Guia professor Academia Empreender Jovem

67 %
33 %
Information about Guia professor Academia Empreender Jovem
Education

Published on March 7, 2014

Author: AIP-Foruns

Source: slideshare.net

Description

Academia Empreender Jovem - Guia do Professor

a c a d e m i a em preen er d J O V E M guia do PROFESSOR ENSINO SECUNDÁRIO | TÉCNICO-PROFISSIONAL CONTACTOS Associação Industrial Portuguesa – Câmara de Comércio e Indústria Direção de Competitividade Empresarial Departamento de Cooperação Empresarial e Empreendedorismo Praça das Indústrias 1300-307 Lisboa E-mail: empreender@aip.pt

É expressamente proibido reproduzir, no todo ou em parte, sob qualquer forma ou meio, nomeadamente fotocópia, esta obra. As transgressões serão passíveis das penalizações previstas na legislação em vigor. FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Associação Industrial Portuguesa – Câmara de Comércio e Indústria Direção de Competitividade Empresarial Departamento de Cooperação Empresarial e Empreendedorismo Praça das Indústrias 1300-307 Lisboa Tel.: 213 601 136 / 688 E-mail: empreender@aip.pt Sites de referência: www.aip.pt / www.empreender.aip.pt TITULO Academia Empreender Jovem – Manual do Aluno EQUIPA TÉCNICA AIP-CCI Norma Rodrigues Helena Caiado Paula Mónica Alves Maria Lopes Vieira Carla Homem de Matos CONSULTOR DE CONTEÚDOS Frederico Carvalho Pinto DESIGN GRÁFICO Sotnas Design Lda www.sotnasdesign.com FINANCIAMENTO POAT / FSE Programa Operacional de Assistência Técnica / Fundo Social Europeu Gerir, Conhecer e Intervir Ano de edição 2012 INFORMAÇÕES, SUGESTÕES E COMENTÁRIOS empreender@aip.pt ISBN 978-989-97973-3-8 Copyright ©Associação Industrial Portuguesa – Câmara de Comércio e Indústria

A AIP no caminho do empreendedorismo O empreendedorismo assume-se como um dos principais fatores promotores do desenvolvimento económico de um país e, por isso, é considerado também como uma das oito competências-chave que deve ser adquirida nas escolas, tal como o Português, a Matemática ou outra qualquer disciplina já perfeitamente cimentada no programa curricular dos alunos. Sendo a Educação um dos pilares da sociedade e assumindo que a capacidade empreendedora não é, exclusivamente, uma capacidade inata, mas sobretudo adquirida, caberá a toda a sociedade o papel de formar pessoas capazes de acompanharem e de se adaptarem, ou mesmo reagirem, às mudanças e desafios de uma sociedade em constante transformação. Nos últimos anos, a Comissão Europeia tem dedicado especial atenção à educação/formação para o empreendedorismo, desde o ensino básico até ao ensino superior, referindo a importância da participação/cooperação de todos, isto é, estabelecimentos de ensino e comunidades locais, associações empresariais e empresas. Reconhecida pela sua intervenção prática junto das empresas, a Associação Industrial Portuguesa – Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI) tem-se empenhado em promover, esta temática junto de um público cada vez mais abrangente e alargado. Tendo começado por dirigir as suas iniciativas sobre empreendedorismo a empresários, jovens à procura do primeiro emprego e desempregados que pretendiam criar o seu próprio posto de trabalho através da criação de uma empresa, alargou posteriormente estas iniciativas a todos os jovens, nomeadamente aos que se encontram na fase final da sua formação. Recentemente, acreditando que uma intervenção eficaz se faz investindo nas pessoas desde os níveis mais precoces de educação, a AIP-CCI desenvolveu programas para um público mais jovem, os empreendedores de amanhã – os jovens do ensino secundário e técnico-profissional!

Esta nova aposta da AIP-CCI tem o apoio do POAT/FSE e está materializada na iniciativa “Academia Empreender Jovem”. Este programa pretende criar ambientes em que os alunos possam exercitar a sua capacidade de imaginar as mudanças, por forma a desenvolver desde muito cedo a sua capacidade de iniciativa, criatividade, autoconfiança, liderança, trabalho em equipa, responsabilidade e sentido cívico em tudo o que irão empreender, seja na vida académica e profissional, seja nos aspetos pessoais e sociais da vida quotidiana. A AIP-CCI pretende criar assim, com a “Academia Empreender Jovem”, uma cultura favorável ao empreendedorismo. É neste contexto que a AIP-CCI tem vindo a dar especial destaque ao tema do empreendedorismo, consciente de que esta abordagem deve ser feita, cada vez mais, ao nível da mentalidade das novas gerações, para que o emprendedorismo deixe de ser visto como algo de grande risco, mas sim como uma oportunidade real para quem quer ter sucesso no seu percurso de vida. Destacam-se aqui algumas iniciativas/atividades de Empreendedorismo que a AIP tem vindo a realizar: • Plataforma virtual www.empreender.aip.pt. • Acompanhamento Técnico de Empreendedores: Consultoria e Formação. • Network e apoio na identificação e estabelecimento de parcerias. • Empreendedorismo no Feminino – Projecto EmpowerWoman. • Ateliês Criativos (Aceleradores de Ideias e Comunidades Criativas). • Workshops e Conferências. • Fórum do Empreendedorismo. • Gabinetes de Apoio. •  Presença em iniciativas de terceiros, dinamizando espaços de mostra ou liderando painéis de intervenção. • Jogos de Empreendedorismo – “EMPREENDER – O Jogo!”. •  lots/filmes animados sobre percurso empreendedor – modelo composto por S 8 etapas. • Guia do Empreendedor. • Espaços Co-work. • Ateliês Empreender Criança e Academia Empreender Jovem. • Campanhas de divulgação.

Ser empreendedor é ter iniciativa, ultrapassar obstáculos e ser inovador. É ser alguém atento ao mundo que o rodeia, às suas necessidades e às oportunidades que aparecem. Um empreendedor tem ideias e transforma-as em negócios. Os jovens são, por natureza, uma rica fonte de ideias. Todos os jovens têm sonhos e aspirações e precisam de seguir as suas vidas conscientes das suas capacidades para que lhes seja possível, um dia, concretizar esses e outros sonhos. Conscientes das suas capacidades, terão a autoconfiança necessária para “ser mais” e para “fazer mais”, por si e pela comunidade envolvente. A Academia Empreender Jovem surge com o intuito de contribuir para educar, para transmitir conhecimentos e valores, para consolidar alguns conteúdos programáticos através de ferramentas de qualidade e para promover uma aprendizagem positiva. Acima de tudo, estas atividades pretendem contribuir para estimular o potencial criativo, a audácia e a capacidade de iniciativa que existe em cada ser humano, de forma a assimilar e desenvolver durante a sua vida futura, todos os ensinamentos que agora lhe são oferecidos. Ensinar jovens com vivências e experiências distintas é um desafio. Manter os alunos atentos, concentrados e, sobretudo, motivados aumenta o nível do desafio. Mais importante do que fazer com que os jovens se sentem e ouçam atentamente, é fazer com que sintam entusiasmo e motivação para porem em prática os conhecimentos que adquirirem. Este manual é a ferramenta essencial do aluno e ajudá-lo-á a compreender todos os passos importantes no caminho do empreendedorismo. Ainda assim, desafiamos a aprofundar os conhecimentos e a prática, através da Plataforma do Empreeendedor (www.empreender.aip.pt) e na Internet em geral. A teoria e a investigação são essenciais à prática! Desejamos-lhe o maior sucesso na Implementação desta Iniciativa! Objetivos do Programa Sensibilizar os jovens para a importância do empreendedorismo na sociedade. Despertar e incentivar comportamentos e atitudes empreendedoras. Dotar os jovens com as competências necessárias à elaboração de uma Proposta de Valor. Discutir os aspetos fundamentais do processo empreendedor. Facilitar a reflexão e tomada de decisão pelos alunos sobre a criação do próprio negócio e do próprio emprego, enquanto alternativa viável de atividade profissional.

