Juventude e Território: Um olhar jovem sobre a governança da terra

50 %
50 %
Information about Juventude e Território: Um olhar jovem sobre a governança da terra

Published on July 13, 2016

Author: Alicebrs

Source: slideshare.net

1. Juventude  e  Território   Um  olhar  jovem  sobre               a  gestão  democrática             da  cidade   Realização   Apoio  

2. Juventude  e  Território:  Um  olhar  jovem  sobre  a  gestão  democrática  da  cidade.   ©  United  Nations  Human  Settlements  Programme  (UN-­‐HABITAT),  2015.       Realização           Apoio       Nota   As  designações  empregadas  e  a  apresentação  do  material  dessa  publicação  não  implicam,  de   forma  alguma,  a  expressão  de  qualquer  opinião  por  parte  do  secretariado  das  Nações  Unidas   em   relação   à   situação   legal   de   qualquer   país,   território,   cidade   ou   área,   ou   de   suas   autoridades,   ou   à   delimitação   de   suas   fronteiras   ou   limites,   ou   em   relação   a   seu   sistema   econômico   ou   grau   de   desenvolvimento.   As   análises,   conclusões   e   recomendações   dessa   publicação  não  refletem  necessariamente  as  visões  da  ONU-­‐Habitat.     United  Nations  Human  Settlements  Programme  (UN-­‐HABITAT)   P.O.  Box  30030,  Nairobi  00100,  Kenya   Tel:  +254  20  762  3120   Fax:  +254  20  762  3477   www.unhabitat.org     Agradecimentos   Fotos  da  capa:  ©  Escola  de  Notícias,  Ricardo  Lisboa  Photography.   Ilustrações  e  fotos  texto:  ©  Freepik.com  e  fotos  divulgação.   Autores:  Alice  Junqueira,  João  Felipe  Scarpelini,  Talita  Montiel,  Safira  de  La  Sala.   Contribuíram   com   os   estudos   de   caso:   Bruno   Santos,   Caique   Andrade,  Cesar   Augusto   Quental,  Diego  da  Cunha,  Emi  Tanaka,  Flavio  Calado,  João  Amorim,  Julia  Paiva,  Lais  Lisandra,   Marina  Amorin,  Pamela  de  Assis,  Patrícia  Guisordi,  Pedro  Alcântara,  Rangel  Mohedano,  Raul   Torres,   Regina   Meirelles,   Ricardo   Mello,   Escola   de   Notícias,   Ideia   em   Pixel,   Cidade   Democrática,  Amigos  da  Praça  Éder  Sader,  Rede  de  Moradores  da  Vila  Madalena,  Instituto   Elos  e  GVT.   Contribuíram  com  informações:  Governo  Municipal  da  Cidade  de  São  Paulo  –  Gabinete  do   Prefeito,  Secretaria  de  Relações  Internacionais  e  Federativas,  Secretaria  de  Direitos  Humanos   e  Cidadania,  Secretaria  de  Relações  governamentais,  Secretaria  de  Desenvolvimento  Urbano,   Secretaria  de  Cultura,  Secretaria  do  Verde  e  do  Meio  Ambiente,  Secretaria  de  Comunicação;   Escola  de  Governo;  GT  Democracia  Participativa  Rede  Nossa  São  Paulo;  Assessoria  técnica  da   CDHU;  Associação  dos  trabalhadores  sem  terra  da  zona  oeste  e  noroeste  de  São  Paulo;  Minha   Sampa  e  Movimento  Parque  Augusta.   Contribuíram  com  o  questionário  online:  Núcleo  de  Estudos  e  Pesquisas  em  Gestão,  Políticas   e  Tecnologias  da  Informação  -­‐  NGPTI/UFG  ,  Mob  Consult  e  Luiz  Bouabci.   Site  (http://www.youthandland.org):  Kenichi  Haramoto  e  Willian  Martinelli.   Design  gráfico:  Alice  Junqueira.  

3. SUmARIO EXTECUTIVO   Essa  publicação  tem  o  intuito  de  compartilhar  os  resultados  do  projeto  Juventude  e  Território   –   um   olhar   jovem   sobre   a   gestão   democrática   da   cidade.   O   projeto   nasceu   como   um   dos   resultados  da  parceria  entre  o  Global  Land  Tool  Network  (GLTN),  cujo  objetivo  é  contribuir   para  a  diminuição  da  pobreza  por  meio  da  reforma  agrária,  da  melhoria  da  gestão  da  terra  e   da  garantia  do  direito  a  ocupação  e  propriedade  para  todos  e  todas,  e  a  ONU-­‐Habitat,  agência   da  Organização  das  Nações  Unidas  (ONU)  responsável  por  promover  a  discussão  e  o  avanço   de  questões  relacionadas  à  moradia  e  ao  desenvolvimento  urbano  sustentável.     Nos   últimos   anos,   ambas   organizações   desenvolveram   projetos   e   materiais   de   referências   para  a  compreensão  do  acesso  à  terra  sob  as  perspectivas  de  gênero  e  comunidades  de  base.   Estas  experiências  deram  origem  a  uma  terceira  linha  de  pesquisa  focada  na  juventude,  uma   outra   lacuna   identificada   a   partir   de   dois   importantes   fatores   do   contexto   atual:   o   grande   número  da  população  jovem  mundial  e  a  urbanização  acelerada.     Cerca   de   um   quarto   (24,7%)   da   população   mundial   tem   entre   15   e   29   anos   (U.S.   Census   Bureau,  2014),  a  maior  quantidade  de  jovens  que  já  existiu1 .  Para  2030,  a  previsão  é  de  que   60%   da   população   urbana   terá   menos   de   18   anos,   a   maioria   deles   vivendo   em   favelas   e   assentamentos   informais   (ONU-­‐Habitat,   2013).   No   entanto,  pouco   se   fala   de   juventude   quando   se   fala   em   acesso   à   terra   e,   ainda   menos,   quando   se   trata   do   acesso   à   terra   no   contexto  urbano.  Qual  a  relação  da  juventude  com  a  terra  na  cidade?  Como  a  juventude  tem   acesso   à   terra?   Como   as   políticas   públicas   municipais   a   incorporam?   Os/as   jovens   se   preocupam   mais   com   o   espaço   público   do   que   com   moradia   e   propriedade?   Essas   são   algumas  das  perguntas  sobre  as  quais  o  GLTN  e  a  ONU-­‐Habitat  vêm  refletindo  e  os  temas   sobre   os   quais   tem   buscado   desenvolver   conteúdo   referencial,   com   o   intuito   de   fornecer   subsídios   para   criação   de   uma   política   global,   construída   a   partir   de   experiências   locais   articuladas  por  jovens.   Dessa   maneira,   promoveram   projetos   de   pesquisa   em   cinco   países:   Brasil,   Iêmen,   Nepal,   Quênia  e  Zimbábue,  sendo  São  Paulo  a  cidade  escolhida  para  o  projeto  piloto  no  Brasil.  Todos                                                                                                                   1  Consideramos  a  faixa  etária  entre  15  e  29  anos,  por  ser  este  o  período  estabelecido  como  “juventude”  no   Brasil.   2 Paulo Bonavides em seu livro “Ciência Política” afirmaria que esta visão pertence à teoria de território-objeto              ´    

4. esses  países  fazem  parte  das  regiões  que  atualmente  têm  mais  jovens  em  suas  populações.  É   estimado  que  85%  da  juventude  global  (15  a  24  anos)  vive  em  países  em  desenvolvimento   (ONU-­‐Habitat,   2011).   Além   disso,   as   cidades   desses   países   são   responsáveis   por   90%   do   crescimento  da  população  urbana  mundial  (ONU-­‐Habitat,  2013).     Cada  projeto  abordou  um  aspecto  da  relação  juventude-­‐terra,  e  o  enfoque  de  São  Paulo  foi  a   participação  da  juventude  na  governança  da  terra.  Esse  tema  foi  escolhido,  pois  o  GLTN  e  a   ONU-­‐Habitat  entendem  que    a  melhoria  da  governança  da  terra  é  fundamental  para  o  alcance   de   uma   ampla   gama   de   resultados   de   desenvolvimento   e   para   a   não   marginalização   de   segmentos  populacionais  (ONU-­‐Habitat,  2013). Entendem  também  que,  dada  a  diferença  de   percepção   de   adultos   e   jovens   sobre   o   acesso   e   o   direito   à   terra,   as   vozes   da   juventude   precisam   ser   ouvidas. Apesar   da   juventude   estar   nas   agendas   políticas   e   sociais   –ser   considerada   como   ator   essencial   para   o   futuro   das   nações   e   estar   no   centro   dos   recentes   acontecimentos  de  mobilizações  e  protestos  ao  redor  do  mundo  todo–,  os/as  jovens  ainda   não  são  suficientemente  envolvidos/as  e/ou  legitimados  nos  processos  de  governança.   Assim,  as  estratégias  utilizadas  para  a  realização  do  projeto  foram:   • Compreensão  dos  principais  conceitos  relacionados  ao  tema  pesquisado,  a  partir  de   referências  acadêmicas  e  de  organismos  governamentais  e  multilaterais;       • Análise   jurídica   das   leis   vigentes   relacionadas   à   temática   para   entender   o   quão   responsivas  elas  são  à  juventude,  o  que  se  pretende  com  elas  e  quais  são  as  lacunas   para   sua   implementação   (Constituição   Federal,   Estatuto   da   Cidade   e   Estatuto   da   Juventude);   • Análise  contextual  com  base  em  indicadores  oficiais;   • Conversas  informais  com  representantes  do  poder  público  e  movimentos  sociais  para   compreensão  dos  espaços  e  formas  de  participação  existentes  atualmente;   • Questionário  online  para  ampliação  de  referência  sobre  a  visão  da  juventude  acerca  da   temática  e  suas  formas  de  participação;   • Estudos  de  casos  junto  a  jovens  da  periferia  e  do  centro  da  cidade  para  levantamento   de   percepções   e   práticas   sobre   o   acesso   à   terra   e   o   participação   da   juventude   na   governança  da  terra  na  cidade;  

5. • Data  Mining  para  mapeamento  de  mecanismos  e  formas  de  participação  da  juventude   em  processos  de  governança  e  soluções  para  cidades.   Sabemos  que  este  é  somente  um  pequeno  retrato  da  realidade  que  traz  consigo  limitações,   no  entanto,  esse  retrato  apresenta  importantes  informações  e  ideias  sobre  formas  de  atuação   político-­‐sociais.  Esperamos  que  este  processo  se  estenda  e  ajude  a  incentivar  a  participação   da  juventude  na  governança  da  cidade  de  São  Paulo.  Neste  caminho,  poderemos  juntos/as   fortalecer  as  formas  de  participação  e  metodologias  de  intervenção  existentes  e  encontrar   novas.  Acreditamos  no  poder  colaborativo  das  pessoas  e  setores  para  encontrarmos  soluções   mais   efetivas.   Aumentar   a   percepção   de   que   vivemos   em   rede   é   premissa   deste   trabalho,   assim  como  valorizar  essa  maneira  de  atuação  e  organização  –a  partir  da  construção  coletiva,   por  meio  do  encontro  entre  pessoas  na  cidade  e  com  a  utilização  das  várias  possibilidades  da   internet.  

6. CONTEUDo Conceitos   gerais:   O   que   entendemos   por   acesso   à   terra,   território,   boa   governança  e  participação?   O  acesso  à  terra  na  cidade  de  São  Paulo   Aspectos   jurídicos   da   participação   da   juventude   no   desenvolvimento   urbano   brasileiro   Participação  da  juventude  na  governança  da  terra  na  cidade  de  São  Paulo   Questionário  online   Estudos  de  caso                ´    

7. Conceitos gerais: O que entendemos por acesso a terra, territorio, boa governanca e participacao? Para  se  refletir  sobre  a  gestão  democrática  e  o  direito  à  cidade  é  importante  entender  alguns   conceitos  que  dão  base  a  esses  termos  e  que  são  associados  a  sua  prática.  São  eles:  acesso  à   terra,  território,  boa  governança  e  participação.   acesso A terra Tradicionalmente  o  acesso  à  terra  é  ligado  ao  acesso  ao  “solo”,  “chão”,  ou  ao  fato  de  se  ter   uma  propriedade.  Porém,  uma  nova  visão,  mundialmente  difundida  pelo  GLTN  e  pela  ONU-­‐ Habitat,  tem  sido  cada  vez  mais  adotada.  Essa  visão  consiste  em  pensar  o  acesso  e  o  direito  à   terra   integralmente.   Ou   seja,   acesso   à   terra   não   é   somente   o   acesso   à   terra   “em   si”,   mas   também  a  seus  recursos  e  infraestrutura,  tais  como  habitação,  alimentação,  transporte,  lazer   e  economia.   Consiste,   igualmente,   em   entender   que   quando  falamos  em  terra,  falamos  tanto  de   áreas  rurais  quanto  das  áreas  urbanas  e,  por   isso,   dos   grandes   desafios   que   estamos   vivendo: mudanças   climáticas,   desastres   naturais,   urbanização   acelerada,   segurança   alimentar,   fontes   de   energia,   pobreza,   oportunidades   de   trabalho,   governança,   entre   outros.   Todos   esses   desafios   estão   fortemente   ligados   à   questão   territorial   e   demandam   soluções   para   problemas   como   insegurança   do   direito   a   ocupação   e   propriedade,   uso   não   sustentável   da   terra,   expansão  urbana  desigual,  baixa  capacidade   institucional  para  resolução  de  conflitos  etc. Dessa  maneira,  as  razões  de  falta  de  acesso  à  terra  são  complexas  e  advêm  de  um  conjunto  de   situações,  não  apenas  de  questões  de  regularização  da  terra  ou  de  custo  de  posse.     TERRA  E  DIREITOS  HUMANOS     Já   parou   pra   pensar   que   para   termos   nossos   direitos   efetivados   precisamos   necessariamente   termos   acesso   à   terra?  Abaixo  alguns  exemplos.   Direitos   econômicos:   terra   para   subsistência,   local   de   trabalho,  ativos  econômicos,  geração  de  renda,  (aluguel),   mercado/compras,  acesso  à  serviços,  capacitações. Direitos   sociais:   terra   para   abrigo   e   vida   familiar,   recreação   educacional,   espaços   ao   ar   livre,   parques,   saúde. Direitos   culturais:   terra   para   espaços   públicos,   eventos   comunitários,   práticas   religiosas,   entretenimentos,   eventos  culturais  e  artísticos Direitos   civis   e   políticos:   terras   disponibilizadas   para   projetos  de  juventude,  para  informação,  para  mídia.      ˜  ´     ´          `      `        ´    

