Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias informais, persuasão e manipulação

50 %
50 %
Information about Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias...
Education

Published on March 10, 2014

Author: JoanaPinto20

Source: slideshare.net

Description

Lógica informal, Falácias informais, persuasão e manipulação, argumentação e retórica, sofistas, etc.

Subtitle

 Argumento válido – quando existe coerência/conexão e relação entre as premissas e a conclusão (podem ter proposições falsas);  Argumento sólido – quando, para além de ser válido, todas as proposições (premissas e conclusão) são verdadeiras;  Argumento cogentes – as premissas têm de ser mais plausíveis (convincentes) do que a própria conclusão. São constituídos por várias premissas, são muito dificilmente refutáveis e estão presentes nas teorias filosóficas.

Argumentos Informais Argumentos Indutivos Generalização Previsão Argumentos de Autoridade Argumentos por Analogia Lógica • Formal – Argumentos Dedutivos (verdade/validade); • Informal – Argumentos Não Dedutivos

Ao contrário dos argumentos da Lógica Formal, um argumento informal não depende apenas da forma lógica.  Argumentos Indutivos o Por generalização – são argumentos com uma conclusão geral extraída de casos particulares. Ex.: O ferro é um condutor elétrico. O cobre é um condutor elétrico. Todos os metais são condutores elétricos. o Por previsão – é um argumento que parte de casos particulares mas a conclusão inferida é a de que algo ocorrerá no futuro

 Argumentos por Autoridade Neste tipo de argumento conclui-se que uma determinada proposição é verdadeira porque uma certa autoridade defende que é verdadeira. Para isso, a autoridade invocada: • tem de ser competente no que respeita ao assunto em causa; • não pode ser contradita ou refutada por outras autoridades igualmente competentes na mesma área; •tem de ser imparcial sobre o assunto em causa. Estes não devem ser usados em Filosofia pois, mesmo que não as conheçamos, existem sempre teorias diferentes que se contradizem.

 Argumentos por Analogia É uma interferência baseada numa comparação. (Existindo, obviamente, suficientes pontos de semelhança entre os elementos comparados. Ex.: O sistema imunitário dos chimpanzés é muito semelhante ao dos seres humanos. A vacina X resultou nos chimpanzés. Logo, a vacina X resultará nos seres humanos. Uma analogia não é válida se os objetos comparados não forem semelhantes.

 Apelo Falacioso à Autoridade – quando a autoridade não é um perito no campo em questão e/ou não há acordo entre os peritos do campo em questão. Ex.: Tal como afirmou Kant, uma ação é moralmente boa quando realizada por dever. (Embora Kant seja especialista na área da Ética, não existe acordo entre peritos. Por isso, o apelo á autoridade em Filosofia é sempre falacioso). Esta dieta é boa porque foi a Ana que descobriu na net.  Falácia do Apelo à Ignorância – Conclui-se que uma proposição é verdadeira por não se ter provado que é falsa ou vice-versa. Ex.: A Maria tentou provar que não foi ela que roubou o cacifo, mas não conseguiu. Portanto, ela devia estar a mentir.

 Falácia do Falso Dilema – são apresentadas apenas duas alternativas mas de facto há mais. Ex.: Ou és feliz ou infeliz. (Há mais opções: podemos sentirmo-nos parcialmente felizes ou infelizes)  Falácia da Petição de Princípio (Falácia da Circularidade) – a verdade da conclusão já estava assumida nas premissas. Ex.: Porque é que Deus existe? Porque na Bíblia afirma- se que Deus existe. Ora, a Bíblia é verdadeira, uma vez que quem a escreveu estava inspirado em Deus. Portanto, Deus existe. (Conclui-se que Deus existe com base na Bíblia que foi escrita por alguém inspirado em Deus. A conclusão “Deus existe” já estava aceite nas premissas.)

 Falácia Ataque Pessoal(ad hominem – ataque ao homem) – ataca-se a pessoa que apresentou um argumento e não o argumento que foi apresentado. Mais frequentemente ataca-se o carácter da pessoa ou refere-se circunstâncias relativas à pessoa ou o facto de a pessoa não fazer o que diz. Ex.: É natural que concordes com o congelamento dos salários. Tu és rico… | Dizes que eu não devo beber, mas tu “andas sempre nos copos”.  Falácia Post Hoc (depois disso, por causa disso) – pelo facto de A acontecer antes de B, conclui-se que A é a causa de B. (Normalmente relacionada com crenças religiosas ou superstições). Ex.: O Benfica ganhou sempre que eu levei o cachecol. Deve dar sorte! | O dia começou-me a correr quando vi aquele gato preto! Foi ele que me deu azar!

