advertisement

Orientação da criança

50 %
50 %
advertisement
Information about Orientação da criança
Books

Published on March 7, 2014

Author: RgersonMolitor

Source: slideshare.net

Description

Educação - autora americana Ellen White.
advertisement

Orientação da Criança Ellen G. White 1954 Copyright © 2013 Ellen G. White Estate, Inc.

Informações sobre este livro Resumo Esta publicação eBook é providenciada como um serviço do Estado de Ellen G. White. É parte integrante de uma vasta colecção de livros gratuitos online. Por favor visite owebsite do Estado Ellen G. White. Sobre a Autora Ellen G. White (1827-1915) é considerada como a autora Americana mais traduzida, tendo sido as suas publicações traduzidas para mais de 160 línguas. Escreveu mais de 100.000 páginas numa vasta variedade de tópicos práticos e espirituais. Guiada pelo Espírito Santo, exaltou Jesus e guiou-se pelas Escrituras como base da fé. Outras Hiperligações Uma Breve Biografia de Ellen G. White Sobre o Estado de Ellen G. White Contrato de Licença de Utilizador Final A visualização, impressão ou descarregamento da Internet deste livro garante-lhe apenas uma licença limitada, não exclusiva e intransmissível para uso pessoal. Esta licença não permite a republicação, distribuição, atribuição, sub-licenciamento, venda, preparação para trabalhos derivados ou outro tipo de uso. Qualquer utilização não autorizada deste livro faz com que a licença aqui cedida seja terminada. Mais informações Para mais informações sobre a autora, os editores ou como poderá financiar este serviço, é favor contactar o Estado de Ellen G. i

White: (endereço de email). Estamos gratos pelo seu interesse e pelas suas sugestões, e que Deus o abençoe enquanto lê. ii

iii

Conteúdo Informações sobre este livro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . i Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xxxii Seção 1 — O lar, a primeira escola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 Capítulo 1 — A importância da escola do lar . . . . . . . . . . . . . 34 A educação começa em casa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 Os fundamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 Negar tudo à criança, menos esse direito . . . . . . . . . . . . . . . 34 Não é questão secundária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 O grande objetivo da educação no lar . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Precede a escola diária e para ela prepara . . . . . . . . . . . . . . 36 Molda o caráter . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 A educação no lar de Nazaré . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 Capítulo 2 — Os primeiros mestres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 Os pais devem compreender sua responsabilidade . . . . . . . 38 Parte importante do plano de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 É necessário cooperar com Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Como um casal enfrentou sua responsabilidade . . . . . . . . . 39 Considerar os filhos como um depósito . . . . . . . . . . . . . . . . 40 Os pais devem habilitar-se como professores cristãos . . . . . 40 Há necessidade de união entre os pais . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 A instrutora especial da criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 Uma educação mais ampla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 Não é aceitável uma obra casual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 Examinem os pais a sua obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 Capítulo 3 — Quando começar a educação da criança . . . . . . 43 A educação começa com o bebê . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 Começar quando a mente é mais susceptível . . . . . . . . . . . . 43 Estudar o preparo precoce . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 Começar bem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 A importância de educar o primeiro filho . . . . . . . . . . . . . . . 44 A planta: uma lição objetiva no preparo da criança . . . . . . . 44 Seção 2 — Métodos e manuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 Capítulo 4 — Métodos de ensino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 O governo paterno deve ser um estudo . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 iv

Conteúdo Com o coração cheio de amor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Maneiras calmas e gentis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As teorias devem ser submetidas à prova . . . . . . . . . . . . . . . Métodos empregados nos tempos antigos . . . . . . . . . . . . . . Ensinar com bondade e afeto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tomar tempo para raciocinar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Variar a maneira de instrução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar as primeiras lições ao ar livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lições curtas e interessantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Simplicidade e exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Incentivar o pensamento independente . . . . . . . . . . . . . . . . . Dirigir a atividade infantil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar a prestatividade já na tenra idade . . . . . . . . . . . . . . . Pequenas atenções, freqüentemente repetidas . . . . . . . . . . . Atenção às pequenas coisas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Crianças talentosas exigem maior cuidado . . . . . . . . . . . . . . Cuidado com a indevida atenção ou lisonja . . . . . . . . . . . . . Ler para os filhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Instruir, não ordenar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O domínio próprio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 5 — A Bíblia como manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O primeiro manual da criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Um livro de promessas, bênçãos e reprovações . . . . . . . . . . Seu estudo edifica o caráter . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Apresentar o amor de Deus como tema agradável . . . . . . . . Suas histórias dão certeza à criança tímida . . . . . . . . . . . . . Tornar simples as lições da Bíblia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 6 — O livro da natureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fonte infalível de instrução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Usado como manual no Éden . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Mais lições desde a queda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A natureza ilustra as lições da Bíblia . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Bíblia interpreta os mistérios da natureza . . . . . . . . . . . . . Lições na sala de aula ideal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Cultivar o amor à natureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Unir-se aos pássaros em cânticos de louvor . . . . . . . . . . . . . Da natureza apontar ao Deus da natureza . . . . . . . . . . . . . . . O estudo da natureza fortalece a mente . . . . . . . . . . . . . . . . v 48 49 49 49 50 50 50 51 51 51 52 52 53 53 54 54 54 55 55 55 57 57 57 57 58 58 59 60 60 60 61 61 62 62 62 63 63 64

