Mobilidade e Acessibilidade Urbana

54 %
46 %
Information about Mobilidade e Acessibilidade Urbana

Published on August 5, 2008

Author: mra.almeida

Source: slideshare.net

ARIOVALDO VIEIRA DA SILVA MILTON ROBERTO DE ALMEIDA

ARIOVALDO VIEIRA DA SILVA Advogado, Gestor de Educação de Trânsito da CET – Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo CURSO PRODUZIDO POR MILTON ROBERTO DE ALMEIDA Administrador, Gestor de Educação de Trânsito da CET – Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo

PROGRAMA EVOLUÇÃO DO TRÂNSITO CONCEITOS DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE GESTÃO DE RISCOS NA MOBILIDADE URBANA CONCEITOS DE GESTÃO DE RISCOS

EVOLUÇÃO DO TRÂNSITO

CONCEITOS DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

GESTÃO DE RISCOS NA MOBILIDADE URBANA

CONCEITOS DE GESTÃO DE RISCOS

Caminhar era, inicialmente, a única forma que o homem tinha para deslocar-se. Com sua capacidade criativa, desenvolveu novos e mais rápidos meios de transporte para atender suas necessidades de trabalho e lazer. A mobilidade humana evoluiu...

Meios mais rápidos substituíram meios mais lentos.... Mas dentro de uma visão que tende a supor que o progresso dos transportes é linear. Essa visão criou a sensação de que cada modal não tem nenhuma relação entre si, provocando uma disputa para ver quem leva vantagem no meio urbano. PÉS BICICLETA TREM ÔNIBUS AUTOMÓVEL ?

Meios mais rápidos substituíram meios mais lentos....

Caminhos tornaram-se ruas. Ruas tornaram-se avenidas. Tudo sempre planejado para acomodar uma frota cada vez maior de veículos automotores. De pequenas vilas... ... Para grandes Metrópoles!

Hoje a explosão urbana está provocando problemas sociais e econômicos graves. A saúde das pessoas está mais ameaçada. A violência urbana torna-se cada vez mais incontrolável. A economia é prejudicada.

12/05/2008 - 08h00 Caos no trânsito reduz produtividade do país em 5%, diz pesquisa Sílvio Crespo, do UOL Economia Os problemas de congestionamento de automóveis devem limitar o potencial de crescimento econômico do Brasil e de outros países latino-americanos nos próximos anos, segundo estudo realizado pelo Citigroup. A pesquisa levou em consideração o tempo que se gasta em viagens urbanas e concluiu que o trânsito gera uma perda de 5% na produtividade do Brasil. Entre os países da América Latina, apenas no México os gargalos de tráfego provocam uma perda semelhante à brasileira. AQUI TEMOS UM EXEMPLO!

12/05/2008 - 08h00 Caos no trânsito reduz produtividade do país em 5%, diz pesquisa

Sílvio Crespo, do UOL Economia

Os problemas de congestionamento de automóveis devem limitar o potencial de crescimento econômico do Brasil e de outros países latino-americanos nos próximos anos, segundo estudo realizado pelo Citigroup.

A pesquisa levou em consideração o tempo que se gasta em viagens urbanas e concluiu que o trânsito gera uma perda de 5% na produtividade do Brasil. Entre os países da América Latina, apenas no México os gargalos de tráfego provocam uma perda semelhante à brasileira.

FOCANDO O TRÂNSITO DE PEDESTRES

MOBILIDADE “ Habilidade de movimentar-se, em decorrência de condições físicas e econômicas.” (VASCONCELOS, Eduardo A., 1996). “ A mobilidade é um atributo associado às pessoas e aos bens, corresponde às diferentes respostas dadas por indivíduos e agentes econômicos às suas necessidades de deslocamento, consideradas as dimensões do espaço urbano e a complexidade das atividades nele desenvolvidas.” (VASCONCELOS, Eduardo A., 1996)

MOBILIDADE

“ Habilidade de movimentar-se, em decorrência de condições físicas e econômicas.”

(VASCONCELOS, Eduardo A., 1996).

“ A mobilidade é um atributo associado às pessoas e aos bens, corresponde às diferentes respostas dadas por indivíduos e agentes econômicos às suas necessidades de deslocamento, consideradas as dimensões do espaço urbano e a complexidade das atividades nele desenvolvidas.”

