Marinha De Guerra Portuguesa

50 %
50 %
Information about Marinha De Guerra Portuguesa

Published on June 25, 2009

Author: jvtorres

Source: slideshare.net

Marinha de Guerra Portuguesa Seus Navios “ A Pátria Honrai, que a Pátria vos contempla”

Tipos de Navios de Guerra da Armada Portuguesa Auxiliares Fragatas Corvetas Patrulhas Lanchas Submarinos A F P L F S

Auxiliares

Fragatas

Corvetas

Patrulhas

Lanchas

Submarinos

Navios Auxiliares Os navios auxiliares dividem-se em alguns tipos os quais vamos ver brevemente indicando um de cada classe especificando cada um de uma maneira geral. Reabastecedor Navio Hidrográfico Balizador Lancha hidrográfica

Os navios auxiliares dividem-se em alguns tipos os quais vamos ver brevemente indicando um de cada classe especificando cada um de uma maneira geral.

N.R.P Bérrio O Reabastecedor da Marinha de Guerra Portuguesa é um navio de apoio logístico. Foi adquirido ao Reino Unido, tendo sido aumentado ao efectivo dos navios da Marinha a 31 de Março de 1993. Principais características : Deslocamento: 11 522 ton Comprimento: 140.6 m Boca: 19.2 m Calado: 7.3 m Propulsão: 2 Motores Diesel Velocidade: 19 nós Autonomia: 15 000 milhas náuticas a 15 nós

O Reabastecedor da Marinha de Guerra Portuguesa é um navio de apoio logístico. Foi adquirido ao Reino Unido, tendo sido aumentado ao efectivo dos navios da Marinha a 31 de Março de 1993.

N.R.P Schultz Xavier É um navio balizador, construído nos estaleiros navais do Alfeite, entrou ao serviço em 1972. Tem como principal missão a balizagem e o apoio aos faróis dos portos portugueses, tem ainda a capacidade de apoiar operações de salvamento marítimo, designadamente o reboque e desencalhe de navios de porte médio. Principais características : Deslocamento: 900 ton Comprimento: 56 m Boca: 10 m Calado: 3.8 m Propulsão: 2 Motores Diesel Velocidade: 14.5 nos Autonomia: 3000 milhas náuticas a 12.5 nós

É um navio balizador, construído nos estaleiros navais do Alfeite, entrou ao serviço em 1972.

Tem como principal missão a balizagem e o apoio aos faróis dos portos portugueses, tem ainda a capacidade de apoiar operações de salvamento marítimo, designadamente o reboque e desencalhe de navios de porte médio.

N.R.P D. Carlos I É um navio hidrográfico, entrou ao serviço da Marinha de Guerra Portuguesa em 1995, vindo dos Estados Unidos. Foi modernizado e adaptado a navio de investigação hidrográfica e oceanografia no Arsenal do Alfeite. Os dois navios da classe tomaram o nome de ilustres cientistas marítimos portugueses, o Rei D. Carlos I e o Almirante Gago Coutinho. Principais características : Deslocamento: 2285 ton Comprimento: 68.3 m Boca: 13.1 m Calado: 4.6 m Propulsão: 2 motores GE e 4 geradores Velocidade: 11 nós Autonomia: 4 000 milhas a 11 nós

É um navio hidrográfico, entrou ao serviço da Marinha de Guerra Portuguesa em 1995, vindo dos Estados Unidos.

Foi modernizado e adaptado a navio de investigação hidrográfica e oceanografia no Arsenal do Alfeite.

Os dois navios da classe tomaram o nome de ilustres cientistas marítimos portugueses, o Rei D. Carlos I e o Almirante Gago Coutinho.

N.R.P. Andromeda Esta classe de navio é semelhante a classe D.Carlos I, embora mais pequena tem o mesmo tipo de missão, a investigação hidrográfica e oceanográfica, mas estas em estuários e águas costeiras. Estão ao serviço desde 1987. Em caso de necessidade esta classe pode ser utilizada como navios de guerra de minas. Principais características : Deslocamento: 247 ton Comprimento: 31.5 m Boca: 7.7m Calado: 3.1m Propulsão: 1 motor diesel; 1 motor eléctrico Velocidade: 12 nós (motor diesel) 5 nós (motor eléctrico) Autonomia: 1980 milhas a 10 nós

Esta classe de navio é semelhante a classe D.Carlos I, embora mais pequena tem o mesmo tipo de missão, a investigação hidrográfica e oceanográfica, mas estas em estuários e águas costeiras. Estão ao serviço desde 1987.