vi Orientação da Criança A natureza e a Bíblia eram os manuais de Jesus . . . . . . . . . Mais tarde usado por ele em seus ensinos . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 7 — Lições práticas do livro da natureza . . . . . . . . . A voz de Deus na obra de suas mãos . . . . . . . . . . . . . . . . . . Do amor e do caráter de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Da perfeição de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Do criador e do Sábado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Obediência à lei . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Outras lições das leis da natureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lições da semeadura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Cultivar o jardim do coração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Crescimento na graça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Elevando-se acima do ambiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lições de confiança e perseverança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os insetos ensinam sobre o trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Seção 3 — Professores devidamente preparados . . . . . . . . . . . . . Capítulo 8 — Há necessidade de preparo . . . . . . . . . . . . . . . . . O preparo da mãe é negligenciado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Preparo cuidadoso e profundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . “Quem é idôneo?” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A educação da criança exige conhecimento da vontade de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O manual de Deus com plenas instruções . . . . . . . . . . . . . . Regras para os pais e filhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . À lei e ao testemunho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Se negligentes, redimir o tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A regra a seguir: que diz o Senhor? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O preparo individual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A sagrada obra de mãe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Trabalhar em cooperação com o divino . . . . . . . . . . . . . . . . Se o começo foi errado... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 9 — Apelo para se melhorar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A necessidade de avançar sempre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Crescer constantemente em sabedoria e eficiência . . . . . . . Os pais devem crescer intelectual e moralmente . . . . . . . . . O admirável poder da cultura cristã . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O alvo: perfeição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como se tornar uma mãe ideal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 65 67 67 68 68 68 69 69 70 70 71 71 72 72 75 76 76 76 77 77 78 78 79 79 79 80 80 80 81 83 83 83 84 84 85 85

Conteúdo vii Tornar a vida doméstica um êxito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 Pais ocupados demais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 Os pais devem aceitar o conselho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 Benefício das reuniões para conselho mútuo . . . . . . . . . . . . 87 Seção 4 — Obediência, a lição mais importante . . . . . . . . . . . . . 89 Capítulo 10 — A chave da felicidade e do êxito . . . . . . . . . . . 90 A felicidade depende da obediência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90 A desobediência ocasionou a perda do Éden . . . . . . . . . . . . 90 O fundamento da prosperidade temporal e espiritual . . . . . 91 Guiar as crianças no caminho da obediência . . . . . . . . . . . . 91 A obediência deve tornar-se um deleite . . . . . . . . . . . . . . . . 92 Capítulo 11 — Ser ensinado desde a infância . . . . . . . . . . . . . 93 Começar cedo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 Antes que a razão se desenvolva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 Antes que a vontade própria se torne forte . . . . . . . . . . . . . . 93 A obediência aos pais leva à obediência a Deus . . . . . . . . . 94 Apenas o obediente entra no céu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 Capítulo 12 — A obediência deve tornar-se um hábito . . . . . . 96 Esforços brandos mas persistentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96 Não permitir argumentos ou evasivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96 Não permitir exceções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96 Obediência imediata e perfeita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 As exigências devem ser razoáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 Dar as razões para a obediência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 A palavra dos pais deve ser lei . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98 A influência de uma criança desobediente . . . . . . . . . . . . . . 98 Condescender com o pecado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98 O hábito da obediência é estabelecido pela repetição . . . . . 99 Seção 5 — Outras lições básicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 Capítulo 13 — Domínio próprio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 Preparar os filhos para a vida e seus deveres . . . . . . . . . . . 102 Ensinar a criança a ceder . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 Não satisfazer desejos egoístas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 Não dar coisa alguma pela qual a criança grita . . . . . . . . . 103 Nunca permitir demonstração de temperamento irascível 103 Quando repreender um espírito mau . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 Começar com os “cânticos de Belém” . . . . . . . . . . . . . . . . 104 Nenhuma vacilação ou indecisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104

viii Orientação da Criança Importante o exemplo dos pais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Não deixar de fazer o bem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Nunca perder o domínio de si . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 14 — Silêncio, respeito e reverência . . . . . . . . . . . . Reprimir o barulho e a violência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Calma no lar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar o respeito à voz da experiência . . . . . . . . . . . . . . . A frouxidão dos pais incentiva o desrespeito . . . . . . . . . . . Resultados de uma impertinência não reprimida . . . . . . . . Uma atitude juvenil sábia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A reverência deve ser alimentada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como ensinar a reverência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A reverência é revelada pela obediência . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 15 — Cuidados em relação à propriedade . . . . . . . Reprimir as tendências destruidoras . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar o respeito à propriedade alheia . . . . . . . . . . . . . . . Brinquedos fortes e duráveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 16 — Princípios sobre saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . Começar cedo a educação sobre saúde . . . . . . . . . . . . . . . . Lições importantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os pais devem compreender e ensinar a fisiologia . . . . . . Viver saudável: preocupação da família . . . . . . . . . . . . . . . Preparo físico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Obediência às leis da natureza: saúde e felicidade . . . . . . Capítulo 17 — Asseio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Deus é exato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A higiene deve tornar-se uma segunda natureza . . . . . . . . Ensinar o amor à limpeza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A higiene pessoal é essencial à saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . Arredores limpos são um auxílio à pureza . . . . . . . . . . . . . Manter o equilíbrio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 18 — Esmero, ordem e regularidade . . . . . . . . . . . . Cultivar a ordem e o bom gosto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar hábitos de esmero . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar as crianças a cuidarem da roupa . . . . . . . . . . . . . . Conservar o próprio quarto arrumado . . . . . . . . . . . . . . . . . Ter horas regulares para dormir . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 19 — Pureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104 105 105 107 107 107 107 108 108 108 109 109 109 111 111 111 112 113 113 113 113 114 114 115 116 116 116 117 118 118 119 120 120 120 121 121 121 123

