Historia Do Pensamento Economico

67 %
33 %
Information about Historia Do Pensamento Economico
Finance

Published on March 5, 2009

Author: abonattp

Source: slideshare.net

 

AULA DE ECONOMIA E MERCADOS DIA 06 DE MARÇO DE 2009 HISTÓRIA DO PENSAMENTO ECONÔMICO PROFESSOR: ALEXSANDRO REBELLO BONATTO

Evolução do Pensamento Econômico A história do pensamento econômico pode ser dividida, grosso modo, em três períodos: Pré-moderno (grego, romano, árabe), Moderno (mercantilismo, fisiocracia Contemporâneo (a partir de Adam Smith no final do século XVIII).

A história do pensamento econômico pode ser dividida, grosso modo, em três períodos:

Pré-moderno (grego, romano, árabe),

Moderno (mercantilismo, fisiocracia

Contemporâneo (a partir de Adam Smith no final do século XVIII).

Fisiocracia Idéia de ordem natural, segundo a qual as leis da natureza governam as sociedades humanas da mesma maneira que as descobertas de Newton governam o mundo físico. Diante disso, o objeto de todo estudo científico era descobrir as leis às quais todos os fenômenos do universo estavam sujeitos. Laissez-faire, laissez-passer, expressão que significa “deixe fazer, deixe passar” e que expressa a reação à excessiva intervenção governamental na economia. Nesse sentido, os fisiocratas se opunham às restrições feudais, mercantilistas e governamentais, favorecendo a liberdade de produção e de comércio.

Idéia de ordem natural, segundo a qual as leis da natureza governam as sociedades humanas da mesma maneira que as descobertas de Newton governam o mundo físico. Diante disso, o objeto de todo estudo científico era descobrir as leis às quais todos os fenômenos do universo estavam sujeitos.

Laissez-faire, laissez-passer, expressão que significa “deixe fazer, deixe passar” e que expressa a reação à excessiva intervenção governamental na economia. Nesse sentido, os fisiocratas se opunham às restrições feudais, mercantilistas e governamentais, favorecendo a liberdade de produção e de comércio.

Fisiocracia A agricultura (e a mineração em menor escala) era considerada a única atividade produtiva, por produzir um excedente, um produto líquido acima dos custos de produção. Para os fisiocratas, portanto, a indústria, o comércio e as profissões eram úteis, mas estéreis, pois apenas reproduziam o valor consumido na forma de matérias-primas e subsistência para os trabalhadores. Proposta de um sistema tributário simplificado, para substituir o sistema vigente que, além de desordenado, era ineficiente, opressivo e injusto, constituído por uma multiplicidade de tarifas, impostos, subsídios, restrições e regulamentações que prejudicavam a produção e o comércio.

A agricultura (e a mineração em menor escala) era considerada a única atividade produtiva, por produzir um excedente, um produto líquido acima dos custos de produção. Para os fisiocratas, portanto, a indústria, o comércio e as profissões eram úteis, mas estéreis, pois apenas reproduziam o valor consumido na forma de matérias-primas e subsistência para os trabalhadores.

Proposta de um sistema tributário simplificado, para substituir o sistema vigente que, além de desordenado, era ineficiente, opressivo e injusto, constituído por uma multiplicidade de tarifas, impostos, subsídios, restrições e regulamentações que prejudicavam a produção e o comércio.

Mercantilismo Metalismo : o ouro e a prata eram metais que deixavam uma nação muito rica e poderosa, portanto os governantes faziam de tudo para acumular estes metais. Além do comércio externo, que trazia moedas para a economia interna do país, a exploração de territórios conquistados era incentivada neste período. Foi dentro deste contexto histórico, que a Espanha explorou toneladas de ouro das sociedades indígenas da América como, por exemplo, os maias, incas e astecas. Industrialização : o governo estimulava o desenvolvimento de indústrias em seus territórios. Como o produto industrializado era mais caro do que matérias-primas ou gêneros agrícolas, exportar manufaturados era certeza de bons lucros. Protecionismo Alfandegário : os reis criavam impostos e taxas para evitar ao máximo a entrada de produtos vindos do exterior. Era uma forma de estimular a indústria nacional e também evitar a saída de moedas para outros países.

Metalismo : o ouro e a prata eram metais que deixavam uma nação muito rica e poderosa, portanto os governantes faziam de tudo para acumular estes metais. Além do comércio externo, que trazia moedas para a economia interna do país, a exploração de territórios conquistados era incentivada neste período. Foi dentro deste contexto histórico, que a Espanha explorou toneladas de ouro das sociedades indígenas da América como, por exemplo, os maias, incas e astecas.

Industrialização : o governo estimulava o desenvolvimento de indústrias em seus territórios. Como o produto industrializado era mais caro do que matérias-primas ou gêneros agrícolas, exportar manufaturados era certeza de bons lucros.