Em caso de necessidade esta classe pode ser utilizada como navios de guerra de minas.

Fragatas As fragatas da Marinha de Guerra Portuguesa dividem se em duas classes: A classe Vasco da Gama que esta ao serviço desde 1991 A classe Bartolomeu Dias que entrou ao serviço em Abril de 2009. N.R.P. Vasco da Gama N.R.P Bartolomeu Dias

As fragatas da Marinha de Guerra Portuguesa dividem se em duas classes:

A classe Vasco da Gama que esta ao serviço desde 1991

A classe Bartolomeu Dias que entrou ao serviço em Abril de 2009.

Vasco da Gama É uma fragata construída em Hamburgo, Alemanha pelos estaleiros “Blohm & Voss”, foi a primeira a chegar a Portugal a 18 de Janeiro de 1991, por isso é ela que dá o nome a sua classe, as “irmãs” chegaram pouco depois, a Alvares Cabral a 24 de Maio de 1991 e a Corte Real a 01 de Fevereiro de 1992.Tem representado o pais e os interesses nacionais em vários cenários tais como: Angola, Mar Adriático, Guiné, Timor-Leste e mais recentemente Golfo do Aden perto da Somália. Principais características : Deslocamento: 3200 ton Comprimento: 116 m Boca: 14.80 m Calado: 6.00 m Propulsão: 8.840hp (Diesel); 53.000hp (Gás) Velocidade: 20nós (Diesel); 32nós (Gás) Autonomia: 15 000 milhas náuticas a 15 nós

É uma fragata construída em Hamburgo, Alemanha pelos estaleiros “Blohm & Voss”, foi a primeira a chegar a Portugal a 18 de Janeiro de 1991, por isso é ela que dá o nome a sua classe, as “irmãs” chegaram pouco depois, a Alvares Cabral a 24 de Maio de 1991 e a Corte Real a 01 de Fevereiro de 1992.Tem representado o pais e os interesses nacionais em vários cenários tais como:

Angola, Mar Adriático, Guiné, Timor-Leste e mais recentemente Golfo do Aden perto da Somália.

Bartolomeu Dias A mais nova aquisição da M.G.P. é uma versão mais moderna da classe Vasco da Gama, foi construída em 1994 nos estaleiros navais “De Schelde Group” na Holanda sendo transferida para Portugal a 30 de Abril de 2009. Tem as mesmas missões das outras fragatas, guerra anti aérea, anti submarina e a representação do Pais e da Nato . A Marinha aguarda ainda a chegada do segundo navio, N.R.P. Francisco de Almeida. Principais características : Deslocamento: 3320 ton Comprimento: 122.3 m Boca: 14.40 m Calado: 4.3 m Propulsão: CODOG - Turbina a gás (2 x Rolls Royce Spey-SM1C -48 000 cv) ou motor a Diesel (2 x Rolls Royce 12 SW 280 - 16 000 cv) Velocidade: 30nós Autonomia: 9 000 KM a 18 nós

A mais nova aquisição da M.G.P. é uma versão mais moderna da classe Vasco da Gama, foi construída em 1994 nos estaleiros navais “De Schelde Group” na Holanda sendo transferida para Portugal a 30 de Abril de 2009.

Tem as mesmas missões das outras fragatas, guerra anti aérea, anti submarina e a representação do Pais e da Nato .

A Marinha aguarda ainda a chegada do segundo navio, N.R.P. Francisco de Almeida.

Corvetas Este tipo de navio também se divide em duas classes: A classe João Coutinho que entrou ao serviço em 1970 e a classe Baptista de Andrade que entrou ao serviço em 1974. N.R.P.Baptista de Andrade N.R.P. João Coutinho

Este tipo de navio também se divide em duas classes:

A classe João Coutinho que entrou ao serviço em 1970 e a classe Baptista de Andrade que entrou ao serviço em 1974.