ÍNDICE 1 Enquadramento Percurso Pedagógico ............................................................................................................................................................................. 14 O caminho do empreendedor ...................................................................................................................................................... 14 Uma Proposta de Organização de Sessões ....................................................................................................................... 16 Objetivos Gerais .................................................................................................................................................................................... 20 Metodologias .......................................................................................................................................................................................... 20 Avaliação...................................................................................................................................................................................................... 21 Fatores de sucesso ............................................................................................................................................................................... 21 Aspetos Limitadores ........................................................................................................................................................................ 22 Aspetos Facilitadores ..................................................................................................................................................................... 22 Como utilizar este Guia ................................................................................................................................................................. 19

ÍNDICE 2 Implementação Passo 1 Ser empreendedor ................................................................................................................................................................. 24 A. O que é o empreendedorismo?.............................................................................................................................. 26 B. As características da atividade empreendedora................................................................................ 28 C. Tipos de atividades económicas ........................................................................................................................ 29 D. A ética e a responsabilidade social ............................................................................................................... 30 E. O exemplo de um empreendedor ....................................................................................................................... 31 Passo 2 As ideias e as oportunidades de negócio. As tendências do mundo atual ............ 33 A. Processo empreendedor na perspetiva do negócio......................................................................... B. Ideias, inovações e invenções. Que oportunidades de negócio?......................................... 38 C. As tendências do mundo atual........................................................................................................................ 40 35 Passo 3  Gerar ideias para oportunidades de negócio. A ferramenta “Modelo de Negócio” .......................................................................................................................................................................................... 42 A. Ficha 2.A) Que problemas precisam de solução?............................................................................ 45 B. Ficha 2.B) Como selecionar os problemas mais interessantes?......................................... 47 C. Ficha 2.C) Gerar ideias para os problemas.......................................................................................... 49 D. Ficha 2.D) Selecionar as melhores ideias.............................................................................................. 50 E. Ficha 2.E) Selecionar as melhores soluções......................................................................................... 51 F. Ficha 2.F) Avaliação e seleção de oportunidades de negócio .............................................. 52 G. Ficha 2.G) A minha oportunidade de negócio .................................................................................. 53 H. Ficha 2.H) Qual o nome do meu negócio? ........................................................................................... 54 I. Ficha 2.I) Objetivos e metas para cada grupo .................................................................................. 55 Momento de avaliação ........................................................................................................................................ 57 Passo 4 Modelo de Negócio: Definir a Proposta de Valor ............................................................................. 58 A. O que é a Proposta de Valor............................................................................................................................. 61 B. Ficha 3.A) A minha Proposta de Valor.................................................................................................... 63

ÍNDICE Implementação (continuação) Passo 5   Modelo de Negócio: A quem se destina a nossa Proposta de Valor. Os potenciais clientes. ...................................................................................................................................................... 64 A. Quem são os potenciais clientes? Como se agrupam? ............................................................. 67 C. Ficha 3.B) Clientes: caracterização e segmentação..................................................................... 70 Passo 6  odelo de Negócio: Qual o nosso Mercado? Quais as nossas Rotas para o M Mercado? Qual a nossa Marca?........................................................................................................................... 72 A. O que é o Mercado? Como nos relacionamos com o Mercado?.......................................... 75 B. Ficha 4.A) Rotas para o Mercado............................................................................................................... 77 C. Qual a marca que nos identifica?.............................................................................................................. 79 D. Ficha 4.B) Qual a minha MARCA?............................................................................................................. 81 Passo 7   Modelo de Negócio: As atividades e recursos principais necessários à exploração da oportunidade .............................................................................................................................. 82 A. Quais as nossas atividades principais?.................................................................................................. 84 B. Ficha 5.A) Atividades-Chave.......................................................................................................................... 85 C. Quais são os recursos-chave?......................................................................................................................... 86 D. Ficha 5.B) Recursos-Chave............................................................................................................................... 88 E. Exemplo de atividades e recursos-chave: o caso PLUX............................................................ 89 Passo 8 Modelo de Negócio: As redes de contactos e as parcerias ..................................................... 91 A. As redes e as parcerias. Necessidades e motivações .................................................................. 93 B. As redes de contactos para acesso a atividades e recursos-chave .............................. 95 C. Ficha 6.A) A minha rede: O Mapa de Influências......................................................................... 97 D. Ficha 6.B) Redes e Networking.................................................................................................................... 98 Passo 9 Modelo de Negócio: Que rendimentos irá o negócio gerar?................................................. 99 A. Definição das Fontes de Rendimentos .................................................................................................... 102 B. Identificação de preços de mercado ......................................................................................................... 104 C. Ficha 7.A) Fontes de Rendimentos.............................................................................................................. 105

ÍNDICE Implementação (continuação) Passo 10 Modelo de Negócio: Quais os gastos mais importantes da atividade?.................... 106 A. Identificar os gastos mais importantes. Custos fixos e variáveis............................... 108 B. Ficha 7.B) Gastos Fixos e Variáveis.......................................................................................................... 109 Passo 11 Como prever e apurar os resultados do negócio? ........................................................................... 110 A. A Demonstração de Resultados da atividade .................................................................................. 113 B. Ficha 7.C) Demonstração de Resultados: Rendimentos e Gastos...................................... 115 Passo 12  Finalizar a construção do Modelo de Negócio e a Demonstração de Resultados............................................................................................................................................................................. 118 A. Ficha 7.D) Resumo das Fichas Agora Empreende!.......................................................................... 120 B. Ficha 7.E) O meu Modelo de Negócio....................................................................................................... 122 Momento de avaliação: O Jogo! ................................................................................................................. 124 Passo 13  Como apresentar Modelos de Negócio: técnicas e métodos. O marketing pessoal.......................................................................................................................................................... 126 A. Apresentação de ideias......................................................................................................................................... 128 B. Materiais e recursos.............................................................................................................................................. 131 C. O Marketing pessoal.............................................................................................................................................. 133 D. A apresentação eficiente.................................................................................................................................... 135 E. Apresentação preliminar dos modelos de negócio........................................................................ 137 Passo 14 Apresentação pública do Modelo de Negócio......................................................................................... 139 Apresentação do Modelo de Negócio .............................................................................................................. 140 Tabela de Critérios de Avaliação................................................................................................................ 142

