Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá - Edição revisada e ampliada

50 %
50 %
Information about Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá - Edição revisada e ampliada
Books
dos

Published on March 8, 2014

Author: campani

Source: slideshare.net

Description

“Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá” busca apresentar e elucidar um dos mais conhecidos textos cabalísticos, o Livro da Criação, Sêfer Yetsirá. O livro procura introduzir os fundamentos da cabala por meio dos temas mencionados no Sêfer Yetsirá. O Sêfer Yetsirá é um dos mais importantes textos cabalísticos e foi escrito, provavelmente, no séc. III da era cristã, sob inspiração gnóstica. Ele versa sobre o misticismo e a tradição mágico-esotérica judaica, descrevendo a criação divina, que é apresentada como sendo resultante das combinações e permutações das letras do Nome de Deus (YHVH). Sua importância para o cabalismo pode ser inferida do fato dele ser o texto judaico mais antigo que cita o conceito de Sefirá. Também é inegável a importância do Sêfer Yetsirá para maçons, rosacruzes e estudantes de ciências ocultas em geral. A tradução do Sêfer Yetsirá para o português foi feita diretamente do texto hebraico, que é apresentado na íntegra no livro. A tradução é acompanhada de explicações do autor e citações dos comentários dos mais renomados rabinos, eruditos e estudiosos, entre eles: Gershom Scholem, Aryeh Kaplan, Leonard Glotzer, Ithamar Gruenwald, Peter Hayman, Isidor Kalisch, Gaon de Vilna, Ramban, Raivad, Isaque o cego, Moisés Botarel, Otsar HaShem e Saadia Gaon. O livro inclui ainda uma introdução aos principais conceitos da cabala, um glossário de termos hebraicos que aparecem no texto e anexos sobre Adão Kadmon, cifras cabalísticas e Ain Sóf. Cada capítulo do livro finaliza com um exercício prático de meditação cabalística. Este livro procura relacionar as ideias da cabala, que aparecem no Sêfer Yetsirá, com correntes da filosofia e religião, principalmente neoplatonismo, vedanta, budismo e ioga. Ele foi escrito em uma perspectiva multirreligiosa e multicultural, para que pessoas de diferentes crenças possam usufruir das ideias da cabala judaica e das práticas da cabala mística e adapta-las às suas próprias crenças.

Fundamentos da Cabala: Sˆfer Yetsir´ - edi¸ao revisada e ampliada de e a c˜ Carlos A. P. Campani ´ licenciado sob uma Licen¸a Creative Commons e c Atribui¸ao-Vedada a cria¸˜o de obras derivativas 3.0 Unported c˜ ca

Fundamentos da Cabala: Sˆfer Yetsir´ e a Edi¸ao revisada e ampliada c˜

Fundamentos da Cabala: Sˆfer Yetsir´ e a Edi¸ao revisada e ampliada c˜ Carlos A. P. Campani

Obra publicada pela Universidade Federal de Pelotas Reitor: Prof. Dr. Antonio Cesar Gon¸alves Borges c Vice-Reitor: Prof. Dr. Manoel Luiz Brenner de Moraes ´ Pr´-Reitor de Extens˜o e Cultura: Prof. Dr. Luiz Ernani Gon¸alves Avila o a c Pr´-Reitora de Gradua¸˜o: Prof. Dra.Eliana P´voas Brito o ca o Pr´-Reitor de Pesquisa e P´s-Gradua¸˜o: Prof. Dr. Manoel de Souza Maia o o ca ´ Pr´-Reitor Administrativo: Prof. Ms. Elio Paulo Zonta o Pr´-Reitor de Planejamento e Desenvolvimento: Rog´rio Daltro Knuth o e Pr´-Reitor de Recursos Humanos: Admin. Roberta Trierweiler o Pr´-Reitor de Infra-Estrutura: Renato Brasil Kourrowski o Pr´-Reitora de Assistˆncia Estudantil: Assistente Social Carmen de F´tima de Mattos do Nascimento o e a Profa. Profa. Profa. Profa. Profa. Profa. Dra. Dra. Dra. Dra. Dra. Dra. CONSELHO Carla Rodrigues Cristina Maria Rosa Flavia Fontana Fernandes Francisca Ferreira Michelon Luciane Prado Kantorski Vera Lucia Bobrowsky EDITORIAL Prof. Dr. Carlos Eduardo Wayne Nogueira Prof. Dr. Jos´ Estevan Gaya e Prof. Dr. Luiz Alberto Brettas Prof. Dr. Vitor Hugo Borba Manzke Prof. Dr. Volmar Geraldo da Silva Nunes Prof. Dr. William Silva Barros Editora e Gr´fica Universit´ria a a Rua Lobo da Costa, 447 – Pelotas, RS – CEP 96010-150 Fone/fax: (53) 3227 8411 e-mail: editora@ufpel.edu.br Diretor da Editora e Gr´fica Universit´ria: Carlos Gilberto Costa da Silva a a Gerˆncia Operacional: Jo˜o Henrique Bordin e a Impresso no Brasil Edi¸˜o: 2011 ca ISBN: 978-85-7192-803-9 Tiragem: 300 exemplares Dados Internacionais de Cataloga¸˜o na Publica¸ao: ca c˜ (Bibliotec´ria Daiane Schramm – CRB-10/1881) a C186f Campani, Carlos A. P. Fundamentos da Cabala: Sˆfer Yetsir´./ Carlos A. P. e a Campani. – Edi¸ao revisada e ampliada. – Pelotas: Editora c˜ Universit´ria/UFPEL, 2011. a 346p. : il. : gr´fs. , tabs. a ISBN 978-85-7192-803-9 1. Religi˜o. 2. Cabala. 3. Ocultismo. 4. Misticismo. I. T´ a ıtulo. CDD 290

Para meu amor, Tanise Para meus filhos, Jo˜o Vitor e Luana a Para meus pais, Pedro e Theresinha

“Se algu´m deseja adquirir conhecimento de Deus, ele ou ela deve e concentrar-se de uma forma especial . . . e ir´ ent˜o entender a a os segredos ocultos da espiritualidade e emergir´ com o Divino, a alcan¸ando a unidade.” c – Mois´s Cordovero (Rabino espanhol do s´c. XVI) e e

Agradecimentos Gostaria de agradecer a todos que, de alguma forma, cooperaram para que este livro se tornasse realidade. O seu apoio foi muito importante para mim. Espero n˜o ser injusto ao n˜o lembrar de algu´m, mas gostaria de a a e citar, em especial, Francisca Hardy e Jaime Roberto Bendjouya.

Sum´rio a Pref´cio ` Edi¸ao Revisada e Ampliada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xxi a a c˜ Pref´cio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .xxv a Introdu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 ca O Cabalismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 Origem e Autoria do Sˆfer Yetsir´ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 e a Vers˜es do Sˆfer Yetsir´ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 o e a Tradu¸oes do Sˆfer Yetsir´ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14 c˜ e a Nome do Livro e Temas Abordados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 M´todo Exeg´tico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 e e Manuscritos e Tradu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 ca Cap´ ıtulo 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 1:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 1:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 1:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 1:4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 1:5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 1:6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 1:7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 1:8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80 1:9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 1:10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .88 1:11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .90 1:12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .96 1:13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .99 1:14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 Pr´tica de medita¸ao 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108 a c˜ Cap´ ıtulo 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 2:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .111 2:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .118 2:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .121 2:4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .124 2:5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .133 2:6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .144 Pr´tica de medita¸ao 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152 a c˜

xiv Cap´ ıtulo 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155 3:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .155 3:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .157 3:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .161 3:4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .163 3:5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .166 3:6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .168 3:7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .170 3:8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .171 Pr´tica de medita¸˜o 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173 a ca Cap´ ıtulo 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175 4:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .175 4:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .181 4:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .182 4:4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .186 4:5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .190 4:6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .195 4:7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .197 4:8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .198 4:9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .200 4:10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201 4:11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202 4:12 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203 Pr´tica de medita¸˜o 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207 a ca Cap´ ıtulo 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209 5:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .209 5:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .221 5:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .229 5:4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .230 Pr´tica de medita¸˜o 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232 a ca Cap´ ıtulo 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 233 6:1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .233 6:2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .240 6:3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .244 6:4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .248 Pr´tica de medita¸˜o 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263 a ca Anexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .265 Anexo 1: Sˆfer Yetsir´ – Vers˜o Gra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267 e a a

xv Anexo 2: Ad˜o Kadmon . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 a Anexo 3: Cifras Cabal´ ısticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 283 Anexo 4: Ain S´f . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 287 o Anexo 5: Gloss´rio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 293 a ´ Indice Remissivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 305

