Não à política econômica recessiva do governo michel temer

50 %
50 %
Information about Não à política econômica recessiva do governo michel temer

Published on July 9, 2016

Author: falcoforado

Source: slideshare.net

1. 1 NÃO À POLÍTICA ECONÔMICA RECESSIVA DO GOVERNO MICHEL TEMER Fernando Alcoforado* O governo Michel Temer elaborou uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC 241- 2016) enviada ao Congresso Nacional pretendendo instituir um novo regime fiscal no Brasil. As medidas propostas definem novo teto para o gasto público que terá como limite a despesa do ano anterior corrigida pela inflação fato este que fará com que os gastos públicos de saúde e educação sejam congelados em termos reais passando a ser apenas corrigidos pela inflação. A Constituição Federal estabelece em 18% dos impostos federais o investimento mínimo da União em educação, e em 25% para os estados, o Distrito Federal e os municípios. Na saúde, os gastos são de 15% da receita para os municípios e 12% para os estados da federação. Em relação à União, conforme a Emenda Constitucional 86, promulgada em março de 2015, fixa o limite mínimo de gastos com saúde para 13,2% da receita corrente líquida em 2016, 13,7% em 2017, 14,1% em 2018, 14,5% em 2019, e 15% em 2020. A PEC 241-2016 trata das despesas primárias, ou seja, exclui os gastos do governo com o pagamento dos juros e amortização da dívida pública, verdadeira razão do déficit público. O congelamento do gasto público valerá por 20 anos, com possibilidade de revisão da regra de fixação do limite a partir do décimo ano de vigência. Os formuladores desta PEC 241-2016 partem da premissa de que o problema fiscal brasileiro é consequência do aumento acelerado da despesa pública primária, ou seja, dos gastos sociais, de saúde, educação, funcionalismo, etc. quando na realidade ele resulta do crescimento descontrolado da dívida pública. Com a PEC 241-2016, o governo Temer pretende acabar as vinculações orçamentárias previstas na constituição para saúde e educação, fruto de décadas de lutas da sociedade brasileira. Pelas regras atuais, em 2016 seria aplicado um montante mínimo em ações e serviços públicos de saúde de 13,7% da receita corrente líquida da União. Na educação, a previsão é de pelo menos 18% da receita de impostos federais, deduzidas as transferências constitucionais. Com as vinculações durante o período de vigência do Novo Regime Fiscal, o gasto mínimo será calculado pela despesa do ano anterior reajustada pelo IPCA, sem haver aumento real para as áreas de educação e saúde. O poder ou órgão que extrapolar o teto anual definido ficará impedido de aumentar as despesas com pessoal no ano seguinte. Ou seja, não poderá conceder reajuste aos servidores públicos nem criar cargos que signifiquem aumento de despesas. A proposta só admite contratações no caso de reposição de vagas abertas por aposentadoria ou falecimento de servidores. Também não poderão ser realizados concursos públicos. Se esta PEC 241-2016 for aprovada a tendência é que, com o passar dos anos, os gastos com educação e saúde se reduzam proporcionalmente ao PIB, em relação aos percentuais atuais. A trajetória de maior acesso da população pobre aos serviços públicos de educação e saúde será interrompida. Serão afetados diretamente os serviços públicos oferecidos aos mais pobres, que já são insuficientes. A PEC 241-2016 desconsidera as enormes necessidades de investimentos nas áreas de saúde e educação que o país ainda tem para atender a maioria da população. A PEC 241-2016 vai significar grandes sacrifícios aos mais pobres em troca de uma suposta redução da dívida pública. Mas será muito difícil haver redução da dívida pública

2. 2 simplesmente através da limitação dos gastos primários, se não houver crescimento econômico. Sem crescimento econômico e com o Brasil praticando as maiores taxas de juros do planeta, é quase impossível haver redução da dívida. O problema do déficit público no Brasil é a dívida pública porque o Brasil pratica as maiores taxas de juros do mundo e gastou R$ 500 bilhões com o pagamento da dívida pública em 2015. A PEC 241-2016, assim como outras medidas que estão sendo gestadas, tem como principal objetivo garantir a manutenção das transferências de riqueza da sociedade para o sistema financeiro. Para seus autores não importa que isso signifique a desagregação da sociedade nacional. Além de atentar contra os interesses da grande maioria da população brasileira comprometendo os serviços de educação e saúde, o governo Michel Temer procura apresentar como solução para a crise financeira do estado brasileiro a reforma da previdência argumentando que o rombo da Previdência é enorme e sua estrutura insustentável para os anos que virão. Trata-se de uma falácia para justificar a privatização da previdência e dos serviços assistenciais, e destinar ainda mais recursos para o setor financeiro. O déficit da previdência é a mentira tornada verdade ao realizar manobras contábeis que não respeitam o que a Constituição Federal determina. O correto, constitucionalmente, é considerar a discussão sobre a “Seguridade Social” e não sobre “Previdência Social” na qual esta última é parte dela. Pelo Art. 194 da Constituição Federal, a seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social. A seguridade social obtém superávits todos os anos, conforme levantamento da Associação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil (ANFIP). Dados apontam que entre 2008 e 2014, o superávit da seguridade social ultrapassa a casa dos R$ 319 bilhões, assim distribuídos: 2008, R$ 63.213 bilhões; 2010, R$ 53.828 bilhões; 2012, R$ 82.690 bilhões; 2013, R$ 76.214 bilhões; e 2014, R$ 53.892 bilhões. É importante observar que a Previdência Social é parte da Seguridade Social. Portanto, reduzir a discussão apenas à Previdência Social é querer esconder os superávits da Seguridade Social. É importante observar que, pela Constituição Federal (Art. 195), a seguridade social é financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes do governo, das empresas e dos trabalhadores. Para completar, o governo Michel Temer anunciou a meta fiscal para 2017 que terá déficit de R$ 139 bilhões. Para 2016, o déficit previsto pelo governo federal é de R$ 170,5 bilhões, equivalente a pouco mais de 2,7% do PIB; dada a meta para 2017, ficaria em 2,1% do PIB. Parece um esforço grande de redução do rombo, mas ainda é um desastre, quase inevitável sem um gigantesco aumento de impostos. O lamentável é que, enquanto o orçamento da União destina 47% ao pagamento dos juros e amortizações da dívida, educação, saúde e trabalho não chegam aos 4% cada, cultura recebe 0,04% do orçamento, direitos da cidadania 0,03%. Não há mais de onde extrair riquezas do país e transferir ao setor financeiro a não ser reduzindo os gastos com educação, saúde e previdência social como preconiza o governo Michel Temer. Todo este conjunto de medidas não solucionará as crises econômica e financeira do governo, além de agravar a crise econômica que atinge o conjunto da sociedade brasileira cuja solução só virá com o crescimento econômico do País. Nenhuma das medidas do governo Temer aponta nesta direção.