1 PARTE Enquadramento

Enquadramento Percurso Pedagógico Conforme referimos, a base do percurso é o Caminho do Empreendedor, que replica os passos que, tipicamente, um empreendedor deverá trilhar nas diversas fases de consolidação da sua ideia e que culmina com a construção do seu modelo de negócio. O caminho do empreendedor A meta final do processo de consolidação da ideia é a construção do Modelo de Negócio e, por isso também a meta para os alunos, é: Desenvolver e apresentar um Modelo de Negócio para exploração de oportunidades! No empreendedorismo, é através da construção de um Modelo de Negócio que o empreendedor consolida a sua ideia para explorar uma determinada oportunidade. É importante distinguir esta fase de consolidação da ideia da fase de planeamento de todo o negócio, conhecida por Plano de Negócio (ou Business Plan, como muitas vezes é referida), que é uma ferramenta mais conhecida e divulgada, mas que requer o amadurecimento da ideia e do funcionamento do negócio. Para se construir um bom Plano, deveremos antes consolidar e estruturar ideias e uma forma de o fazer é recorrer ao Modelo de Negócio proposto neste programa. Este modelo exige a reflexão qualitativa da oportunidade e, embora requeira alguma quantifi­ cação, esta reflexão deverá anteceder a fase de planeamento, calendarização e quantificação das metas, que tipicamente se procura no referido Plano de Negócios. Por sua vez, o primeiro passo que antecede o Modelo de Negócio, é a seleção da própria oportuni­ dade de negócio que se pretende explorar e que será a primeira meta deste percurso pedagógico. Assim, na perspetiva do Caminho do Empreendedor, sugerimos que os alunos percorram um programa com os seguintes passos: 12

Academia Empreender Jovem PASSOS 1 Ser empreendedor. 2 As ideias e as oportunidades de negócio. As tendências do mundo atual. 3 Gerar ideias para oportunidades de negócio. A ferramenta “Modelo de Negócio”. 4 Modelo de Negócio: Definir a Proposta de Valor. 5 Definir a quem se destina a nossa Proposta de Valor. Os potenciais clientes. 6 Modelo de Negócio: Qual o nosso Mercado? Quais as nossas Rotas para o Mercado? Qual a nossa Marca? 7 Modelo de Negócio: As atividades e recursos principais necessários à exploração de oportunidades. 8 Modelo de Negócio: As redes de contactos e as parcerias. 9 Modelo de Negócio: Que rendimentos irá o negócio gerar? 10 Modelo de Negócio: Quais os gastos mais importantes da atividade? 11 Modelo de Negócio: Como prever e apurar os resultados do negócio? 12 Finalizar a construção do Modelo de Negócio e a Demonstração de Resultados. 13 Como apresentar Modelos de Negócio; técnicas e métodos. O marketing pessoal. 14 Apresentação pública do Modelo de Negócio. 13

Enquadramento Sinteticamente, e tendo por base as metas de construção e apresentação de um Modelo de Negócio, este percurso tem as seguintes fases: • Conhecer conceitos básicos de Empreendedorismo na Sociedade – Passo 1. • Selecionar Oportunidade de Negócio – Passos 2 e 3. • Construir um Modelo de Negócio – Passos 4 a 12. • Apresentar publicamente o Modelo de Negócio – Passos 13 e 14 . Uma Proposta de Organização de Sessões O formato sugerido para a execução deste programa contempla 10 sessões de 90 minutos cada . Existem sessões que incluem 1, 2 ou 3 passos, pelo que será sugerida a duração de cada passo dentro da sessão de 90 minutos. Sugestão de organização em 10 sessões (90 minutos cada) Recursos: Manual do Aluno SESSÃO 1 Passo 1 – Ser empreendedor  Capítulo 1 – Ser empreendedor SESSÃO 2 Passo 2 –  s ideias e as oportunidades de negócio. A As tendências do mundo atual Passo 3 – Gerar ideias para oportunidades de negócio.  A ferramenta “Modelo de Negócio” Capítulo 2 – Ideias, soluções SESSÃO 3 Passo 3 –  erar ideias para oportunidades de negócio. G A ferramenta “Modelo de Negócio” Fichas 2.D) a 2.I) SESSÃO 4 Passo 4 –  odelo de Negócio: Definir a Proposta de Valor M Passo 5 – Modelo de Negócio: Definir a quem se destina a  minha Proposta de Valor. Os potenciais clientes. Passo 6 –  odelo de Negócio: Qual o nosso mercado. M Como comunicamos, vendemos e distribuímos os produtos e serviços aos potenciais clientes. Qual a nossa Marca? Capitulo 3 – Da ideia à proposta Passo 7 – Modelo de Negócio: As atividades e recursos  principais necessários à exploração da oportu­ nidade. Passo 8 – Modelo de Negócio: As redes de contactos e as  parcerias. Capítulo 5 – Atividades SESSÃO 5 14 e oportunidades de negócio Fichas 2.A), 2.B) e 2.C) de valor Fichas 3.A) e 3.B) Capítulo 4 – Rotas para o mercado Fichas 4.A) e 4.B) e Recursos-Chave Ficha 5.A) Capítulo 6 – As Redes Fichas 6.A) e 6.B)

Academia Empreender Jovem Passo 9 – Modelo de Negócio: Que rendimentos irá o  negócio gerar? Passo 10 – Modelo de Negócio: Quais os gastos mais  importantes da atividade? Passo 11 – Como prever e apurar os resultados do negócio? Capítulo 7 - Fontes de Rendimentos, SESSÃO 7 Passo 12 – Finalizar a construção do Modelo de Negócio  e a Demonstração de Resultados Fichas 7.D) e 7.E) SESSÃO 8 Passo 13 –   omo apresentar Modelos de Negócio; C técnicas e métodos. O marketing pessoal. Capítulo 8 – Apresentação de ideias SESSÃO 9 Passo 13 –  Como apresentar Modelos de Negócio; técnicas e métodos. O marketing pessoal. Preparação da apresentação final. Capítulo 8 – Apresentação de ideias SESSÃO 6 SESSÃO 10 Gastos e Resultados Fichas 7.A), 7.B) e 7.C) Passo 14 – Apresentação pública do Modelo de Negócio. De um ponto de vista genérico, sugere-se que o professor inicie cada sessão com uma introdução de 10 minutos, onde explica o tema a debater e esclarece os objetivos. No final deverá dedicar outros 10 minutos para resumir os conteúdos e as conclusões do trabalho realizado, e também apresentar a sessão seguinte, motivando os alunos para revisitarem em grupo os resultados alcançados e utilizarem o Manual do Aluno para auto-estudo e preparação, nomeadamente utilizando as ligações à Internet sugeridas na seção RADAR. Exemplo Organização da Sessão 2 (Passo 2 e Passo 3): i. Introdução ao tema Passo 2 e reforço das conclusões da Sessão 1 – 10 minutos. ii. Apresentação de A – “Processo empreendedor na perspetiva do negócio“ – 10 minutos. iii.  presentação de B – “Ideias, inovações e invenções. Que oportunidades de negócio?” A – 10 minutos. iv. Apresentação de “As tendências do mundo atual” – 15 minutos (inclui vídeo) v. Introdução ao tema Passo 3; exercício e elaboração de Ficha 2.A) “Que problemas precisam de solução?” – 15 minutos. vi. Elaboração da Ficha 2.B) “Como selecionar os problemas mais interessantes?” – 10 minutos. vii. Elaboração da Ficha 2.C) “Gerar ideias para os problemas?” – 10 minutos. viii. Reforço das conclusões da elaboração das Fichas – 5 minutos. ix. presentação dos trabalhos da sessão seguinte, com utilização de Fichas de trabalho para A  seleção de oportunidade de negócio. Estimular para revisão do trabalho feito em grupo e preparação das Fichas seguintes – 5 minutos. Duração total: 90 minutos 15