Conteúdo Dar instruções sobre os princípios da pureza . . . . . . . . . . . Exercer contínua vigilância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Conservar o lar puro e atraente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Cuidado com as companhias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Barreiras contra a sensualidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Encher a mente com imagens de pureza . . . . . . . . . . . . . . . Seção 6 — Lições sobre virtudes práticas . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 20 — Prestatividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar as crianças a serem prestativas . . . . . . . . . . . . . . . . Tolerar os erros infantis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Deixar as crianças partilharem dos encargos da casa . . . . Fonte de experiência e prazer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Certo encanto pode cercar o trabalho mais humilde . . . . . Capítulo 21 — Operosidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Salvaguarda para a juventude . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tarefas apropriadas à idade e aptidão . . . . . . . . . . . . . . . . . O fruto da ociosidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O sábio uso do tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Vencer todo hábito de indolência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Por que trabalhar antes de brincar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O valor do programa diário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Unir o físico com o mental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Inventar meios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O trabalho é nobre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 22 — Diligência e perseverança . . . . . . . . . . . . . . . . Satisfação nas tarefas terminadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os hábitos de indolência permanecem . . . . . . . . . . . . . . . . Hábitos de perfeição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Conselho especialmente para as meninas . . . . . . . . . . . . . . A importância das “coisas pequenas” . . . . . . . . . . . . . . . . . Tornar os erros um passo para a frente . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 23 — Abnegação, desprendimento e ponderação . Lições necessárias em cada lar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O sacrifício deve tornar-se habitual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Um cofre de abnegação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Crianças não devem ser o centro de atração . . . . . . . . . . . . A graça do esquecimento próprio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 24 — Economia e simplicidade . . . . . . . . . . . . . . . . ix 123 123 124 124 125 125 127 128 128 128 129 129 129 131 131 131 132 132 133 133 133 134 135 135 136 136 136 137 137 137 138 139 139 139 140 140 141 142

x Orientação da Criança Eliminar hábitos extravagantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar economia aos filhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O amor não é expresso pela extravagância . . . . . . . . . . . . . A lição de Cristo sobre economia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Não jogar fora o que é útil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Nunca aprenderam a economizar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O uso correto do dinheiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O valor de registrar as contas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Seção 7 — Desenvolvimento de qualidades cristãs . . . . . . . . . . Capítulo 25 — Simplicidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Educar com simplicidade natural . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As crianças mais atraentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O segredo do verdadeiro encanto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sementes de vaidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Não incentivar o amor ao elogio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Simplicidade no regime alimentar e vestuário . . . . . . . . . . Ensinar simplicidade e confiança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Cristo nosso exemplo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 26 — Cortesia e modéstia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A cortesia começa no lar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os princípios do céu devem encher o ambiente . . . . . . . . . Ensinar por preceito e exemplo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Respeito aos idosos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar modéstia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Um guarda da virtude . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As graças verdadeiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 27 — Alegria e gratidão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Uma doce influência sobre o lar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Seja alegre o semblante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Palavras agradáveis e alegres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Alegre disposição de espírito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . É preciso sorrir . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Uma oração adequada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar as crianças a serem gratas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 28 — Veracidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Modelos de veracidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Jamais mentir . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Palavras ásperas encorajam a falsidade . . . . . . . . . . . . . . . . 142 142 142 143 143 143 144 144 145 146 146 146 147 147 147 148 148 148 150 150 150 150 150 151 151 151 153 153 153 154 154 154 155 155 157 157 157 158

Conteúdo Capítulo 29 — Honestidade e integridade . . . . . . . . . . . . . . . A honestidade praticada e ensinada . . . . . . . . . . . . . . . . . . A norma que Deus requer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Honestos em tudo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Coerência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Não se desviar da rígida honestidade . . . . . . . . . . . . . . . . . Princípios rigorosos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 30 — Confiança própria e . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Senso de honra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Educar cada criança a ter confiança própria . . . . . . . . . . . . Muita facilidade produzirá criaturas fracas . . . . . . . . . . . . Os obstáculos desenvolvem o vigor . . . . . . . . . . . . . . . . . . Preparar as crianças para enfrentar os problemas . . . . . . . Fortalecer o senso de honra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Seção 8 — Desenvolvimento do caráter . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 31 — A importância do caráter . . . . . . . . . . . . . . . . O único tesouro levado deste mundo . . . . . . . . . . . . . . . . . Caráter verdadeiro: qualidade da alma . . . . . . . . . . . . . . . . Dois elementos essenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Mais necessário do que demonstrações exteriores . . . . . . . Seu desenvolvimento é obra de toda a vida . . . . . . . . . . . . Desenvolvimento e crescimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A colheita da vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A maior evidência de cristianismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A influência da criança devidamente ensinada . . . . . . . . . . Capítulo 32 — Como se forma o caráter . . . . . . . . . . . . . . . . Obtido por esforço perseverante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Cultivando as faculdades dadas por Deus . . . . . . . . . . . . . . Influenciado por todo ato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Aperfeiçoado por seguir a norma de Deus . . . . . . . . . . . . . Deve-se resistir à tentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O alvo deve ser elevado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O conselho e a reprovação devem ser atendidos . . . . . . . . Capítulo 33 — A responsabilidade dos pais . . . . . . . . . . . . . . Uma comissão divina aos pais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O lar, a melhor escola para a formação do caráter . . . . . . . O caráter deve ser endireitado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os pais não devem cometer este erro . . . . . . . . . . . . . . . . . xi 159 159 159 160 160 160 161 162 162 162 162 162 163 164 165 166 166 166 166 167 167 167 167 168 168 169 169 169 170 170 171 172 172 174 174 174 175 175