8. Entre  elas,  quando  se  trata  do  ambiente  urbano,  estão  o  preconceito  geracional  –  uma  das   principais   dificuldades   que   afetam   a   juventude   –,   as   desigualdades   de   gênero,   as   desigualdades   raciais,   os   padrões   de   urbanização   e   distribuição   geográfica,   as   relações   de   poder,  entre  outras.                 TerritorIO Para  abordar  o  acesso  à  terra  a  partir  do  referencial  das  cidades,  é  preciso  que  o  tratemos   junto  ao  conceito  de  território.   Isso   porque   por   “território”   se   entende   o   lugar   onde   determinado   Estado   exerce   sua   soberania;  o  espaço  de  terra  onde  a  Constituição  e  as  leis  daquele  Estado  são  aplicáveis.2  Ou   seja,   “é   o   espaço   ao   qual   se   circunscreve   validade   como   ordem   jurídica   estatal”   (DALLARI,   2013,  p.  87).  É  neste  espaço  –no  território–  que  as  cidades  organizam  os  equipamentos,  bens   e  serviços  públicos  que  são  oferecidos  para  a  população.                                                                                                                   2 Paulo Bonavides em seu livro “Ciência Política” afirmaria que esta visão pertence à teoria de território-objeto onde o território “torna-se uma coisa, mas do ponto de vista do direito público”. (BONAVIDES, 2008, p. 108). Youth  and  Land  Responsiveness  Criteria   Em  seu  esforço  para  promover  a  inclusão  das  demandas  da  juventude  no  setor  da  terra,  o  GLTN   e   a   ONU-­‐Habitat   desenvolveram   uma   ferramenta   chamada   Youth   and   Land   Responsiveness   Criteria  –  YLRC  (Critérios  de  Responsividade  à  a  Terra  e  Juventude).       O  YLRC  mais  do  que  voltado  à  terra,  é  voltado  para  as  pessoas. Trata-­‐se  de  uma  ferramenta   para  fazer  com  que  a  juventude  e  outras  partes  interessadas  no  setor  da  terra  dialoguem.  Seu   objetivo   é   avaliar   programas   e   políticas   objetivamente   para   garantir   que   as   questões   da   juventude   e   da   terra   são   abordadas   de   forma   equitativa,   a   fim   de   alcançar   a   segurança   de   ocupação   e   posse   para   todos   e   todas.   Essas   questões   incluem   a   definição   do   papel   da   juventude  no  setor  de  terra,  seu  conhecimento  sobre  o  tema,  sua  participação  na  governança  e   seu  acesso  à  terra.  A  ferramenta  pode  ser  usada  para  avaliar  outras  ferramentas  já  existentes  e   identificar   onde   e   como   elas   podem   ser   mais   sensíveis   às   necessidades   e   preocupações   da   juventude  para  terra.     Os   diferentes   critérios   desta   ferramenta   foram   estabelecidos   seguindo   as   várias   reuniões   consultivas   realizadas   pelo   GLTN   e   pela   ONU-­‐Habitat   com   jovens,   parceiros,   profissionais   e   especialistas.   Os   critérios   reconhecem   o   fato   de   que   os/as   jovens   podem   assumir   responsabilidades  de  adultos  mesmo  quando  são  menores  de  idade,  que  vivem  uma  fase  de   transição  com  realidades  complexas  e  ,  principalmente,  que  a  terra  não  é  um  tema  exclusivo  da   idade  adulta.                        ‘  

9. É   também   neste   espaço   que   se   desenvolvem   as   relações   sociais,   tanto   entre   indivíduos   quanto  entre  organizações  públicas  e  privadas.   Por  isso,  duas  dimensões  são  atribuídas  ao  território:  sua  materialidade  e  os  sentimentos  que   ele  provoca  (HAESBAERT,  2004).   Apesar  da  primeira  dimensão  ser  a  mais  amplamente  difundida,  entendemos  que  é  preciso   dar  especial  relevância  ao  segundo,  pois  é  no  processo  de  apropriação  do  espaço  –o  direito  de   criarmos  cidades  que  satisfaçam  às  nossas  necessidades  diretamente–  que  muitos  entendem   estar  o  direito  a  cidade3 .  Trata-­‐se  da  criação  de  laços  afetivos  e  significados  para  com  o  espaço   e  do  cuidado  com  o  coletivo.  É  sob  essa  perspectiva  também  que  se  dá  a  definição  de  terra  /   território  para  os  indígenas,  pois,    “para  os  índios,  a  terra  é  um  bem  coletivo,  destinado  a   produzir  a  satisfação  das  necessidades  de  todos  os  membros  da  sociedade.  Todos  têm  o  direito   de  utilizar  os  recursos  do  meio  ambiente,  por  meio  da  caça,  pesca  coleta  e  agricultura.  Embora   o   produto   do   trabalho   possa   ser   individual,   as   obrigações   existentes   entre   os   indivíduos   asseguram  a  todos  o  usufruto  dos  recursos”  (MUSEU  DO  ÍNDIO,  2014).   Dessa  maneira,  nossa  proposta  é  enxergarmos  o  território  da  cidade  como  um  bem  coletivo,   onde  a  diversidade  das  pessoas,  relações  e  expressões  precisam  ser  valorizadas  e  os  direitos   de  todos  e  todas  garantidos.  Com  essa  compreensão,  passamos  a  nos  apropriar  do  território   no  nosso  dia  a  dia,  na  reinvindicação  de  nossos  direitos  e  na  nossa  participação  na  gestão   democrática  da  cidade.                                                                                                                   3 “Direito à cidade significa o direito de todos nós a criarmos cidades que satisfaçam as necessidades humanas, as nossas necessidades.” David Harvey – Declaração originalmente feita em: http://www.deriva.com.br/?p=46

10. Boa governanca Governança  é  um  conceito  que  assumiu  distintos  significados  ao  longo  do  tempo. Segundo   especialistas  em  administração  e  desenvolvimento  regional,   “Recorrendo   às   diferentes   concepções   sobre   governança,   com   base   em   autores   referenciais,   algumas   expressões   são   recorrentes.   Sem   a   preocupação   de   hierarquização,  destacam-­‐se  definições  que  fazem  referência  à:  (1)  uma  nova  forma   de  governar  e  de  formulação  de  políticas  públicas,  como  um  processo  de  tomada  de   decisão  relativamente  horizontal,  que  inclui  uma  pluralidade  de  atores  público,  semi-­‐ público  e  privado,  diferente  do  antigo  modelo  hierárquico,  não  mais  sustentado  na   dominação  nem  na  violência  legítima,  senão  na  negociação  e  cooperação  com  base   em  certos  princípios  submetidos  ao  consenso;  (2)  um  processo  complexo  de  tomada   de  decisão  que  antecipa  e  ultrapassa  o  governo,  como  um  novo  modelo  de  regulação   coletiva,  baseado  na  interação  em  rede  de  atores  públicos,  associativos,  mercantis  e   comunitários;   (3)   um   conjunto   complexo   de   instituições   e   atores,   públicos   e   não   públicos,  que  agem  num  processo  interativo  (STOKER,  1998).”  (CANÇADO;  TAVARES;   DALLABRIDA,  2013,  p.  328)   No   Brasil,   o   Programa   Cidades   Sustentáveis   define   governança   como   um   processo   que   “engloba  a  forma  como  o  território  se  organiza  politicamente  e  a  participação  da  sociedade   civil.”  (PROGRAMA  CIDADES  SUSTENTÁVEIS,  2013).     Quando  se  trata  de  governança  da  terra,  o  GLTN  articula-­‐se  com  tais  concepções  e  a  coloca   como  um  conceito  que  “diz  respeito  às  regras,  processos  e  estruturas  por  meio  das  quais  as   decisões   sobre   o   acesso   e   uso   da   terra   são   tomadas,   a   maneira   pela   qual   as   decisões   são   implementadas   e   executadas,   e   a   maneira   com   que   interesses   conflitantes   na   terra   são   geridos."  (ONU-­‐Habitat,  2010,  p.14,  tradução  dos  autores).   Assim,  a  governança  da  terra  inclui  não  apenas  governo  e  instituições  previstas  na  Lei,  mas   também   instituições   e   estruturas   consuetudinárias4   e   agentes   informais,   sejam   eles   comunitários,   religiosos,   ou   outras,   de   acordo   com   o   local.   Inclui   toda   a   prática   formal   e   informal   que   rege   o   acesso   à   terra   e   as   relações   de   poder. A   estrutura   de   poder   de   uma                                                                                                                   4  Que  se  fundamenta  nos  usos  e  costumes,  na  prática  e  não  nas  leis  escritas.      ´  