 Falácia Apelo à Força – pretende-se persuadir alguém pela força e não pelos argumentos. Ex.: Se não arrumares o quarto ficas de castigo.  Falácia Apelo da Piedade – apela-se à compaixão e não à razão. Ex.: Eu sei que não mereço passar, mas se o professor me chumbar o meu pai tira-me a mota.  Falácia da Derrapagem (Bola da Neve ou Declive Escorregadio) – argumento em que, para refutar ou mostrar que uma tese é inaceitável, é apresentada pelo menos uma premissa falsa ou duvidosa numa série de consequências progressivamente inaceitáveis. Ex.: Se aprovarmos leis contra as armas automáticas, não demorará muito até aprovarmos leis contra todas as armas, e então começaremos a restringir todos os nossos direitos. Acabaremos por viver num estado totalitário. Portanto, não devemos banir as armas automáticas.

 Falácia Generalização Precipitada – a partir de um pequeno número de casos (de uma amostra pouco significativa/insuficiente), generaliza-se para todos eles sem preocupação de verificar a sua veracidade. Estes argumentos refutam-se facilmente ao arranjarmos contraexemplos para contrariar os apresentados. Ex.: Apanharam mais um grupo de jovens com droga. Não há dúvida: os jovens agora são todos uns drogados.  Falácia do Espantalho (ou Boneco de Palha)

A retórica é a arte de persuadir através do discurso.  O orador ou retor é aquele que recorre ao discurso para persuadir alguém com técnicas retóricas.  O auditório é o conjunto de pessoas que o orador visa persuadir. De acordo com Aristóteles, a retórica é necessária porque: a) A verdade e justiça estão acima de tudo; b) Existem auditórios que nem a ciência mas exata persuade; c) É preciso ser-se capaz de argumentar sobre coisas contrárias e aprender a dominar o tema, bem como de refutar argumentos; d) Devemos ser capazes de nos defender verbalmente.

Aristóteles distingue três meios de persuasão na retórica:  ETHOS – obtém-se a persuasão quando esta assenta no carácter do orador, ou seja, o orador deve ser credível e digno de confiança.  PATHOS – obtém-se a persuasão quando esta assenta no estado emocional do auditório, ou seja, quando o discurso suscita no auditório sentimentos que o tornam recetivo à perspetiva do orador.  LOGOS – obtém-se a persuasão por meio de argumentos e, por isso, assenta na própria argumentação que leva o auditório a acreditar que a perspetiva do orador é a mais correta.

Os sofistas eram professores profissionais itinerantes que instruíam os jovens sobre a arte da oratória e retórica, ensinando-os a impor- se através da palavra, e faziam conferências em que mostravam a sua eloquência em troca de dinheiro. O seu surgimento está relacionado com o sistema político da Democracia, já que esta implica a luta partidária, que, por sua vez, torna necessária a preparação de oradores capazes de construir discursos persuasivos em defesa de um projeto político. Deste modo, é natural que os sofistas atraíssem os jovens gregos que aspiravam à vida política e possuíam poder económico suficiente para pagar as quantias exigidas pelos seus ensinamentos (que não eram pequenas). Os sofistas viam o saber em função de uma certa utilidade e não como algo ao qual se devesse amor e respeito e que alimentava a alma do homem à medida que este procurava mais. Por isto mesmo, os filósofos e os sofistas sempre andaram em contradição.

 Ensinavam a retórica, cujo domínio era essencial a quem quisesse fazer carreira política;  Ensinavam, com exceção de Górgias, a aretê  Política (virtude política);  Interessavam-se pela antropologia, pela evolução do homem, da sociedade e da civilização;  Interessavam-se pelas relações entre as leis e os costumes (nomos ) e a natureza (physis );  Pretendiam ser capazes de dissertar sobre todos os temas e de responder a qualquer pergunta que lhes fizessem;  Recusavam a existência de uma realidade permanente que subjaz e justifica as aparências e adotavam um ponto de vista , relativista e subjetivista;  Assumiam uma perspetiva empirista e cética quanto à origem e possibilidade de conhecimento, com base na imperfeição e falibilidade das nossas faculdades e na inexistência de uma realidade estável que pudesse ser objeto de conhecimento. Os sofistas acreditavam que nem todas as pessoas podiam ser ensinadas, só as que em vidas anteriores tinham sido inteligentes, sendo, por isso, elitistas e não acreditando na educação e ensino nas escolas.

Górgias começa por dar a sua definição de retórica. