Rede/Conjuntura-Prof. Elimar P. Nascimento 9/7/16

50 %
50 %
Information about Rede/Conjuntura-Prof. Elimar P. Nascimento 9/7/16

Published on July 12, 2016

Author: LauraMagalhes1

Source: slideshare.net

1.   1   ANÁLISE  DA  CONJUNTURA  NACIONAL   Brasil,  09/07/20161   Elimar  Pinheiro  do  Nascimento2     Há  sinais  de  que  a  crise  econômica  chegou  ao  fundo  do  poço,  ou  os  pequenos  indícios3   não   são   sinais   do   fim   do   túnel,   mas   apenas   relampejos   de   vagalumes   no   meio   do   túnel?   A   conjuntura  nacional  é  marcada  por  uma  imensa  incerteza  em  seus  desdobramentos.  Sairemos   da   crise   mantendo   as   velhas   estruturais   ou   aproveitaremos   a   oportunidade,   que   a   crise   nos   proporciona,  para  as  transformarmos?  A  incerteza  não  é  novidade  quando  se  fala  de  futuro,   pois  esta  é  sua  residência  preferencial,  mas  atualmente  este  aspecto  é  exacerbado  por  dois   fatores.   O  primeiro  é  a  profunda  crise  que  vive  o  País,  e  de  múltiplas  dimensões:  política  (perda   de   representatividade   política   e   dificuldades   de   governabilidade),   econômica   (trajetória   negativa  do  PIB,  perda  de  investimentos,  crescimento  da  dívida  pública  e  baixa  expectativa),   ética   (denúncias   frequentes   de   corrupção   revelando   a   apropriação   indevida   de   somas   inimagináveis  de  recursos  públicos  por  dirigentes  de  empresas  estatais,  empresários,  partidos  e   políticos),  social  (alto  desemprego  e  crescente  criminalidade),  das  finanças  públicas  (déficit  de   170  bilhões)  e  da  ação  governamental  (ineficiência  crescente  do  SUS,  falência  do  aparato  de   segurança  pública  e  persistente  má  qualidade  da  educação  básica).  E  o  seu  nó  górdio  é  a  crise   politica,  a  profunda  descrença  no(s)  governo(s),  nos  políticos  e  seus  partidos4 .   O  segundo  é  a  variável  autônoma  da  Operação  Lava  Jato  e  correlatas,  que  por  meio  de   delações   premiadas   tem   revelado   ao   País   a   face   oculta   da   política   com   desvios   de   somas   astronômicas  para  fins  pessoais  ou  partidários.  A  sociedade  não  conhece,  ainda,  o  conteúdo   das   delações   premiadas   em   curso   ou   a   serem   feitas,   e   quais   as   suas   consequências   sobre   a   política.     A   marca   maior,   que   dá   o   fio   condutor   da   conjuntura,   porém,   são   os   processos   de   impeachment   da   Presidenta   Dilma   Rousseff   e,   secundariamente,   o   da   cassação,   em   andamento,   do   ex-­‐presidente   da   Câmara   dos   Deputados,   Eduardo   Cunha.   Particularmente   o   primeiro   divide   o   País.   Não   em   duas   partes   iguais,   mas   em   dois   lados   marcados   pela   intolerância  e  irracionalidade.     Contudo,  o  traço  mais  relevante  da  conjuntura  nacional  na  semana  passada,  reflete-­‐se   nos  sinais  de  robustecimento  da  frente  pelo  desmonte  do  combate  à  corrupção  levada  a  cabo                                                                                                                   1  Estas  notas  sintetizam  e  aprimoram  fala  na  reunião  do  Elo  Nacional  da  Rede  Sustentabilidade.  Elas  não   implicam   nenhum   compromisso   ou   posição   da   Rede,   pois   são   reflexões   apresentadas   a   título   de   contribuição  estritamente  pessoal.  Todas  as  falhas,  portanto,  são  de  minha  restrita  responsabilidade.     2  Sociólogo,   professor   do   Programa   de   Pós-­‐Graduação   em   Desenvolvimento   Sustentável   da   UnB   e   membro  da  Executiva  da  Rede  Sustentabilidade/DF.   3  A  inflação  de  junho  ficou  abaixo  do  esperado,  0,35%.  Menor  do  que  a  do  mês  anterior,  0,7%,  e  menor   do  que  a  de  junho  do  ano  passado.   4  A frustração dos brasileiros com a classe política piorou. Segundo pesquisa da agência Ketchum, 85% dizem ter menos confiança nos políticos agora do que há um ano. É a maior taxa em três anos de estudo (FSP, 09/07/2016).    