Lista de Figuras Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 10: 11: 12: 13: 14: 15: 16: 17: 18: 19: 20: 21: ´ Arvore da Vida de acordo com o Ari . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 ´ Arvore da Vida de acordo com o Gra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 ´ Arvore da Vida com Daat . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 Polariza¸˜o das Sefir´t em masculino e feminino . . . . . . . . . . . . . 53 ca o Bˆn¸ao sacerdotal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 e c˜ ´ Arvore da Vida tridimensional segundo o Ari . . . . . . . . . . . . . . . . 65 Dimens˜es circunscritas em uma esfera . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76 o ´ As letras Emesh e a Arvore da Vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 Os 231 port˜es em arranjo triangular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130 o Os 231 port˜es segundo o m´todo cabal´ o e ıstico . . . . . . . . . . . . . . . 132 Pr´ticas de Abra˜o Abul´fia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143 a a a ´ As letras Begued Kafarta e a Arvore da Vida . . . . . . . . . . . . . . . 179 ´ As letras elementares e a Arvore da Vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210 Cubo do espa¸o – vers˜o Curta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214 c a Cubo do espa¸o – vers˜o Gra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214 c a Letra bˆt (a) nas faces do cubo do espa¸o . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215 e c Os 72 Nomes de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219 Quadratura do Tetragrama . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 220 Equador celestial e a el´ ıptica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 236 Triˆngulos truncados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 246 a Ad˜o Kadmon . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 a

Lista de Tabelas Tabela Tabela Tabela Tabela Tabela Tabela Tabela Tabela Tabela Tabela Tabela Tabela Tabela Tabela 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 10: 11: 12: 13: 14: Alfabeto hebraico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 Letras sof´t . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 ı As Sefir´t e sua interpreta¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 o c˜ Associa¸˜o das Sefir´t no Zohar e no Sˆfer Yetsir´ . . . . . . . . . . 64 ca o e a Diferentes representa¸˜es das dire¸˜es . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 co co Resumo das Sefir´t . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 o Atributos e os tempos do Eclesiastes 3:2-8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180 Associa¸˜es com as sete letras duplas – vers˜o Curta . . . . . . . 191 co a Associa¸˜es com as sete letras duplas – vers˜o Gra . . . . . . . . . 191 co a Associa¸oes com as doze letras elementares – vers˜o Curta . 223 c˜ a Associa¸oes com as doze letras elementares – vers˜o Gra . . . 224 c˜ a Associa¸oes nas vers˜es Longa e Saadia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225 c˜ o Associa¸oes entre as Sefir´t e os nomes divinos . . . . . . . . . . . . . 231 c˜ o Principais cifras cabal´ ısticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 286

Pref´cio ` Edi¸˜o Revisada e a a ca Ampliada Foi com grande j´bilo que me envolvi no esfor¸o para a publica¸ao desta u c c˜ edi¸˜o revisada e ampliada da tradu¸˜o comentada do Sˆfer Yetsir´, publica ca e a cada originalmente no ano de 2009. Desde o momento em que o livro, com a tradu¸ao desse antigo texto c˜ judaico pertencente ` tradi¸ao cabal´ a c˜ ıstica, junto a numerosos coment´rios, a foi publicado pela primeira vez, surgiram diversas ideias para melhor´-lo e a explicar melhor os temas presentes no Sˆfer Yetsir´. e a Desde ent˜o, permanece esta a unica tradu¸˜o do Sˆfer Yetsir´ feita a ´ ca e a diretamente do texto hebraico para o portuguˆs – outras tradu¸˜es para e co o portuguˆs, publicadas no Brasil, basearam-se em tradu¸oes para o inglˆs. e c˜ e Os coment´rios apresentados no livro, em sua maioria, ficam dentro dos a limites do juda´ ısmo mais tradicional. No entanto, s˜o apresentados alguns a paralelos com outras tradi¸˜es religiosas e com a filosofia cl´ssica – o que ´ um co a e m´rito e um diferencial deste livro, permitindo que se vislumbre o quanto a e essˆncia da cabala foi absorvida e distribu´ em diversas tradi¸oes m´ e ıda c˜ ısticas. Infelizmente, o juda´ ısmo rab´ ınico, apegado `s concep¸oes de pureza lev´ a c˜ ıtica, afastou-se um pouco do verdadeiro esp´ ırito vivo da Tor´ e da genu´ traa ına di¸˜o m´ ca ıstica do povo nˆmade, descendente do patriarca Abra˜o, esquecendoo a se muitas vezes de procurar a experiˆncia direta de Deus. Espero que este e livro possa ser uma ajuda e motiva¸ao para que mais judeus e n˜o-judeus c˜ a reencontrem a tradi¸ao m´ c˜ ıstica esquecida dos tempos de Abra˜o. a De um modo geral, com algumas poucas exce¸˜es, o rabinismo propaga co a ideia de que o estudo da cabala judaica ´ vedado `queles n˜o nascidos de e a a pais judeus. No entanto, as ideias, profundas e inspiradoras, do misticismo judaico e as pr´ticas da cabala m´ a ıstica devem ser entendidas em um contexto universalista. Mais do que nunca a tolerˆncia e o di´logo interreligioso faz-se necess´rio a a a para que a humanidade possa caminhar em dire¸˜o ` paz e compreens˜o entre ca a a os povos. N˜o h´ nenhuma raz˜o para que n˜o-judeus, crist˜os, mu¸ulmanos a a a a a c ou budistas, n˜o possam usufruir dos conhecimentos da cabala judaica como a um auxiliar para o aprofundamento de sua pr´pria f´. Por isso, este livro foi o e escrito em uma perspectiva multirreligiosa e multicultural, para que pessoas de diferentes cren¸as possam usufruir das ideias da cabala judaica e das c

xxii ´ ` PREFACIO A EDICAO REVISADA E AMPLIADA ¸˜ pr´ticas da cabala m´ a ıstica e adapt´-las `s suas pr´prias cren¸as. Acredito a a o c que a verdadeira e fundamental utilidade do estudo de misticismo e cabala ´ a obten¸ao da experiˆncia da Presen¸a Divina – independente da religi˜o e c˜ e c a adotada pelo praticante. Assim, onde se sugere que seja usado o Tetragrama judaico como foco para medita¸ao, entenda-se que ele pode ser substitu´ c˜ ıdo pelo nome de Allah em ´rabe ou a imagem da cruz crist˜, por exemplo. a a Acreditamos na unidade de todas as tradi¸˜es religiosas, cujas diferen¸as co c s˜o apenas na forma, mas nunca na essˆncia. Como diz Ren´ Gu´non (em a e e e aula proferida em 1925): “a pura metaf´ ısica est´ essencialmente acima e al´m a e de toda forma e toda contingˆncia . . . sob a aparˆncia de diversidade existe e e sempre uma base de unidade, ao menos, onde a verdadeira metaf´ ısica existe, pela simples raz˜o de que a verdade ´ unica.” a e´ O texto deste livro foi inteiramente revisado e corrigido, tendo sido adicionado um novo anexo referente a Ain S´f, cuja falta foi sentida na primeira o edi¸˜o do livro. Esparsas explica¸˜es sobre esse importante conceito da caca co bala judaica ficavam distribu´ ıdas ao longo do livro, n˜o permitindo ao leitor a ter uma ideia mais ampla dele, o que agora foi corrigido com a inclus˜o do a novo anexo. No anexo apresento diversas compara¸˜es das ideias da cabala com a co vedanta, pois acho que h´ grande proximidade entre essas duas filosofias, para ticularmente no que se refere a Ain S´f e o Absoluto Brahman, Parabrahman. o Nesse sentido, n˜o h´ incompatibilidades entre os ensinamentos dos grandes a a mestres vedˆnticos, como Bhagavan Sri Rˆmakrishna, Bhagavan Sri Ramana a a Maharshi, Sri Nisargadatta Maharaj e Shankaracharya, e os ensinamentos cabal´ ısticos. Foi acrescentado um gloss´rio dos termos hebraicos que aparecem no Sˆfer a e Yetsir´, de grande utilidade para o entendimento da tradu¸ao. O gloss´rio a c˜ a organiza-se por versos do Sˆfer Yetsir´, o que facilitar´ a consulta. e a a Coment´rios e referˆncias bibliogr´ficas adicionais foram inclu´ a e a ıdos nas notas de rodap´ do livro, com importantes explica¸˜es aos temas apresentae co dos, principalmente paralelos dos conceitos da cabala com outras tradi¸˜es co religiosas e filos´ficas. o Os leitores perceber˜o que o livro, a despeito de ser um livro m´ a ıstico, desenvolve o tema em uma abordagem acadˆmica, preocupando-se longae mente com a fundamenta¸˜o te´rica para as pr´ticas apresentadas no texto ca o a – embora as pr´ticas sejam de aplica¸˜o relativamente simples. Isso pode a ca ser alvo de cr´ ıticas, tanto daqueles que possam opinar que nos excedemos em explica¸˜es te´ricas, quanto daqueles que possam opinar que as pr´ticas co o a