Enquadramento Objetivos Gerais Genericamente podemos sintetizar os seguintes objetivos pedagógicos: • Despertar, promover e induzir a adoção de comportamentos e atitudes empreendedoras. • Sensibilização para a importância do empreendedorismo na sociedade e na comunidade. • Melhorar o autoconhecimento de competências e capacidades. • Conhecer o contexto real de atuação das empresas na comunidade e valorizar a sua importância. • Interagir com empresas da sua comunidade para conhecer vivências empreendedoras. • Facilitar a reflexão e tomada de decisão sobre a criação do próprio negócio e do próprio emprego, enquanto alternativa viável de atividade profissional. • Adquirir competências de inovação, comunicação, planeamento, resolução de problemas e tomada de decisão. • Desenvolver competências de trabalho em equipa e corresponsabilização em projetos comuns. Metodologias A metodologia usada é a formação-ação, em que os alunos apreendem os conceitos, discutem-nos em grupo e aplicam-nos aos seus projetos. Haverá momentos de interação com a envolvente externa: presença de empreendedores nas sessões e apresentação dos projetos dos alunos a uma audiência alargada e externa ao ambiente escolar. Em resumo, as metodologias a utilizar são: • Trabalho individual e em grupo. • Atividades de “chuva de ideias” (brainstorming). • Atividades de discussão e debate. • Trabalho em ambiente de projeto, com metas intermédias e meta final. • Apresentações e comunicação com audiências. • Relatos de experiências (storytelling) por convidados externos, em formato vídeo e presencial. • Pesquisa de informação na internet. • Jogos. 16

Academia Empreender Jovem Avaliação Para além da avaliação contínua , sugerem-se 3 momentos formais de avaliação, cujo peso relativo deverá ser definido pelo professor. Os critérios de avaliação são apresentados em cada Passo. • 1.º Momento de Avaliação – A realizar no final do Passo 3, após os alunos completarem um conjunto de fichas (Agora Empreende!) que lhes permite selecionar a oportunidade de negócio que irão explorar. • 2.º Momento de Avaliação – Poderá ocorrer, se adequado, no início do Passo 12 com a rea­ lização de um jogo de perguntas sobre empreendedorismo, que terá classificação direta. • 3.º Momento de Avaliação – A realizar com a apresentação final do Modelo de Negócio, de acordo com uma tabela de critérios. Fatores de sucesso Dado o tema em questão, considera-se que existem alguns fatores críticos para o sucesso do programa, relativamente aos objetivos a que se propõe. São eles: • Ligação das sessões em ambiente escolar à comunidade empreendedora (empresarial) e à família. • Treino e apoio aos professores envolvidos relativamente aos conceitos técnicos de empreendedorismo. • Clarificação e valorização, do objetivo final de apresentação do projeto empreendedor. • Utilização de diversas metodologias de cariz prático e lúdico, que promovam a participação dos alunos. • Interação entre conteúdos de várias disciplinas curriculares, nomeadamente Gestão, Eco­ nomia, Matemática, entre outras. • Articulação e integração com o PAP (prova de aptidão profissional), no caso do ensino técnico-profissional. 17

Enquadramento Aspetos Limitadores Os seguintes aspetos da envolvente escolar poderão condicionar a implementação do projeto, a sua desejada cadência e o cumprimento das metas intermédias pelos alunos: • Ambiente escolar não valoriza nem compreende a temática, relativamente a outros tópicos do ensino curricular. • Alunos são passivos na geração de ideias e na aceitação de desafios. • Professores e encarregados de educação não estarão motivados para apoiar e promover participação dos alunos nestas sessões. • Tempo disponível entre sessões presenciais poderá ser escasso para as atividades de grupo. Aspetos Facilitadores Similarmente, haverá aspetos da envolvente que facilitarão a adoção e implementação do programa: • Crescente tendência social para valorização e aceitação do tema do empreendedorismo. • Enfoque institucional a nível comunitário e nacional na educação para o empreendedorismo. • Apresentação de casos reais que são fatores de motivação e inspiração. • Promoção da autoestima e da participação de alunos com desempenho insatisfatório em disciplinas curriculares. 18

Academia Empreender Jovem como utilizar este guia Na 1.ª parte deste Guia aborda-se a temática da Educação para o Empreendedorismo e o percurso pedagógico composto pelos 14 passos do caminho do empreendedor. São também referidos os objetivos gerais, as metodologias de implementação e avaliação e os fatores que poderão condicionar o sucesso deste programa. Na 2.ª parte deste guia – a Implementação – apresenta-se detalhadamente cada um dos passos, com uma sugestão de organização das sessões. Para além de contextualizar os temas a apresentar, este Guia tem o propósito de apoiar os professores na clarificação dos objetivos gerais do projeto e facilitar a condução das sessões presenciais ao longo do percurso pedagógico, articulando a utilização dos diversos recursos diponíveis. Para cada passo serão sugeridas as abordagens e as dinâmicas mais adequadas para apresentação dos temas e os respetivos recursos disponíveis. O principal recurso, relativamente aos REDES PROPOSTAS DE VALOR Fontes de Rendimentos, Gastos e Resultados 7 PROPOSTAS DE VALOR ROTAS DE MERCADO DISCUSSÃO EM GRUPO CLIENTES FICHA 7.B Agora empreende! objetivos específicos, bem como as ações recomendadas e os ACTIVIDADES E RECURSOS-CHAVE PROPOSTAS DE VALOR GASTOS FIXOS E VARIÁVEIS ESTRUTURA FONTES DE CUSTOS DE RECEITAS TEMA: Gastos mais importantes. Custos fixos e variáveis OBJECTIVO: Identifica os gastos fixos e variáveis com a exploração do negócio. COMO: conteúdos temáticos, é o Manual do Aluno, que se divide em Como vimos, a designação mais comum de gastos é “custos”. Revê a definição de custos fixos e variáveis. PROPOSTAS Discute e qualifica (quer dizer, descreve) quais são os custos fixos e variáveis do negócio. Preenche as DE VALOR colunas seguintes. Preocupa-te em analisar toda a tua operação, desde as actividades e recursos até às rotas para o mercado. capítulos para cada tema apresentado. CUSTOS Fixos Variáveis Em cada passo, serão indicados os capítulos e os conteúdos aplicáveis daquele Manual, assim como as respetivas Fichas Agora Empreende! 102 Outro importante recurso disponível ao professor, para melhor contextualização da temática do Empreendedorimso, é o site “Plataforma do Empreendedor” da AIP-CCI (www.empreender.aip.pt). Aqui o professor poderá aceder a diversos recursos pedagógicos essenciais para a implementação do programa (videos; storytellings; folhas de cáculo; apresentações; jogos). 19

