reflexões sobre néo realismo

50 %
50 %
Information about reflexões sobre néo realismo
Education

Published on March 15, 2014

Author: Equipemundi2014

Source: slideshare.net

1 Reflexões sobre o Neo-Realismo e um artigo de Fernando Lopes-Graça para a Revista Vértice (1949) Márcio Páscoa1 Resumo: Uma das maiores preocupações do movimento Neo-realista era a aproximação da arte com o público. No palco dos debates do movimento acontecidos no auge da linha dura da política salazarista foram questionados fortemente os valores nacionais, estéticos e pedagógicos vigentes em Portugal. Lopes Graça publicou, em 1949 na revista Vértice, o conteúdo de uma palestra sua na Academia de Amadores de Música em que põe em causa estes assuntos. Palavras-chave: Neo-realismo; Fernando Lopes-Graça; Música Em maio de 1949, o número 69 da revista Vértice, editada em Coimbra, trouxe o conteúdo de uma palestra realizada por Fernando Lopes-Graça na Academia de Amadores de Música, ocasião que precedeu uma apresentação do Coro do Grupo Dramático Lisbonense, que desempenharia algumas das canções populares portuguesas a que o autor dedicara-se. O artigo da publicação coimbrã intitulou-se «Valor estético, pedagógico e patriótico da canção popular portuguesa» e chamou-me bastante a atenção pela coincidência com os temas de preocupação com a corrente neo-realista em franca atividade àqueles dias. No decorrer do exame de algumas tendências estéticas do século XX, resultantes de um interesse sobre as origens destas no século XIX, de minha mais detida apreciação, deparei-me com o curso do Neo-realismo português e a tese que lançavam seus agentes, proclamando diferenças entre seu movimento e o Naturalismo, bem como as manifestações do Realismo precedente. As máximas de Mário Dionísio para o Neo-Realismo admitiam a sua vinculação ao Romantismo e ao Realismo do século anterior, mas de maneira a descrever a realidade tal qual se mostra, intentando modifica-la para uma situação idealizada. Dizia ele tratar-se em verdade de um Novo Humanismo e com isso o Neo-Realismo não era apenas a crítica à burguesia e suas convenções, que o Realismo pregara, ou ainda a fuga romântica da realidade 1 Doutor em Ciências Musicais Históricas pela Univerdidade de Coimbra, Mestre em Musicologia pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. É professor do curso de música da UEA, onde ministra as disciplinas Linguagem e Estruturação Musical IV, História da Música I, Música Brasileira e Prática Orquestral.

2 do movimento mais antigo. Cabia ao Homem então a tomada de posição consciente, pela defesa dos interesses da coletividade, do bem comum. O Neo-Realismo «não compreende o homem desligado da vida social e encara-o, portanto, de um ângulo diferente de observação, mas deseja também o maior aprofundamento do indivíduo. Serve-se de todas as descobertas fecundas do interiorismo e apenas rejeita o que lhe parece tão só fruto de uma imaginação sem controle» [Torres, 1977, p.66]. O próprio Lopes-Graça, num acérrimo escrito seu sobre o fado, anos antes já admitira que «todo sentimento é legítimo... [e a sua variedade] psicologicamente tão admissível, tão natural, tão humana» [Lopes-Graça, 1978, p.226], mas que isso nada tinha «que ver com uma classificação ética dos sentimentos» [Idem]. Obviamente porque que tal classificação surge dos componentes ideológico-culturais que revestem os agentes artísticos. Estavam ambos a refletir as afirmações de Bento de Jesus Caraça, para quem: a vida orgânica da sociedade deixou de ter direção efetiva . As consequências do que assim é diagnosticado não são menos claras: é o espectro da guerra tornado meio de solução de conflitos tornados contraditórios pela imediatidade de interesses que agem por si próprios, sem uma direção cultural que os reconduza a finalidades que trascendam o imediato [Pita, 1996, p.13] A necessidade da dialética nesta relação entre o Homem e a Arte afastava a hipótese de se confundir o movimento neo-realista com o Naturalismo e expressões precedentes. [Sousa, 1959, pp.162 e 166] Para os adeptos do Neo-realismo a concepção de seu movimento era: corresponder à leitura ou assimilação estética de novas problemáticas humanas levantadas pela contemporaneidade, revelando-se em múltiplas experiências pessoais e sensibilidades artísticas diversas, mas comumente estimuladas por uma visão materialista que, sobre a evolução dos acontecimentos histórico-sociais, se desenvolver no sentido de uma atividade consciente, incluída a ação criadora na arte.[Idem, p.23] Mais uma vez remetiam-se a Bento Caraça, para quem «Ciência, filosofia, arte, religiões, tem portanto uma raiz comum: a atividade social dos homens, ... e [que se] refletem