xii Orientação da Criança Casa limpa, mas filhos não educados . . . . . . . . . . . . . . . . . Só pelo Espírito de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A parte de Deus e a dos pais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O criador ajudará . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Uma palavra de ânimo aos que erraram . . . . . . . . . . . . . . . Alguns filhos recusarão conselhos paternos . . . . . . . . . . . . A obra dos pais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 34 — Como arruinar o caráter . . . . . . . . . . . . . . . . . Os pais podem semear a ruína . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Condescendência ou extrema dureza . . . . . . . . . . . . . . . . . Deixando de educar para Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A negligência que brinca com o pecado . . . . . . . . . . . . . . . Por falta de restrição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tolerando erros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sendo condescendentes com as crianças . . . . . . . . . . . . . . Semeando a vaidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Escravos de adolescentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Amor e simpatia mal dirigidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Deixando de exigir obediência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Permitindo os filhos seguirem sua própria idéia . . . . . . . . Permitindo atitudes errôneas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Preparando devotos da sociedade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Permitindo a procura egoísta da felicidade . . . . . . . . . . . . . Pela falta de piedade no lar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pais obedientes a Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 35 — Como edificar caracteres fortes . . . . . . . . . . . Dedicar tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Compreender os princípios envolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . Evitar a superficialidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fortalecer as crianças pela oração e pela fé . . . . . . . . . . . . Assumir posição firme e decidida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Semear com paciência a semente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar submissão à lei . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Coordenar o físico, mental e espiritual . . . . . . . . . . . . . . . . A saúde se relaciona com o intelecto e a moral . . . . . . . . . Alimento puro é essencial para a mente . . . . . . . . . . . . . . . Não é suficiente ter intelecto brilhante . . . . . . . . . . . . . . . . Alvos elevados quanto ao desenvolvimento do caráter . . . 175 176 176 177 177 177 178 179 179 179 179 180 180 181 181 182 182 183 183 184 184 185 185 185 186 187 187 187 187 188 188 188 189 189 190 190 191 191

Conteúdo Orar pela sabedoria celestial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Dar orientação moral e espiritual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar as crianças a fazerem escolhas . . . . . . . . . . . . . . . . Seção 9 — Elementos fundamentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 36 — Vantagens dos primeiros anos . . . . . . . . . . . . A primeira infância é o período mais importante . . . . . . . A idade mais adequada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As primeiras impressões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O fundamento é posto nos primeiros três anos . . . . . . . . . Não é tão difícil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Não adiar esse trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Frustrar os esforços de Satanás . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Preparando também para a vida prática . . . . . . . . . . . . . . . A herança de Napoleão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Hume e Voltaire . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A recompensa de Ana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como o espírito de José foi protegido . . . . . . . . . . . . . . . . . Frutos de um ensino sábio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 37 — O poder do hábito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como se estabelecem os hábitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tempo para estabelecer hábitos bons . . . . . . . . . . . . . . . . . Hábitos podem ser modificados, mas raramente mudados Esforço perseverante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Crianças corrompidas põem outras em perigo . . . . . . . . . . O rei Saul, um triste exemplo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As pequeninas ações são importantes . . . . . . . . . . . . . . . . . Os maus hábitos são mais fáceis de formar . . . . . . . . . . . . Os primeiros atos decidem a vitória ou a derrota . . . . . . . . Capítulo 38 — Idade escolar e temperamento . . . . . . . . . . . . Não ter pressa em tirar as crianças da infância . . . . . . . . . Há uma beleza em cada período . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A diversidade de disposição entre os membros da família Estudar a mente e o caráter individuais . . . . . . . . . . . . . . . Estimular os traços fracos; reprimir os errados . . . . . . . . . Conhecer a disposição de cada criança . . . . . . . . . . . . . . . . Necessidades mentais: tão importantes quanto as físicas . Animar a amabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Temperamentos variados, disciplina variada . . . . . . . . . . . xiii 192 192 192 193 194 194 194 194 195 195 195 196 196 197 197 197 198 198 200 200 200 200 201 201 202 202 203 203 205 205 205 206 206 206 207 207 208 208

xiv Orientação da Criança Lidar com crianças nada promissoras . . . . . . . . . . . . . . . . . É possível ensinar muito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 39 — A vontade: um fator de êxito . . . . . . . . . . . . . O poder da vontade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Êxito ao submeter a vontade a Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . Não enfraquecer, mas dirigir a vontade da criança . . . . . . Guiados, não esmagados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Guiar; nunca forçar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O exercício da vontade fortalece o espírito . . . . . . . . . . . . Quando há um choque de vontades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os pais devem manter sentimentos juvenis . . . . . . . . . . . . Um grande erro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Uma mãe que capitulou ante o filho que chorava . . . . . . . A vida infeliz da criança estragada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A base de muitas provas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 40 — Demonstrar os princípios cristãos . . . . . . . . . Os filhos imitarão os pais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar por preceito e exemplo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os pais devem ser modelos de domínio próprio . . . . . . . . Os frutos do domínio próprio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Crianças influenciadas pelos professos cristãos . . . . . . . . . Os pais devem dizer “não” à tentação . . . . . . . . . . . . . . . . . Exemplos de gentileza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Cuidar tanto do tom da voz como das palavras . . . . . . . . . Agentes de Deus para moldar o caráter . . . . . . . . . . . . . . . Cunhando a imagem do divino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Seção 10 — A disciplina e sua administração . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 41 — Objetivos da disciplina . . . . . . . . . . . . . . . . . . O domínio próprio, objetivo supremo . . . . . . . . . . . . . . . . . Alistando o poder da vontade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Hábitos corretos, inclinações, más tendências . . . . . . . . . . Demolir a fortaleza de Satanás . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar o respeito à autoridade paterna e divina . . . . . . . . Obediência por princípio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Uma lição de confiança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os jovens responderão à confiança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Autocontrole versus autoridade absoluta . . . . . . . . . . . . . . Maus resultados sempre que uma mente domina . . . . . . . . 208 209 210 210 210 211 211 211 212 212 213 213 214 214 214 216 216 216 217 218 218 219 219 219 220 220 221 222 222 222 222 223 223 224 224 224 225 226

