. Ulrich diretório inclui 271 periódicos científicos em acesso aberto publicadas na Espanha (13,3% do total de 2.032).

7.2 Periódicos científicos As organizações responsáveis por essas revistas são:

7.2 Periódicos científicos As políticas de direitos autorais e de auto-arquivamento das revistas são fornecidas pelo banco de dados Dulcinea, criado em 2008. Informações de 809 revistas científicas espanholas: o auto-arquivamento é permitido por 76,15% das revistas, com as seguintes opções: pré-print (0,98%), post-print (81,90%) e pré-print e post-print (17,10%).

7.3 Repositórios As principais fontes utilizadas foram: BuscaRepositorios; OpenDOAR; ROAR. Nos últimos anos tem havido um aumento no número de repositórios e no número de objetos digitais neles depositados.

7.3 Repositórios O número de repositórios da Espanha é de 63 de acordo com OpenDOAR, 62 de acordo com BuscaRepositorios e 65 de acordo com ROAR. A grande maioria dos repositórios são razoavelmente novos, 35,48% criados nos últimos dois anos, e 74,19% nos últimos quatro anos.

7.3 Repositórios Universidades e centros de pesquisa são predominantes entre as instituições que criaram repositórios, com 43, representando 69,3% do total. Artigos de periódicos e teses são predominantes entre os documentos incluídos nos repositórios, embora o número de objetos de aprendizagem venham aumentando.

7.3 Repositórios Dspace é claramente a plataforma de tecnologia predominante: Há dois prestadores de serviços: Hispana (criado em 2006, pelo Ministério da Cultura) e Recolecta (criado em 2008 por REBIUN e FECYT).

7.3 Repositórios

7.3 Repositórios

7.4 Políticas Políticas de acesso aberto perseguem dois objetivos principais: ajudar os pesquisadores a arquivar suas publicações em repositórios encorajá-los a publicar em periódicos em acesso aberto. As políticas de acesso aberto não são conhecidas e a informação disponível sobre elas é escassa. Principais ações realizadas em Espanha no momento. 7.4.1 Mandatos (regulamento) - são claramente os mais eficazes 7.4.2 Prestação de serviços 7.4.3 Comunicação e divulgação 7.4.4 Os incentivos econômicos 7.4.5 Coordenação Institucional

7.4.1 Mandatos (regulamento) Atualmente, há três mandatos para a disseminação em acesso aberto de resultados de pesquisa com financiamento público: -As universidades da Comunidade de Madrid (Universidade Complutense, Universidade Carlos III, Universidade Rei Juan Carlos e Universidade de Alcalá) em conjunto com a Universidade Nacional Espanhola de Educação a Distância (UNED) e do CSIC. É obrigatório fornecer o acesso aberto aos resultados da investigação financiada por essas universidades. - O Principado das Astúrias. Este mandato tem um escopo amplo, pois envolve todos os conselhos de governo regional.

7.4.1 Mandatos (regulamento) -A Universidade Politécnica da Catalunha (UPC, 2009). Este é o mandato mais importante. Exige que os acadêmicos e as equipes de pesquisas da universidade depositem suas publicações em seu próprio repositório institucional. O projeto de lei provisória da Lei de Ciência e Tecnologia (2010) inclui uma seção sobre acesso aberto para a ciência que incentiva a criação e o desenvolvimento de repositórios e a disseminação em acesso aberto dos resultados de pesquisas com financiamento público.

7.4.2 Prestação de serviços Plataformas para disseminar revistas científicas O objetivo é dar visibilidade e acesso a revistas espanholas. RACO Scielo España e-Revistas RECyT Escritórios fornecendo conselhos sobre o acesso aberto Unidades ou escritórios oferecem conselhos sobre divulgação, acesso aberto e os aspectos legais da publicação. Instituto Conhecimento Aberto (Universidade de Salamanca) Serviço de Disseminação do Conhecimento (Universidade de Barcelona) Serviço de Propriedade Intelectual (SEPI) da Universidade Politécnica da Catalunha

7.4.2 Prestação de serviços

7.4.2 Prestação de serviços

7.4.2 Prestação de serviços

7.4.2 Prestação de serviços

7.4.3 Comunicação e divulgação Campanhas institucionais A maioria das universidades e centros de pesquisa têm realizado campanhas de promoção, normalmente relacionadas com a criação de um repositório ou a aprovação de regulamentos sobre o acesso aberto. Conferências e seminários Desde de 2007 há conferências sobre uma variedade de assuntos que incluem sessões sobre o acesso aberto. Há uma conferência nacional sobre repositórios (OSREPOSITORIOS), e seminários específicos em muitas universidades.