Enquadramento Para apoiar a implementação das sessões, a 2.ª parte deste Guia segue a seguinte estrutura: Academia Empreender Jovem 7 PASSO 7 PASSO Contextualização 1 Caso não tenha sido possível completar o Passo 6 na sessão anterior, deverá ser agora concluído. Modelo de Negócio: As atividades e recursos principais necessários À exploração de oportunidades 3 Para concretização da Proposta de Valor e implementação das rotas para o mercado será necessário garantir que determinadas atividades são levadas a cabo, de forma organizada e controlável. Estas atividades poderão ser assumidas pela equipa de empreendedores ou por terceiros, dependendo do grau de controlo e importância relativa que as atividades chave têm para o negócio. Simultaneamente, tanto a proposta de valor como as rotas para o mercado estarão dependentes da existência e controlo de recursos fundamentais para a sua concretização. Estes recursos poderão ser físicos, intelectuais ou intangíveis, humanos e financeiros. Por princípio de boa afetação de recursos e de gestão, aquelas atividades e recursos considerados críticos para o negócio, isto é, sem os quais não haverá perspetiva de sucesso, deverão ser executados e controlados pelo empreendedor, seja através da posse e execução direta, ou através da contratação ou licenciamento para sua utilização. Um bom exemplo deste controlo será a proteção dos seus recursos intangíveis, como sejam as A. Quais são as nossas atividades principais? B. Ficha 5.A) Atividades-chave. C. Quais são os recursos-chave? 2 invenções e marcas, através da regulamentação da Propriedade Industrial, que permite o registo de patentes, marcas e design. D. Ficha 5.B) Recursos-chave. Neste passo os alunos deverão: E. Exemplo de atividades e recursos-chave: o caso PLUX. • 4 Compreender a necessidade e identificar as atividades principais requeridas pela Proposta de Valor de e Rotas para o mercado. • Compreender a necessidade e identificar os recursos-chave requeridos pela Proposta de Valor de e rotas para o mercado. 83 1. N.º E TÍTULO DO PASSO – Cada passo do caminho referido constitui um capítulo. 2.  EQUÊNCIA – Cada passo está organizado numa sequência, apresentada em S sub-capítulos. 3.  ONTEXTUALIZAÇÃO – Em cada passo, o professor encontra uma C contextualização dos temas aí abordados, evidenciando os conceitos mais importantes e a sua relevância para o esforço empreendedor. 4.  ETAS – Em cada passo são apresentadas as metas que os alunos deverão M atingir no final de cada Passo. . 20

Academia Empreender Jovem Modelo de Negócio: Qual o nosso Mercado? Quais as nossas Rotas para o Mercado? Qual a nossa Marca? 6 Academia Empreender Jovem 6 PASSO PASSO D. Ficha 4.B) Qual a minha MARCA? 3. Evidencie o poder das marcas quando são adequadas ao segmento, identificam bem o produto ou serviço e se distinguem das restantes. Refira, entre outros, os exemplos Pelcor e Kidstuff da página 77 do Manual do Aluno. ida é uma promessa Uma marca bem conceb tal como a proposta que deve ser cumprida, ância com a de valor. Está em conson da para o proposta de valor, é adequa ica e distingue o segmento-alvo, identif dos da concorrência e produto ou serviço ecer o produto ajuda a relembrar e a reconh 8 ou serviço. 4. Questione se conhecem marcas que representem categorias de produto, como no exemplo 5 6 da página 78 do Manual do Aluno. 5. Evidencie o valor das boas marcas, e a necessidade de proteger a sua propriedade. Refira as alternativas de registo e proteção de marcas, em Portugal e no estrangeiro. Refira que há critérios para registo de marca, não podendo ser confundida com outras. Estimule os alunos a consultarem o website do INPI, através da ligação sugerida na seção RADAR do Manual do Aluno. 7 6. Exiba o video “What is Branding” Caso não seja possível exibir o vídeo, reforce a discussão inicial sobre exemplos de marcas conhecidas e a respetiva adequação ao segmento alvo, identificação do produto ou serviço e distinção relativamente à concorrência. 9 O que se pretende? Promover discussão em grupo para criação e seleção de marca própria. Recursos Necessários • TEMPO: 10 minutos; • Computador, projetor e ecrã; • Apresentação de slides PowerPoint de apoio à sessão e respetivo software; • Quadro; • Papel de rascunho para os alunos executarem as tarefas das Fichas Agora Empreende! • Manual do Aluno: Ficha “4.B) Qual a minha marca?” ORgANIzAçãO Execução da Ficha 4.B) / Método demonstrativo, brainstorming, aplicação de critérios. 1. Apresente a Ficha 4.B), leia os objetivos, as regras e o tempo limite. 2. Reforce a natureza de brainstorming na primeira parte do exercício. Relembre a regra de que não se criticam ideias, para promover a criatividade. Estimule a criatividade e alguma irreverência, reforçando contudo a necessidade de adaptação da marca ao segmento-alvo. 3. Quando passar metade do tempo, avise os alunos de que devem passar da melhor ideia para a marca, cumprindo os critérios assinalados. 4. No final, cada representante apresenta a marca escolhida. 10 Estimule os alunos a repetirem o exercício, após esta sessão e a apresentarem novos resultados na próxima sessão. 80 81 5. O QUE SE PRETENDE? – Ao longo da sequência, o professor encontra os objetivos específicos. 6.  ECURSOS NECESSÁRIOS – Indica os recursos materiais e humanos a utilizar, incluindo o R tempo sugerido, os conteúdos relevantes e necessários do Manual do Aluno, as Fichas Agora Empreende! 7.  RGANIZAÇÃO – Indica os diversos tópicos a apresentar, os tempos e os métodos pedagógicos O sugeridos e as atividades a desenvolver. Nesta secção, o professor poderá ainda encontrar texto assinalado por um de três símbolos, com o seguinte significado: 8 Apresenta anotações, exemplos e comentários úteis ao enquadramento geral dos temas apresentados. 9 Sugere soluções para eventuais problemas que possam surgir, relativa­ mente à utilização dos recursos. 10 Sugere a utilização, em determinados momentos das sessões, de exemplos ou ações específicas para o professor 21

Enquadramento Outros recursos recomendados Todos os recursos necessários para a implementação deste programa estarão disponíveis na Plataforma do Empreendedor – www.empreender.aip.pt – Guia do Professor – Manual do Aluno – Slides PowerPoint de apoio às sessões – Storytellings – Jogo de avaliação – Folhas de cálculo Existem ainda outros recursos vídeo cuja utilização no âmbito das sessões é sugerida ao professor. São eles: Nome do ficheiro vídeo (avi.): All work and all play CP – Nós damos-lhe tempo O poder das palavras What is branding (legendado) Plux – Hugo Gamboa [Ignite] David S Rose_2007 So you think you can pitch Não podia ser mais simples Os 8 segredos do sucesso Richard St.John_2005 entre outros... 22

2 PARTE Implementação

1 PASSO SER EMPREENDEDOR A. O que é o enpreendedorismo? B. As características da atividade empreendedora. C. Tipos de atividades económicas. D. A ética e a responsabilidade social. E. O exemplo de um empreendedor.

Academia Empreender Jovem 1 PASSO Contextualização O fenómeno do empreendedorismo é um tema de grande atualidade e central na discussão do modelo de desenvolvimento socioeconómico da Europa e do mundo. Contudo, apesar da sua exposição mediática, é necessário compreender e desmistificar o seu significado prático, e permitir a sua apropriação pelos jovens. Empreendedorismo não é sinónimo de “abrir empresas”, embora seja provável que essa ação resulte de comportamentos empreendedores. De facto, uma importante perspetiva na definição de empreendedorismo é a perspetiva comportamental, definindo o empreendedorismo enquanto um conjunto de comportamentos e atitudes que, adotado ao longo do tempo como um processo com determinadas características, permite ao indivíduo canalizar a sua criatividade para a resolução de problemas. Assim, podemos ser empreendedores fora da esfera empresarial, e também haverá indivíduos nessa esfera que apresentam comportamentos pouco empreendedores. Outra conclusão importante que se retira desta perspetiva comportamental do empreendedorismo é a de que estes comportamentos e atitudes são passíveis de serem aprendidos e adotados por qualquer indivíduo. Por outro lado, e na perspetiva da sua ocupação profissional futura, o aluno deverá tomar contacto com dois tipos básicos de organização: as organizações com e sem fins lucrativos. Esta ótica apresenta ao aluno alternativas para aplicação do seu esforço empreendedor, sem o restringir ao objetivo do lucro, mas como plataformas para conseguir a solução, de forma sustentada, de problemas na sua envolvente socioeconómica. Também desmistificando o conceito de lucro, apresenta-se aos alunos os conceitos da ética e da responsabilidade social, revelando a necessidade de se aceitarem as regras de convivência social também no contexto profissional e de exploração de oportunidades, e de se compreender as razões e motivações para tal. Neste passo os alunos deverão: • Aprender a definição comportamental de empreendedorismo e aplicá-la ao seu caso pessoal. • Distinguir dois tipos de organização, segundo a ótica do seu objetivo primordial, enquanto alternativas para a atividade empreendedora. • Compreender o significado e aplicação dos conceitos de “ética” e “responsabilidade social”. • Conhecer um exemplo real do percurso de um empreendedor. 25