2.   2   pela  Polícia  Federal,  Ministério  Público,  juízes  como  Sérgio  Moro,  do  Paraná,  e  o  ministro  do   STF,  Teori  Zavascki,  entre  outros.  É  uma  frente  que  reúne  próceres  de  partidos  políticos  do  PT,   PMDB  e  PP,  os  mais  atingidos  pelas  investigações,  e  que  apesar  de  suas  enormes  diferenças   unem-­‐se  para  desmontar  a  operação.  Os  sinais  deste  traço?  No  Executivo,  o  deslocamento  de   policiais  conceituados  da  PF  que  estavam  a  frente  da  investigação,  como  Erika  Marena,  entre   outros,  com  clara  intenção  de  enfraquecer  as  investigações.  No  Parlamento,  o  presidente  do   Senado  retirou  da  gaveta  e  pôs  em  discussão  uma  lei  que,  sob  o  argumento  de  evitar  abuso  das   autoridades  públicas,  tenta  restringir  a  ação  investigatória.  Na  Câmara  dos  Deputados  as  10   propostas  de  lei  do  MP,  com  assinatura  de  milhares  de  brasileiros,  são  colocadas  em  Banho   Maria.  No  Judiciário,  juízes  e  instâncias  superiores  começam  a  soltar  empresários  e  políticos,   sem  argumentação  substantiva.  Estes  são  alguns  dos  sinais  visíveis.  Fala-­‐se  nos  corredores  do   Congresso  Nacional  de  outras  medidas  para  paralisar  as  investigações.  Medidas  que  contam,   sobretudo,  com  o  cansaço  da  sociedade,  saciada  de  denúncias  e  desesperançada  de  mudanças   substantivas,  tendo  em  vista  o  passado  dos  membros  do  governo  interino  e  os  desmantelos  do   anterior.   Os  prováveis  desdobramentos  desta  conjuntura,  objeto  de  debate  nacional,  são  três.   O  primeiro  é  a  derrota  do  impeachment  e  retorno  da  presidenta  afastada.  Probabilidade   pequena,   mesmo   porque   os   senadores   de   seu   partido   declaram   na   TV   que   consideram   um   golpe  a  sua  destituição,  mas  na  intimidade  de  seus  jantares  dizem  preferir  que  ela  não  retorne,   pois,  assim,  terão  a  narrativa  do  golpe,  da  vítima  e  da  defesa  dos  direitos  sociais.   O  segundo,  também  pouco  provável,  é  o  de  novas  eleições  presidenciais,  na  medida  em   que   os   indícios   de   uso   indevido   de   recursos   públicos,   mediante   licitações   “vendidas”   das   empresas  estatais  para  financiar  a  campanha  dos  vencedores  nas  eleições  de  2014,  aumentam.   Mas,   esta   via   não   depende   apenas   das   investigações,   sempre   lentas   quando   nos   tribunais   superiores,  mas,  sobretudo  de  duas  outras  variáveis,  o  desempenho  do  governo,  seja  o  interino   seja  o  suspenso,  e,  sobretudo,  da  mobilização  da  sociedade  civil.     O  desdobramento  mais  provável  é  o  da  aprovação  do  impeachment.  Se  consagrado,  o   presidente  Temer  terá  desafios  em  três  arenas  para  retirar  o  País  da  crise.     A   primeira   é   a   econômica.   Nela   Temer   tem   se   saído   mais   ou   menos   bem   com   a   nomeação  de  uma  equipe  de  profissionais  reconhecidos  pelo  mercado.  A  estratégia  definida,   da   busca   gradual   do   equilíbrio   fiscal,   parece   consistente,   na   dependência   das   medidas   que   serão  tomadas  para  sua  execução.  As  medidas  já  tomadas  pela  equipe,  entretanto,  ainda  não   garantem  sucesso,  em  particular,  pelas  injunções  políticas,  inclusive  da  interinidade,  pois  são   contraditórias.  De  um  lado  tentam  definir  limites  de  gastos  e  de  outro  ampliam  as  despesas   públicas.     Na  arena  política-­‐parlamentar  o  Presidente  interino  formou  um  governo  que  é  a  cara  do   Parlamento,  e  mais  especificamente  da  Câmara  dos  Deputados,  com  todos  os  traços  negativos   conhecidos:   as   marcas   do   conservadorismo   e   da   implicação   nas   investigações.   As   primeiras   batalhas   parlamentares   mostram   que   o   governo   interino   tem   muito   mais   capacidade   de   articulação  do  que  o  suspenso,  mas  sem  garantia  de  que  todas  as  medidas  serão  aprovadas.   Uma  derrota  já  ocorreu  e  outras  podem  vir.  Aqui,  o  sucesso  depende  em  parte  da  capacidade   politica   do   Temer   –   que   tem   se   mostrado   capaz,   com   telefonemas   e   atenções   seguidas   aos   parlamentares,   algo   que   a   Presidenta   na   sabia   ou   não   gostava   de   fazer   -­‐,   da   condução   da  