Protecionismo Alfandegário : os reis criavam impostos e taxas para evitar ao máximo a entrada de produtos vindos do exterior. Era uma forma de estimular a indústria nacional e também evitar a saída de moedas para outros países.

Mercantilismo Pacto Colonial: as colônias européias deveriam fazer comércio apenas com suas metrópoles. Era uma garantia de vender caro e comprar barato, obtendo ainda produtos não encontrados na Europa. Dentro deste contexto histórico ocorreu o ciclo econômico do açúcar no Brasil Colonial. Balança Comercial Favorável: o esforço era para exportar mais do que importar, desta forma entraria mais moedas do que sairia, deixando o país em boa situação financeira.

Pacto Colonial: as colônias européias deveriam fazer comércio apenas com suas metrópoles. Era uma garantia de vender caro e comprar barato, obtendo ainda produtos não encontrados na Europa. Dentro deste contexto histórico ocorreu o ciclo econômico do açúcar no Brasil Colonial.

Balança Comercial Favorável: o esforço era para exportar mais do que importar, desta forma entraria mais moedas do que sairia, deixando o país em boa situação financeira.

Escola clássica Para os clássicos, a riqueza de uma nação é representada pelo volume de bens e serviços colocados à disposição da coletividade (quanto maior esse volume, maior a riqueza). Consideravam todas as atividades econômicas produtivas e importantes para a promoção da riqueza nacional. Herdando dos fisiocratas a idéia do laissez-faire, laissez-passer, os clássicos acreditavam na eficiência do mercado regido pelo sistema de preços. Consideravam a economia auto-ajustável, tendendo para o equilíbrio sem necessidade de intervenção governamental.

Para os clássicos, a riqueza de uma nação é representada pelo volume de bens e serviços colocados à disposição da coletividade (quanto maior esse volume, maior a riqueza). Consideravam todas as atividades econômicas produtivas e importantes para a promoção da riqueza nacional.

Herdando dos fisiocratas a idéia do laissez-faire, laissez-passer, os clássicos acreditavam na eficiência do mercado regido pelo sistema de preços. Consideravam a economia auto-ajustável, tendendo para o equilíbrio sem necessidade de intervenção governamental.

Escola clássica Smith acreditava que o Estado só tinha três funções: proteger a sociedade de ataques externos, administrar a justiça interna, e construir e manter obras e instituições públicas que os empresários privados não pudessem empreender lucrativamente. Embora Ricardo e Malthus fossem mais flexíveis e admitissem que o Estado deveria intervir também em outras situações, concordavam com a idéia da superioridade de uma sociedade baseada na propriedade privada e na livre iniciativa. Com exceção de Ricardo, os clássicos acreditavam na harmonia de interesses, segundo a qual cada indivíduo, na busca de seus próprios interesses, acaba contribuindo para o bem-estar geral da sociedade.

Smith acreditava que o Estado só tinha três funções: proteger a sociedade de ataques externos, administrar a justiça interna, e construir e manter obras e instituições públicas que os empresários privados não pudessem empreender lucrativamente. Embora Ricardo e Malthus fossem mais flexíveis e admitissem que o Estado deveria intervir também em outras situações, concordavam com a idéia da superioridade de uma sociedade baseada na propriedade privada e na livre iniciativa.

Com exceção de Ricardo, os clássicos acreditavam na harmonia de interesses, segundo a qual cada indivíduo, na busca de seus próprios interesses, acaba contribuindo para o bem-estar geral da sociedade.

Escola marxista Escola Marxista desafiou os fundamentos da teoria clássica. A produção pertence ao trabalho porque os trabalhadores produzem todos os valores dentro de uma sociedade. O mercado permite aos capitalistas proprietários das máquinas e fábricas explorar os trabalhadores negando a eles uma parcela justa sobre o que eles produzem. O capitalismo traz crescimento da miséria dos trabalhadores através da competição dos capitalistas por maiores lucros incorporando mais máquinas e substituindo trabalho humano criando um "exército industrial de reserva dos desempregados", capitalistas que acabariam aumentando e apropriando os meios de produção.

Escola Marxista desafiou os fundamentos da teoria clássica.

A produção pertence ao trabalho porque os trabalhadores produzem todos os valores dentro de uma sociedade.

O mercado permite aos capitalistas proprietários das máquinas e fábricas explorar os trabalhadores negando a eles uma parcela justa sobre o que eles produzem.

O capitalismo traz crescimento da miséria dos trabalhadores através da competição dos capitalistas por maiores lucros incorporando mais máquinas e substituindo trabalho humano criando um "exército industrial de reserva dos desempregados", capitalistas que acabariam aumentando e apropriando os meios de produção.