´ ` PREFACIO A EDICAO REVISADA E AMPLIADA ¸˜ xxiii n˜o se compatibilizam com o estudo de filosofia. Aos primeiros respondo que a a pr´tica, sem a devida fundamenta¸˜o te´rica, perde grande parte de suas a ca o vantagens, derivadas da compreens˜o do seu significado. Aos outros respona do que o estudo de religi˜o e misticismo, ausente da efetiva busca de Deus, a torna-se tarefa pedante, ins´ ıpida, vazia e in´til. u Importante que se considere que o autor deste livro evitou as crendices que cercam o tema. Sobre isso e a importˆncia do estudo da Cabala, diz a Gershom Scholem no pref´cio de Origins of the Kabbalah: “Uma vez que o a gelo da ignorˆncia tenha sido quebrado e o charlatanismo que domina a ´rea a a tenha sido vencido, o caminho estar´ aberto para posterior pesquisa frut´ a ıfera. Estudos judaicos, assim como da hist´ria das religi˜es orientais e ocidentais, o o ser˜o beneficiados igualmente por um estudo mais penetrante do tema e a a discuss˜o do problema da Cabala.” a Espero que todo este esfor¸o, empreendido na publica¸ao da nova edi¸˜o c c˜ ca do livro, possa ajudar ainda mais os estudantes interessados na cabala judaica. O estudo do Sˆfer Yetsir´ ´ de grande importˆncia para o esoterismo e ae a ocidental, fortemente baseado na tradi¸ao apresentada no livro. c˜ Acredito que as ideias da filosofia cabal´ ıstica s˜o relevantes para todos a aqueles que desejam compreender a natureza de Deus. As principais ideias que formam os fundamentos da cabala s˜o: a 1. A existˆncia de uma Realidade Absoluta, eterna, incriada e autocontie da, onde toda a cria¸ao tem sua raiz, e que os cabalistas judeus chamam c˜ de Ain S´f ; o 2. A existˆncia concomitante de dois aspectos de Deus, um transcendente e e outro imanente; 3. O Nome de Deus, a Tor´ e as permuta¸˜es das letras hebraicas como a co origem da cria¸ao; c˜ 4. A manifesta¸˜o divina dividida em dez entidades abstratas chamadas ca Sefir´t e a unidade de Deus; o 5. A divis˜o da realidade em quatro mundos que representam diferentes a n´ ıveis da cria¸˜o; ca 6. O equil´ ıbrio entre elementos opostos, que s˜o conciliados por um tera ceiro elemento, como origem e caracteriza¸ao dos fenˆmenos do mundo c˜ o (coincidentia oppositorum);

xxiv ´ ` PREFACIO A EDICAO REVISADA E AMPLIADA ¸˜ 7. A existˆncia de duas almas no ser humano, uma divina e uma humana e (fazendo paralelo com os personagens b´ ıblicos Jac´ e Esa´), que est˜o o u a em constante conflito, a primeira almejando alcan¸ar Deus, a segunda c ego´ e envolvida com as coisas mundanas; ısta 8. O homem foi dotado por Deus de livre-arb´ ıtrio e essa ´ a raz˜o para a e a existˆncia do bem e do mal; e 9. A reencarna¸˜o da alma (gilgul ha-neshamot) para que ela possa comca pletar sua miss˜o neste mundo; a 10. A vida humana e o mundo f´ ısico s˜o uma ilus˜o transit´ria, uma cona a o di¸˜o vaporosa e sem substˆncia – este mundo ´ formado apenas por ca a e consciˆncia. e Todos esses temas s˜o discutidos neste livro, em maior ou menor profuna didade, junto com os coment´rios ao texto do Sˆfer Yetsir´. a e a N´s que temos como guia e ideal, residindo em nossos cora¸oes, este Deus o c˜ Vivo e Rei do Mundo, sabemos da importˆncia do que este livro cont´m, e a e n˜o o temos como apenas um assunto para entreter nossas mentes, mas como a uma ferramenta para compreender a realidade que nos cerca e encontrar nela a essˆncia de Deus. Nosso verdadeiro e unico guia ´ Deus. Citando as e ´ e palavras de Daniel Feldman: “Deus ´ o unico Guru; Deus ´ o unico Rabi”. e ´ e ´ Que o Santo Nome de Deus possa iluminar-te leitor amigo e possa ser ref´gio seguro para ti. Que pela lembran¸a constante e repeti¸˜o do Nome u c ca possas experimentar a essˆncia de Deus. Como diz o livro sagrado: “S´ s˜o e o a fi´is aqueles cujos cora¸˜es, quando lhes ´ mencionado o nome de Deus ese co e tremecem e, quando lhes s˜o recitados os Seus vers´ a ıculos, ´-lhes acrescentada e a f´, e se encomendam ao seu Senhor.” (Alcor˜o 8:2). e a Na escrita desta obra fui meramente um humilde servidor de Deus, o supremo e verdadeiro autor de todas as obras, a quem sou submisso, pois n˜o somos n´s que vivemos, mas Deus que vive em n´s. a o o Com os votos que as rosas flores¸am em sua cruz. c Assalam aleikum. Prof. Dr. C. A. P. Campani R+C Pelotas, RS, mar¸o de 2010 (Nissan, 5770; ano 1431 da H´gira) c e

Pref´cio a N˜o ´ casualidade que o Sˆfer Yetsir´ seja um dos textos cabal´ a e e a ısticos mais importantes, e para o qual os eruditos judeus mais escreveram coment´rios. a O livro Sˆfer Yetsir´ teve uma influˆncia fundamental no pensamento e no e a e misticismo judaico na Idade M´dia, e fascina os estudiosos at´ hoje. e e Se o texto mais conhecido e influente da cabala ´ o Zohar, o Sˆfer Yetsir´ ´ e e ae um texto fundamental, pois nele pela primeira vez ´ mencionado o conceito de e Sefir´. Sua antiguidade e sua credibilidade o tornam uma leitura obrigat´ria a o a todo estudante de cabala. Sabemos de sua importˆncia para os ma¸ons, a c rosacruzes e estudantes de ciˆncias ocultas em geral. e Embora o Sˆfer Yetsir´ seja um texto que convida ` compreens˜o por e a a a meio da intui¸˜o, acredito ser muito importante conhecer os coment´rios dos ca a grandes rabinos, s´bios judeus e estudiosos. O fato de toda essa literatura n˜o a a estar dispon´ ao leitor brasileiro, por encontrar-se quase toda em hebraico ıvel e inglˆs, foi uma motiva¸ao para a escrita deste livro. e c˜ Procurei tomar alguns cuidados, evitando misturar os coment´rios rab´ a ınicos com interpreta¸oes n˜o judaicas. No entanto, apresento associa¸˜es das c˜ a co ideias dos cabalistas com o gnosticismo crist˜o e algumas escolas da filosofia, a particularmente com os pitag´ricos, com o neoplatonismo e com a filosofia o de Hegel. Essas compara¸oes visam evidenciar as influˆncias recebidas pelos c˜ e cabalistas judeus, as rela¸˜es do cabalismo com o gnosticismo e a influˆncia co e da cabala na filosofia contemporˆnea. Tamb´m fa¸o compara¸oes das ideias a e c c˜ da cabala com conceitos da filosofia oriental, particularmente com o budismo e com a ioga hindu. Compreendo a importˆncia da cabala herm´tica e da simbologia ma¸ˆnica. a e co Por´m, ao n˜o abordar esses aspectos, proporcionei ao leitor um texto mais e a claro, seguindo uma linha mais estreita, n˜o o confundindo com interprea ta¸˜es diferentes e, muitas vezes, inconsistentes. co Ao abordar a cabala judaica, optei por apresentar as diversas interpreta¸˜es existentes, sem omitir mesmo as conflitantes, para permitir ao co leitor uma vis˜o mais ampla. Essas vis˜es conflitantes, dentro da cabala a o judaica, n˜o s˜o consideradas contradit´rias, mas sim complementares. Ao a a o mostrar esses casos de conflito nas interpreta¸oes, apresento tamb´m alguc˜ e mas poss´ ıveis formas de concilia¸˜o, propostas pelos comentaristas do Sˆfer ca e Yetsir´. a