11. Nesse   sentido,  para  nós,  boa  governança   da  terra   no   contexto  urbano  é  um  processo   de   desenvolvimento   acessível,   participativo,   transparente   e   mensurável,   que   atende   às   necessidades  e  desejos  da  sociedade  civil  –  incluindo  os  dos/as  jovens.   sociedade   é,   entre   outras   coisas,   refletida   na   governança   da   terra.   Ao   mesmo   tempo,   a   governança  pode  expressar  a  distribuição  de  poder  na  sociedade. Quem  se  beneficia  com  o  quadro  jurídico,  institucional  e  político  atual  relacionado  à  terra?   Como   esse   quadro   interage   com   autoridades   formais   e   sistemas   informais?   Quais   são   as   estruturas  de  incentivo  para  uso  da  terra?  Quais  são  as  restrições?  Quem  tem  qual  influência   em  como  as  decisões  sobre  o  uso  da  terra  são  tomadas?  Como  são  aplicadas  as  decisões?  Que   recursos  existem  para  o  gerenciamento  de  demandas?  (ONU-­‐Habitat,  2010).  É  em  razão  de   reflexões  como  essas  que  torna-­‐se  importante  pensar  como  se  dá  uma  “boa  governança”,  já   que  existem  muitas  maneiras  de  se  constituir  relações  políticas,  sociais  e  de  poder.   Na   visão   da   ONU,   a   boa   governança,   no   âmbito   dos   governos,   “promove   a   igualdade,   a   participação,  o  pluralismo,  a  transparência,  a  responsabilidade  e  o  Estado  de  Direito  de  forma   efetiva,  eficiente  e  duradoura.”  (KI-­‐MOON,  2009).   Especialmente  em  relação  a  terra,  a  ONU-­‐Habitat  destaca  que  quando  a  governança  da  terra  é   eficaz,  o  acesso  equitativo  à  terra  e  a  segurança  de  posse  e  ocupação  podem  contribuir  para  a   melhoria  das  condições  sociais,  econômicas  e  ambientais.  Ela  pode  garantir  que  os  benefícios   advindos  da  terra  e  dos  recursos  naturais  sejam  geridos  com  responsabilidade  e  distribuídos   de  forma  equitativa.  A  administração  da  terra  pode  ser  simplificada  e  tornada  mais  acessível  e   eficiente  (ONU-­‐Habitat,  2010).   Por  outro  lado,  uma  governança  fraca/deficiente,  seja  na  administração  formal  da  terra  ou   nos   acordos   de   posse   consuetudinários,   afeta   especialmente   a   população   pobre   e   as   comunidades  de  base,  podendo  deixá-­‐las  marginalizadas.  Muitas  vezes,  seus  direitos  à  terra   não   são   protegidos   e,   em   muitas   cidades,   vivem   sob   o   medo   constante   de   despejos,   hoje   comumente   justificados   pelo   “desenvolvimento”.   Assim,   a   governança   fraca/deficiente   também  pode  significar  que  a  terra  não  é  utilizada  adequadamente  para  criar  riqueza  para  o   benefício  de  toda  a  sociedade  ou  país  (ONU-­‐Habitat,  2010).  

12. Participacao Apesar  das  definições  de  boa  governança  diferirem  em  alguns  aspectos,  a  maioria  traz  um   elemento  em  comum:  a  participação  como  eixo  estruturante  da  boa  governança.   Participação  é  um  conceito  que  varia  e  depende  de  contextos  históricos,  sociais  e  políticos. Derivações   como   participação   comunitária,   participação   popular,   participação   política,   participação  social,  participação  cidadã  etc.,  evoluíram  em  uma  rede  complexa  de  “formas  de   participação”.   Por   isso,   hoje,   vão   desde   a   conquista   e   a   concretização   de   direitos,   e   a   efetivação  dos  poderes  conferidos  à  população,  até  a  ação  e  promoção  de  consciência  social   dos  cidadãos  e  cidadãs.   Assim,  a  participação  faz  parte  dos  campos  social  (incluindo  o  cultural  e  o  econômico),  político   e  jurídico,  e  varia  em  pelo  menos  três  perspectivas:  1)  na  maneira  como  se  organiza;  2)  na   maneira   como   está   relacionada   com   o   Estado   e   3)   na   maneira   como   a   legislação   exige   do   governo  a  sua  implementação  ou  não  (AVRITZER,  2008).     Consideramos   neste   projeto,   portanto,   a   palavra   participação   em   seu   amplo   significado:   influência  sobre  políticas  públicas;  ação  comunitária;  ativismo  ou  associativismo;  movimentos   e   manifestações;   exercício   e   definição   de   direitos;   controle   social;   (re)construção   da   democracia,  e  assim  por  diante.  Isso  porque,  se  não  considerarmos  o  conjunto,  veremos  com   limitação  o  processo  participativo.   Por  isso,  foram  observados  processos  que  dividimos  em  duas  categorias:  participação  formal   (prevista   em   lei   e/ou   promovida   pelo   governo)   e   participação   informal   (não   realizada   ou   promovida  pelo  governo).            ´              ˜  

13. Em que condicoes a juventude vive e acessa a terra na cidade de SAo Paulo? São   Paulo   é   uma   das   cidades   onde   a   sociedade   civil   mais   se   organizou   após   o   início   da   redemocratização  do  Brasil  e  onde  começaram  importantes  movimentos  sociais    nacionais,   como  o  movimento  nacional  pela  reforma  urbana  (AVRITZER,  2008).  No  entanto,  a  população   paulistana,  ainda  hoje,  sofre  com  grande  desigualdade  social  e  territorial.   A  cidade  abriga  11.244.369  pessoas,  das  quais  25,83%  são  jovens,  em  uma  área  de  1.521  km²   –99,1%   urbana   e   0,9%   rural   (IBGE,   2010).   Um   enorme   espaço   com   um   índice   de   desenvolvimento  humano  municipal  (IDHM)  considerado  “muito  alto”  –0,805–  (PNUD,  2013)   e   o   maior   PIB   do   país   (IBGE,   2015),   indicadores   que   mascaram   contextos   bastante   problemáticos.   A   situação   das   periferias   é   muito   diferente   do   cenário   traçado   pelos   dados   econômicos  e  sociais  médios  desses  indicadores;  são  regiões  de  alta  vulnerabilidade  social.   Esse   cenário   é   ainda   mais   preocupante   quando   observamos,   conforme   mostra   o   mapa   abaixo5 ,  que  os/as  jovens  estão  concentrados/as  justamente  nessas  regiões.                                                                                                                                                           5   Apesar   de   não   haver   dados   mais   atualizados   e   atualmente   a   cidade   estar   passando   por   um   processo   de   envelhecimento,  o  padrão  de  distribuição  demográfica  no  território  em  relação  a  jovens  segue  o  mesmo.          ´            ˜          ˜   Participação  de  jovens  de  15  a  19  anos  na  população  total     Fonte:  Mapa  da   Vulnerabilidade   Social  do  Município   de  São  Paulo,  2000                            `  