Escola neoclássica As forças de mercado tendem a equilibrar a economia a pleno emprego, ou seja, quando a procura por emprego se igualar a oferta do mesmo; As variáveis reais da economia e os preços relativos seguem trajetórias diferentes e independentes da política monetária; A quantidade de moeda afeta apenas o nível geral dos preços; O Estado não deveria se intrometer nos assuntos do mercado, deixando que ele fluísse livremente, ou seja, o liberalismo econômico.

As forças de mercado tendem a equilibrar a economia a pleno emprego, ou seja, quando a procura por emprego se igualar a oferta do mesmo;

As variáveis reais da economia e os preços relativos seguem trajetórias diferentes e independentes da política monetária;

A quantidade de moeda afeta apenas o nível geral dos preços;

O Estado não deveria se intrometer nos assuntos do mercado, deixando que ele fluísse livremente, ou seja, o liberalismo econômico.

Escola keynesiana Defesa da economia mista, com forte participação de empresas estatais na oferta de bens e serviços e a crescente regulamentação das atividades do setor privado por meio da intervenção governamental nos diversos mercados particulares da economia; Montagem e ampliação do Estado do Bem-Estar (Welfare State), garantindo transferências de renda extramercado para grupos específicos da sociedade (idosos, inválidos, crianças, pobres, desempregados etc.) e buscando promover alguma espécie de justiça distributiva; Política macroeconômica ativa de manipulação da demanda agregada, voltada, acima de tudo, para a manutenção do pleno emprego no curto prazo, mesmo que ao custo de alguma inflação.

Defesa da economia mista, com forte participação de empresas estatais na oferta de bens e serviços e a crescente regulamentação das atividades do setor privado por meio da intervenção governamental nos diversos mercados particulares da economia;

Montagem e ampliação do Estado do Bem-Estar (Welfare State), garantindo transferências de renda extramercado para grupos específicos da sociedade (idosos, inválidos, crianças, pobres, desempregados etc.) e buscando promover alguma espécie de justiça distributiva;

Política macroeconômica ativa de manipulação da demanda agregada, voltada, acima de tudo, para a manutenção do pleno emprego no curto prazo, mesmo que ao custo de alguma inflação.

Monetarismo Teoria econômica que defende que é possível manter a estabilidade de uma economia capitalista através de instrumentos monetários, pelo controle do volume de moeda disponível e de outros meios de pagamento. Adota o fundamentalismo de livre mercado como sua ideologia e refutam e rejeitam o keynesianismo em favor do controle monetário; abominam qualquer regulamentação da economia em favor de um laissez-faire quase absoluto.

Teoria econômica que defende que é possível manter a estabilidade de uma economia capitalista através de instrumentos monetários, pelo controle do volume de moeda disponível e de outros meios de pagamento.

Adota o fundamentalismo de livre mercado como sua ideologia e refutam e rejeitam o keynesianismo em favor do controle monetário; abominam qualquer regulamentação da economia em favor de um laissez-faire quase absoluto.

Add a comment

Related presentations

Related pages

História do pensamento económico – Wikipédia, a ...

A história do pensamento econômico pode ser dividida, grosso modo, em três períodos: Pré-moderno (grego, romano, árabe), Moderno ...
Read more

Historia do Pensamento Economico parte 1 - YouTube

Neste vídeo iniciamos a história do pensamento econômico, onde se expõe os principais pensadores e suas contribuições para a economia ...
Read more

Baixar Livro História do Pensamento Econômico – E. K. Hunt ...

Descrição do livro. Em uma época em que a própria utilidade do ensino da história do pensamento econômico é crescentemente questionada em alguns ...
Read more

História do pensamento econômico |<>| History of economic ...

História do pensamento econômico: textos de economistas clássicos, artigos para download, revistas e outros recursos sobre economia disponíveis na ...
Read more

Historia do Pensamento Economico Parte 2 - YouTube

Nesta parte apresenta-se o inicio dos precursores da escola de pensamento econômica clássica, finalizando com Josia Child
Read more

História Do Pensamento Econômico - scribd.com

Em a História do Pensamento econômico, Isaak Rubin empreende uma empreitada teórica de. fôlego ao reconstituir o sinuoso trajeto percorrido pelas ...
Read more

Historia do Pensamento Economico - scribd.com

Historia do Pensamento Economico - Download as PDF File (.pdf), Text File (.txt) or read online. Economia
Read more

História do Pensamento Econômico - Cap 1-8, 10 - prezi.com

História do Pensamento Econômico E.K. Hunt - Capítulos 1 à 8 e 10 Capitalismo #capitalismo #mercantilismo #produçãodemercadorias #mercadores
Read more

A importância da História do Pensamento Econômico e do ...

A importância da História do Pensamento Econômico e do pluralismo metodológico em economia com base na perspectiva da Escola Austríaca
Read more

História do pensamento econômico. Adilson Marques Gennari ...

História do pensamento econômico. Adilson Marques Gennari e Roberson de Oliveira. São Paulo. Saraiva, 2009.
Read more