advertisement

OS Lusíadas

67 %
33 %
advertisement
Information about OS Lusíadas
Books

Published on March 10, 2014

Author: SamuelRosa1

Source: slideshare.net

Description

OS Lusíadas
advertisement

“OS LUSÍADAS”

“OS LUSÍADAS” Uma das quatro grandes epopeias universais.  Epopeia – É uma narrativa em verso dos feitos grandiosos de um indivíduo ou de um povo. - é sempre um relato de acontecimentos (narrativa); - o assunto deverá ter um carácter excepcional; - os eventos exigem um agente, pouco importando que se trate de um indivíduo ou de uma colectividade; - a utilização de um estilo elevado, correspondente à grandiosidade do assunto, e que se traduz na selecção vocabular, na construção frásica extremamente elaborada e na abundante utilização de recursos estilísticos, é característica deste género literário.

“OS LUSÍADAS”  Epopeia primitiva – narram as glórias de um grupo em que sobressai um ou mais heróis, quando ainda não estava bem definida a noção de Estado. São pois os heróis que dominam a narrativa.  Epopeia de imitação – narra as glórias de um estado organizado. Os heróis perdem a força e o relevo pois tornam-se agentes da glorificação de um estado (país).  Epopeias primitivas – “Ilíada” e “Odisseia” de Homero  Epopeias de imitação: - “Eneida” de Vergílio (gloriosa época de Augusto) - “Os Lusíadas” de Camões (os descobrimentos e os portugueses)  Como surgiu? - já no “Cancioneiro Geral” de Garcia de Resende se preconizava a elaboração de uma epopeia nacional, que exaltasse os feitos dos portugueses, como demonstração evidente da força humana, do domínio da inteligência do homem sobre os elementos da natureza (antropocentrismo) – elemento humanista.

“OS LUSÍADAS” 1º: Título – a palavra não é erudita. Já num texto latino anterior se lera: “A partir do nome Luso, donde proveio também Lusitânia, chamámos Lusíadas aos lusitanos”. - Lusíadas são os lusos, donde se conclui que Camões pretendeu fazer dos portugueses o herói colectivo da obra. Herói colectivo (argumentos) 2º: Comparação do primeiro verso com o mesmo da “Eneida” Eneida – “Arma virumque cano” (canto as armas e o varão) Lusíadas – “As armas e os barões assinalados … cantando espalharei por toda a parte”  o plural acentua o herói colectivo 3º: verso 21 (terceira estrofe): “Que eu canto o peito ilustre Lusitano, A quem Neptuno e Marte obedeceram:”

“OS LUSÍADAS” ESTRUTURA EXTERNA  Dez cantos, cada um com cerca de 110 estrofes (1102 no total);  As estrofes são oitavas;  Os versos são decassílabos heróicos (6ª e 10ª sílabas);  O esquema rimático é "abababcc“  Rimas cruzadas, nos seis primeiros versos, e emparelhada, nos dois últimos. ESTRUTURA INTERNA  Proposição – o poeta apresenta sucintamente o assunto. Refere a sua proposta;  Invocação – o poeta invoca as ninfas do Tejo e pede-lhes estilo e arte para tão grande tarefa;  Dedicatória – dedica a sua obra ao rei D. Sebastião (não faz parte da estrutura clássica);  Narração - Núcleo da epopeia. O poeta procura concretizar aquilo que se propôs fazer na "proposição".

“OS LUSÍADAS” Estrutura narrativa A narrativa desenvolve-se em quatro planos diferentes, mas estreitamente articulados entre si:  Plano da viagem;  Plano da mitologia;  Plano da História de Portugal;  Plano das considerações do poeta.  Plano da viagem - A acção central do poema é a viagem de Vasco da Gama para a Índia. Escrevendo mais de meio século depois, Camões tinha já o distanciamento suficiente para perceber a importância histórica desse acontecimento, devido às alterações que provocou, tanto em Portugal, como na Europa.

“OS LUSÍADAS” Estrutura narrativa (cont.)  Plano da mitologia (conflito entre os deuses pagãos) – Camões imaginou um conflito entre os deuses pagãos: Baco opõe-se à chegada dos portugueses à Índia, pois receia que o seu prestígio seja colocado em segundo plano pela glória dos portugueses, enquanto Vénus, apoiada por Marte, os protege. Objectivo: classicismo – quebrar a monotonia – glorificar os portugueses  Plano da História de Portugal – O objectivo era enaltecer todo o povo e não apenas um ou alguns dos seus representantes mais ilustres. Introduziu na narrativa todas aquelas figuras e acontecimentos que, no seu conjunto, afirmaram o valor dos portugueses ao longo dos tempos. - Narrativa de Vasco da Gama ao rei de Melinde; - Narrativa de Paulo da Gama ao Catual; - Profecias.

“OS LUSÍADAS” Estrutura narrativa (cont.) Narrativa de Vasco da Gama ao rei de Melinde - Vasco da Gama localiza o reino de Portugal na Europa e conta-lhe a História de Portugal até ao reinado de D. Manuel. Conta-lhe também a sua própria viagem desde a saída de Lisboa até chegarem ao Oceano Índico, visto que a narrativa principal se iniciara "in media res" , isto é quando a armada já se encontrava em frente às costas de Moçambique. Narrativa de Paulo da Gama ao Catual - Em Calecut, uma personalidade hindu (Catual) visita o navio de Paulo da Gama, que se encontra enfeitado com bandeiras alusivas a figuras históricas portuguesas. O visitante pergunta-lhe o significado daquelas bandeiras, o que dá a Paulo da Gama o pretexto para narrar vários episódios da História de Portugal. Profecias - Os acontecimentos posteriores à viagem de Vasco da Gama não podiam ser introduzidos na narrativa como factos históricos. Para isso, Camões recorreu a profecias colocadas na boca de Júpiter, Adamastor e Thétis, principalmente.