Ser empreendedor 1 PASSO A. O que é o empreendedorismo? O que se pretende? Conhecer o conceito de empreendedorismo e identificar o fenómeno no contexto social e individual. Permitir a autorreflexão e perspetivar os comportamentos e atitudes no contexto da criação do próprio emprego, no trabalho por conta de outrem ou em atividades não-profissionais. Inspirar para a aprendizagem dos comportamentos e atitudes empreendedoras. Recursos Necessários • Tempo: 20 minutos. • Computador, projetor e ecrã. • Apresentação PowerPoint de apoio à sessão e respetivo software. • Quadro. • Manual do Aluno: 1.1 – “Ser Empreendedor”. Organização Apresentação do conceito de empreendedorismo / Método expositivo. 1. Após uma breve apresentação dos alunos, se for adequado, comece por interrogá-los sobre  o significado de “empreendedor”, e escreva no quadro a síntese dos adjetivos e exemplos apresentados por eles. Esta síntese servirá para comparar com a definição dos comportamentos e atitudes do empreendedorismo. Pergunte: O que significa “empreendedor”? Que exemplos? 2.  presente uma definição de “empreendedor”, aplicável ao contexto profissional mas também A social, escolar, familiar, etc.. Peça exemplos em outros contextos para além do profissional. Quem conhecem que tenha tomado a iniciativa de resolver problemas, mesmo sem garantia de sucesso? Na escola? Em família? 26

Academia Empreender Jovem 1 PASSO A  presentação e discussão dos comportamentos e atitudes na perspetiva individual / Método expositivo e interrogativo. 3.  presente os comportamentos e atitudes do empreendedorismo. Explique melhor o que A são, usando os exemplos do Manual (Empenho e Determinação, Liderança, Exploração de Oportunidades, Tolerância ao Risco, Criatividade, Confiança, Adaptabilidade, Motivação para o Sucesso). Compare as definições dos alunos com as que apresentou. 4.  romova a discussão sobre quem conhecem com esses comportamentos e atitudes e se P os reconhecem em si próprios. A  presentação e discussão de exemplos reais de empreendedores / Método expositivo e interrogativo. 5.  presente fotos de empreendedores conhecidos e pergunte se os reconhecem. Identi­ A fique-os, e pergunte que comportamentos e atitudes exibem estes empreendedores. Pergunte: Quem são estes empreendedores? Que comportamentos e atitudes têm? Exemplifiquem. Uma fórmula para o sucesso do empreendedor será: ENERGIA, MOTIVAÇÃO E PAIXÃO + OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO = SUCESSO 27

Ser empreendedor 1 PASSO B.  s características da atividade empreendedora A O que se pretende? F  acilitar a compreensão das características do empreendedorismo, organizando as ideias em torno das 3 características básicas. Inspirar a adoção dessas características explicando que não são só genéticas. Recursos Necessários • Tempo: 15 minutos. • Computador, projetor e ecrã. • Apresentação PowerPoint de apoio à sessão e respetivo software. • Quadro. • Manual do Aluno: 1.2 – “As características da atividade empreendedora”. Organização Reflexão sobre se empreendedorismo é somente genético / Método interrogativo. 1. Questione se ser empreendedor, com os comportamentos e atitudes apresentadas, está  reservado, ou não, para quem nasceu com eles. Pergunte: Só é empreendedor quem nasceu empreendedor? Apresentação das 3 características do conceito de empreendedorismo / Método expositivo. 2.  presente as 3 características do empreendedorismo e as respetivas definições. A Um exemplo de comportamentos e atitudes de um empreendedor: “Aquele que toma a iniciativa para resolver problemas, apesar do risco de falhar, e assume o controlo dessa iniciativa.” 3.  stimule os alunos a pesquisarem na Internet usando os exemplos da secção RADAR do E capítulo 1 do Manual do Aluno. 28

Academia Empreender Jovem 1 PASSO C. Tipos de atividades económicas O que se pretende? Conhecer o tipo de atividades económicas com e sem fins lucrativos. Conhecer a definição de lucro. Recursos Necessários • Tempo: 10 minutos. • Computador, projetor e ecrã. • Quadro. • Manual do Aluno: 1.3 – “Tipos de atividades económicas”. Organização Apresentar a finalidade de dois tipos de organização; com e sem lucro / Método expositivo. 1.  presente as formas como as pessoas se organizam para atingirem determinados objetivos, A seja o lucro, sejam outros. Interrogar sobre objetivos das organizações com e sem fins lucrativos / Método interrogativo. 2.  nterrogue quais serão estes objetivos, para além do lucro, nos dois tipos de organização. I Peça e dê exemplos. Peça exemplos de casos pessoais conhecidos dos alunos. 3.  xplique o que é o Lucro. Sublinhe a diferença entre salário E do empreendedor e lucro. es (sem fins Exemplos de Associaçõ Associações de lucrativos): Bombeiros, ão Social (Caritas, Consumidores, Proteç ser de cariz Banco Alimentar), podem o, etc. tiv cultural, social, recrea edor, enquanto O salário do empreend empresa, não trabalhador da sua ento pela é lucro, mas sim vencim trabalho. prestação do seu 4. Refira outros objetivos das organizações com fins lucrativos. 29

Ser empreendedor 1 PASSO D. A ética e a responsabilidade social O que se pretende? Conhecer o significado de ética. Conhecer o significado de responsabilidade social. Recursos Necessários • Tempo: 10 minutos. • Computador com colunas de som, projetor e ecrã. • Quadro. • Apresentação PowerPoint de apoio à sessão e respetivo software. • Software de reprodução de vídeo (e.g. “Windows Media Player”). • Ligação à Internet e acesso à Plataforma AIP. • Video storytelling “Reklusa”. • Manual do Aluno: 1.4 – “Ética e Responsabilidade Social”. Organização Discutir com os alunos a necessidade de existirem regras no relacionamento entre cidadãos e entre estes e as instituições / Método interrogativo, discussão dirigida. 1.  nterrogue os alunos sobre quais as regras de organização I da sociedade e de relacionamento. a, se é aceitável Dê exemplos, como sej m exame e tenha que um aluno copie nu que estudou e melhor nota que outro não copiou. Apresentar o conceito de ética, e o seu âmbito de aplicação / Método expositivo. 2.  aça a ponte para a necessidade de haver regras e o conF ceito de ética, com aplicação ao contexto de atividade profissional. nal, Dê exemplos no âmbito profissio l”, o seja, “trabalho igual, salário igua com r”, etc. favo “promoção por mérito e não por Apresentar e discutir exemplos de responsabilidade social / discussão dirigida e expositivo. 3.  aça a ponte entre valores e princípios da sociedade, responsabilidade de cada um e de F responsabilidade social, aplicado às empresas. Apresente o conceito e exemplos. 4. Apresente o storytelling “Reklusa”. 30