3.   3   presidência   provisória   da   Câmara   dos   Deputados   a   ser   eleita   na   semana   próxima.   Mas,   sobretudo,  dependerá  das  vitórias  alcançadas  na  economia  e  na  terceira  esfera.   A  terceira  arena  é  a  da  sociedade.  A  que  o  Presidente  interino  é  menos  afeito,  com  uma   imagem   muito   negativa,   confirmada   pelas   recentes   pesquisas   de   opinião   nas   quais   alcança   índices  pouco  acima  da  Presidenta  –  13%.  E  onde  encontrará  maiores  resistências,  haja  vista  a   capacidade  ainda  restante  do  PT  em  mobilizar  setores  específicos  como  parte  dos  sindicatos  de   trabalhadores  e  alguns  movimentos  sociais.    Espera-­‐se  que,  após  a  votação  do  impeachment,  os   confrontos  se  acirrem.  O  desafio  do  governo  será  o  de  desmontar  a  narrativa  petista  de  que  o   seu  governo  resulta  de  um  golpe  e  que  é  de  direita,  senão  de  extrema  direita,  como  na  velha   linguagem  política.  Ou  seja,  um  governo  contrário  aos  direitos  dos  trabalhadores  e  a  maioria  da   população.  Apesar  das  medidas  fortes  que  terá  que  adotar  para  produzir  o  equilíbrio  nas  contas   públicas  não  será  de  todo  espantoso  que  consiga  obter  sucesso  nesta  arena.  O  aumento  dos   recursos  para  o  Bolsa  Família,  a  concessão  dos  aumentos  aos  servidores  antes  acordados  e  a   parcimonioso  corte  nos  gastos  públicos,  aprovando  uma  reforma  orçamentária  que  prevê  um   déficit  de  170  bilhões  de  reais  para  este  ano  e  de  139  para  o  próximo  mostram  sua  disposição   de   ganhar   a   batalha   também   nesta   arena.   Não   será   um   feito   fácil,   mas   também   não   será   impossível.   É  mais  ou  menos  consensual  que  o  Brasil  sairá  dessas  múltiplas  crises  que  vive,  discorda-­‐ se  mais  sobre  a  data,  o  momento.  Julgo,  porém,  que  o  mais  importante  é  como  sairemos  da   crise.   Neste   campo   há   duas   possibilidades.   A   primeira   é   sairmos   sem   iniciar   uma   mudança   substancial  das  velhas  estruturas,  ou  seja,  sem  uma  mudança  na  forma  de  escolhermos  nossos   representantes,   com   um   Estado   burocrático   e   apropriado   por   corporações,   com   um   sistema   educacional   inoperante,   com   serviços   de   saúde   lastimáveis,   e   uma   profunda   desigualdade   social.  Ou  se  sairemos  da  crise  numa  trajetória  de  mudanças  substanciais  do  País,  iniciando-­‐as.   Claro  que  o  Temer  visa  a  primeira  alternativa,  mantendo  a  desigualdade  social  e  a  apropriação   privada  do  Estado.  Porém,  mesmo  aqui  deveremos  estar  atentos  a  surpresas.   Perguntado  sobre  qual  a  minha  opinião  sobre  a  posição  da  Rede,  respondi  de  forma   absolutamente   pessoal   e   de   improviso,   o   que   aqui   apresento   de   forma   um   pouco   mais   sistematizada,  mas  sempre  estritamente  pessoal.   No  meu  ponto  de  vista  a  Rede  representa  o  novo  na  política  brasileira,  mas  não  deve  ter   pressa   em   ter   parlamentares,   governantes,   poder   de   Estado.   Esta   pressa   pode   levar   a   sua   destruição,  ou  seja,  deixar-­‐se  aprisionar  pelas  ideologias  dominantes,  ser  sugado  pelas  velhas   práticas.  Como  velho  gramsciano,  prefiro  que  ganhemos  mais  autoridade  no  campo  moral  e   intelectual  em  estreito  diálogo  com  a  população  brasileira,  em  particular  com  os  jovens.  Outros   partidos  tentaram  mudar  a  velha  politica  e  por  ela  foram  mudados.  Chegaram  ao  poder,  mas   para  fazer  a  política  dos  adversários  e  não  a  sua.     Na  atual  conjuntura  o  mais  importante  é  buscar  a  saída  com  mudanças,  apoiando  o  que   for  neste  sentido  em  qualquer  que  seja  o  governo,  e  criticando  tudo  o  que  for  em  direção  a   conservação  das  velhas  e  injustas  estruturas.  Para  isso,  é  preciso  estar  atento,  e  se  mobilizar,   em  primeiro  lugar  contra  o  desmonte  da  Lava  Jato  e,  em  segundo,  na  construção  de  propostas   claras  quanto  às  mudanças  estruturais:  política,  fiscal,  tributária,  trabalhista,  previdenciária  e,   sobretudo,  no  campo  da  educação  e  da  inovação.  Mas,  também,  no  campo  de  um  novo  modelo   econômico,  comprometido  com  a  descarbonização,  a  desmaterialização  e  a  desmercantilização   da   economia,   assim   como,   com   a   criação   de   uma   maior   equidade   social.   Um   modelo  

4.   4   sustentado  na  alta  escolaridade  para  todos,  na  capacidade  de  inovação  e  na  democratização  da   politica,   do   acesso   aos   serviços   públicos   e   aos   bens   culturais.   E   construir   as   propostas   em   estreito   diálogo   com   a   sociedade,   promovendo   um   grande   debate   sobre   como   queremos   e   podemos  construir  um  Brasil  decente.      

Add a comment

Related pages

Cidadão documenta para todos | Facebook

Cidadão documenta para todos. 74 likes · 15 talking about this. Movimento cidadão para transparência e compartilhamento de informações que sejam de...
Read more