(VASCONCELOS, Eduardo A., 1996)

MOBILIDADE URBANA “ É um atributo das cidades e se refere à facilidade de deslocamentos de pessoas e bens no espaço urbano. Tais deslocamentos são feitos através de veículos, vias e toda a infra-estrutura (vias, calçadas, etc.) que possibilitam esse ir e vir cotidiano. (...) É o resultado da interação entre os deslocamentos de pessoas e bens com a cidade. (...)” (Anteprojeto de lei da política nacional de mobilidade urbana, Ministério das Cidades, 2. ed, 2005)

MOBILIDADE URBANA

“ É um atributo das cidades e se refere à facilidade de deslocamentos de pessoas e bens no espaço urbano.

Tais deslocamentos são feitos através de veículos, vias e toda a infra-estrutura (vias, calçadas, etc.) que possibilitam esse ir e vir cotidiano. (...)

É o resultado da interação entre os deslocamentos de pessoas e bens com a cidade. (...)”

(Anteprojeto de lei da política nacional de mobilidade urbana, Ministério das Cidades, 2. ed, 2005)

ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance, percepção e entendimento para utilização com segurança e autonomia de edificações, espaço, mobiliário, equipamento urbano e elementos. (NBR 9050:2004) A facilidade, em distância, tempo e custo, de se alcançar, com autonomia, os destinos desejados na cidade. ( ANTE-PROJETO DE LEI, DE 6 JULHO DE 2006, Art. 4º, Inciso X)

ACESSIBILIDADE

Possibilidade e condição de alcance, percepção e entendimento para

utilização com segurança e autonomia de edificações, espaço, mobiliário, equipamento urbano e elementos. (NBR 9050:2004)

A facilidade, em distância, tempo e custo, de se alcançar, com autonomia, os destinos desejados na cidade.

( ANTE-PROJETO DE LEI, DE 6 JULHO DE 2006, Art. 4º, Inciso X)

A mobilidade centrada nas pessoas que transitam é ponto principal a ser considerado numa política de desenvolvimento urbano O enfoque é o PEDESTRE, pois caminhar é a forma mais básica de mobilidade humana. É através do caminhar que acessamos nossas áreas de trabalho, estudo, lazer , habitação e outros serviços essenciais.

A mobilidade centrada nas pessoas que transitam é ponto principal a ser considerado numa política de desenvolvimento urbano

O enfoque é o PEDESTRE, pois caminhar é a forma mais básica de mobilidade humana.

É através do caminhar que acessamos nossas áreas de trabalho, estudo, lazer , habitação e outros serviços essenciais.

MOBILIDADE e ACESSIBILIDADE são particularmente importantes para pessoas que possuem menos opções de transporte (pessoas com deficiências, idosos, crianças e pessoas com baixa renda). Pobres condições de MOBILIDADE e ACESSIBILIDADE podem contribuir para a exclusão social, econômica e física de populações mais vulneráveis.

MOBILIDADE e ACESSIBILIDADE são particularmente importantes para pessoas que possuem menos opções de transporte (pessoas com deficiências, idosos, crianças e pessoas com baixa renda).

Pobres condições de MOBILIDADE e ACESSIBILIDADE podem contribuir para a exclusão social, econômica e física de populações mais vulneráveis.

De acordo com os dados do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, aproximadamente 25 milhões de pessoas no Brasil apresentam algum tipo de deficiência.

De acordo com os dados do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, aproximadamente 25 milhões de pessoas no Brasil apresentam algum tipo de deficiência.

A aplicabilidade dos conceitos de MOBILIDADE e ACESSIBILIDADE exige que os modais sejam vistos de forma integrada no ambiente. É necessário identificar as AMEAÇAS e RISCOS, reais ou potenciais, que possam comprometer a mobilidade urbana e buscar SOLUÇÕES para eliminá-las.

A aplicabilidade dos conceitos de MOBILIDADE e ACESSIBILIDADE exige que os modais sejam vistos de forma integrada no ambiente.

É preciso conscientizar a sociedade, em geral, da necessidade de garantir a autonomia, independencia e segurança na utilização de todos os espaços, edificações, mobiliário e equipamentos urbanos. Todos têm o direito de ir e vir, sendo necessárias a convivência e participação das pessoas, com suas diferenças, no ambiente de trabalho, estudo e diversão.

É preciso conscientizar a sociedade, em geral, da necessidade de garantir a autonomia, independencia e segurança na utilização de todos os espaços, edificações, mobiliário e equipamentos urbanos.