Conteúdo Pela habilidade e esforço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 42 — O tempo para começar a disciplina . . . . . . . . Filhos desobedientes: sinal dos últimos dias . . . . . . . . . . . Pais condescendentes se desqualificam . . . . . . . . . . . . . . . . Quando a disciplina deve começar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Reprimir a primeira aparência do mal . . . . . . . . . . . . . . . . . “Pequeno demais para punir?” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pôr o ensino no lar acima de outras ocupações . . . . . . . . . Prometida a cooperação celestial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 43 — A disciplina no lar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Famílias bem ordenadas e disciplinadas . . . . . . . . . . . . . . . Restringir os filhos não é trabalho fácil . . . . . . . . . . . . . . . Falsas idéias quanto à restrição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Por que a família de Acã pereceu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O afeto cego dos pais é o maior obstáculo . . . . . . . . . . . . . Os pais são responsáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Não há lugar para parcialidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Não ter compromisso com o mal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pais deixam de compreender os princípios corretos . . . . . Deus não aceita desculpa para a má direção . . . . . . . . . . . Vencer o espírito natural de obstinação . . . . . . . . . . . . . . . Nunca dizer à criança: “não posso com você” . . . . . . . . . . Deve-se estudar diligentemente o governo da família . . . . Os pais devem unir-se na disciplina . . . . . . . . . . . . . . . . . . A influência combinada do afeto e da autoridade . . . . . . . Representar o caráter de Deus na disciplina . . . . . . . . . . . . Nenhum desvio dos princípios retos . . . . . . . . . . . . . . . . . . Passos extremos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Não cansar-se de fazer o bem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ler as admoestações da palavra de Deus . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 44 — Administração da disciplina corretiva . . . . . . Convidar o Senhor a entrar e governar . . . . . . . . . . . . . . . . Instruir pacientemente as crianças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os pais devem estar sob a disciplina de Deus . . . . . . . . . . Não corrigir com ira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A irritação jamais ajuda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O nervosismo não é desculpa para a impaciência . . . . . . . Há poder no silêncio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xv 226 228 228 228 229 229 230 230 231 232 232 232 233 233 233 234 234 235 235 236 236 236 237 237 238 238 238 239 240 240 242 242 242 243 243 244 244 245

xvi Orientação da Criança Dar poucas ordens; então exigir obediência . . . . . . . . . . . . Lidar com a criança negligente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os resultados da disciplina apressada e impulsiva . . . . . . . Incentivos são melhores que castigo . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lidar com o mal pronta e firmemente . . . . . . . . . . . . . . . . . Algumas vezes a vara é necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como último recurso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Nunca dar uma pancada com ira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Aviso a um pai irascível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Nunca sacudir uma criança que erra . . . . . . . . . . . . . . . . . . Usar primeiro a razão e a oração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A eficácia da oração na crise disciplinar . . . . . . . . . . . . . . . Experiências pessoais quanto à disciplina . . . . . . . . . . . . . Tomar tempo para orar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A alegria pode seguir-se à dor da disciplina . . . . . . . . . . . . O livro-guia divino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A parte dos pais e a de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 45 — Com amor e firmeza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Duas maneiras e seu objetivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Faltas não corrigidas trazem infelicidade . . . . . . . . . . . . . . A bondade deve ser a lei do lar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ter consideração pela ignorância infantil . . . . . . . . . . . . . . Simpatia para com as crianças nada promissoras . . . . . . . Ajudar as crianças a vencerem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Elogiar sempre que possível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Cuidar do tom da voz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Justiça misturada com a misericórdia . . . . . . . . . . . . . . . . . Severidade suscita espírito combativo . . . . . . . . . . . . . . . . Reprovar, mas com ternura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Nem severidade nem condescendência excessiva . . . . . . . Manter uniforme firmeza, controle sem irritação . . . . . . . . Lembrar-se dos próprios erros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como despertar amor e confiança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Imitar a Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Um jovem que necessitava de simpatia . . . . . . . . . . . . . . . . Auxílio divino para vencer um temperamento precipitado Refletindo a imagem divina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Seção 11 — Disciplina deficiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245 245 246 246 247 247 248 248 248 249 249 250 250 251 252 252 253 254 254 254 255 255 255 256 256 257 257 258 258 259 259 260 260 261 261 262 263 265

Conteúdo Capítulo 46 — Males da condescendência . . . . . . . . . . . . . . . O verdadeiro amor não é condescendente . . . . . . . . . . . . . Demasiada liberdade faz filhos pródigos . . . . . . . . . . . . . . A condescendência, torna difícil a direção . . . . . . . . . . . . . A transigência causa inquietação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A censura eficiente de Eliseu ao desrespeito . . . . . . . . . . . Não ceder ante a adulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Não dar mais crédito à palavra da criança do que a dos outros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A herança de uma criança estragada . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 47 — Disciplina frouxa e seus frutos . . . . . . . . . . . O ensino deficiente afeta toda a vida religiosa . . . . . . . . . . Os Elis de hoje . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A sociedade amaldiçoada por caracteres defeituosos . . . . Afrouxando as rédeas da disciplina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Condescendendo com os filhos mais velhos . . . . . . . . . . . . Desonrando a Deus para alcançar o favor dos filhos . . . . . Ser o que desejam que os filhos sejam . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 48 — A reação da criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quanto à provocação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ao achar faltas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quanto à disciplina severa demais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quanto à censura contínua . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quanto à ordens e xingamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quanto a uma atitude arbitrária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quanto à injustiça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quanto às sacudidas ou pancadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quanto às palavras ásperas e sem simpatia . . . . . . . . . . . . Ao ridículo e ao escárnio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quanto à impaciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quanto à alternação do xingamento com a adulação . . . . . Quanto à falta de firmeza e decisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quanto às restrições desnecessárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quanto à negação de privilégios razoáveis . . . . . . . . . . . . . Quanto à severidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quanto às maneiras calmas e bondosas . . . . . . . . . . . . . . . Quanto às instâncias amáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 49 — A atitude dos parentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . xvii 266 266 266 266 267 267 268 268 268 270 270 270 271 271 272 272 273 274 274 274 275 275 276 276 277 277 277 277 278 278 278 279 279 280 281 281 282