3 consequentemente nas mentalidades diferenciadas, nos eus intensificados, as condições gerais do meio físico e social em que foram criadas.» [Caraça, 1945, pp.273-276] A consciência da intervenção objetiva na realidade enfatizou-se justamente no Pós- Guerra, o momento da tomada do controle, quando aos neo-realistas não parecia mais haver dúvida de que era preciso denunciar as diferenças entre a vida, o meio e as necessidades dos poderosos contra os anseios populares. A estratégia foi, da literatura às artes visuais, o «redescobrimento» do povo. Não aquele que vivia sob as convenções da oficialidade ditada pelos governos ou da sociedade burguesa consumista, mas o trabalhador dos serviços menos prestigiados ou ainda melhor, o homem campesino, cujos valores estiveram esquecidos ou implicitamente encobertos sob pechas que não lhe correspondiam. Era precisamente, no entender de Armando Bacelar, um fator proeminente de aproximação entre arte e público.[Bacelar, Não por fazer algo palatável ao gosto mais fácil, não uma arte «facilitada», «adulterada» de valor crítico, mas uma arte que se comunicasse com o povo, algo mais orgânico, nos dizeres de um Bandeira. [Bandeira, 1949] Assim, segundo Vergílio Ferreira, a arte deveria até inserir os costumes e posturas típicos das gentes do povo e não a fala escorreita das linguagens clássicas e normatizantes, sendo permissíveis mesmo algumas «imperfeições».[Ferreira, 1945, pp.41-46] O mesmo Vergílio Ferreira a quem Lopes-Graça chamou de «artista, pedagogo de mérito e homem de bem», no artigo aqui em causa, quando se referiu à iniciativa de um grupo de canto popular em Portugal que o primeiro encetou no Porto. Estava realmente em causa no presente artigo da Vértice o que o título o diz muito bem. A orientação estética adequada, com o intuito pedagógico de difundir a arte resultariam no serviço patriótico de fazer o país descobrir-se e quiçá entender-se. Em «Valor estético, pedagógico e patriótico da canção popular portuguesa», Lopes- Graça começa por contar duas histórias a que chamou aparentemente banais, mas que identificou como significativas do «lamentável estado de consciência artística e, digamos mesmo, patriótica, de uma parte do nosso povo, como das nossas elites intelectuais.» [Lopes- Graça, No primeiro relato disse ter ficado transido de horror quando na travessia dos cacilheiros ouviu uma colônia balnear infantil toda a cantar «as piores banalidades revisteiras, fados e outras canções de proveniência duvidosa, na generalidade providas de letras de gosto e idade ainda mais duvidosos». [Idem] Considerou isto um reflexo do que as crianças ouvem à sua volta, ou pior, que aquilo era o que lhe haviam ensinado. Salvaguardando iniciativas

4 como as de Vergílio Ferreira, denuncia mesmo o largo uso das cochiches revisteiras em desfavor do folclore infantil que considerava mais educativo. [Ibidem] No segundo relato, Lopes-Graça falou do constrangimento passado num congresso europeu quando nos momentos lúdicos ao lado de intelectuais de outras nacionalidades, mal conseguiram os portugueses cantarolar suas canções folclóricas, temendo aqui o músico que fossem parar no «fadinho» [Ibidem, p.270] A interrogação que se fez no congresso sobre a existência ou não de canções características portuguesas não provocou unicamente o constrangimento. Como reflexo disto, Lopes-Graça reconheceu posteriormente e em especial neste artigo, que o setor intelectual estava divorciado, como também as classes cultas estavam, do povo e das manifestações populares, tanto na literatura como nas artes.[Ibidem] Disse mesmo que «em geral o intelectual português pouco ou nada conhece do povo» e que quando o povo aparecia nas preocupações dos intelectuais e artistas era tão somente com intenção pitoresca. [Ibidem] Mais que isso, Lopes-Graça atribuiu ao setor intelectual português uma vergonha contra tudo que tivesse a origem popular: Para estes intelectuais a cultura é por assim dizer uma questão de boas maneiras, de polícia do espírito, um produto superior de civilização que não admite contatos com o vulgo, com aquelas forças telúricas que se acham ainda próximas do primitivismo animal. Voltar-se para as coisas do povo é, assim, uma ofensa à dignidade da cultura e o nosso intelectual de maneira nenhuma deseja passar por menos culto aos olhos dos seus pares ou das gentes polidas que constituem a sua roda de admiradores, descendo um momento à praça pública para cantar uma canção beirã ou alentejana, coisa apenas do povo e que entre o povo deve ficar [Idem, p.271] O complexo de superioridade, disse o músico, estava por certas camadas da capital e da burguesia do país, que adotava costumes pseudo civilizados. Chamou o lisboeta de provinciano, principalmente por ter horror naquilo que menos o desdouraria, as suas canções genuinamente populares, preferindo o fado das vedetas às manifestações folclóricas, admissíveis somente como pitoresco indígena. [Ibidem] Já mencionado mais de uma vez aqui o fado, em circunstâncias que não lhe favorecem, deve-se lembrar das reservas que Lopes-Graça tinha ao gênero, a que dedicou um artigo intitulado «Variações sobre o fado» [Lopes-Graça, 1978, pp.221-228], escrito doze