Academia Empreender Jovem 1 PASSO E. O exemplo de um empreendedor O que se pretende? Contactar com exemplo real de empreendedorismo como atividade profissional. Colher inspiração para comportamentos empreendedores. Recursos Necessários • Tempo: 15 minutos. • Computador com colunas de som, projetor e ecrã. • Quadro. • Software de reprodução de vídeo (e.g. “Windows Media Player”). • Ligação à Internet e acesso à Plataforma AIP. • Visita de empreendedor, com apresentação de história pessoal (15 minutos) ou em alternativa apresentação de vídeo storytelling, a definir pelo professor. • Manual do Aluno: Todos os temas do capítulo 1. Organização Apresentação pessoal de história de empreendedor / Método expositivo. Perguntas e respostas ao empreendedor / discussão dirigida. 1.  presente aos alunos o empreendedor e informe-os que vão assistir à apresentação de um A caso pessoal de empreendedorismo, e que poderão fazer perguntas de seguida. 2. ntroduza no computador alguma apresentação de slides que o empreendedor traga e I mostre-lhe como utilizar a projeção de slides. Informe-o de que não deverá demorar mais de 15 minutos. 3.  o final da apresentação, estimule os alunos a colocarem questões contextualizadas N e também pessoais, se aceitável, relativamente aos desafios, às escolhas e orientações profissionais do empresário. 31

Ser empreendedor 1 PASSO Caso o empresário não esteja presente, projete o vídeo Storytelling relativo ao caso pessoal do empreendedor. No final, reflita com os alunos sobre as suas opções e decisões, tentando encontrar exemplos de comportamentos e atitudes empreendedoras, objetivos pessoais e da organização, ética e responsabilidade pessoal. No caso de apresentação de vídeo, reflexão sobre comportamentos e atitudes e decisões de vida do empreendedor 4.  stimule os alunos a pesquisarem na Internet usando os exemplos da secção RADAR do E capítulo 1 do Manual do Aluno. 32

2 PASSO As ideias e as oportunidades de negócio. As tendências do mundo atual A. Processo empreendedor na perspetiva do negócio. B. Ideias, inovações e invenções. Que oportunidades de negócio? C. As tendências do mundo atual.

2 As ideias e as oportunidades de negócio. As tendências do mundo atual PASSO Contextualização No passo anterior referimos que todos podemos assumir comportamentos e atitudes empreendedoras, e devemos fazê-lo de forma consistente ao longo do tempo. Agora põe-se a questão de, na perspetiva dos negócios, saber como podemos avançar. Recorremos ao processo do empreendedor, cujas duas primeiras fases cabem no âmbito deste programa. São elas a identificação da oportunidade de negócio e o desenvolvimento do modelo do negócio, que descreve como vamos criar, entregar e capturar valor, pela satisfação de determinada necessidade do mercado. A primeira fase de identificação de oportunidade parte da premissa que, à partida, uma ideia de negócio não é, por si só, uma oportunidade. Se a ideia se concretizar numa solução para um problema (quando referimos “problema”, significa um verdadeiro problema, uma necessidade, ou um desejo, sentido por um conjunto de indivíduos.), e o fizer em determinadas circunstâncias, então será uma oportunidade. Essas circunstâncias são, basicamente, a existência de um problema, implícito ou explícito, que é sentido por um conjunto de indivíduos que valorizam a solução apresentada e que portanto consideram adquiri-la. Se estas circunstâncias que verificarem de uma forma sustentável para o negócio, então o empreendedor estará perante uma oportunidade. A ferramenta que o empreendedor tem ao seu dispor para descrever como essa oportunidade se pode concretizar, isto é, como conseguirá criar, entregar e capturar valor, é a ferramenta Modelo de Negócio que usaremos ao longo de todo o percurso pedagógico. Noutra perspetiva, uma ideia inovadora só será de facto uma inovação (seja de produto/serviço, processo, organização ou marketing) se se materializar numa solução para problemas concretos, e se for disponibilizada no mercado, ao alcance dos potenciais clientes a quem se destina. Assim, uma ideia, ou uma invenção, não são, por si só, inovações no mercado. E um negócio sem inovação permanente pode falhar à partida ou acabar por “morrer”. Uma vez que novos problemas requerem novas soluções, uma fonte de inspiração pode estar na análise da evolução social e económica. Essa evolução é revelada pelas tendências, que ajudam a observar o futuro, e colher inspiração sobre quais os problemas, necessidades e desejos que se irão manifestar na sociedade, e para os quais haverá procura de novas soluções. Neste passo os alunos deverão: • Conhecer o processo empreendedor. • Compreender e executar as duas primeiras fases desse processo. • Compreender o que é uma oportunidade de negócio. • Aprender a procurar e observar as grandes tendências mundiais. • Definir problemas, gerar ideias e concretizar soluções. 34

Academia Empreender Jovem 2 PASSO A. Processo empreendedor na perspetiva do negócio O que se pretende? Reconhecer a possibilidade de assumir comportamentos e atitudes empreendedoras. Conhecer as fases do processo empreendedor. Compreender a fase de identificação da oportunidade de negócio. Saber quais os critérios de avaliação de uma oportunidade de negócio. Conhecer a ferramenta Modelo de Negócio. Recursos Necessários • Tempo: 10 minutos. • Computador, projetor e ecrã. • Apresentação PowerPoint de apoio à sessão e respetivo software. • Quadro. • Manual do Aluno: 2.1 – “Processo empreendedor na perspetiva do negócio” e 2.2 – “As fases do processo empreendedor”. Organização Apresentação do processo empreendedor para mapear a atividade empreendedora / Método expositivo e interrogativo. 1. Interrogue e reafirme sobre as conclusões de que todos podemos assumir comportamentos e atitudes empreendedoras, mostrando a definição comportamental do “empreendedor”. Como consequência, questione sobre como podemos iniciar uma atividade empreendedora, no âmbito dos negócios. 2.  presente o processo empreendedor. Explicar que as duas primeiras fases deste processo A são aquelas sobre as quais incidirá o trabalho a desenvolver com os alunos. 3.  presente a primeira fase, como início da atividade empreendedora, questionando se os A alunos têm ideias de negócio. Selecione uma ou duas ideias e explore como os alunos pensam que essa ideia resolve determinado problema, e quem sente esse problema. 35

As ideias e as oportunidades de negócio. As tendências do mundo atual 2 PASSO 4. Questione qual o problema (necessidade ou desejo) que a ideia resolve. 5. Conclua que uma ideia não é, só por si, uma oportunidade Oportunidade = Um problema no ! mercado à espera de ser resolvido Reflexão sobre ideia e oportunidade de negócio. Apresentação do binómio “problema” “ideia e solução” como base da oportunidade / Método interrogativo e expositivo. 6. Mostre como uma oportunidade requer uma ideia e uma solução para determinado problema no mercado, que pode ser uma necessidade ou um desejo. Os critérios de avaliação de oportunidades de negócio devem até ser aplicados de forma simples e ussão. intuitiva, nesta fase da disc C  ritérios para avaliar oportunidades de negócio / Método expositivo, discussão dirigida. 7. Para avaliar se uma oportunidade é boa, apresente os critérios em forma interrogativa.  Ilustre com o exemplo dos vendedores de sapatos da página 34 do Manual do Aluno. Pergunte se consideram ser, ou não, uma oportunidade. Explore os critérios de oportunidade neste exemplo. A  presentação da ferramenta “Modelo de Negócio” / Método expositivo e interrogativo. Critérios para avaliar oportunidade de negócio: P  roblema / necessidade é sentido por número suficiente de potenciais clientes. ● otenciais clientes insatisfeitos com soluções existentes. P ●  possível construir a solução e fazê-la chegar até potenciais clientes. É ●  olução tem valor para potenciais clientes, relativamente a custo e benefícios. S ●  otenciais clientes têm capacidade e disposição para pagar o suficiente para ser rentável. P ● 8.  oncluída a fase de identificação de oportunidade, apresente a ferramenta que permitirá C descrever como o empreendedor deverá montar o negócio e explorar a oportunidade. Percorra brevemente as várias fases do Modelo, começando em Proposta de valor, Clientes, e Rotas para o mercado. Continue com a Atividades e Recursos necessários e Redes. Termine com Rendimentos e Custos. 36