Todos têm o direito de ir e vir, sendo necessárias a convivência e participação das pessoas, com suas diferenças, no ambiente de trabalho, estudo e diversão.

ANDAR é uma atividade humana básica que tem sido, frequentemente, menosprezada na ânsia de se construirem meios mais sofisticados de transporte. Agora as pessoas querem mudar isso. Elas querem viver em locais de fácil acessibilidade, seguros e agradáveis. Elas querem comunidades habitáveis onde possam caminhar, socializar, andar de bicicleta e ter recreação.

ANDAR é uma atividade humana básica que tem sido, frequentemente, menosprezada na ânsia de se construirem meios mais sofisticados de transporte.

Agora as pessoas querem mudar isso.

Elas querem viver em locais de fácil acessibilidade, seguros e agradáveis.

Elas querem comunidades habitáveis onde possam caminhar, socializar, andar de bicicleta e ter recreação.

BENEFÍCIOS PROPORCIONADOS PELA MELHORIA DA MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Redução nos custos de transportes. Elevação do número de consumidores nos centros comerciais. Melhor uso das áreas de estacionamento: poderão ser usadas para outras finalidades. Fortalece as atividades do comércio local e gera empregos. Melhora o trânsito dos demais modais de transporte. Reduz custos com saúde por estimular a atividade física. ECONÔMICOS

Redução nos custos de transportes.

Elevação do número de consumidores nos centros comerciais.

Melhor uso das áreas de estacionamento: poderão ser usadas para outras finalidades.

Fortalece as atividades do comércio local e gera empregos.

Melhora o trânsito dos demais modais de transporte.

Reduz custos com saúde por estimular a atividade física.

Melhora a acessibilidade das pessoas que estão com desvantagem de locomoção. Reduz os custos externos de transporte (riscos de colisões, poluição, etc). Fortalece a interação e coesão comunitária. Melhora a preservação de recursos culturais (p. ex., construções históricas). Estimula o exercício físico. SOCIAIS

Melhora a acessibilidade das pessoas que estão com desvantagem de locomoção.

Reduz os custos externos de transporte (riscos de colisões, poluição, etc).

Fortalece a interação e coesão comunitária.

Melhora a preservação de recursos culturais (p. ex., construções históricas).

Estimula o exercício físico.

Reduz a necessidade de terras para vias urbanas e estacionamentos. Melhora a preservação ambiental Reduz o consumo de energia e emissão de poluição Melhora a estética urbana Reduz a poluição das águas Contribui para reduzir o aquecimento global AMBIENTAIS

Reduz a necessidade de terras para vias urbanas e estacionamentos.

Melhora a preservação ambiental

Reduz o consumo de energia e emissão de poluição

Melhora a estética urbana

Reduz a poluição das águas

Contribui para reduzir o aquecimento global

“ Qualidade urbana” refere-se à forma como os moradores percebem a qualidade social e ambiental de uma certa área urbana. Isto inclui: segurança pública (de trânsito, pessoal), saúde pública, qualidade ambiental (poluição do ar e das águas, sonora), coesão comunitária (respeito, participação), oportunidades de recreação e entretenimento. QUALIDADE URBANA

“ Qualidade urbana” refere-se à forma como os moradores percebem a qualidade social e ambiental de uma certa área urbana.

Isto inclui: segurança pública (de trânsito, pessoal), saúde pública, qualidade ambiental (poluição do ar e das águas, sonora), coesão comunitária (respeito, participação), oportunidades de recreação e entretenimento.

Criação de ambientes e melhores condições para a realização de caminhadas. Menos poluição automobilistica prejudicial à saúde . Menos poluição sonora. Redução de acidentes de trânsito e de vítimas. SAÚDE

Criação de ambientes e melhores condições para a realização de caminhadas.

Menos poluição automobilistica prejudicial à saúde .

Menos poluição sonora.

Redução de acidentes de trânsito e de vítimas.

Eqüidade refere-se à distribuição equilibrada e justa de recursos e oportunidades. Decisões sobre transportes podem afetar a eqüidade de várias maneiras, assumindo que as pessoas devem ser tratadas justamente e que a sociedade deve proporcionar apoio para as pessoas que estão em desvantagem. Projetos de mobilidade e acessibilidade podem ajudar a atingir diversos objetivos de eqüidade de modo a proporcionar mobilidade básica para não motoristas, pessoas de baixa renda e pessoas com deficiencias. EQÜIDADE

Eqüidade refere-se à distribuição equilibrada e justa de recursos e oportunidades. Decisões sobre transportes podem afetar a eqüidade de várias maneiras, assumindo que as pessoas devem ser tratadas justamente e que a sociedade deve proporcionar apoio para as pessoas que estão em desvantagem.

Projetos de mobilidade e acessibilidade podem ajudar a atingir diversos objetivos de eqüidade de modo a proporcionar mobilidade básica para não motoristas, pessoas de baixa renda e pessoas com deficiencias.

Isso posto, significa que, se quisermos ter um futuro melhor, devemos (todos nós) participar do processo de GESTÃO DE RISCOS DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE URBANAS O futuro se sonha e se constrói. É a vontade coletiva das pessoas que torna o futuro real .

Isso posto, significa que, se quisermos ter um futuro melhor,

devemos (todos nós) participar do processo de

GESTÃO DE RISCOS DE

MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

URBANAS

RISCO é a probabilidade de concretização de uma AMEAÇA. AMEAÇA é algo, real ou imaginário, que compromete nossa SEGURANÇA, BEM-ESTAR, CONFORTO, TRANQUILIDADE.

AMEAÇAS E RISCOS Eventos, coisas ou pessoas que podem provocar danos à integridade física e emocional das pessoas Importante lembrar que ameaças não surgem apenas de fatos ou situações RUINS. Fatos ou situações BOAS também podem ser geradoras de perigos para as pessoas.

AMEAÇAS E RISCOS

Eventos, coisas ou pessoas que podem provocar danos à integridade física e emocional das pessoas

Importante lembrar que ameaças não surgem apenas de fatos ou situações RUINS.

Fatos ou situações BOAS também podem ser geradoras de perigos para as pessoas.

GESTÃO Planejamento, organização, comando, coordenação e controle de recursos para eliminar ou reduzir as situações de risco. Elementos básicos de um plano: Doutrinas ou Políticas Organização (Estrutura e Processos) Pessoas Treinamento Liderança Materiais Infraestrutura Cultura (Senso de Missão)

GESTÃO

Planejamento, organização, comando, coordenação e controle de recursos para eliminar ou reduzir as situações de risco.

Elementos básicos de um plano:

Doutrinas ou Políticas

Organização (Estrutura e Processos)

Pessoas

Treinamento

Liderança

Materiais

Infraestrutura

Cultura (Senso de Missão)

GESTÃO DE RISCOS é um processo cientificamente fundamentado, formado pelas seguintes fases: 1 - IDENTIFICAÇÃO DAS AMEAÇAS – Tipos possíveis, potencial destrutivo e probabilidade de ocorrência. 2 - ESTIMATIVA DE CONSEQÜÊNCIAS OU DANOS – Mortos, feridos, danos materiais, custos. Caracterização dos riscos: alto risco, médio risco, baixo risco. 3 - RECURSOS PARA ENFRENTAR AS AMEAÇAS – Humanos, materiais, financeiros, tempo.

GESTÃO DE RISCOS é um processo cientificamente fundamentado, formado pelas seguintes fases:

1 - IDENTIFICAÇÃO DAS AMEAÇAS – Tipos possíveis, potencial destrutivo e probabilidade de ocorrência.

2 - ESTIMATIVA DE CONSEQÜÊNCIAS OU DANOS – Mortos, feridos, danos materiais, custos. Caracterização dos riscos: alto risco, médio risco, baixo risco.

3 - RECURSOS PARA ENFRENTAR AS AMEAÇAS – Humanos, materiais, financeiros, tempo.

Uma ameaça é uma fonte de perigo. É qualquer condição, existente ou potencial, que pode ferir ou matar pessoas ou provocar danos e perdas a equipamentos, veículos e outros bens. As ameaças devem ser: Identificadas Avaliadas quanto a seu potencial de danos. Pergunta-chave: “ Para que tipos de ameaças devemos estar preparados?”

Uma ameaça é uma fonte de perigo.

É qualquer condição, existente ou potencial, que pode ferir ou matar pessoas ou provocar danos e perdas a equipamentos, veículos e outros bens.

As ameaças devem ser:

Identificadas

Avaliadas quanto a seu potencial de danos.

Pergunta-chave:

“ Para que tipos de ameaças devemos estar preparados?”