“OS LUSÍADAS” Estrutura narrativa (cont.)  Plano das considerações do poeta – Por vezes, normalmente em final de canto, a narração é interrompida para o poeta apresentar reflexões de carácter pessoal sobre assuntos diversos, a propósito dos factos narrados. Articulação dos planos narrativos A acção central é a viagem de Vasco da Gama. Assim, a História de Portugal é articulada pelo processo de encaixe na acção central. Já o plano mitológico é articulado pelo processo de alternância com o plano da viagem de Vasco da Gama. História Viagem Viagem Mitologia Narrativa alternânciaencaixe

“OS LUSÍADAS” Narradores na obra Camões – nas suas considerações mas mesmo quando são os outros a sua presença é evidente. É heterodiegético, de 3ª pessoa, pois não intervém nas acções narradas. Vasco da Gama – quando narra a História de Portugal ao Rei de Melinde. Paulo da Gama – quando conta o significado das bandeiras portuguesas ao Catual. Thétis e outros – narram acontecimentos futuros da História de Portugal posterior a Vasco da Gama, só possíveis de serem contado por seres divinos. Todos estes são homodiegéticos pois são participantes na acção central.

“OS LUSÍADAS” Espaço na obra Acção central - caminho marítimo para a Índia. Destacam-se: - Belém (praia das lágrimas); - Melinde (porto acolhedor no Oceano Índico); - Calecut (ponto de chegada) História de Portugal - todo o território nacional. Tempo na obra Acção central – presente; História de Portugal – passado; Profecias – futuro. - O tempo da história não é rectilíneo pois a narração começa “in media res”; - Só no Canto V se relata a despedida em Belém e a viagem (analepse); - No Canto X, Thétis narra futuros feitos dos portugueses (prolepse).

1 As armas e os barões assinalados Que, da ocidental praia Lusitana, Por mares nunca dantes navegados Passaram ainda além da Taprobana, Em perigos e guerras esforçados Mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram Novo Reino , que tanto sublimaram; 2 E também as memórias gloriosas Daqueles Reis que foram dilatando A Fé, o Império, e as terras viciosas De África e de Ásia andaram devastando, E aqueles que por obras valerosas Se vão da lei da Morte libertando; Cantando espalharei por toda a parte, Se a tanto me ajudar o engenho e arte . 3 Cessem do sábio Grego e do Troiano As navegações grandes que fizeram; Cale-se de Alexandro e de Trajano A fama das vitórias que tiveram; Que eu canto o peito ilustre lusitano , A quem Neptuno e Marte obedeceram. Cesse tudo o que a Musa antiga canta, Que outro valor mais alto se alevanta.

Add a comment

Related presentations

Related pages

Die Lusiaden – Wikipedia

Die Lusiaden (Os Lusíadas) sind ein klassisches Werk der portugiesischen Literatur, ein Epos des Dichters Luís de Camões, das 1572 erstmals gedruckt wurde.
Read more

Os Lusíadas - Wikipedia, the free encyclopedia

Os Lusíadas; Author: Luís de Camões: Original title: Os Lusíadas: Country: Portugal: Language: Portuguese: Genre: epico
Read more

Os Lusíadas eBook by Luís Vaz de Camões - 0030000020922 ...

Lesen Sie Os Lusíadas von Luís Vaz de Camões mit Kobo. "Os Lusíadas" de Luís Vaz de Camões, publicado em 1572, é considerada a maior obra da ...
Read more

Os Lusiadas - Microsoft Store

Os Lusiadas. 0:58 0,99 ...
Read more

Restaurante Os Lusíadas, Matosinhos - Restaurant ...

Restaurante Os Lusíadas, Matosinhos: 93 Bewertungen - bei TripAdvisor auf Platz 18 von 239 von 239 Matosinhos Restaurants; mit 4,5/5 von Reisenden bewertet.
Read more

Luís de Camões – Wikipedia

Sein Hauptwerk ist das Epos Os Lusíadas (1572), das 1806 erstmals vollständig ins Deutsche übersetzt wurde.
Read more

Os Lusiadas | Facebook

Os Lusiadas is on Facebook. Join Facebook to connect with Os Lusiadas and others you may know. Facebook gives people the power to share and makes the...
Read more

LibriVox

Camões (1524-1580) é o maior poeta da nossa língua, e Os Lusíadas a sua obra maior. Publicada em 1572, é poema épico em dez cantos, narrando os ...
Read more

Os Lusiadas - Microsoft Store

Os Lusiadas. 1:44 Fr. 1.60. 21. Abertura Cais Mawaca. Os Lusiadas. 1:46 Fr. 1.60. Zusätzliche Informationen . Genres Mehr , Weltmusik ...
Read more

Os Lusíadas eBook by Luís Vaz de Camões - 9781465569004 ...

Lesen Sie Os Lusíadas von Luís Vaz de Camões mit Kobo. I Ignoto Deo I INVOCAÇÃO Musa, eu quero ir ó gigantesco enleio Dos litt'ratos, que chamam de ...
Read more