xxvi ´ PREFACIO Mesmo n˜o havendo men¸ao expl´ a c˜ ıcita a outras vertentes da cabala, acredito que o leitor habituado ` literatura herm´tica e ma¸onica ir´ perceber as a e cˆ a rela¸˜es da cabala judaica com essas vertentes, e o quanto o estudo dela ´ co e fundamental para a compreens˜o do pensamento herm´tico e ocultista. a e Desde o princ´ me pareceu que este trabalho deveria ser constru´ em ıpio ıdo um formato cient´ ıfico, o que lhe daria mais credibilidade perante o leitor. No entanto, este livro n˜o ´ simplesmente uma monografia acadˆmica, e sim um a e e livro m´ ıstico, contendo pr´ticas para a vida espiritual. a O livro apresenta uma grande quantidade de notas de rodap´, contendo e referˆncias bibliogr´ficas, explica¸oes adicionais e sugest˜es de leituras come a c˜ o plementares. Numa leitura mais r´pida e superficial do livro, essas notas a podem ser omitidas, n˜o sendo essenciais para o entendimento do texto. a A escolha das duas vers˜es do Sˆfer Yetsir´ apresentadas, a Curta para o o e a texto principal, em hebraico e tradu¸ao para o portuguˆs, com coment´rios c˜ e a verso a verso, e a Gra para o anexo, deveu-se a serem essas duas as mais conceituadas entre os rabinos, especialistas e estudiosos. No entanto, as outras vers˜es tamb´m s˜o mencionadas e comparadas com essas duas, principalo e a mente por meio do uso de tabelas comparativas. Este livro apresenta os meus coment´rios ao Sˆfer Yetsir´, assim como cia e a ta¸˜es dos coment´rios dos mais renomados eruditos judeus: Gaon de Vilna, co a Ramban, Raivad, Mois´s Botarel, Otsar HaShem, Saadia Gaon, entre outros. e O texto evolui-se iniciando com a discuss˜o sobre os aspectos mais elevados a da natureza divina, passando para a an´lise da influˆncia divina no mundo a e da miseric´rdia, e terminando por descrever aspectos ´ticos que est˜o relao e a cionados com os temas tratados no Sˆfer Yetsir´. e a Assim, procurei mostrar um quadro o mais completo poss´ de todas ıvel as nuances que o Sˆfer Yetsir´ apresenta, em suas interpreta¸˜es religiosa, e a co te´rgica, meditativa e filos´fica. Procurei apresentar n˜o s´ os fundamentos u o a o te´ricos, mas tamb´m as pr´ticas meditativas tradicionalmente associadas a o e a ele. Neste livro apresento e defendo brevemente duas teses originais. A primeira refere-se ` rela¸ao e semelhan¸a na interpreta¸˜o entre o mito da quebra a c˜ c ca dos vasos da cabala, o mito gn´stico de Sofia e o mito manique´ o ısta da derrota do Homem Celestial para a divindade das trevas. Essa ideia baseia-se muito na tese de Gershom Scholem sobre a existˆncia de um gnosticismo e judaico, que antecedeu o gnosticismo crist˜o, e ela foi inicialmente apresena tada em artigo de minha autoria, cuja publica¸˜o ´ referenciada no texto. ca e Em segundo lugar, defendo a ideia da presen¸a, no juda´ c ısmo primitivo, de

´ PREFACIO xxvii um componente f´lico muito semelhante ao culto ao lingam na ´ a India. Podese perceber semelhan¸as em algumas descri¸oes b´ c c˜ ıblicas do culto ao Senhor ´ Deus de Abra˜o com o culto a Shiva na India. a A despeito de este livro ter sido escrito como uma an´lise cr´ a ıtica do Sˆfer e Yetsir´, ele ´ tamb´m um livro m´ a e e ıstico. Por isso, cada cap´ ıtulo termina com uma pr´tica, em um crescendo que acompanha a evolu¸ao do texto. a c˜ As pr´ticas est˜o relacionadas com as ideias apresentadas ao longo do livro e a a devem ser feitas na ordem sugerida. S´ se deve passar para a pr´xima pr´tica o o a meditativa ap´s dominar a anterior. o A tradu¸ao do hebraico representou um desafio muito grande, pois ´ c˜ e uma l´ ıngua de dif´ compreens˜o, apresentando muitas ambiguidades. A ıcil a tradu¸˜o feita foi cuidadosamente comparada e refinada com as tradu¸˜es ca co mais conceituadas, de forma a oferecer ao leitor a seguran¸a de que o texto c original em hebraico n˜o tenha sido desvirtuado. a At´ onde sabemos, este livro apresenta a unica tradu¸ao, at´ o momento, e ´ c˜ e do Sˆfer Yetsir´ para o portuguˆs, feita diretamente do hebraico, ao contr´rio e a e a das outras tradu¸oes dispon´ c˜ ıveis no mercado editorial brasileiro, que s˜o a tradu¸˜es de vers˜es em inglˆs. co o e As cita¸oes da Tanakh (B´ c˜ ıblia hebraica) foram confrontadas com a tradu¸˜o Almeida Revista e Atualizada no Brasil, 2a. edi¸˜o, de Jo˜o Ferreira ca ca a de Almeida, e com a B´ ıblia – Tradu¸˜o Ecumˆnica (TEB). A escolha dessas ca e duas tradu¸oes da B´ c˜ ıblia deve-se ao fato de a primeira ser bastante popular e acess´ e a segunda ser de grande respeitabilidade. Em alguns casos foi ıvel usado o texto d’A Tor´ Viva de Aryeh Kaplan. a Sempre que poss´ ıvel optou-se por usar as palavras hebraicas na forma com que foram incorporadas ao nosso idioma, como ´ o caso, por exemplo, e das palavras “cabala” e “gematria”, consagradas com essa grafia na l´ ıngua portuguesa. As palavras hebraicas restantes s˜o apresentadas, no livro, ou em a hebraico, ou usando uma translitera¸ao que sugere a pron´ncia da palavra. c˜ u Diferente do que ocorre com o nosso idioma, as palavras hebraicas s˜o a escritas da direita para a esquerda. No entanto, na translitera¸˜o usada, ca optamos por escrevˆ-las da esquerda para a direita, para facilitar a leitura. e Muitos dizem que a translitera¸˜o ´ mais uma arte que uma ciˆncia exata. ca e e Cada autor translitera o idioma hebraico de uma forma diferente, partindo de objetivos diferentes. Procurei valorizar, na translitera¸ao, a pron´ncia da c˜ u palavra, mais do que as letras hebraicas que a comp˜em. Assim, o leitor o n˜o deve se surpreender se a translitera¸ao usada neste livro for diferente da a c˜ usada em outros livros, de outros autores.

xxviii ´ PREFACIO Quanto ` pron´ncia das palavras hebraicas, devemos observar que a letra a u hˆi, transliterada como H, deve ser pronunciada como um “r” muito suave, e apenas aspirado. A letra rˆt, transliterada como Ch, deve ser pronunciada e como um “r” gutural. Algumas letras hebraicas tˆm som duplo, como ´ o e e caso da letra bˆt, que pode ter o som de “b” ou de “v”. A letra shin tem e som chiado (como um “x”) ou som de “s”. Outras letras s˜o mudas, como ´ a e o caso da letra ´lef, que pode assumir o som de uma vogal. a Fico feliz em ter colaborado, com a reda¸ao deste livro, para que mais c˜ pessoas conhe¸am e compreendam os conceitos fundamentais da cabala e tec nham acesso ao Sˆfer Yetsir´. Este livro representa o resultado do esfor¸o e a c de levar ao p´blico brasileiro, de forma clara, sint´tica, sistem´tica e mais u e a completa poss´ ıvel, os conhecimentos presentes neste texto cabal´ ıstico e os coment´rios indispens´veis para sua compreens˜o. a a a Ele foi escrito de forma a ser util tanto para estudantes iniciantes, que ´ conseguir˜o acompanhar o texto sem maiores dificuldades, quanto para estua diosos avan¸ados da cabala que desejam aprofundar seus conhecimentos no c assunto. Grandes pensadores, que deixaram a sua marca na hist´ria, como o o fil´sofo Georg Wilhelm Friedrich Hegel, o m´dico e m´ o e ıstico Robert Fludd, o pensador Jacob Boehme, o fil´sofo Baruch Espinoza e o psiquiatra Carl o Gustav Jung, para citar apenas cinco nomes, receberam influˆncia da cabala e judaica em suas ideias. Grandes m´ ısticos crist˜os, como Pico della Mirandola, a Meister Eckhart e S˜o Tom´s de Aquino, tamb´m encontraram inspira¸ao a a e c˜ no misticismo judaico. Nos dias de hoje, com a humanidade contaminada por um materialismo calcinante, a luz que emana da cabala e do misticismo judaico aparece como um farol, para servir de guia aos que procuram pela verdade e pelo conhecimento de Deus. Que o caro leitor possa usufruir deste conhecimento milenar, para a sua evolu¸˜o pessoal e para a evolu¸˜o espiritual de toda a humanidade. ca ca Com os votos de que as rosas flores¸am em sua cruz. c Prof. Dr. C. A. P. Campani R+C Pelotas, RS, maio de 2008 (Iyar, 5768)