14.   As  periferias  paulistanas  são  regiões  que  convivem  com  diversos  tipos  de  falta  de  acesso.  Por   exemplo,   quando   se   tratam   de   equipamentos   culturais   e   esportivos,   há   236   equipamentos   públicos   culturais   nos   96   distritos   da   cidade,   sendo   que   em   24   desses   (muitos   dos   quais   situados   em   periferias)   não   há   nenhum   equipamento,   enquanto   6   outros   (todos   centrais)   concentram  83  equipamentos  –28  em  apenas  um  único  distrito.  No  caso  dos  equipamentos   esportivos,  a  desigualdade  aumenta.  São  56  distritos  sem  nenhum  equipamento  e  um  único   concentrando  31  dos  459  disponíveis  para  uso  público.    A  questão  da  mobilidade  também  é   um  problema.  Dados  mostram  que  o  tempo  médio  gasto  em  deslocamentos  diários  na  cidade   é   de   duas   horas   e,   naturalmente,   quem   demora   mais,   vive   na   periferia   (REDE   NOSSA   SÃO   PAULO,  2013).   Ou  seja,  em  São  Paulo,  os/as  jovens  são  uma  parte  importante  da  população  de  áreas  que   enfrentam  grande  vulnerabilidade  social.  Isso  é  revelado  também  por  uma  pesquisa  do  Centro   de  Estudos  da  Metrópole  (CEM-­‐CEBRAP)  da  Universidade  de  São  Paulo  em  parceria  com  a   Secretaria  de  Assistência  Social  de  São  Paulo  (SAS-­‐PMSP).  Esse  estudo  divide  a  população  em   alguns  grupos,  construídos  em  função  de  sua  precariedade  socioeconômica  e  do  percentual   de  famílias  jovens  (ciclo  de  vida  familiar).    O  mapa  abaixo  mostra  a  variação  desse  índice  no   espaço  e  a  juventude  como  parte  dos  grupos  mais  vulneráveis.                       Mapa  da  Vulnerabilidade  Social   Setores  Censitários  do  Município  de  São  Paulo,  2004    Fonte:  CEM-­‐CEBRAP,  2004    

15. Especificamente   em   relação   à   questão   habitacional,   a   cidade   tem   10,8%   de   seu   domicílios   (386.188)   em   favelas   e   vive   um   contexto   de   especulação   imobiliária   e   déficit   habitacional   (Secretaria  Municipal  de  Habitação,  2011).  A   valorização   imobiliária   em   São   Paulo   foi   de   197,4%   entre   janeiro   de   2008   e   janeiro   de   2014   para   compra   e   de   95,9%,   no   mesmo   período  para  aluguel  (Índice  Fipe/Zap,  2014).   Enquanto   isso,   entre   janeiro   de   2008   a   dezembro   de   2013   a   inflação   medida   pelo   IPCA  foi  de  38,9%  (Índice  Fipe/Zap,  2014),  o   que  mostra  o  quão  maior  é  a  valorização  dos   imóveis  em  relação  à  inflação.6   Por  consequência,  tais  dados  se  refletem  no  nível  de  satisfação  da  população  com  a  cidade.  O   IRBEM  (Indicadores  de  Referência  de  Bem-­‐Estar  no  Município)  revela  insatisfação  em  relação   à  estética  da  cidade,  desigualdade  social,  realidade  da  juventude,  valores  sociais,  habitação  e   transparência   e   participação.   Abaixo   o   detalhamento   das   categorias   pesquisadas   e   suas   respectivas  valorações  médias,  determinadas  a  partir  de  uma  escala  de  0  a  10  (IRBEM,  2013).   Estética  da  cidade  –  média  5,0     Aparência  da  cidade;   Aparência  de  seu  bairro;   Conservação  dos  monumentos  históricos;   Conservação  dos  espaços  públicos.     Desigualdade  social  –  media  3,8     Igualdade  no  acesso  à  educação;   Igualdade  no  acesso  à  oportunidade  de   trabalho  e  emprego;   Igualdade  no  acesso  ao  serviço  de  saúde;   Igualdade  no  acesso  à  moradia;   Igualdade  no  acesso  à  justiça;   Distribuição  de  renda.   Juventude  –  média  4,8     Acesso  ao  ensino  técnico  profissionalizante  e   universitário;   Oportunidade  do  primeiro  emprego  aos   jovens;   Valores  sociais  –  média  4,5     Solidariedade:  espírito  de  grupo  e  respeito   ao  outro  e  à  vida  entre  as  pessoas  na  cidade;   Cultura  de  paz  e  recusa  à  violência  entre  as   pessoas  na  cidade;                                                                                                                   6   Declaração   originalmente   feita   em:   http://cidadesparaquem.org/blog/2013/8/18/um-­‐plano-­‐diretor-­‐pode-­‐ mudar-­‐a-­‐cidade       “O   verdadeiro   desafio,   aquele   que   deveria   ser   enfrentado   antes   de   mais   nada,   é   o   de   reverter   a   lógica   perversa   da   nossa   urbanização,   que   relega   invariavelmente   e   impiedosamente   os   mais   pobres   para  o  mais  longe  possível,  no  ato  mesmo  em  que  o   espaço  urbano  se  produz.  (...)  Passados  doze  anos  da   aprovação   do   Estatuto   da   Cidade,   nem   São   Paulo   nem  nenhum  município  brasileiro  o  aplicou  de  forma   sistêmica,  integrada  e  completa.”     João   Sette   Whitaker   Ferreira,   46   anos,   arquiteto,   urbanista,   economista,   professor   e   membro   do   Conselho  da  Cidade4  

16.   “Tem   muito   estranhamento   da   gestão   pública   municipal  em  torno  desse  tema.  Acesso  à  terra   é  muito  vinculado  à  luta  agrária.”     William   Nozaki,   32   anos,   coordenador   de   promoção   do   direito   à   cidade,   Secretaria   Municipal  de  Direitos  Humanos  e  Cidadania   O  grau  de  acesso  a  informações  para  os   jovens  na  prevenção  ao  uso  de  drogas;   Programas  de  prevenção  da  gravidez  na   adolescência;   O  quanto  as  escolas  são  atrativas  para  os/as   jovens;   Espaços  culturais  e  centros  de  juventude  nos   bairros;   Tratamento  dos  policiais  aos/às  jovens.   Cidadania:  participação  da  população  na  vida   da  cidade,  exercendo  direitos  e  deveres;   Responsabilidades  compartilhadas,   consciência  do  coletivo  entre  as  pessoas  na   cidade;   Comportamento   ético:   conduta   humana   honesta   e   benéfica   entre   as   pessoas   na   cidade.     Habitação  –  média  4,5     Qualidade  de  sua  moradia;   Oferta  e  qualidade  da  coleta  de  esgoto  em   sua  casa;   Quantidade  de  estações  de  metrô  em  seu   bairro;   Políticas  que  permitem  a  aquisição  da  casa   própria;   Políticas  de  reurbanização  das  favelas;   Oferta  de  planos  habitacionais  para  todas  as   faixas  salariais;   Soluções  criadas  para  moradias  em  áreas  de   risco.     Transparência  e  participação  –  média  3,5     Obrigatoriedade  do  voto;   Espaços  de  participação  política;     Seu  grau  de  conhecimento  dos  meios  de   comunicação  populares;   Acesso  a  informações  uteis  por  telefone  e   internet;   O  acesso  as  informações  no  portal  da   Prefeitura  na  internet;   Forma  de  participação  na  escolha  dos   subprefeitos;   Participação  popular  em  conselhos  das   subprefeituras;   Acompanhamento  das  ações  dos  políticos   eleitos;   Transparência   dos   gastos   e   investimentos   públicos;   Punição  à  corrupção;   Honestidade  dos  governantes.       O acesso A terra na cidade de SAo Paulo   De   acordo   com   as   conversas   realizadas   para   o   projeto   junto   a   representantes   do   poder   público,   movimentos   sociais   e   jovens   de   São   Paulo,   quando   se   fala   em   acesso   à   terra,   a   percepção   mais   recorrente   é   associá-­‐lo   ao   acesso   à   terra   rural   ou,   quando   se   trata   do   ambiente  urbano,  à  moradia  e  propriedade.     A   segunda   percepção,   também   fortemente   presente,  é  o  acesso  à  terra  como  acesso  ao    espaço   público  e,  somente  quando  se  avança  a  discussão,   como  o  direito  à  cidade.                      ˜              `  