N.R.P. João Coutinho Esta classe foi projectada pelo Engenheiro Rogério D`Oliveira especialmente adaptado para actuar nas aguas territoriais ultramarinas portuguesas, dando apoio de fogo durante a guerra entre 1970/1975. Após esta missão nas águas de Angola, Guiné Portuguesa, Moçambique e Cabo Verde, estes navios foram direccionados para missões de vigilância, fiscalização, busca e salvamento nas águas de Portugal. Principais características : Deslocamento: 1438 ton Comprimento: 85 m Boca: 12.5 m Propulsão: 2 motores diesel Velocidade: 23 nós Autonomia: 10600milhas a 18 nós

Esta classe foi projectada pelo Engenheiro Rogério D`Oliveira especialmente adaptado para actuar nas aguas territoriais ultramarinas portuguesas, dando apoio de fogo durante a guerra entre 1970/1975.

Após esta missão nas águas de Angola, Guiné Portuguesa, Moçambique e Cabo Verde, estes navios foram direccionados para missões de vigilância, fiscalização, busca e salvamento nas águas de Portugal.

N.R.P. Baptista de Andrade Esta classe é um aperfeiçoamento da classe João Coutinho, com mais armamento foram construídos quatro navios desde 1973 a 1975. Com o aperfeiçoamento ficaram mais viradas para o combate anti-submarino e antiaéreo, esta maior capacidade faz com que ocasionalmente sejam consideradas fragatas ligeiras dai terem o F no seu número de amura. Fazem também missões de vigilância, fiscalização, busca e salvamento nas águas de Portugal. Principais características: Deslocamento: 1380 ton Comprimento: 85 m Boca: 10.3 m Calado: 3.3 m Propulsão: 2 Motores Diesel Velocidade: 23 nós Autonomia: 10600 milhas a 18 nós

Esta classe é um aperfeiçoamento da classe João Coutinho, com mais armamento foram construídos quatro navios desde 1973 a 1975.

Com o aperfeiçoamento ficaram mais viradas para o combate anti-submarino e antiaéreo, esta maior capacidade faz com que ocasionalmente sejam consideradas fragatas ligeiras dai terem o F no seu número de amura. Fazem também missões de vigilância, fiscalização, busca e salvamento nas águas de Portugal.

Patrulhas A Marinha de Guerra Portuguesa tem ao serviço a classe Cacine desde 1969. Aguarda a entrada ao serviço dos navios da classe Viana do Castelo ainda em fase de construção. N.R.P. Cacine N.R.P. Viana do Castelo

A Marinha de Guerra Portuguesa tem ao serviço a classe Cacine desde 1969.

Aguarda a entrada ao serviço dos navios da classe Viana do Castelo ainda em fase de construção.

N.R.P. Cacine Foram construídos nos estaleiros do Alfeite e do Mondego entre 1969 e 1973. Receberam o nome de rios dos territórios ultramarinos Portugueses e até a independência das colónias estes navios participaram na guerra do Ultramar. Depois de 1975 estes navios passaram a ser utilizados na vigilância e fiscalização das águas de Portugal. Principais características: Deslocamento: 310 ton Comprimento: 44 m Boca: 7.7 m Propulsão: 2 motores diesel Velocidade: 20nós Autonomia: 8000 km a 12 nós

Foram construídos nos estaleiros do Alfeite e do Mondego entre 1969 e 1973. Receberam o nome de rios dos territórios ultramarinos Portugueses e até a independência das colónias estes navios participaram na guerra do Ultramar.

Depois de 1975 estes navios passaram a ser utilizados na vigilância e fiscalização das águas de Portugal.

N.R.P. Viana do Castelo Estes navios ainda em fase de construção nos Estaleiros de Viana do Castelo são navios patrulha oceânicos. Especialmente construídos para as águas revoltosas do Atlântico Norte. São os maiores navios a motor e armados construídos em Portugal. Esta classe vem substituir as “velhinhas” Corvetas. Principais características: Deslocamento: 1750 ton Comprimento: 83.1 m Boca: 12.95 m Calado: 3.69 m Propulsão: 2 motores diesel, 2 motores eléctricos Velocidade: 23 nós Autonomia: 4 859 milhas náuticas a 15 nós

Estes navios ainda em fase de construção nos Estaleiros de Viana do Castelo são navios patrulha oceânicos. Especialmente construídos para as águas revoltosas do Atlântico Norte. São os maiores navios a motor e armados construídos em Portugal.