xviii Orientação da Criança Parentes condescendentes são um problema . . . . . . . . . . . 282 Quando riem do desrespeito e da raiva . . . . . . . . . . . . . . . . 282 Quando desanimam diante da correção . . . . . . . . . . . . . . . 283 Perplexidades de uma comunidade familiar . . . . . . . . . . . . 283 Seção 12 — Desenvolvimento das faculdades mentais . . . . . . . 285 Capítulo 50 — Que inclui a verdadeira educação? . . . . . . . . 286 A amplitude da verdadeira educação . . . . . . . . . . . . . . . . . 286 Influência contrária à rivalidade egoísta . . . . . . . . . . . . . . . 286 Modelo dado no Éden . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 287 Exemplificado no grande mestre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 287 A verdadeira educação tanto é prática como literária . . . . 288 Não é a escolha natural da juventude . . . . . . . . . . . . . . . . . 288 Não é um método de escape das responsabilidades da vida288 A educação deve despertar o espírito de serviço . . . . . . . . 288 Põe a educação moral acima da cultura intelectual . . . . . . 289 Seu alvo é a edificação do caráter . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 289 É um ensino que dirige e desenvolve . . . . . . . . . . . . . . . . . 289 Prepara obreiros para Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 290 Ensina o amor e o temor de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 290 É por muitos considerada antiquada . . . . . . . . . . . . . . . . . . 290 Está sempre progredindo e nunca termina . . . . . . . . . . . . . 291 Capítulo 51 — Preparo para a escola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 292 Os primeiros oito ou dez anos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 292 O programa da criança durante a infância . . . . . . . . . . . . . 292 Lições durante o período de transição . . . . . . . . . . . . . . . . . 293 Não precisa ser um processo penoso . . . . . . . . . . . . . . . . . . 293 A moral posta em perigo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 294 Capítulo 52 — A escolha da escola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 295 Terríveis perdas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 295 Uma questão importante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 295 Que classe de educadores? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 295 Escolher a escola em que o fundamento é Deus . . . . . . . . 296 Considerar o conselho de Deus a Israel . . . . . . . . . . . . . . . 296 A verdade bíblica é neutralizada; a criança é confundida . 297 Escolas em todas as nossas igrejas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297 Escolas de igreja nas cidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 298 Prover escolas para as igrejas pequenas . . . . . . . . . . . . . . . 298 Escolas no lar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 299

Conteúdo Um problema para os membros isolados . . . . . . . . . . . . . . Trabalhar como para salvar a vida dos filhos . . . . . . . . . . . Uma escola estabelecida não deve ser abandonada . . . . . . Elevar crianças desobedientes e rebeldes . . . . . . . . . . . . . . Converter jovens mundanos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manter as normas mais elevadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Preparar para os graus mais elevados lá em cima . . . . . . . Deus fez provisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 53 — A responsabilidade da igreja . . . . . . . . . . . . . A igreja como vigia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A lei de Deus deve ser exaltada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Obreiros capazes preparados para Cristo . . . . . . . . . . . . . . Todos devem partilhar das despesas . . . . . . . . . . . . . . . . . . Aliviar a carga financeira dos jovens que estão estudando Um fundo escolar para o curso superior . . . . . . . . . . . . . . . Dar para as missões, sem esquecer os de casa . . . . . . . . . . Orar com fé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . “Levantemo-nos e edifiquemos” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ajudar com o trabalho e financeiramente . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 54 — Mestres e pais em cooperação . . . . . . . . . . . . Necessidade de compassiva compreensão . . . . . . . . . . . . . A desunião pode anular a boa influência . . . . . . . . . . . . . . O trabalho de equipe começa no lar . . . . . . . . . . . . . . . . . . A obra do professor é suplementar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O lar pode ser abençoado pela escola . . . . . . . . . . . . . . . . . Os pais podem aliviar o trabalho dos professores . . . . . . . Os pais podem ser conselheiros do professor . . . . . . . . . . . Os professores podem ser conselheiros dos pais . . . . . . . . Capítulo 55 — Unidade na disciplina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O professor necessita de tato na direção . . . . . . . . . . . . . . . Sejam poucas as regras e bem consideradas . . . . . . . . . . . . O professor deve exigir obediência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ele precisa da cooperação dos pais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Apoiar os fiéis professores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Nunca criticar o professor diante das crianças . . . . . . . . . . A insubordinação freqüentemente começa no lar . . . . . . . O trabalho do professor pode ser duplicado pelos pais . . . Capítulo 56 — A educação obtida nas escolas . . . . . . . . . . . . xix 299 300 300 300 301 301 301 302 303 303 303 304 304 304 305 305 305 306 306 308 308 308 308 309 310 310 310 311 312 312 312 312 313 314 314 315 315 317

xx Orientação da Criança Muitos estão deixando o caminho em instituições mundanas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As influências religiosas do lar são dissipadas . . . . . . . . . . Nossas escolas são ordenadas por Deus . . . . . . . . . . . . . . . Vantagens da experiência no internato . . . . . . . . . . . . . . . . O internato para uma filha desobediente . . . . . . . . . . . . . . . Alunos externos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Todas as crianças devem ter privilégios educacionais . . . . Um programa escolar equilibrado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os males do estudo constante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Freqüentemente a censura pertence justamente aos pais . . Os pais devem manter a autoridade do professor . . . . . . . . Devem apoiar a disciplina escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Educação fora do currículo escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Seção 13 — A importância do desenvolvimento físico . . . . . . . Capítulo 57 — O exercício e a saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ocupação e recreação equilibradas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exercício e ar livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os estudantes necessitam de atividade física . . . . . . . . . . . Todas as faculdades são fortalecidas pelo exercício . . . . . Planejar variedade e mudança de trabalho . . . . . . . . . . . . . Fadiga, resultado normal do trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . Por que freqüentemente a pobreza é uma bênção . . . . . . . Igualar as atividades mentais e físicas . . . . . . . . . . . . . . . . A energia juvenil temerariamente dissipada . . . . . . . . . . . . A atividade não deve ser reprimida, mas dirigida . . . . . . . Capítulo 58 — Preparo para a vida prática . . . . . . . . . . . . . . . Por que Deus designou o trabalho para Adão e Eva . . . . . O exemplo de Jesus como obreiro perfeito . . . . . . . . . . . . . Trabalhava diariamente com mãos pacientes . . . . . . . . . . . Despertar a ambição de realizações úteis . . . . . . . . . . . . . . O trabalho físico não é degradante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Senhores, não escravos do trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A riqueza não é desculpa para o ensino prático . . . . . . . . . Os filhos devem partilhar dos deveres domésticos . . . . . . . Designar tarefas úteis para as crianças . . . . . . . . . . . . . . . . Cozinhar e costurar, lições básicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar tanto os meninos como as meninas . . . . . . . . . . . . 317 317 318 318 318 319 320 320 321 322 322 323 323 325 326 326 326 327 327 327 328 328 329 329 330 331 331 331 332 332 333 334 334 335 335 336 336