Fundamentos da Cabala: Sˆfer Yetsir´ e a Edi¸ao revisada e ampliada c˜

Introdu¸˜o ca O Cabalismo A palavra “cabala” (dlaw) significa literalmente “tradi¸ao” em hebraico. c˜ A cabala ´ a tradi¸˜o das coisas divinas, o conhecimento sagrado (a gnosis), e ca o misticismo judaico, a suma do juda´ ısmo1 . As ra´ ızes da cabala podem ser encontradas na literatura judaica da Maase Bereshit e Maase Merkab´ . a N˜o existe uma “cabala”, como um corpo dogm´tico fechado, mas sim a a m´ltiplas ideias m´ u ısticas e interpreta¸oes das escrituras sagradas. No entanto, c˜ mesmo que possam parecer conflitantes, essas diferentes interpreta¸˜es s˜o co a vistas de forma relativa e consideradas como vis˜es complementares. o A cabala permaneceu por muito tempo como um ensinamento secreto, dispon´ ıvel apenas a um grupo seleto de pessoas. No entanto, mais recentemente, os seus ensinamentos passaram a ser amplamente acess´ ıveis ao p´blico em geral, por meio de tradu¸oes dos textos cabal´ u c˜ ısticos e dos seus coment´rios. Isso permitiu o surgimento de uma nova gera¸˜o de estudantes a ca de cabala, que procuram encontrar sabedoria interior em seu estudo2 . O cabalismo teve grande influˆncia nas ciˆncias ocultas e na Ma¸onaria, e e c e para provar isso basta citar uma reconhecida autoridade ma¸onica que diz: cˆ “A tradi¸ao dos Mist´rios Judaicos ´ a que tem exercido maior influˆncia em c˜ e e e nossa Ordem, e por isso a maioria de nossas cerimˆnias e s∴s se reveste agora o 3 de uma forma judaica” . Segue o mesmo autor dizendo que “T˜o estreitas a s˜o as analogias entre certas doutrinas da Cabala e as dos primeiros graus a da Ma¸onaria, que se chegou a supor que foram estudantes cabalistas os c introdutores da Ma¸onaria especulativa em nossa Oficina Moderna”4 . c Constitui um problema definir claramente o que entendemos por “misticismo”, pois h´ tantas defini¸oes quantos autores que tenham discorrido sobre a c˜ o tema. O Dr. Rufus Jones, em Estudos sobre a Religi˜o M´ a ıstica, citado por Scholem ao definir misticismo, diz: “Vou usar a palavra para designar o tipo de religi˜o que coloca o ˆnfase na percep¸ao imediata da rela¸ao com Deus, a e c˜ c˜ 1 Gershom Scholem, A Cabala e seu Simbolismo, 2a. edi¸˜o, S˜o Paulo: Perspectiva, ca a 2004, p´g. 7. a 2 David Cooper, Ecstatic Kabbalah, Sounds True, 2005, p´g. 1. a 3 C. W. Leadbeater, Pequena Hist´ria da Ma¸onaria, S˜o Paulo: Pensamento, p´g. 90. o c a a 4 Ibidem, p´g. 102; cf. tamb´m Albert C. Mackey, Encyclopedia of Freemasonry. a e

INTRODUCAO ¸˜ 4 ´ na consciˆncia ´ e ıntima e direta da Presen¸a Divina. E a religi˜o no seu est´gio c a a 5 mais vivo, agudo e intenso” . O misticismo significa um contato mais ´ ıntimo com a Essˆncia de Deus, e que o salmista enfatiza ao dizer: “Provai e vede que o Senhor ´ bom” (Salmos e 34:9). O misticismo judaico surge como uma totalidade de fenˆmenos hiso t´ricos concretos, representando um est´gio definido no desenvolvimento da o a religi˜o judaica6 . Neste aspecto, a Revela¸˜o, dada a Mois´s e aos profetas, a ca e representa a sua formaliza¸˜o hist´rica. ca o No entanto, para o m´ ıstico, a Revela¸ao n˜o ´ concebida apenas como um c˜ a e fato hist´rico, mas como sendo uma fonte cont´ o ınua de experiˆncia religiosa e que brota de seu pr´prio cora¸˜o. Assim, para ele, a Revela¸ao dada no o ca c˜ 7 Monte Sinai, e estabelecida na lei sagrada, a Tor´ (dxez) , aparece como a algo cujo verdadeiro significado ainda est´ por se manifestar8 . a O m´ ıstico procura a experiˆncia direta de Deus. Essa uni˜o com Deus e a permanece uma experiˆncia sem forma, uma unio mistica, uma comunh˜o e a 9 com o divino . Para o m´ ıstico, essa ´ a experiˆncia suprema da vida. De e e um modo geral, os m´ ısticos acreditam que esse contato mais direto com Deus pode ser alcan¸ado por meio do estudo dos ensinamentos de um determinado c corpus. Entre os mais importantes tratados que pertencem ao corpus cabal´ ıstico, podemos citar o Zohar (xdfd xtq), o Bahir (xidad xtq) e o Sˆfer Yetsir´ e a (dxivi xtq) como os mais destacados e citados. A influˆncia do Zohar ao e longo da evolu¸ao do pensamento cabal´ c˜ ıstico foi grande, inclusive nos coment´rios ao Sˆfer Yetsir´10 . a e a Os ensinamentos cabal´ ısticos incluem explica¸oes e especula¸oes m´ c˜ c˜ ısticas sobre a origem do mundo e do homem. Os cabalistas procuram explicar o mist´rio do mundo como reflexo do mist´rio da vida divina11 , muito como e e tamb´m o fizeram os gn´sticos. Assim, para a cabala, cada indiv´ e o ıduo ´ a e 5 Gershom Scholem, As Grandes Correntes da M´ ıstica Judaica, 3a. edi¸˜o revisada, ca S˜o Paulo: Perspectiva, 1995, p´g. 6. a a 6 Ibidem, p´gs. 8-9. a 7 Cf. Alan Unterman, Dicion´rio Judaico de Lendas e Tradi¸˜es, Rio de Janeiro: Jorge a co Zahar, 1992, p´g. 264. a 8 Scholem, As Grandes Correntes da M´ ıstica Judaica, p´g. 11. a 9 Scholem, A Cabala e seu Simbolismo, p´g. 18. a 10 Leonard R. Glotzer, The Fundamentals of Jewish Mysticism, New Jersey: Jason Aronson, 1992, p´g. xvi. a 11 Scholem, A Cabala e seu Simbolismo, p´g. 8. a

INTRODUCAO ¸˜ 5 totalidade, e a lei da Tor´ torna-se o s´ a ımbolo da lei c´smica12 . o Segundo os cabalistas, as escrituras sagradas possuem quatro significados ou interpreta¸˜es diferentes, usualmente identificados pelo acrˆnimo “pardes” co o (qcxt), formado pelas quatro letras iniciais de pashut, remez , derush e sod , e significando “pomar”. Esses quatro significados s˜o comparados com as a 13 trˆs cascas da noz e seu cerne , sendo o significado sod o mais profundo e e m´ ıstico, associado ao cerne da noz e identificado com a cabala14 . Na linguagem da cabala, os conceitos espirituais s˜o apresentados pelo a uso de termos f´ ısicos, tais como “luz”, “vaso”, etc. Os objetos f´ ısicos que esses termos denotam servem de s´ ımbolo para ideias espirituais de natureza diferente daquela do mundo f´ 15 . Cada um desses objetos ´ uma contraısico e parte f´ ısica dos conceitos espirituais que representam. A linguagem cabal´ ıstica faz uso dos nomes ang´licos e dos nomes divinos, e que s˜o usados para fins te´rgicos. Os cabalistas d˜o grande importˆncia ao a u a a Nome de Deus. A cria¸ao ´ considerada como resultado das combina¸˜es e c˜ e co permuta¸˜es das letras do alfabeto hebraico, sendo os nomes divinos um dos co primeiros resultados dessas opera¸oes16 . c˜ A pr´pria Tor´ ´ um nome, que ´ constru´ como um organismo vivo17 o ae e ıdo e expressa todo o poder de Deus18 . Gicatila, citado por Scholem no livro A Cabala e seu Simbolismo, diz: “Sua Tor´ est´ n’Ele, ´ o que os cabalistas a a e afirmam, isto ´, o Santo, louvado seja Ele, est´ no Seu Nome e Seu Nome e a est´ n’Ele, e Seu Nome ´ a Sua Tor´”19 . a e a A ideia da natureza m´gica da Tor´ pode ser encontrada em especula¸˜es a a co sobre a passagem b´ ıblica “O homem n˜o lhe conhece a ordem” (J´ 28:13)20 . a o De acordo com os coment´rios rab´ a ınicos sobre ela, as se¸oes da Tor´ n˜o c˜ a a est˜o na ordem correta, pois se estivessem, qualquer pessoa poderia, fazendo a 12 Ibidem, p´g. 9. a A passagem b´ ıblica “Desci ao jardim das nogueiras” (Cˆnticos 6:11) ´ considerada a e uma referˆncia a essas quatro interpreta¸˜es; cf. Scholem, A Cabala e seu Simbolismo, e co p´g. 73. a 14 Scholem, A Cabala e seu Simbolismo, p´g. 72; cf. F. V. Lorenz, Cabala: A tradi¸˜o a ca esot´rica do ocidente, S˜o Paulo: Pensamento, p´g. 15. e a a 15 Glotzer, p´g. xvii. a 16 Cf. Lorenz, p´g. 37. a 17 Scholem, A Cabala e seu Simbolismo, p´g. 58. a 18 Ibidem, p´g. 53. a 19 Op. cit., p´g. 57. a 20 Essa tradu¸˜o ´ bem aceita pelos s´bios judeus. Na vers˜o Almeida Revista da B´ ca e a a ıblia, a passagem est´ traduzida como “O homem n˜o conhece o valor dela.” a a 13