7.4.4 Os incentivos econômicos Distribuição orçamentária baseada em ações de acesso aberto Os critérios para a atribuição de orçamentos para departamentos e institutos de pesquisa incluem aspectos relacionados ao acesso aberto. Subvenções diretas para o auto-arquivamento em repositórios Conceção de subvenções diretas aos departamentos e grupos de pesquisa de acordo com o número de documentos depositados no repositório institucional. Assinatura institucional para portais OA Bibliotecas acadêmicas e portais de apoio a pesquisa. Pagamento por publicação pode ser feita individualmente, mas as instituições também podem pagar uma taxa de modo coletivo para que os seus autores possam publicar seus projetos individuais a um custo menor.

7.4.5 Coordenação Institucional Estabelecimento de políticas e ações conjuntas As políticas adotadas por consórcios e grupos de organizações são mais eficazes do que as de organizações isoladas. Exemplos disso são: - O acordo das universidades da Comunidade de Madrid levou à aprovação de vários mandatos. - O acordo do CIC (Inter-University Council of Catalonia). Promovido pela CBUC e aprovado pela CIC estabelece um mandato a partir de 2011 (as universidades devem especificar as condições). Adesão a declarações e manifestos A Declaração de Berlim é talvez um dos mais emblemáticos em favor da de acesso aberto. No início de 2009 cerca de 25 instituições Espanholprincipalmente universidades e centros de pesquisa, tinham assinado.

7.5 Conclusões 7.5.1 Revistas O número de revistas científicas é de cerca de 3.000 títulos. Grande número de autores publicam periódicos internacionais. Editoras comerciais são uma pequena parte do montante total (22%). 40% das revistas são digitalizadas. 15% em acesso aberto. Devido ao tipo de editores envolvidos (75% são não-comercial) não deve ser muito difícil o progresso do acesso aberto se forem prestadas informações suficientes sobre suas vantagens.

7.5 Conclusões 7.5.2 Repositórios O número e a taxa de criação de repositórios, indicam que a Espanha está avançando na criação de infra-estruturas em acesso aberto. Universidades são as principais promotoras de repositórios. O setor da saúde, que representa 40-50% de todas as publicações científicas, tem sido deixado de fora deste progresso. O conteúdo dos repositórios existentes deve ser aumentado, mas isso vai depender em grande parte das políticas institucionais que são adotadas.

7.5 Conclusões 7.5.3 Políticas Existem poucas políticas e elas não são muito rigorosas. Uma boa notícia é que haverá no futuro uma seção sobre acesso aberto na Lei da Ciência, mas será de pouca utilidade se o acesso livre não for promovido por agências de avaliação da pesquisa. Necessário que os pesquisadores demostrem maior consciência e iniciativa.

Obrigada!

Add a comment

Related presentations

Related pages

Seminario IBBA-Aula Virtual - Vimeo: Watch, upload and ...

6 Clase de la materia de grado "Temas de Teología del AT", dictada por el Mgter. ... Seminario IBBA-Aula Virtual . Created by Aula Virtual IBBA Plus
Read more

SEMINARIO 6 PERIODO 20 DE FEVEREIRO ( 4 AULA ) - Download ...

SEMINARIO 6 PERIODO 20 DE FEVEREIRO ( 4 AULA )download from 4shared
Read more

Seminario Saber - "Missiologia." (AULA 6) - YouTube

Seminario Saber - "Missiologia." (AULA 6) Batista Renascer. Subscribe Subscribed Unsubscribe 2,665 2K. Loading ... Standard YouTube License ...
Read more

STM - Seminário Teológico Maranata - Aula 6 by Vinicius ...

STM - Seminário Teológico Maranata - Aula 6. ... Seminário Teológico Maranata ... Teologia Contemporânea - Aula 5. O Deismo. More prezis by author
Read more

Aula 06: Não haverá (Seminário Doutoral) - Curso de ...

Aula 06: Não haverá (Seminário Doutoral) Aula 07 - Pensando Estrategicamente. Aula 08 - Uso da Força por atores não estatais. Aula 09 - Terrorismo.
Read more

Vídeo aula 01 - Seminário - YouTube

Standard YouTube License; Loading ... Vídeo Aula Seminário Temático Práticas Pedagógicas ... Aula 6: Vozes verbais - Duration: ...
Read more