5 anos antes deste que se está a gizar aqui. Naquele ensaio de 1937 reclamava dentre muitas coisas, de uma certa superficialidade grosseira, a mesma que denunciava nas iniciativas de concertos ditos populares, então em voga, e sobre os quais acidamente se opôs em escritos como «Cultura ou demagogia social?», de 1945. [Lopes-Graça, 1974] Enquanto era este uma iniciativa um tanto o quanto à simpatia da «política do espírito» que antes poderoso António Ferro pregara aos portugueses, aquele se impingia como representante musical nacional da alma portuguesa num dirigismo tipicamente fascista. No artigo para a Vértice, não veio Lopes-Graça registrar somente o seu dissabor com o estado de coisas aludidas, mas as suas propostas efectivas que esteticamente o inscrevem ao lado de uma ação neo-realista. Ao cabo do escrito estão publicadas as partituras de Janela, canção popular de Trás-os Montes e Senhora do Amparo, canção popular da Beira Baixa, ambas harmonizadas por Lopes-Graça. Neste par de canções que deve ter constituído parte do concerto a que precedeu a palestra publicada na Revista Vértice, o compositor não exibe os elementos técnicos que a crítica de Macário Santiago Kastner asseverara em 1942 para alguma de suas obras, quais fossem os do acompanhamento demasiadamente sobrecarregado, tornando-o excessivamente espesso, [Kastner, 1942] bem como do abuso nos típicos cachos de segunda que o compositor usava áquela época: «A aplicação de dissonâncias extremamente duras e de técnicas problemáticas tornam a canção popular duma complexidade não intencionada», conclui Kastner.[Idem] Assim, talvez refletindo o teor de tais palavras e no compasso das discussões estéticas e ações artísticas que transcorreram nos anos 40, desenvolveu as partituras acima citadas, de 1949. Ficara claro para Lopes-Graça que o maior acesso delas se daria preservando a sua essência, do que «intelectualiznado-as». O propósito educativo também estava em conta: «Insisto em que a exploração e o estudo do nosso folclore musical poderia ser a base firme em que assentar um sério trabalho de educação musical da nossa gente» [Lopes-Graça, 1949, p.277], dizia ele. Quanto à tradição, via que para além daquela popular estavam ali contidas as influências do gregoriano e do árabe, ou seja da cultura passada que não se perdera, mas conservara-se ainda que transformada, na acepção popular. [Idem] Para o autor do hino do MUD, no ano em que Norton de Matos representou a esperançosa candidatura pela oposição democrática, suspeitosamente derrotada por Oliveira

6 Salazar, a sua maneira de reagir refletiu-se no uso intevencionista que fez através da obra de arte, por sinal, característica do movimento neo-realista. Não foi pois no grupo surrealista, cuja primeira exposição visual também se deu neste 1949, que amparou o discurso daquele seu momento, ainda que seja bem sabido que os surrealistas também apoiaram Norton de Matos e eram contrários ao Fascismo. Mas afinal os surrealistas eram fortemente acusados pelos neo-realistas de «incapazes de estabelecer válida conexão analítica com o mundo circundante», [Campos Lima, 1949] e isto não favorecia a conscientização do homem sobre suas circunstâncias. Era precisamente esta exigência de tese, tão diferente do Neo-realismo brasileiro, nascido no desenvolvimentismo, que parecia pesar na decisão de Lopes-Graça na ação artístico-intelectual de 1949. É verdade que durante algum tempo Lopes-Graça por vezes também foi visto em certo isolamento e em alguns momentos a sua ação lembra mais a idéia do Grupo dos Independentes do Norte, das Artes Plásticas, que entre 1943 e 1950, organizou as Exposições Independentes, dentre os quais Júlio Pomar e Abel Salazar são nomes expressivos pela relação com o pensamento novo-humanista, neo-realista. Mas são inequivocamente muitos os pontos da problemática Neo-realista que se percebem em discussão neste momento de Lopes-Graça: o Novo Humanismo, o envolvimento de Arte e Ideologia, com o ideário marxista-leninista ou socialista-marxista a latejar, a preocupação social tomando a frente das questões temáticas da obra de arte, a busca sem dogmas de uma união entre forma e conteúdo que satisfizesse aos princípios estético- ideológicos e o cheiro de «pólvora» do Neo-realismo, de que falou Sacramento: «o problema do Neo-realismo é sempre pólvora: ele é, há décadas, a única expressão possível de toda a problemática social portuguesa.» [Sacramento, 1974, p.87] . Bibliografia: BACELAR, A. A Arte e o Público, Vértice, vol.3, nº44, fev.1947. BANDEIRA, A. Arte popular e arte para o povo. Vértice, Vol.13, nº75,Coimbra, novembro de 1949. CAMPOS LIMA, M. Realismo, estética de progresso, Vértice, nº66, 1949. CARAÇA, B.J. Algumas reflexões sobre arte. (I). Seara Nova, nº 941. Lisboa, 25 de Agosto de 1945, Ano XXIV.