INTRODUCAO ¸˜ 6 uso dela, ressuscitar os mortos e operar milagres21 . De fato, a Tor´ foi usada para fins te´rgicos e de encantamento tanto por a u judeus quanto por n˜o judeus. O aspecto m´gico da Tor´ ´ enfatizado pela a a ae ideia de que Deus usou a Tor´ para o ato da cria¸ao, como em um texto a c˜ judaico antigo que diz que Deus “olhou dentro da Tor´ e criou o mundo”22 . a O poder m´gico das letras e das palavras hebraicas dificilmente poderia a ser melhor representado do que na ideia do Golem23 , uma criatura que ´ e feita por meios m´gicos. O Golem ´ criado pelo uso do Nome de Deus ou por a e combina¸˜es das letras do Sˆfer Yetsir´. Para dar vida ao Golem, usa-se o co e a Tetragrama (dedi), o Nome de Deus, escrito em um papel e posto na l´ ıngua 24 da criatura . A express˜o “Rava criou um homem”, Rava bara gabara (`xab `xa `ax), a refere-se ` cria¸ao de um Golem e ´ a origem da express˜o “Abracadabra”. a c˜ e a Observe-se que as trˆs palavras da frase s˜o varia¸oes das mesmas letras, e a c˜ sendo a segunda palavra apenas uma permuta¸ao da primeira. A frase possui c˜ dez letras e tem valor gem´trico de 61225 , um a menos que 613, o n´mero a u de mandamentos da Tor´ e de ossos e vasos sangu´ a ıneos no corpo humano segundo a tradi¸˜o judaica26 . Isso significa que o homem criado por Rava ´ ca e 27 algo menos que um homem, um Golem sem alma . A Tor´ n˜o aparece na tradi¸ao judaica como um simples rolo de papel a a c˜ coberto de tinta. Existe a tradi¸˜o de uma Tor´ preexistente, anterior ao ca a 28 pr´prio mundo . Segundo essa tradi¸ao, foi por meio da Tor´ que Deus o c˜ a 21 Scholem, A Cabala e seu Simbolismo, p´gs. 49-50. a Ibidem, p´g. 53. a 23 Cf. Alan Unterman, p´g. 107. a 24 Cf. Scholem, As Grandes Correntes da M´ ıstica Judaica, p´gs. 110-111, que sugere a que a cria¸˜o do Golem representa uma experiˆncia m´ ca e ıstica, resultante do uso das letras do alfabeto hebraico. 25 Sobre valores gem´tricos, consulte os coment´rios ao verso 1:1 no primeiro cap´ a a ıtulo e Tabelas 1 e 2 na p´gina 31. Sobre cabala literal e gematria consulte tamb´m An Introduca e tion to the Study of the Kabalah, de William Wynn Westcott, e a introdu¸˜o do Kabbalah ca Unveiled, de S. L. MacGregor Mathers. 26 Carl S. Ehrlich, Make Yourself no Graven Image: The second commandment and Judaism, in Textures and Meaning: Thirty years of judaic studies at the University of Massachusetts Amherst, ed. L. Ehrlich, S, Bolozky, R. Rothstein, M. Schwartz, J. Berkovitz, J. Young, Dept. of Judaic and Near Eastern Studies, University of Massachusetts Amherst, p´gs. 254-255. a 27 Aryeh Kaplan, Sefer Yetzirah: The book of creation, revised edition, Boston: Weiser, 1997, p´g. xxi. a 28 Cf. Prov´rbios 8:22-23, que os rabinos entendem como uma referˆncia ` Tor´. e e a a 22

INTRODUCAO ¸˜ 7 criou o mundo. Para os cabalistas, essa “cria¸ao da Tor´” ´ a forma com c˜ a e que as Sefir´t (zexitq), que constituem o Nome de Deus, foram emanadas o da Essˆncia divina29 . e Um dos ensinamentos mais essenciais da cabala ´ que Deus emana para e dentro do mundo fenomˆnico. Isso forma um fluxo de energia divina de Deus e para o mundo30 . Essa ideia representa o aspecto mais elevado da cria¸˜o ca divina. Essa emana¸˜o divina ocorre por est´gios que s˜o representados ca a a pelas Sefir´t. o As dez Sefir´t (plural de Sefir´ ) s˜o um conceito central da cabala, paro a a ticularmente no Sˆfer Yetsir´, e elas recebem, no Zohar , os nomes de Keter , e a Chokm´ , Bin´ , Chesed , Guebur´ , Tiferet, Netsach, Hod , Yesod e Malkut. a a a A cria¸˜o do mundo come¸a com a emana¸ao das Sefir´t. As Sefir´t s˜o os ca c c˜ o o a atributos de Deus, sua manifesta¸ao. S˜o entidades espirituais sem suporte c˜ a ´ f´ 31 que, em seu conjunto, formam a Arvore da Vida (veja Figuras 1 e 2, ısico na p´gina 35), uma hierarquia espiritual que representa a natureza divina (o a pleroma)32 . ´ A Arvore da Vida ´ um s´ e ımbolo que descreve os processos pelos quais Deus manifestou-se e criou o mundo. Se um f´ ısico fosse descrever a forma¸ao c˜ do universo, certamente faria referˆncia `s particulas subatˆmicas como os e a o elementos constitutivos deste universo. Um cabalista descreveria a natureza ´ divina por meio das Sefir´t e da Arvore da Vida. o As dez Sefir´t representam uma restri¸ao dos aspectos infinitamente enuo c˜ mer´veis com que Deus se manifesta a apenas dez categorias, que s˜o vistas a a 33 como n´meros arquet´ u ıpicos . As Sefir´t respondem a um problema filos´fico e teol´gico muito imo o o portante, que ´ a concilia¸˜o entre um Deus que ´ indivis´ e ca e ıvel e uno com a diversidade do mundo. Elas servem como intermedi´rias entre um Deus a 34 indiferenciado e sua manifesta¸ao multifacetada . c˜ Para os cabalistas, estes est´gios da manifesta¸˜o divina representam os a ca 29 Scholem, A Cabala e seu Simbolismo, p´g. 54. a Rabbi Bradley Shavit Artson and Deborah Silver, Walking with God, The Ziegler School of Rabbinic Studies, American Jewish University, p´g. 71. a 31 Glotzer, p´g. xvii. a 32 Conceito semelhante aparece no gnosticismo; sobre pleroma e aeons, consulte os coment´rios de Harold W. Attridge e Elaine H. Pagels ao “O Tratado Tripartido (I,5)”, em a A Biblioteca de Nag Hammadi, James M. Robinson (editor), Madras, 2006, p´gs. 64-66. a 33 Scholem, A Cabala e seu Simbolismo, p´g. 121. a 34 Glotzer, p´g. xxi-xxii. a 30