Conteúdo O privilégio de conservar as forças da mãe . . . . . . . . . . . . Uma experiência na felicidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A recompensa da fidelidade nos deveres domésticos . . . . Haverá atividade no céu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 59 — Ensino de ofícios úteis . . . . . . . . . . . . . . . . . . Toda criança deve aprender algum ofício . . . . . . . . . . . . . . Ensinar a usar ferramentas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar aos filhos a agricultura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A agricultura tem sido considerada inútil . . . . . . . . . . . . . . Ensino de incalculável valor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O valor especial dos produtos frescos . . . . . . . . . . . . . . . . . As escolas devem instruir nos ofícios úteis . . . . . . . . . . . . Preparo de duplo valor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Conhecimento técnico vale mais que o científico . . . . . . . Jesus foi um exemplo de alegre operosidade . . . . . . . . . . . Capítulo 60 — O conhecimento das leis da vida . . . . . . . . . . Maravilhas do corpo humano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A saúde deve ser conservada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Muitos não estão dispostos a estudar as leis da saúde . . . . Estudar medidas preventivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar os filhos a raciocinarem da causa para o efeito . . Instrução progressiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Conhecimento dos fatos não é suficiente . . . . . . . . . . . . . . É necessário conhecimento das leis da natureza . . . . . . . . Regularidade no comer e no dormir . . . . . . . . . . . . . . . . . . Insistir nos hábitos corretos de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . A importância da posição correta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A respiração e a cultura da voz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Três coisas essenciais para a felicidade da família . . . . . . Compreender os remédios da natureza . . . . . . . . . . . . . . . . Um código amplo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Individualmente responsáveis para com Deus . . . . . . . . . . Seção 14 — Manter o vigor físico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 61 — A dona-de-casa na cozinha . . . . . . . . . . . . . . A elevada vocação da dona-de-casa . . . . . . . . . . . . . . . . . . Cozinhar é uma arte essencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tornando-se hábil na arte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Estudar e praticar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xxi 337 337 338 338 340 340 340 340 341 341 342 342 342 343 343 345 345 345 346 346 347 347 347 348 348 348 349 349 350 350 351 351 353 354 354 354 355 355

xxii Orientação da Criança Variedade e simplicidade são essenciais . . . . . . . . . . . . . . . Resultados da má cozinha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar os filhos a cozinhar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Instruí-los paciente e alegremente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como podem o interesse e o ardor diminuir . . . . . . . . . . . O preparo mais necessário que uma moça pode fazer . . . . Levantar barreira contra a loucura e o vício . . . . . . . . . . . . Homens e mulheres devem aprender a cozinhar . . . . . . . . Estudar economia, evitar o desperdício . . . . . . . . . . . . . . . Sérias questões para refletir . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 62 — Comer para viver . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Deus determinou as inclinações e apetites . . . . . . . . . . . . . O objetivo da solicitude divina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Formado do alimento que comemos . . . . . . . . . . . . . . . . . . Começar com a alimentação correta do bebê . . . . . . . . . . . Educar os gostos e o apetite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A influência do regime alimentar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Escolher os melhores alimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Preparar de modo simples e apetitoso . . . . . . . . . . . . . . . . . O apetite não é guia seguro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Crianças que seguiram um apetite não educado . . . . . . . . . O que dizer do alimento cárneo? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Razões para dispensar alimentos cárneos . . . . . . . . . . . . . . Os efeitos não são imediatamente reconhecidos . . . . . . . . Voltar ao regime alimentar sadio original . . . . . . . . . . . . . . A atitude dos que aguardam a vinda de Cristo . . . . . . . . . . Retorno ao desígnio de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Instrução sobre a mudança de regime alimentar . . . . . . . . Substitutos bem preparados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Vencendo um apetite fora do natural . . . . . . . . . . . . . . . . . . Alimentação saudável não é sacrifício . . . . . . . . . . . . . . . . Considerar a estação, o clima, a ocupação . . . . . . . . . . . . . Preparar o alimento com inteligência e habilidade . . . . . . Qualquer coisa serve para a família? . . . . . . . . . . . . . . . . . . A hora da refeição: agradável ocasião social . . . . . . . . . . . Regularidade nas refeições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar as crianças quando, como e o que comer . . . . . . . Nunca comer entre as refeições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 355 356 357 357 357 358 358 358 359 359 360 360 360 360 361 361 361 362 362 362 363 364 364 364 365 365 365 365 366 366 367 367 367 368 368 369 369 370