17. Com  isso,  pode-­‐se  perceber  que  a  visão  integral  para  o  acesso  à  terra  falada  anteriormente   ainda  não  é  a  que  prevalece.     Todas  as  percepções  mencionadas,  moradia  e  propriedade,  espaço  público  e  direito  à  cidade,   estão  ligadas  ao  próprio  processo  de  urbanização  da  cidade.     Representantes  de  movimentos  sociais  colocam  que  a  questão  da  moradia  é  central,  pois  ela   afeta  outros  serviços  como  educação,  trabalho  e  aquisição  de  bens  de  consumo.  Sem  moradia   “há   falta   de   endereço”   para   acessar   outros   serviços.   Colocam   ainda   que   a   aquisição   da   moradia   constitui   um   valor   simbólico   de   dignidade   e,   na   mente   de   muitas   famílias   sem   moradia,  “pré-­‐requisito”  para  outros  direitos.     Do  lado  do  governo,  o  tema  também  é  bastante  presente  em  termos  de  políticas  e  desafios.  A   questão  habitacional  é  centralizada  na  Secretaria  Municipal  de  Habitação  (SMH)  porém,  por   entenderem  a  importância  da  agenda  e  a  demanda  existente  por  parte  da  população,  outras   secretarias  se  articulam  e  incorporam  políticas  habitacionais  para  contribuírem  com  o  alcance   de  objetivos  específicos,  como,  por  exemplo,  o  empoderamento  de  mulheres  e  a  igualdade   racial.  No  entanto,  a  SMH  ressalta  que  a  já  mencionada  alta  demanda  por  terra  é  o  grande   desafio  para  a  implementação  de  políticas  públicas  habitacionais.  Para  a  aquisição  de  terras   para   projetos   de   habitação,   existe   não   só   a   disputa   com   o   setor   privado,   mas   também   a   necessidade  de  articulação  com  os  interesses  de  outras  secretarias,  que  demandam  terra  para   seus   próprios   serviços.   Além   disso,   muitas   das   terras   analisadas   são   descartadas   por   problemas   de   matrícula,   contaminação,   entre   outros   problemas,   e   diversas   outras,   já   ocupadas,  precisam  de  regularização.       “Quem  não  tem  casa  acha  que  não  tem  mais  nenhum  outro  direito.  A  moradia  é  ‘poder’.”       Jô,   coordenadora   do   programa   Minha   Casa   Minha   Vida   da   Associação   dos   trabalhadores   sem   terra  da  zona  oeste  e  noroeste  de  São  Paulo.   “Para  o  Movimento  de  População  de  Rua,  dignidade  é  a  ‘chave  da  casa  na  mão’.  Mesmo  que  não   consigam  lidar  com  tudo  o  que  implica  ter  uma  moradia,  o  imaginário  é  que  a  casa  é  ‘seu  lugar  no   mundo’.”     Andréa   Maria   Ferreira,   44   anos,   coordenadora   adjunta   da   Coordenação   de   Políticas   para   a   População  em  Situação  de  Rua  da  Secretaria  Municipal  de  Direitos  Humanos  e  Cidadania.  

18. A  Secretaria  Municipal  de  Desenvolvimento  Urbano  (SMDU)  acrescenta,  ainda,  mais  alguns   fatores  que  compõe  o  desafio:  o  alto  custo  de  desapropriação,  dificuldades  operacionais  com   a  estrutura  burocrática  da  prefeitura,  a  necessidade  de  mão  de  obra  técnica  para  avaliação   nem  sempre  disponível  e  a  incerteza  em  relação  ao  processo,  pois  não  é  possível  prever  o   custo   final   da   propriedade/imóvel,   cujo   valor   é   contestado   pelo   proprietário   e   aferido   via   determinação  judicial.   Já  a  fala  dos  movimentos  de  moradia,  ressalta  principalmente  a  especulação  imobiliária  como   um   dos   principais   problemas   para   o   acesso   à   terra   em   São   Paulo.   Por   causa   da   intensa   valorização  dos  terrenos  e  dos  imóveis,  muitas  famílias  acabam  vendendo  suas  casas  e  indo   cada  vez  mais  para  a  periferia  da  cidade.  Outras,  não  conseguem  comprar  ou  manter  suas   casas   nos   bairros   em   que   vivem   ou   que   desejam   viver.   Colocam,   ainda,   que   isso   impacta   inclusive  políticas  públicas  já  existentes.     O  Minha  Casa  Minha  Vida,  principal  programa  habitacional  do  governo  federal  brasileiro,  por   vezes  não  consegue  ser  implementado  na  cidade  de  São  Paulo  justamente  por  causa  do  custo   da   terra,   pois   os   preços   dos   terrenos   tornam   proibitivos   a   construção   das   unidades   habitacionais  de  acordo  com  teto  de  preço  estabelecido  pelo  programa.                       “Por  que  a  terra  pode  ser  privada  se  o  ar  e  a  água  não  são?  Não  temos  esse  questionamento.”   Maurício  Piragino,  50  anos,  coordenador  do  Grupo  de  Trabalho  de  democracia  participativa  da   Rede  Nossa  São  Paulo  e  diretor  da  Escola  de  Governo  São  Paulo   “Quando   terras   são   desapropriadas   para   construir   hospitais,   escolas   etc.   ninguém   contesta,   quando  é  pra  habitação  a  pressão  é  enorme.  A  moradia  encontra  muita  resistência  porque  não   é  vista  como  um  direito.”   Miriam   Hermogenes,   40   anos,   coordenadora   de   relação   com   movimentos   sociais,   Secretaria   Municipal  de  Relações  Governamentais   “Há   uma   cultura   muito   ruim   de   que   habitação   é   somente   moradia,   principalmente   apartamento,   enquanto   a   habitação   precisa   da   moradia   e   do   resto   da   cidade,   calçada,   luz,   esgoto,  área  de  lazer  etc.”       Adele  Lamm,  38  anos,  assessora  técnica  da  CDHU