INTRODUCAO ¸˜ 8 pr´prios est´gios do caminho inverso, do retorno do homem ao seu Criador. o a Assim, o estudo da cosmogonia cabal´ ıstica reveste-se de um aspecto escatol´gico. Essa ideia revela uma convergˆncia entre a cabala e o neoplatoo e nismo, pois ambos afirmam que “a progress˜o e a invers˜o constituem em a a 35 conjunto um processo unico, a di´stole-s´ ´ a ıstole” . Esses processos, na terminologia do neoplatonismo, s˜o chamados de Pr´odos e Epistroph´ 36 . a o e Keter ´ a Sefir´ mais elevada, estando em conex˜o direta com Deus, na e a a fronteira com o divino. Considera-se Keter um aspecto incompreens´ da ıvel 37 natureza divina . Chokm´ e Bin´ , as Sefir´t que se seguem a Keter, comp˜em os n´ a a o o ıveis 38 mais altos do intelecto divino . Por isso, os cabalistas fazem um paralelo dessas duas Sefir´t com a cabe¸a do homem. Chokm´ representa a sabedoria o c a emp´ ırica, baseada na acumula¸˜o de fatos e ideias, enquanto que Bin´ repreca a senta a sabedoria intuitiva, intelectual. Por ser associada ` intui¸ao, Bin´ ´ a c˜ a e considerada uma Sefir´ feminina, m˜e das Sefir´t inferiores, que a seguem a a o ´ na Arvore da Vida39 . Chesed , Guebur´ e Tiferet comp˜em o aspecto psicol´gico e emocional da a o o alma. Chesed ´ amor incondicional, em oposi¸ao a Guebur´, que representa e c˜ a a justi¸a rigorosa. O ponto intermedi´rio entre esses dois extremos ´ Tiferet, c a e visto como seu elemento conciliador. Tiferet tamb´m representa o poder e agregado de seis Sefir´t: Chesed, Guebur´, Tiferet, Netsach, Hod e Yesod . o a Juntas, essas seis Sefir´t formam o consorte de Malkut (associada ` Shekin´ ). o a a Por isso, essas seis Sefir´t s˜o representadas pela letra hebraica v´v (e), um o a a s´ ımbolo f´lico, cujo valor gem´trico ´ 640 . a a e Netsach, Hod e Yesod representam a conex˜o da totalidade das Sefir´t a o com a ultima Sefir´, Malkut. Yesod representa o dom´ ´ a ınio da sexualidade, o poder criativo de Deus. Yesod est´ em conex˜o com a mulher, representada a a por Malkut. Por isso, Yesod faz paralelo no homem com o org˜o sexual a 41 masculino . Esses trˆs grupos de Sefir´t, o primeiro formado por Chokm´ e Bin´, e o a a 35 Scholem, As Grandes Correntes da M´ ıstica Judaica, p´g. 22. a C´ ıcero C. Bezerra, Compreender: Plotino e Proclo, Editora Vozes, 2006, p´gs. 74-78. a 37 Walking with God, p´g. 74. a 38 Ibidem, p´g. 73. a 39 Ibidem. Interessante observar que a tradi¸˜o popular associa “intui¸˜o” com a mulher ca ca e diz que “a mulher ´ a cabe¸a do homem”. e c 40 Ibidem. 41 Ibidem, p´g. 72. a 36

INTRODUCAO ¸˜ 9 o segundo por Chesed, Guebur´ e Tiferet, e o ultimo por Netsach, Hod e a ´ Yesod, fazem paralelo no homem com o c´rebro, o cora¸ao e o org˜o sexual, e c˜ a respectivamente, que s˜o a sede, no corpo humano, do intelecto, da emo¸˜o a ca e do poder procriativo (cf. versos 2:1 e 3:4). Cada um desses grupos de Sefir´t formam uma tr´ o ıade de duas Sefir´t opostas e uma terceira que faz a o concilia¸˜o das outras duas. ca Veremos que a Sefir´ que faz a concilia¸ao de Chokm´ e Bin´ ´ uma a c˜ a a e Sefir´ oculta chamada Daat. A Figura 3, na p´gina 38, mostra a posi¸˜o a a ca ´ de Daat na Arvore da Vida, assim como as tr´ ıades de Sefir´t opostas e suas o mediadoras42 . Malkut, a Sefir´ inferior, mais pr´xima do mundo material, representa a o a pr´pria existˆncia, tanto animada quanto inanimada; as duas, segundo a o e cabala, compartilham essa dimens˜o. Por isso, muitos sistemas cabal´ a ısticos ensinam que os seres humanos podem reencarnar43 em pedras ou riachos, pois todos compartilham as qualidades de Malkut 44 . Existe uma associa¸˜o entre Malkut e a Shekin´ , a presen¸a de Deus no ca a c mundo, que, segundo a tradi¸ao judaica, era o aspecto de Deus que habitava c˜ no Primeiro e no Segundo Templo em Jerusal´m, na parte mais interna do e Templo, o “Santo dos Santos”. Com a destrui¸˜o do Segundo Templo, a ca Shekin´ foi para o ex´ a ılio, junto com o povo judeu. Normalmente, considerase a Shekin´ como o aspecto feminino de Deus, sendo ela referenciada em a alguns tratados cabal´ ısticos como “princesa”, “filha”, “noiva” ou “esposa”45 . O nome de Shekin´ (dpiky) ´ derivado de shikun (oeky), que significa a e “habita¸˜o”. A Shekin´ est´ associada ` kavod (ceak), a gl´ria de Deus46 . ca a a a o As Sefir´t ser˜o explicadas em maior profundidade mais adiante, ao lono a go do Cap´ ıtulo 1, especialmente nos coment´rios ao verso 1:1. Importante a observar que elas s˜o citadas apenas no primeiro cap´ a ıtulo do Sˆfer Yetsir´, e a n˜o sendo mais citadas nos cap´ a ıtulos seguintes. As dez Sefir´t formam os cinco partsufim (faces): Ar´k Anpin (Face o o 42 Essas tr´ ıades s˜o estruturas dial´ticas, e n˜o as devemos interpretar como alguma ideia a e a de “trinitarismo”. Os judeus n˜o professam a cren¸a em uma Trindade, como o fazem os a c crist˜os. a 43 A reencarna¸˜o, gilgul ha-neshamot (zenypd leblb), foi doutrina aceita pelos judeus. ca Particularmente, ela ´ um conceito importante na cabala luriˆnica, fundada pelo Rabino e a Isaque Luria. Ela tamb´m foi uma das doutrinas popularizadas pelo Hassidismo, movie mento m´ ıstico judaico cujo maior expoente foi o Rabino Baal Shem Tov (c. 1700-1760). 44 Walking with God, p´g. 71. a 45 Ibidem, p´g. 72. a 46 Ibidem.

10 INTRODUCAO ¸˜ Longa), Aba (Pai), Ima (M˜e), Zair Anpin (Face Curta) e Shekin´ 47 . Os a a partsufim s˜o faces ou aspectos de Ad˜o Kadmon, o Homem Primordial, a a a manifesta¸˜o de Deus representada de forma antropomorfizada (cf. Anexo 2, ca p´g. 277)48 . a H´ uma associa¸ao entre as Sefir´t e esses partsufim. No entanto, cada a c˜ o partsuf constitui-se em um objeto separado completo, cada um com suas dez ´ Sefir´t. Assim, h´ uma Arvore da Vida completa para cada partsuf. o a A existˆncia das dez Sefir´t provoca um problema para a concep¸˜o e o ca monote´ ısta do juda´ ısmo. Se a manifesta¸˜o divina pode ser dividida em ca dez Sefir´t, ent˜o o pr´prio Deus o pode. Essa quest˜o sens´ foi tema de o a o a ıvel longa discuss˜o entre os rabinos e foi resolvida ao se considerarem as Sefir´t a o como cria¸oes de Deus, fora dos limites d’Ele pr´prio49 . c˜ o A necessidade dos cabalistas de apresentar a manifesta¸˜o divina dividida ca em dez entidades ´ explicada pela rela¸˜o entre os n´meros 1 e 10, j´ que 10 e ca u a torna-se 1, pela soma dos d´ ıgitos do n´mero 10 (1+0=1). O significado disso u ´ que, embora do ponto de vista do homem existam dez Sefir´t, do ponto de e o 50 vista de Deus h´ apenas Um, o Deus indiferenciado . a A manifesta¸ao divina, representada pela emana¸˜o das Sefir´t, divide-se c˜ ca o ao longo de quatro mundos: Atsilut, Bri´ , Yetsir´ e Assi´ . Esses mundos a a a representam planos que se projetam desde Deus em dire¸ao ao mundo materic˜ al. Os mundos emanam em sequˆncia e s˜o progressivamente mais afastados e a de Deus e mais pr´ximos da mat´ria. Eles s˜o entendidos pelos cabalistas o e a como est´gios do caminho em dire¸ao ao divino. Neste sentido, faz-se um a c˜ paralelo dos mundos da cabala com a escada de Jac´. Segundo os cabalistas, o ´ cada mundo cont´m uma Arvore da Vida completa, com dez Sefir´t. e o Considera-se que a passagem b´ ıblica “todos aqueles que s˜o chamados a com o meu nome e que, para minha gl´ria [Atsilut], criei [Bri´ ], formei o a [Yetsir´] e fiz [Assi´ ]” (Isa´ 43:7) seja uma referˆncia aos quatro mundos a a ıas e da cabala. Atsilut ´ o mundo da emana¸˜o, a sede das Sefir´t. Emana¸ao ´ o processo e ca o c˜ e em que o nada relativo passa a ser realidade. O mundo de Atsilut ´ o mais e elevado, sendo considerado a fronteira com o divino. Atsilut ´ associado a e Chokm´ . a 47 Scholem, A Cabala e seu Simbolismo, p´g. 137. a Ibidem, p´g. 125; cf. William Wynn Westcott, An Introduction to the Study of the a Kabalah. 49 Glotzer, p´gs. xix-xx. a 50 Ibidem, p´g. xxi. a 48