Esta classe vem substituir as “velhinhas” Corvetas.

Lanchas A Marinha de Guerra Portuguesa tem três classes deste tipo de navios. A classe Albatroz, a classe Argos e a classe Centauro que vamos descrever seguidamente. N.R.P Centauro N.R.P Albatroz N.R.P Argos

A Marinha de Guerra Portuguesa tem três classes deste tipo de navios.

A classe Albatroz, a classe Argos e a classe Centauro que vamos descrever seguidamente.

N.R.P. Albatroz As lanchas de fiscalização estão ao serviço desde 1974, sendo esta classe a mais antiga, foi construída no Arsenal do Alfeite. Fiscalizam sobretudo os navios de pesca não só para constatar algum tipo de ilegalidade mas também a segurança a bordo destes navios. Como são as mais antigas estão a ser substituídas pelas classes mais modernas. Principais características: Deslocamento: 45 ton Comprimento: 18.4 m Calado: 5.2 m Propulsão: 2 motores diesel Velocidade: 20 nós Autonomia: 4 500 Km a 12 nós

As lanchas de fiscalização estão ao serviço desde 1974, sendo esta classe a mais antiga, foi construída no Arsenal do Alfeite.

Fiscalizam sobretudo os navios de pesca não só para constatar algum tipo de ilegalidade mas também a segurança a bordo destes navios.

Como são as mais antigas estão a ser substituídas pelas classes mais modernas.

N.R.P. Argos Ao serviço desde 1991, foi projectada pelo Arsenal do Alfeite mas construída nos estaleiros navais de Vila Real de Sto António. Tem como missão principal a fiscalização e patrulha das aguas territoriais portuguesas e como secundária, o combate à poluição. Foi baptizada segundo uma tradição naval, com o nome de constelações. Principais características: Deslocamento: 97 ton Comprimento: 27 m Boca: 5.9 m Calado: 2.8 m Propulsão: 2 motores diesel Velocidade: 26 nós

Ao serviço desde 1991, foi projectada pelo Arsenal do Alfeite mas construída nos estaleiros navais de Vila Real de Sto António. Tem como missão principal a fiscalização e patrulha das aguas territoriais portuguesas e como secundária, o combate à poluição.

Foi baptizada segundo uma tradição naval, com o nome de constelações.

N.R.P. Centauro Construídas no Arsenal do Alfeite e do Mondego em 2000, tem origem nas lanchas Classe Argos com algumas diferenças e melhoramentos, os quais consistem no armamento e o alumínio no casco. Foi nesta classe que em 2007 a MGP teve pela primeira vez uma mulher no comando. O NRP Sagitário teve no seu comando a Segundo Tenente Gisela Antunes. Principais características: Deslocamento: 98 ton Comprimento: 28.4 m Boca: 5.95 m Calado: 1.4 m Propulsão: 2 motores diesel Cummings de 1 800 cv Velocidade: 26 nós

Construídas no Arsenal do Alfeite e do Mondego em 2000, tem origem nas lanchas Classe Argos com algumas diferenças e melhoramentos, os quais consistem no armamento e o alumínio no casco.

Foi nesta classe que em 2007 a MGP teve pela primeira vez uma mulher no comando.

O NRP Sagitário teve no seu comando a Segundo Tenente Gisela Antunes.

Submarinos Este tipo de navio, é diferente de todos os outros de que já falamos até agora pois navega em imersão, ou seja, debaixo de água. Também se divide em duas classes: A classe Albacora ao serviço desde 1967 A classe Tridente que deverá entrar ao serviço no ano 2009. N.R.P . Albacora N.R.P. Tridente

Este tipo de navio, é diferente de todos os outros de que já falamos até agora pois navega em imersão, ou seja, debaixo de água.

Também se divide em duas classes:

A classe Albacora ao serviço desde 1967

A classe Tridente que deverá entrar ao serviço no ano 2009.