Quem é ameaçado? Ex: idosos, pessoas com deficiencias, crianças. Quando surgem as ameaças? Ex: hora do dia. Onde ocorrem as ameaças? Ex: cruzamentos, locais pouco iluminados, calçadas irregulares. Como se manifestam as ameaças? Ex: motoristas irresponsáveis. Por que existem as ameaças? Ex: sensação de impunidade, falta de sinalização, comportamentos inseguros.

Quem é ameaçado?

Ex: idosos, pessoas com deficiencias, crianças.

Quando surgem as ameaças?

Ex: hora do dia.

Onde ocorrem as ameaças?

Ex: cruzamentos, locais pouco iluminados, calçadas irregulares.

Como se manifestam as ameaças?

Ex: motoristas irresponsáveis.

Por que existem as ameaças?

Ex: sensação de impunidade, falta de sinalização, comportamentos inseguros.

Onde estão as ameaças? Que riscos (perigos) essas ameaças produzem?

A rota acessível externa pode incorporar estacionamentos, calçadas rebaixadas, faixas de travessia de pedestres, rampas, etc. A rota acessível interna pode incorporar corredores, pisos, rampas, escadas, elevadores etc. Onde estão as ameaças? Que riscos (perigos) essas ameaças produzem?

Onde estão as ameaças? Que riscos (perigos) essas ameaças produzem?

Mortos, feridos, danos materiais, custos. Caracterização dos riscos: alto risco, médio risco, baixo risco. Duas ferramentas importantes: HISTOGRAMA e DIAGRAMA DE CAUSA – EFEITO (ou de ISHIKAWA ou ESPINHA DE PEIXE) Nº VÍTIMAS TIPO DE ACIDENTE HISTOGRAMA PROBLEMA PESSOAS PROCESSOS MATERIAL EDUCAÇÃO SINALIZAÇÃO DIAGRAMA DE CAUSA e EFEITO

Mortos, feridos, danos materiais, custos. Caracterização dos riscos: alto risco, médio risco, baixo risco.

Duas ferramentas importantes: HISTOGRAMA e DIAGRAMA DE CAUSA – EFEITO (ou de ISHIKAWA ou ESPINHA DE PEIXE)

Humanos, materiais, financeiros, tempo. TIPOS DE AMEAÇAS E CONSEQÜÊNCIAS RECURSOS NECESSÁRIOS CUSTOS ORÇAMENTO $ VÍTIMAS

Humanos, materiais, financeiros, tempo.

Aqui, onde o curso termina, começa o seu trabalho de divulgar os conceitos de mobilidade e acessibilidade, em benefício da sociedade.

Add a comment

Related presentations

Related pages

Acessibilidade e mobilidade urbana |

Julia, acho que em termos práticos acessibilidade e mobilidade são as facilidades que o Governo, entenda prefeitura, estadual e federal, impõem com leis ...
Read more

Acessibilidade e mobilidade urbana - YouTube

Desrespeito e descaso na QSB 6 Em Taguatinga - DF O direito de ir e vir vilipendiado.
Read more

MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE URBANA by on Prezi

Make your likes visible on Facebook? Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline. You can change this under Settings ...
Read more

Mobilidade e Acessibilidade Urbanas Sustentáveis: A ...

alguma forma, a sustentabilidade urbana, a mobilidade, a acessibilidade, e o conforto espacial e ambiental, causando queda na qualidade de vida citadina.
Read more

Acessibilidade na mobilidade urbana - YouTube

A coordenadora do Centro de Apoio Operacional da Ordem Urbanística e Questões Fundiárias, Débora Menegat, fala sobre a acessibilidade na ...
Read more

L12587 - Página Inicial — Palácio do Planalto

O Plano de Mobilidade Urbana é o instrumento de ... as infraestruturas do sistema de mobilidade urbana; IV - a acessibilidade para pessoas com ...
Read more

A Mobilidade e a Acessibilidade | Mobilidade Urbana ...

Pensar a mobilidade urbana de modo mais eficiente em termos sociais, econômicos e ambientais, é sustentabilidade. Pensar a mobilidade urbana com mais ...
Read more

Secretaria de Município de Mobilidade Urbana e Acessibilidade

Competências: A Secretaria de Município de Mobilidade Urbana e Acessibilidade tem por finalidades básicas o planejamento operacional, gestão e controle ...
Read more

Mobilidade urbana – Wikipédia, a enciclopédia livre

Mobilidade urbana é a condição em que ... Dentre os princípios que embasam a Política Nacional de Mobilidade Urbana, destacam-se: a acessibilidade ...
Read more