INTRODUCAO ¸˜ 11 Bri´ ´ o mundo da cria¸ao, que representa a manifesta¸ao do esp´ a e c˜ c˜ ırito. Este ´ o mundo do Trono Sagrado da vis˜o de Ezequiel (veja o primeiro e a cap´ ıtulo do livro de Ezequiel), que ´ associado a Bin´ . e a Yetsir´ ´ o mundo da forma¸ao. Forma¸ao ´ o processo em que algo ´ a e c˜ c˜ e e criado a partir de algo. Este mundo est´ relacionado com o pr´prio nome do a o livro Sˆfer Yetsir´. Ele ´ associado ao partsuf Zair Anpin. e a e Finalmente, Assi´ ´ o mundo da a¸ao ou produ¸ao, representando o munae c˜ c˜ do sens´ ıvel. Assi´ ´ o mundo inferior, o que est´ mais pr´ximo da mat´ria, a e a o e 51 sendo associado a Malkut . Origem e Autoria do Sˆfer Yetsir´ e a O Sˆfer Yetsir´ ´ um texto judaico-gn´stico, provavelmente composto e a e o no s´c. III, com n´ e ıtidas influˆncias neopitag´ricas52 , pertencendo ao in´ e o ıcio da tradi¸ao Maase Bereshit. As ideias expressas no texto s˜o pr´ximas da c˜ a o tradi¸˜o cabal´ ca ıstica que aparece no Bahir, e muitos ensinamentos do Bahir e do Sˆfer Yetsir´ parecem provir da mesma fonte53 . O aspecto m´gico e a a associado ao Sˆfer Yetsir´ pode ser apreendido dos in´meros relatos do uso e a u do texto para fins te´rgicos, particularmente para a fabrica¸ao do Golem54 . u c˜ O Sˆfer Yetsir´ ´ considerado pelos estudiosos o mais antigo texto cae a e bal´ ıstico, embora alguns atribuam ao Bahir esse privil´gio55 . O mais antigo e manuscrito conhecido ´ do s´c. X, e o coment´rio ao Sˆfer Yetsir´ escrito por e e a e a Isaque Israeli (c. 832-932) ´ testemunho da existˆncia do texto j´ no in´ e e a ıcio 56 do s´c. IX . As suas origens s˜o desconhecidas, e os estudiosos deparam-se e a 57 com diversas hip´teses . o O texto ´ muito pequeno, tendo a vers˜o Curta cerca de mil e trezentas e a palavras. As diversas vers˜es que existem s˜o devidas ` incorpora¸ao no o a a c˜ 58 texto de notas de margem e omiss˜es, feitas por copistas . o 51 Ibidem, p´g. xx; cf. Lorenz, p´gs. 60-61. a a Cf. a cr´ ıtica a essa ideia no artigo de Ithamar Gruenwald, Some Critical Notes on the ´ First Part of Sefer Yezira, Revue des Etudes Juives, CXXXII (4), 1973, p´gs. 484-485. a 53 Aryeh Kaplan, The Bahir, Boston: Weiser, 1979, Introduction, nota 5, p´g. 185. a 54 Scholem, A Cabala e seu Simbolismo, p´g. 200; cf. Alan Unterman, p´gs. 107,122-123. a a 55 Kaplan, The Bahir, Introduction, nota 5, p´g. 185. a 56 A. Peter Hayman, Sefer Yesira: Edition, translation and text-critical commentary, Tuebingen: Mohr Siebeck, 2004, p´g. 41. a 57 Glotzer, p´g. xiv. a 58 Sobre a incorpora¸˜o de notas de margem no texto e omiss˜es cometidas pelos copistas ca o cf. Hayman, p´gs. 1-2,6. a 52

12 INTRODUCAO ¸˜ O texto possui seis cap´ ıtulos na maioria das edi¸oes, embora fontes antigas c˜ afirmem que originalmente eram cinco cap´ ıtulos e que os atuais cap´ ıtulos 59 cinco e seis sejam produto do desmembramento do ultimo . Aparentemente ´ o texto ´ a fus˜o de dois textos independentes. Isso ´ indicado pelo fato de e a e que o primeiro cap´ ıtulo introduz a ideia de Sefir´t, mas essa ideia n˜o ´ mais o a e referenciada no resto do texto60 . Como o pr´prio texto, cujo significado ´ enigm´tico, tamb´m a sua autoria o e a e ´ tema de discuss˜o. H´ alguma especula¸ao, bem enraizada na tradi¸ao e a a c˜ c˜ judaica, de que o autor do Sˆfer Yetsir´ seja o patriarca Abra˜o. J´ no s´c. X, e a a a e Saadia Gaon afirmava que “os antigos dizem que Abra˜o o escreveu”61 . a Essa hip´tese est´ alicer¸ada no ultimo verso (mishn´ ) do texto, que cita o a c ´ a o pr´prio Abra˜o, e na passagem das escrituras que diz “e as almas que eles o a fizeram em Har˜” (Gˆnesis 12:5)62 , referindo-se a Abra˜o, que lembra o uso a e a do texto para fins te´rgicos e para a fabrica¸ao do Golem. A hip´tese fica u c˜ o mais forte pois as escrituras dizem “as almas que eles fizeram”, indicando que Abra˜o n˜o estava sozinho, o que ´ coerente com os coment´rios judaicos a a e a 63 sobre o uso te´rgico do Sˆfer Yetsir´ . H´ uma prescri¸ao de que o estudo u e a a c˜ dos mist´rios do Sˆfer Yetsir´, assim como o uso de seus poderes, n˜o pode ser e e a a feito por uma pessoa s´. Essa interpreta¸˜o baseia-se nas passagens b´ o ca ıblicas que dizem que “Melhor ´ serem dois do que um” (Eclesiastes 4:9) e “N˜o ´ e a e bom que o homem esteja s´” (Gˆnesis 2:18). o e Al´m disso, muitos dos manuscritos do Sˆfer Yetsir´ tˆm em seu pref´cio e e a e a a frase “as palavras de Abra˜o nosso pai, o qual ´ chamado Sˆfer Yetsir´ ”64 . a e e a No entanto, a an´lise gramatical do texto revela que o Sˆfer Yetsir´ foi a e a escrito no per´ ıodo talm´dico, tendo semelhan¸a gramatical com o Mishn´ 65 . u c a Os mist´rios do Sˆfer Yetsir´, relacionados com o uso m´gico das letras e e a a do alfabeto hebraico, aparecem tamb´m na literatura talm´dica, onde podee u se ler que “Bezalel sabe como combinar as letras pelas quais os c´us e a terra e foram criados”, numa referˆncia ao uso dos poderes te´rgicos do Sˆfer Yetsir´ e u e a 59 Kaplan, Sefer Yetzirah, p´g. xi. a Ibidem. 61 Ibidem, p´g. xii. a 62 Essa ´ uma tradu¸˜o aceita pelos estudiosos e rabinos. Na vers˜o Almeida Revista da e ca a B´ ıblia, essa passagem foi traduzida como “e as pessoas que lhes acresceram em Har˜.” a 63 Kaplan, Sefer Yetzirah, p´g. xiii. a 64 Christopher P. Benton, An Introduction to the Sefer Yetzirah, The Maqom Journal for Studies in Rabbinic Literature, vol. VII, winter 2004. 65 Ibidem. 60

INTRODUCAO ¸˜ 13 ˆ para a constru¸˜o do Tabern´

Add a comment

Related presentations

Related pages

Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá – edição ...

“Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá” busca apresentar e elucidar um dos mais conhecidos textos cabalísticos, o Livro da Criação, Sêfer Yetsirá ...
Read more

Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá: edição revisada ...

Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá: edição revisada e ampliada (Portuguese Edition) [Carlos A P Campani] on Amazon.com. *FREE* shipping on qualifying ...
Read more

Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá

Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá - Edição revisada e ampliada. Carlos A. P. Campani.
Read more

Amazon.com: Customer Reviews: Fundamentos da Cabala ...

Find helpful customer reviews and review ratings for Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá: edição revisada e ampliada (Portuguese Edition) at Amazon ...
Read more

Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá: edição revisada ...

Customer Reviews for "Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá: edição revisada e ampliada (Portuguese Edition) (Paperback)" by Carlos A P Campani
Read more

Fundamentos Da Cabala: Sêfer Yetsirá: Edição Revisada ...

Read the book Fundamentos Da Cabala: Sêfer Yetsirá: Edição Revisada E Ampliada (Portuguese Edition) by Carlos A P Campani online or Preview the book ...
Read more

Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá - "Fundamentos da ...

Prefacio a Edicao Revisada e Ampliada. Foi com grande jubilo que me envolvi no esforco para a publicacao desta edicao revisada e ampliada da traducao ...
Read more

Cabala Mística

A cabala mística é a pura tradição mística do judaísmo. Ela foi distribuida e absorvida por diversas tradições religiosas e... Facebook logo.
Read more

Fundamentos Da Cabala: Sêfer Yetsirá: Edição Revisada ...

Book information and reviews for ISBN:1470117053,Fundamentos Da Cabala: Sêfer Yetsirá: Edição Revisada E Ampliada (Portuguese Edition) by Carlos A P ...
Read more