19. Diante  disso,  dois  caminhos  são  apontados  como  diretrizes  essenciais  para  melhorar  o  quadro   habitacional  da  cidade:     1)  aumentar  infraestrutura  e  oferta  de  empregos  nas  periferias;   2)  aumentar  a  densidade  demográfica  do  centro  expandido,  ou  seja,  nos  locais  onde  já  têm   infraestrutura.   E,   com   isso,   buscar   o   equilíbrio   de   ocupação   e   a   contenção   da   desmedida   valorização  das  áreas.   Por   fim,   os   movimentos   de   moradia   destacam   uma   outra   dificuldade   para   a   criação   e   implementação   de   políticas   habitacionais,   que   é   o   fato   da   habitação   não   ser   totalmente   entendida  como  um  direito  pela  sociedade.  A  habitação,  atualmente,  é  entendida  como  bem   de  consumo;  “Eu  financio,  eu  compro”.  Como  essa  é  a  ideia  corrente  e  como  a  maioria  das   pessoas   espera   acessar   suas   moradias,   tais   políticas   encontram   muitas   barreiras,   confrontando-­‐se  com  opiniões  de  que  políticas  de  outros  serviços  como  saúde  e  educação  são   prioritários.   Em  relação  à  juventude,  ambos  governo  e  movimentos  de  moradia  colocam  que  moradia  é   majoritariamente   uma   questão   de   “adulto”,   dos   “pais”,   percepção   também   afirmada   pelo   recente  relatório  da  ONU-­‐Habitat,  What  Land  Means  to  Youth  [O  que  a  terra  significa  para  a   juventude]  (ONU-­‐Habitat,  2014).     Alguns  fatores  podem  ser  atribuídos  a  isso.  Apesar  da  decisão  sobre  a  moradia  -­‐  aquisição,   aluguel  ou  imóvel  familiar  -­‐  ser  uma  decisão  individual,  muitas  vezes  ela  é  feita  em  consulta   com  a  família  ou,  em  alguns  casos,  até  mesmo  com  a  comunidade.     Além  disso,  esta  escolha  muda  ao  longo  do  tempo,  dependendo  de  fatores  como  emprego,   casamento  ou  coabitação,  crianças,  entre  outros  (ONU-­‐Habitat,  2014).  Por  sua  fase  de  vida,  a   maior   parte   dos/as   jovens   não   tem   condições   financeiras   para   comprar   uma   propriedade,   porém  o  acesso  a  uma  propriedade  não  se  dá  apenas  baseado  na  condição  financeira.        

20. Fatores  sociais  também  influenciam  a  disponibilidade  e  possibilidade  de  moradia  para  jovens,   como,  por  exemplo,  a  influência  do  preconceito,  seja  ele  geracional,  racial,  de  gênero,  entre   outros.   Fianças   de   aluguel   para   jovens   muitas   vezes   são   mais   altas   do   que   para   adultos,   proprietários   dão   preferência   para   pessoas   mais   velhas   e/ou   com   filhos   associando   a   juventude  a  desordem,  falta  de  confiança  e  assim  por  diante  (ONU-­‐Habitat,  2014).  Ao  mesmo   tempo,   é   difícil   o   acesso   à   crédito   para   jovens   e    não   há   foco   na   juventude   nas   políticas   habitacionais.   A   SMH,   por   exemplo,   se   posiciona   a   partir   do   objetivo   de   atender   toda   a   demanda   municipal,   porém,   possui   uma   lista   de   grupos   prioritários   os   quais   são:   famílias,   mulheres  chefe  de  família,  idosos,  pessoas  com  deficiência  e  população  em  situação  de  rua.   Outro  fator  importante  política  habitacional  no  Brasil  é  pensada  sob  o  ponto  de  vista  de  renda   e  não  de  faixa  etária,  enquanto  a  juventude  é  um  dos  públicos  com  mais  dificuldade  de  acesso   à   moradia,   como   mostram   os   dados   anteriormente   apresentados.   Para   a   coordenadora   de   Estudos  Setoriais  Urbanos  do  Instituto  de  Pesquisa  Econômica  Aplicada  (Ipea),  Maria  Piedade   Morais,     “é  preciso  diversificar  a  política  habitacional  do  país  que  sempre  esteve  calcada  na   aquisição  da  casa  própria.  No  fundo  as  pessoas  não  precisam  comprar  uma  casa.  Se   você  é  um  jovem,  por  exemplo,  e  não  sabe  onde  vai  trabalhar  no  futuro,  não  precisa,   necessariamente,  comprar  uma  casa,  tem  é  que  ter  onde  morar. 7 ”  (MORAES,  2008)                                                                                                                                     7  Declaração  originalmente  feita  em:  http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2008-­‐10-­‐21/para-­‐ipea-­‐ politica-­‐habitacional-­‐precisa-­‐ultrapassar-­‐logica-­‐da-­‐casa-­‐propria     “O  acesso  a  terra  é  tão  difícil  que  é  quase  o  sonho  de  uma  vida  e  não  de  uma  faixa  etária.  Hoje  em   dia  é  preciso  dinheiro  para  conseguir  moradia.”     Gustavo  Vidigal,  40  anos,  chefe  de  Gabinete  da  Secretaria  Municipal  de  Relações  Internacionais  e   Federativas   “É  praticamente  impossível  uma   pessoa   solteira  conseguir  entrar  em   um  programa   de  habitação   social.   Começamos   a   luta   pela   inclusão   de   “solteiros”   no   programa   Minha   Casa   Minha   Vida,   inicialmente  pela  vulnerabilidade  do  segmento  LGBT,  o  que  acabou  se  tornando  um  benefício  para   jovens,  mas  isso  tá  longe  de  ser  o  suficiente.”     Jô,  coordenadora  do  programa  Minha  Casa  Minha  Vida  da  Associação  dos  trabalhadores  sem  terra   da  zona  oeste  e  noroeste  de  São  Paulo   “Segurança   habitacional   não   é   necessariamente   ter   propriedade,   mas   no   Brasil   eles   estão   vinculados.  Locação  social,  aluguel  subsidiado,  há  outras  soluções  nas  quais  é  possível  pensar.”     Tomás  Wissembach,  33  anos,  coordenador  da  Secretaria  Municipal  de  Desenvolvimento  Urbano  

21. De  acordo  com  o  IPEA,  os  fatores  que  levam  os  jovens  a  morar  ou  não  na  casa  dos  pais  e/ou   mães  são:   Entre  os  dependentes   -­‐   Local   de   residência:   residir   em   uma   região   metropolitana   ou   município   de   grande   porte   aumenta   a   probabilidade   de   dependência   –   reflexo   de   um   mercado  habitacional  mais  caro;   -­‐  Tipo  de  moradia:  o  jovem  tende  a  permanecer  mais  tempo  morando  com  os   pais  quando  seus  pais  moram  em  domicílios  próprios  regulares;   -­‐  Educação:  quanto  mais  elevada  a  educação  do/a  jovem,  maior  a  probabilidade   de  ele/a  continuar  como  dependente.     Entre  os  independentes   -­‐   Situação   social:   os   jovens   casados   e   com   emprego   apresentam   maior   probabilidade  de  formar  um  novo  domicílio.     -­‐  Gênero:  as  mulheres  são  mais  propensas  a  saírem  da  casa  dos  pais,  muitas   vezes  visando  constituir  um  possível  relacionamento.   -­‐  Aluguel:  os  aluguéis  formais  são  a  principal  escolha  dos  jovens  independentes.   -­‐   Idade:   à   medida   que   envelhecem,   os   jovens   são   mais   propensos   à   independência.  No  entanto,  a  partir  de  certa  idade  ocorre  justamente  o  oposto   –  possivelmente  uma  situação  de  “conformismo”,  de  falta  de  alternativas  ou  de   assistência  dos  jovens  aos  pais  idosos.  (IPEA,  2012)8   Tais  perspectivas  vêm  demonstrar  que  a  percepção  de  que  moradia  não  é  um  tema  sobre  o   qual  o  jovem  pensa  é  incorreta.  A  diferença  de  foco  se  dá  em  razão  de  sua  fase  de  vida,  a  qual   faz  com  que  a  juventude  se  volte  a  outras  prioridades,  como  estudo,  trabalho  e  lazer.                                                                                                                       8  Dados  divulgados  pela  Gazeta  do  Povo,  disponíveis  em:   www.gazetadopovo.com.br/m/conteudo.phtml?id=1241219&tit=Falta-­‐de-­‐dinheiro-­‐mantem-­‐jovens-­‐na-­‐casa-­‐dos-­‐ pais  