Academia Empreender Jovem 2 PASSO Apresentação das restantes fases do processo empreendedor / Método expositivo. 19. Refira as restantes fases do processo, para conhecimento. 10.  stimule os alunos a pesquisarem na Internet usando os exemplos da secção RADAR do E capítulo 2 do Manual do Aluno. 37

2 As ideias e as oportunidades de negócio. As tendências do mundo atual PASSO B. deias, inovações e invenções. I Que oportunidades de negócio? O que se pretende? Compreender o conceito de inovação no mercado. Reconhecer diferenças entre invenção, ideias e inovação. Compreender o processo de identificação de oportunidades de negócio. Recursos Necessários • Tempo: 10 minutos. • Computador, projetor e ecrã. • Apresentação PowerPoint de apoio à sessão e respetivo software. • Quadro. • Manual do Aluno: 2.3 – “Ideias, inovações e invenções” e 2.4 – “A oportunidade de negócio: problema, ideia e solução”. Organização Apresente a diferença entre invenção e inovação, com exemplos / Método interrogativo. 1. Introduza o tema questionando os alunos se inventor e inovador são a mesma coisa. Dê exemplos do Manual do Aluno, Steve Jobs e lâmpada elétrica (página 39) e Post It (página 33). 2.  eafirme o conceito de inovação e a necessidade de as ideias serem concretizadas em R soluções inovadoras, para explorar oportunidades. Apresente o processo de identificação de oportunidades de negócio / Método expositivo. 3.  presente o processo de identificação de oportunidades A de negócio, que os alunos irão seguir ao longo da execução de exercícios. 38 rido O processo de identificação é suge as, ideias e na figura 6 “Problem soluções” do Manual do Aluno (página 41).

Academia Empreender Jovem 2 PASSO 4.  evele que esse processo será usado no final da sessão para os alunos identificarem as R suas oportunidades de negócio. 5.  eforce que vamos começar com a identificação de probleR mas, embora possamos ter já alguma ideia de negócio. Nesse caso, devemos refletir sobre que problemas a nossa ideia necessidades ou “Problemas” significa conjunto desejos sentidos por um do. de indivíduos no merca pretende resolver. 6. Faça a ponte para o tema seguinte, “Tendências”, como fonte de inspiração para os exercícios. 39

2 As ideias e as oportunidades de negócio. As tendências do mundo atual PASSO C. As tendências do mundo atual O que se pretende? Despertar a atenção dos alunos para uma permanente observação de tendências como fonte de novas ideias e deteção de novas oportunidades. Inspirar para a execução dos exercícios sobre identificação de oportunidades. Recursos Necessários • Tempo: 15 minutos. • Computador com colunas de som, projetor e ecrã. • Apresentação PowerPoint de apoio à sessão e respetivo software. • Quadro. • Software de reprodução de vídeo (e.g. “Windows Media Player”). • Ligação à Internet e acesso à Plataforma AIP. • Video “All work and all play”. • Alternativa de storytelling “Moving Free” e “We Hate Tourism Tours”. • Manual do Aluno: 2.5 – “As tendências do mundo atual”. Organização S  ensibilização para a análise e compreensão das tendências do mundo atual como fonte de inspiração para identificar problemas e gerar ideias / Método expositivo. 1. Apresente o tema alertando para a diferença entre necessidades básicas e não-básicas, no  mercado Dê o exemplo do Manual do Aluno (página 42), que refere a necessidade de transporte e necessidade de telemóvel. Suscite a discussão pedindo outros exemplos aos alunos. 2.  presente cada uma das tendências pedindo, em cada uma, exemplos e comentários dos A alunos, enquadrando-os no futuro deles 40

Academia Empreender Jovem 2 PASSO 3.  ostre o vídeo “All work and all play”, e se adequado, um dos videos storytelling de “Moving M Free” ou “We Hate Tourism Tours”. Se não conseguir exibir o vídeo, dê o exemplo de como surgiu a ideia e a solução dos casos storytelling de “Moving Free” e “We Hate Tourism Tours”. 4.  stimule os alunos a pesquisarem sobre tendências na Internet usando os exemplos da E secção RADAR do Capítulo 2 do Manual do Aluno. 41

3 PASSO Gerar Ideias para oportunidades de negócio. A ferramenta "Modelo de Negócio" A. Ficha 2.A) Que problemas precisam de solução? B. Ficha 2.B) Como selecionar os problemas mais interessantes? C. Ficha 2.C) Gerar ideias para os problemas. D. Ficha 2.D) Selecionar as melhores ideias. E. Ficha 2.E) Selecionar as melhores soluções. F. Ficha 2.F) Avaliação e seleção de oportunidades de negócio. G. Ficha 2.G) A minha oportunidade de negócio. H. Ficha 2.H) Qual o nome do meu negócio? I. Ficha 2.I) Objetivos e metas para cada grupo.

Academia Empreender Jovem 3 PASSO Contextualização Na génese do empreendedorismo está uma ideia inovadora do empreendedor que, por obser­ vação da envolvente e por “intuição”, acredita que tem nas mãos uma oportun

Add a comment

Related presentations

Related pages

Guia Jovem Internista v4-Cópia - Documents

Guia professor Academia Empreender Jovem Academia Empreender Jovem - Guia do Professor Guia Jovem Para o Consumo Sustentável - PNUMA www ...
Read more

Jovem Empreendedor Manual do | Mec Cunha - Academia.edu

Academia.edu is a platform ... Este manual é um guia prático para auxiliar os jovens ... ao empreender, o jovem deixa de fgurar nas ...
Read more

ACADEMIA JOVEM - InovEmpreende

ACADEMIA JOVEM. Para os Alunos do ... este Guia oferece sugestões sobre como fomentar, ... A Academia Empreender Jovem.
Read more

Professor e Especialista do IPOG fala sobre ideias para ...

Professor e Especialista do IPOG fala sobre ideias para empreender ... Professor do IPOG fala sobre ... Academia Empreender Jovem ...
Read more

A AIP-CCI na rota do Empreendedorismo AIP

• Guia da Plataforma do Empreendedorismo ... • Ateliers Empreender Criança • Academia Empreender ... ministradas por um professor/dinamizador que ...
Read more

Portal do Empreendedor - Home

... Academia Empreender Jovem. Ateliers Empreender Criança ... - Guia do formador/professor com os respectivos ... ACADEMIA EMPREENDER JOVEM ...
Read more

Guia empreendedorismo este! - Academia.edu - Share research

Academia.edu is a platform for ... A iniciativa de empreender e o ... Licenciada em Ciências Agrárias e filha de um professor de viticultura a jovem ...
Read more

Video 01 - Academia Vocacional! Empreender ou Ser ...

Video 01 - Academia Vocacional! Empreender ou Ser Colaborador? Gustavo Santos. Subscribe Subscribed Unsubscribe 7 7. Loading ... Jovem Pan 263 ...
Read more