7 FERREIRA, V. Arte aristocrática e arte democrática. Vértice, vol.1, nº12/16, Coimbra, maio de 1945. LOPES-GRAÇA,.F. A música portuguesa e os seus problemas, Lisboa, Cosmos, 1974. _________________Reflexões sobre a Música, Lisboa, Cosmos, 1978. _________________Valor estético, pedagógico e patriótico da canção popular portuguesa, in Vértice, nº69, maio de 1949. PITA, A. P. Importância da imprensa periódica para o estudo do Neo-Realismo. In: A Imprensa Periódica na Gênese do Movimento Neo-Realista.(1933-1945). Vila Franca de Xira: Museu do Neo-Realismo, 1996. SACRAMENTO, M. Diário. Porto: Limiar, 1974. SANTIAGO KASTNER, M. As «Canções populares portuguesas», de Fernando Lopes Graça, Seara Nova , nº760, de 7 de março de 1942. SOUSA, E. Naturalismo e Realismo. Seara Nova, nº 1363. Lisboa, maio de 1959. Ano XXXVII. TORRES, A. P. O Movimento Neo-Realista em Portugal na sua Primeira Fase. Lisboa: Biblioteca Breve/Instituto de Cultura Portuguesa, 1977.

This document was created with Win2PDF available at http://www.daneprairie.com. The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.

Add a comment

Related presentations

Related pages

reflexões sobre néo realismo, SlideSearchEngine.com

1 Reflexões sobre o Neo-Realismo e um artigo de Fernando Lopes-Graça para a Revista Vértice (1949) Márcio Páscoa1 Resumo: Uma das maiores ...
Read more

Slide sobre Realismo - Documents

reflexões sobre néo realismo 1. 1 Reflexões sobre o Neo-Realismo e um artigo de Fernando Lopes-Graça para a Revista Vértice (1949) ...
Read more

Anisia Nascimento - educação: Literatura - Aula 9 ...

caracteristicas do néo realismo no filme em nome d... Português para ... Começamos um papo na semana passada sobre algumas aulas que temos nas ...
Read more

Slides Sobre o Realismo - Documents - DOCSLIDE.COM.BR

reflexões sobre néo realismo 1. 1 Reflexões sobre o Neo-Realismo e um artigo de Fernando Lopes-Graça para a Revista Vértice (1949) ...
Read more

Reflexões sobre o dramático e tudo que veio depois ...

Official Full-Text Publication: Reflexões sobre o dramático e tudo que veio depois. Poética em Fragmentos: Aristóteles, o espetáculo e seus duplos. on ...
Read more

ESTUDOS SOBRE O COMUNISMO

ESTUDOS SOBRE O COMUNISMO OS MOVIMENTOS RADICAIS DA ESQUERDA E A OPOSIÇÃO AO ESTADO NOVO. 20/Abril/2006 JPP. O Artista como Intelectual.
Read more

Fernando Salvino (M.Sc): Experimento de Visão Remota em ...

O presente ensaio parte de uma única experiência que foi fruto de reflexões ... a sensação de realismo e ... Das Novas Reflexões sobre o ...
Read more

Fernando Salvino (M.Sc): Sobre as Camadas e a Dinâmica da ...

Sobre as Camadas e a Dinâmica da Resistência no Acesso às Memórias de Vidas Passadas, o Ponto de Ruptura, o acesso ao Infinito e Transciência.
Read more

IDÉIAS PARA UMA DEFINIÇÃO DA FILOSOFIA SOCIAL E JURÍDICA

Nas reflexões de Montague, a lógica tão àsperamente discutida em ... O néo-realismo é recente e coexiste nos Estados Unidos da América
Read more