3. 3 Diante da queda vertiginosa do consumo das famílias e das empresas, dos investimentos do setor privado e do governo, o momento atual estaria a exigir que o foco principal da ação do governo Michel Temer deveria ser o de: 1) incrementar os investimentos em infraestrutura para alavancar o crescimento econômico do Brasil; 2) fazer auditoria da dívida pública; e, 3) renegociar com os credores a redução dos encargos anuais com o pagamento da dívida pública para haver disponibilidade de recursos públicos para investimento. O Instituto de Logística e Supply Chain publicou em setembro de 2011 texto sob o título Infraestrutura: situação atual e investimentos planejados no qual estimou os investimentos necessários em portos (R$ 42,9 bilhões), ferrovias (R$ 130,8 bilhões) e rodovias (R$ 811,7 bilhões) totalizando R$ 985,4 bilhões. Acrescentando este valor aos investimentos necessários a hidrovias e portos fluviais (R$ 10,9 bilhões), aeroportos (R$ 9,3 bilhões), setor elétrico (R$ 293,9 bilhões), petróleo e gás (R$ 75,3 bilhões), saneamento básico (R$ 270 bilhões) e telecomunicações (R$ 19,7 bilhões) totalizam R$ 1.664,5 bilhões. Por sua vez, o setor de saúde requer investimentos de R$ 83 bilhões por ano informado no website <http://noticias.r7.com/brasil/noticias/governo-precisa-investir-ao-menos- 60-a-mais-para-melhorar-a-saude-no-brasil-20110921.html>, o setor de educação precisa de investimento de R$ 16,9 bilhões/ano para obter educação de qualidade no Brasil informado no website <http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09- 14/apesar-de-mais-altos-investimentos-em-educacao-ainda-sao-mal-distribuidos-aponta- ocde> e o de habitação popular requer R$ 160 bilhões para eliminar o déficit habitacional informado no website <http://www.cimentoitambe.com.br/deficit- habitacional-no-pais/>. O total de investimento em infraestrutura econômica (energia, transportes e comunicações) e social (educação, saúde, saneamento básico e habitação) corresponde a R$ 1.924,4 bilhões, isto é, quase R$ 2 trilhões. Como o governo federal e o setor privado nacional não têm recursos para investimento seria importante atrair capitais externos com a adoção da política de concessão de serviços públicos. Esta iniciativa é urgente sem a qual a recessão se aprofundará no Brasil. *Fernando Alcoforado, 76, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012) e Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015). Possui blog na Internet (http://fernando.alcoforado.zip.net). E-mail: falcoforado@uol.com.br

Add a comment

Related pages

NÃO À POLÍTICA ECONÔMICA RECESSIVA DO GOVERNO MICHEL TEMER ...

O governo Michel Temer elaborou uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC 241-2016) enviada ao Congresso Nacional pretendendo instituir um novo regime ...
Read more

O que temer no governo de Michel? – Crônicas do Sul

O que temer no governo de Michel? ... ao Palácio do Planalto aquele partido político que não ... em termos de política econômica, ...
Read more

Fora Temer, derrotar o governo golpista nas ruas | Insurgência

... ou sua política econômica recessiva. ... do PT do governo federal não fecha a crise política. A “ponte” do golpista Michel Temer só ...
Read more

Sem Lula, PT critica Dilma e diz que ela precisa ...

... sobre 'rumo' do governo Política ... o PMDB do presidente em exercício Michel Temer, ... à política econômica levado a cabo ...
Read more

Michel Temer e a mosca azul do golpismo — CartaCapital

... Página Inicial / Política / Michel Temer e a mosca azul do ... Michel Temer não pode ... política econômica, o governo precisa ...
Read more

Esquerda Valente: O que temer no governo de Michel Temer?

... não saem na grande mídia. Páginas. Página inicial; Facebook; Twitter; Canal No Youtube; Brasil Que Queremos; Aula de Política; ... governo de ...
Read more

Governo Temer: Depois do "bônus", o "ônus" do poder - JPN

Michel Temer subiu o Palácio do Planalto para assumir o governo do Brasil durante o afastamento de Dilma Rousseff. Mas o novo presidente em exercício ...
Read more

O que temer no governo de Michel? - alainet.org

O Brasil conseguiu a proeza de oferecer ao mundo as lamentáveis imagens de encerramento do primeiro round da tentativa do golpeachment, ...
Read more