22. E  é  o  lazer,  vinculado  ao  espaço  público,  que  surge  quando  se  amplia  a  discussão  sobre  o   acesso  à  terra  e  juventude.   O  acesso  ao  espaço  público  aparece  pelo  significado  sociocultural  que  os  jovens  têm  com  a   terra.   A   relação   da   juventude   com   a   terra   está   ligada   com   sua   busca   por   identidade,   comunidade   e   expressão   cultural.   (ONU-­‐Habitat,   2014).   Nesse   sentido,   ocupar   o   espaço   público   é   compreendido   como   essencial   para   a   formação   da   identidade   e   expressão   da   juventude.   Tanto  governo  municipal  quanto  movimentos  da  sociedade  civil  entendem  que  hoje  há  um   esvaziamento  do  sentido  “público”  da  convivência  e  a  expansão  da  cultura  do  medo  e  que,   por  isso,  é  preciso  trabalhar  a  reabertura  e  a  ressignificação  do  espaço  público,  bem  como  a   recuperação   do   sentimento   de   pertencimento   à   cidade.   Isso   se   dá   principalmente,   pela   insuficiência   e   desigualdade   de   espaços   e   equipamentos   públicos,   crescente   expansão   de   espaços  privados  de  convivência  -­‐  shoppings,  condomínios  fechados  etc.  –  burocratização  das   formas  de  acesso  ao  espaço  público  existentes  e  violência.   No  caso  dos  espaços  privados  há  ainda  um  agravante:  o  preconceito.  O  jovem  da  periferia   frequentemente  se  depara  com  “fronteiras”  implicitamente  estabelecidas  em  locais  que,  em   razão   do   crescimento   econômico,   cada   vez   menos   têm   “exclusividade”   de   ocupação   pelas   classes  com  maior  poder  aquisitivo  –como  shoppings,  aeroportos  etc.                   “Shopping  não  é  pra  preto  e  pobre.  Quando  o  jovem  corre  atrás  de  outros  espaços  para  lazer   etc.,   pois   na   periferia   há   grande   limitações,   ele   se   depara   com   essa   realidade   em   que   a   sociedade  coloca  benefícios  pra  uma  parcela  pequena  da  população,  percebendo  que  de  fato   ele  não  tem  possibilidade  de  transitar  em  diversos  espaços.”     Marco  Antônio  Silva,  41  anos,  assessor  da    Secretaria  Municipal  de  Promoção  da  Igualdade   Racial   “A  gente   tem   falta  de  lazer  na  periferia.   No  meio  desses  rolezinhos  eu  ouvi  um  monte  de   depoimentos  de  pessoas  da  favela,  postando  no  Facebook:  só  porque  vai  com  determinada   roupa   no   shopping   ou   porque   está   em   muita   gente,   o   segurança   não   deixa   entrar.   Teve   protesto  outro  dia  num  shopping  por  causa  disso.  Eles  não  deixam  entrar  por  causa  da  roupa,   aparência,   cor   da   pele,   mas   se   vão   20   pessoas   arrumadinhas   num   shopping   eles   não   vão   barrar.” Jovens  Estudo  de  Caso  Campo  Limpo    

23. Por  outro  lado,  segundo  Marco  Antônio  Silva,  assessor  da    Secretaria  Municipal  de  Promoção   da  Igualdade  Racial,  com  o  crescimentos  da  cidade,  a  deficiência  do  sistema  de  transporte   público  e  o  preconceito,  os/as  jovens  da  periferia  começaram  a  buscar  novas  maneiras  de  se   divertir,   o   que   fez   com   que   eles/as   criassem   uma   relação   mais   direta   com   os   locais   onde   vivem.  Com  isso,  nasceram  movimentos  como  o  “100%  Jardim  Irene”,  “Guaianazes  na  veia”,   “Love  Cidade  Tiradentes”  e  outros.   Em  relação  à  violência,  segundo  o  coordenador  municipal  de  juventude,  Gabriel  Medina,  a   restrição   se   agrava   pelas   diversas   formas   de   controle,   repressão   e   criminalização   da   juventude,  período  da  vida  muito  controlado,  observado  e  tutelado.  O  controle  exacerbado,  e   muitas   vezes   militarizado,   baseado   na   percepção   “jovem   problema”   coloca   limites   para   o   acesso  dos/as  jovens  aos  espaços  públicos,  à  sua  participação  e  à  sua  cidadania.     No   âmbito   das   políticas   públicas,   o   acesso   ao   espaço   público   também   é   colocado   como  central  para  a  gestão  municipal  e  se   baseia,   principalmente,   na   requalificação   dos  espaços  da  periferia  e  na  promoção  do   direito  à  cidade.   Exemplos  de  políticas  de  acesso  à  cidade  que  tem  grande  impacto  na  juventude   Plano  Juventude  Viva   Programa  de  Valorização  de  Iniciativas  Culturais  –  VAI   Wifi  nas  praças   Rede  de  ônibus  24  horas  e  Parque  Ibirapuera  24  horas                 “O  jovem  tem  que  ter  o  direito  de  se  manifestar.  Muitas   vezes  estamos  fazendo  arte  e  não  é  pichação  na  cidade.   E   os   policiais   já   chegam   com   repressão,   sem   diálogo,   com  violência”.     Depoimento   coletado   no   evento   Diálogos   SP   sobre   ocupação  do  espaço  público.  

24. Finalmente,   o   direito,   e   consequentemente   o   acesso,   à   cidade,   é   a   abordagem   que   vem   crescendo  dentro  do  atual  governo  e  nos  movimentos  da  sociedade  civil.    Em  razão  disso,  no   ano  de  2013,  foi  criada  a  coordenadoria  de  direito  à  cidade  dentro  da  Secretaria  Municipal  de   Direitos   Humanos   e   Cidadania.   O   intuito   da   coordenadoria   é   dar   respostas   territoriais   a   questões  específicas.  Por  isso,  busca-­‐se  a  dimensão  territorial  das  diversas  áreas  –  juventude,   trabalho,  drogas,  migrantes,  etc.     Vale  ressaltar,  que  a  coordenadoria  nasceu  a  partir  do  processo   de  construção  da  política  de  juventude  municipal,  estruturada   em   torno   de   três   elementos:   prevenção   à   mortalidade   da   juventude   negra,   qualificação   do   trabalho   e   educação   e   conexão  da  cultura  e  dos  modos  de  uso  da  cidade.  Foi  a  partir   da  reflexão  sobre  a  articulação  desses  elementos  que  se  deu  a   percepção  de  que  para  o  alcance  dos  objetivos  desejados,  era   preciso  pensar  a  cidade  como  um  todo.     Por  parte  da  sociedade  civil  também  é  possível  notar  também  a  ampliação  da  percepção  do   direito   à   cidade.   Além   do   Movimento   Nacional   de   Reforma   Urbana   (MNRU)   e   do   Fórum   Nacional   da   Reforma   Urbana   (FNRU),   principais   movimentos   da   temática,   cada   vez   mais   movimentos  com  pautas  específicas  justificam  e  articulam  suas  demandas  colocando-­‐as  como   parte  da  promoção  do  acesso  à  cidade.     É  a  partir  de  todas  essas  percepções,  sobre  como  tratar  o  acesso  à  terra  e  ao  território,  que   abre-­‐se  o  caminho  para  a  discussão  sobre  participação.     Acesso  à  terra  e  migração   Um  tema  pouco  falado  quando  se  trata  de  desenvolvimento  urbano  é  migração.  No  entanto,   a  base  da  migração  está  justamente  no  acesso  à  terra.  “Quanto  maior  for  a  concentração  de   terra,   maior   a  migração   dessa  região.  A  terra   e  a   produtividade   da  terra,  a   capacidade  de   desenvolver  riqueza,  cultura,  soberania   alimentar  etc.  está   na  base.   O  sonho  do   migrante,   porém,  não  é  abordado  em  São  Paulo.  Tudo  se  concentra  mais  no  problema  da  mor

Add a comment