N.R.P. Albacora São quatro os navios que formam esta esquadrilha, SSK Albacora, SSK Barracuda, SSK Cachalote e SSK Delfim. Têm origem dos submarinos franceses classe Daphné e foram mandados construir nos Estaleiros Dubigéon em 1964, entrando ao serviço da M.G.P. em 1967. Foram baptizados com nomes de animais marinhos cujas iniciais (A, B, C, D) representam a ordem de entrada ao serviço. Principais características: Deslocamento: 869t(superf.) 1043t (em imersão) Comprimento: 57.8 m Boca: 6.8 m Calado: 5.2 m Propulsão: 2 geradores; 2 motores diesel; 1 motor eléctrico Velocidade: 13,5 nós (à superfície) 16 nós (em imersão) Autonomia: 4.800 km Profundidade: 310m Tripulação: 54

São quatro os navios que formam esta esquadrilha, SSK Albacora, SSK Barracuda, SSK Cachalote e SSK Delfim. Têm origem dos submarinos franceses classe Daphné e foram mandados construir nos Estaleiros Dubigéon em 1964, entrando ao serviço da M.G.P. em 1967.

Foram baptizados com nomes de animais marinhos cujas iniciais (A, B, C, D) representam a ordem de entrada ao serviço.

N.R.P. Tridente A classe Tridente é um modelo de submarino em construção, na Alemanha pelos Estaleiros HDW (Howaldtsweke Deutsche Werft GmbH). Irão substituir a classe Albacora, formando a 5ª Esquadrilha de submarinos Portugueses. Esta classe irá permitir a manutenção de combate subsuperficie da MGP, tornando-a numa das mais antigas das marinhas do mundo a manter essa capacidade. Principais características: Deslocamento: 1842t(superf.) 2020t (em imersão) Comprimento: 68 m Boca: 6.35 m Calado: 6.6 m Propulsão: 2 geradores; 2 motores diesel; 1 motor eléctrico Velocidade: 12 nós (à superfície) 20 nós (em imersão) Autonomia: 1200 milhas náuticas Profundidade: 350m Tripulação : 32

A classe Tridente é um modelo de submarino em construção, na Alemanha pelos Estaleiros HDW (Howaldtsweke Deutsche Werft GmbH).

Irão substituir a classe Albacora, formando a 5ª Esquadrilha de submarinos Portugueses.

Esta classe irá permitir a manutenção de combate subsuperficie da MGP, tornando-a numa das mais antigas das marinhas do mundo a manter essa capacidade.

Trabalho elaborado por: Lara Oliveira Susana Rochinha 10ºA

Add a comment

Related pages

Marinha de Guerra Portuguesa - Portal da Marinha - Portal ...

Informações detalhadas sobre a Marinha Portuguesa, recrutamento, história, biblioteca, museu e aquário.
Read more

Marinha de Guerra Portuguesa 2012 - YouTube

Homenagem a todos os Filhos da Escola que serviram, servem e servirão a Marinha de Guerra Portuguesa.
Read more

Marinha de Guerra Portuguesa - YouTube

Marinha de Guerra Portuguesa, provavelmente a mais antiga do mundo.
Read more

Marinha Portuguesa – Wikipédia, a enciclopédia livre

A Marinha Portuguesa tem uma história bastante antiga, que se liga à própria história de Portugal, aliás, a Marinha de Guerra Portuguesa é o ramo das ...
Read more

Marinha de Guerra Portuguesa

Marinha de Guerra Portuguesa. 1,959 likes · 93 talking about this. Página dedicada à divulgação fotográfica e registo de video sobre a Marinha de ...
Read more

Marinha de Guerra Portuguesa

Marinha de Guerra Portuguesa. 974 likes. Esta página foi criada para promover a mui gloriosa Marinha Portuguesa e a todos aqueles que orgulhosamente a...
Read more

Marinha de Guerra Portuguesa - Wikipedia

Marinha de Guerra Portuguesa (in italiano: Marina da guerra del Portogallo) è una delle componenti delle Forze armate portoghesi; la sua missione ha una ...
Read more

Portuguese Navy / Marinha de Guerra Portuguesa

RANK INSIGNIA - NAVY & COAST GUARD. State: ... original name Marinha de Guerra Portuguesa . Grumete: Segundo-marinheiro: Primeiro-marinheiro: Cabo: Seaman:
Read more

Marinha – Wikipédia, a enciclopédia livre

Uma marinha de guerra oceânica (conhecida também pelo termo em Inglês "blue water navy" ... Marinha Portuguesa; Marinha do Brasil; Marinha Real Australiana;
Read more