Geografia Humana - 8. RESUMO -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo I). IN: “Brasil: um século de transformações”. Companhia das Letras, 2001. Vários Autores.

33 %
67 %
Information about Geografia Humana - 8. RESUMO -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica”...
Books

Published on February 20, 2014

Author: jamaralgeo

Source: slideshare.net

Jessica Amaral 1º Semestre Geografia Matutino/2012 Docente Rosangela Hespanhol RESUMO -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo I). IN: “Brasil: um século de transformações”. Companhia das Letras, 2001. Vários Autores. A TRANSIÇÃO DEMOGRAFICA BRASILEIRA Inicialmente, o texto discute as principais fases e fatores da transição demográfica brasileira, entre eles, as taxas de imigração que representava aproximadamente 10% do crescimento populacional no inicio do século XX, passando a ser aproximadamente 6% 40 anos depois. Destaca também os fatores da natalidade e mortalidade, que tem seus níveis e tendências apresentadas nas variações sociais e regionais. De modo geral, a população vem sendo marcada por transições decorrentes de mudanças nos níveis de mortalidade e fecundidade: a diminuição da fecundidade na época da crise econômica no fim da década de 20; o crescimento da população entre as décadas de 1940 e 1960 devido ao declínio da mortalidade; o desaceleramento desse crescimento a partir de 1960 relacionada à redução da fecundidade, transformando significantemente a estrutura etária da população; a cobertura dos serviços de saneamento básico e a abrangência do sistema educacional que contribuíram para a redução sistemática dos níveis da mortalidade infantil a partir da década de 1970. Ainda com relação à fecundidade, revelou-se em 1986 que 70% das mulheres entre 15 e 54 anos faz uso de algum método contraceptivo, tanto de medicamentos a partir de programas e políticas como o aborto induzido. O estudioso Faria mostrou que, embora as políticas governamentais de benefícios previdenciários, de saúde, e credito ao consumidor e telecomunicações não estivessem sido formuladas no sentido da demanda por regulação da fecundidade, acabaram por ter efeitos sobre essa demanda e, conseqüente mente, sobre a redução da fecundidade. O efeito também é observado, numa analise superficial, na entrada da mulher no mercado de trabalho. Numa analise sobre a pirâmide etária da população, se pode dizer que o Brasil passou de uma população jovem para uma população envelhecida, fruto da queda da fecundidade iniciada a partir da década de 1960, onde o grupo de jovens passou a decair na estrutura etária, fenômeno já observado em 1998 nos países mais ricos, no Brasil os idosos superarão os jovens só por volta de 2040. No decorrer do século XX, o volume da população idosa aumentou 25 vezes. Sobre a população idosa, pode se destacar a situação socioeconômica. É fato que essa população representa os nascidos da década de 1930, que sua média de escolarização é

de três a quatro anos. Como essa geração não foi muito ativa na contribuição da previdência, é hoje a população com uma condição inferior a das outras gerações, com uma aposentadoria igual a um salário mínimo. A conseqüência disso é a ocupação no mercado de trabalho, diminuindo a ocupação pela população economicamente ativa, gerando uma crise da previdência. Em ultima analise, a estrutura etária da população passa de uma pirâmide de base larga e forma triangular (com altas taxas de fecundidade e mortalidade) para outra mais uniforme e de base reduzida (com grande redução na fecundidade). Vale analisar que a mortalidade reduziu na década de 1940. Com relação à nupcialidade e arranjos familiares, ao que se diz das categorias do estado civil da população, o Brasil apresentou algumas pequenas mudanças como à categoria dos “divorciados” que foi incluindo no Código Civil em 1980, que em seguida permitiram que estes pudessem ter um novo casamento. Nesse sentido, cresceram ao longo do tempo as proporções de casados (legalmente ou não) e de divorciados ou separados, reduzindo-se, por sua vez, as de solteiros e de viúvos. A taxa bruta de nupcialidade legal declinou nas ultimas décadas, sofrendo uma redução de 60% ao passo que houve o grande aumento das uniões não legalizadas ou consensuais ocorridos no mesmo período. Atualmente, observa-se uma dinâmica de descontinualidade matrimonial na sociedade brasileira. A cultura brasileira, apesar das décadas, não mostra alterações significativas com relação às idades em que homens e mulheres se casam que permanecem os 27 anos para os homens e variam entre 21 a 24 anos paras as mulheres. A interação de processos demográficos acaba por determinar estruturas domesticas e familiares, onde cresce as unidades domiciliares e declina no numero médio de pessoas por unidade domiciliares que, por sua vez são mais raras os de sete ou mais pessoas, seguidos dos de cinco a seis componentes, seu maior crescimento deu-se nas unidades de três a quatro pessoas. MOBILIDADE ESPACIAL DA POPLAÇÃO BRASILEIRA AO LONGO DO SÉCLO XX A mobilidade espacial da população no território nacional insere-se em contextos históricos, econômicos, sociais, demográficos e políticos, que tiveram implicações nos processos de retribuição da população e de urbanização ao longo do século XX: abolição e a expansão cafeeira do período 1880-1930; entrada de imigrantes estrangeiros; os deslocamentos populacionais para Belém; do fim do século XIX a 1930, migração de escravos, migração inter-regional de mão-de-obra livre para produção de borracha na Amazônia e migração de escravos libertos, substituídos por imigrantes estrangeiros. Essa mobilidade segue com a crise econômica mundial e a conseqüente crise do café, causando a transferência da população das áreas cafeeiras rurais para áreas urbanas; as políticas de desenvolvimento industrial e econômico pós 1930 e pós-1950, que por sua vez causaram, seqüencialmente, uma migração rural de três milhões e sete milhões; ainda na segunda metade de 1960 iniciou-se o processo de industrialização do campo e

modernização agrícola, aumentando o êxodo rural, totalizando 12,8 milhões de pessoas que saíram do campo. De um lado, deslanchava-se o processo de esgotamento de antigas áreas de fronteiras, ao passo que se diversificava o parque industrial, abrindo novos empregos após as mudanças ocorridas. A MISCIGENAÇÃO NO BRASIL A miscigenação no Brasil, ao que se diz na classificação das categorias, lançava mão de três: “branco”, “preto” e “amarelo”. Foi “declarado, além das ultimas três, nos censos dos anos de 1960 e 1980, a categoria „parda‟ e „indígena‟, respectivamente.” As informações de Berquó (1987), Bercovich (1987), Wood e Webster (1987) e Garcia Tamburo (1987) permitem lançar algumas suposições sobre a conformação por cor da população. A branca esteve exposta a uma menor mortalidade, entrou mais cedo em união conjugal, teve um menor celibato e maior fecundidade até 1960, o que pode ser responsável por seu predomínio quantitativo no total populacional. Por outro lado, o aumento da mestiçagem e o declínio mais acentuado da fecundidade a partir de 1960, devido ao acesso mais precoce a métodos mais modernos de anticoncepção, podem ser responsabilizados pela desaceleração de sua taxa de crescimento e redução de seu peso relativo no total populacional (Berquó, 1988). Já quanto a população preta, sua maior mortalidade, a entrada mais tardia em união, com elevado celibato, principalmente o feminino, a mestiçagem e a menor fecundidade até 1960 traduzem-se em baixas taxas de crescimento e no acentuado declínio de seu peso relativo no computo geral. As altas taxas de fecundidade durante todo o período 1940-80 e a elevada mestiçagem com a população branca respondem pelo alto e sistemático crescimento de pardos.

Add a comment

Related presentations