Conteúdo Pequenas refeições tarde da noite:hábito pernicioso . . . . . Uma mãe advertida de que o desjejum é importante . . . . . Prover com abundância os melhores alimentos . . . . . . . . . Participar dessa moderação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os pais devem escolher, não os filhos . . . . . . . . . . . . . . . . . Se razoável, respeitar a preferência da criança . . . . . . . . . . Efeitos do apetite pervertido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O viver sadio, obrigação pessoal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 63 — Temperança em todas as coisas . . . . . . . . . . . A intemperança causa a maioria dos males . . . . . . . . . . . . Condescendência excessiva é pecado . . . . . . . . . . . . . . . . . Temperança é um princípio da vida religiosa . . . . . . . . . . . Maravilhoso poder . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Auxílio para pensar com clareza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Hábitos temperantes:ricas recompensas . . . . . . . . . . . . . . . Temperantes em todas as coisas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Temperança precede a santificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . No estudo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . No trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . No vestir . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . No comer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Cuidado para não comer em demasia . . . . . . . . . . . . . . . . . Não negar a Deus por um ato de intemperança . . . . . . . . . Temperança em todos os detalhes da vida . . . . . . . . . . . . . Capítulo 64 — O lar e a cruzada de temperança . . . . . . . . . . A intemperança está no auge . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A abstinência total é a resposta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Intemperança: resultado da condescendência no lar . . . . . Chá e café:fatores que contribuem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fumo, veneno sutil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Efeito dos estimulantes e narcóticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar as crianças a detestarem os estimulantes . . . . . . . Um desafio aos pais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Gostos e apetites devem ser educados . . . . . . . . . . . . . . . . . Os pais negligentes são responsáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . O verdadeiro trabalho começa em casa . . . . . . . . . . . . . . . . Temperança não é assunto para gracejo . . . . . . . . . . . . . . . A reforma começa com a mãe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xxiii 371 371 372 372 372 373 373 373 374 374 374 374 375 375 375 376 376 376 377 378 378 378 379 379 380 380 380 381 382 382 383 383 383 384 385 385 385 386

xxiv Orientação da Criança Continuar as lições à lareira e na escola . . . . . . . . . . . . . . . Tornar claros os efeitos dos pequenos desvios . . . . . . . . . . Fibra moral para resistir à tentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Seção 15 — Vestuário apropriado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 65 — As bênçãos do vestuário apropriado . . . . . . . Apropriado e que caia bem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ilustrados pelas coisas da natureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O caráter, julgado pelo estilo do vestuário . . . . . . . . . . . . . Princípios orientadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Seguir os costumes, se modestos e saudáveis . . . . . . . . . . Evitar os extremos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Não confundir o cuidado no vestir com o orgulho . . . . . . . Cristo deu uma advertência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A instrução bíblica para o povo de Deus . . . . . . . . . . . . . . Os perigos do amor ao vestuário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O testemunho da simplicidade no vestuário . . . . . . . . . . . . A modéstia protege de mil perigos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Uma idéia antiquada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O único traje admitido no céu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 66 — Ensinar os princípios fundamentais no vestuário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Uma parte necessária da educação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Nenhum estilo definido foi dado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Alinhado, atraente e limpo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ordem e gosto apurado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Bom gosto nas cores e desenhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Considerar a durabilidade e o trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . Comprar bom material é economia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lembrar-se das necessidades da vinha do Senhor . . . . . . . Simplicidade no vestuário é forma de testemunhar . . . . . . Não deve haver ostentação imprópria . . . . . . . . . . . . . . . . . Adornos desnecessários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Um ponto esclarecido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Enfeites extravagantes ou exagerados . . . . . . . . . . . . . . . . . Não para a ostentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ornamentos imperecíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A atração da genuína beleza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensinar as crianças a reconhecer o vestuário razoável . . . 386 387 387 389 390 390 390 390 391 391 392 392 392 393 393 393 394 394 394 396 396 396 396 396 397 397 397 397 398 399 399 399 400 400 400 401 401

Conteúdo Roupas que assentem bem e que sejam adequadas . . . . . . O corpo não deve ser comprimido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O vestuário das crianças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Extremidades devidamente vestidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . Distinção entre vestuário de homem e de mulher . . . . . . . Vestuário para a igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O vestuário não se deve tornar assunto de controvérsia . . Ninguém deve servir de consciência para o outro . . . . . . . O coração deve estar certo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Onde muitas denominações perdem seu poder . . . . . . . . . A norma da palavra de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capítulo 67 — O fascinante poder da moda . . . . . . . . . . . . . . A moda é uma dominadora tirana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O preço que alguns pagam . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Salvação em perigo, pela idolatria do vestuário . . . . . . . . . O amor à ostentação corrompe o lar . . . . . . . . . . . . . . . . . . Resistir à maré . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pais, cuidado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Um problema de muitas mães . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Add a comment

Related presentations

Related pages

Orientação da Criança – Ellen White Audio – Português

Capítulo Baixar; 01 - A Importância da Escola do Lar: 02 - Os Primeiros Mestres: 03 - Quando Começar a Educação da Criança: 04 - Métodos de Ensino
Read more

ORIENTAÇÃO DA CRIANÇA - YouTube

Orientação e Cartografia: Rosa dos Ventos (norte sul leste oeste) Vídeo Aula 1 - Duration: 7:00. HistoriAção Humanas - Canal de História ...
Read more

GUIA DE ESTUDOS de capítulos selecionados do livro

Orientação da Criança 7 GUIA DE ESTUDOS 2. Por que os pais não devem tolerar manifestações de ira, como gritos ou jogar-se ao chão, por exemplo?
Read more

Orientação da Criança - CPB | Editora de Livros e Revistas ...

Publicado originalmente em 1954 . A importância dos primeiros anos na formação integral da criança recebe um destaque especial neste livro, ao mesmo ...
Read more

Livro - Orientação da Criança | Ellen G. White Books

Orientação da Criança. MENU . Adquira os Livros; BIOGRAFIA; Índice Capítulo - Introdução ; Capítulo 1 - A Importância da Escola do Lar ...
Read more

Artigo 5 - Orientação da criança e evolução das suas ...

O Estado deve respeitar os direitos e responsabilidades dos pais e da família alargada na orientação da criança de uma forma que corresponda ...
Read more

Orientação da Criança - EGW - Download - 4shared - setimo ...

Orientação da Criança - EGW.pdf. by setimo D. 2,080 KB | 2012-10-19 | File | Report Abuse. Remove Ads x
Read more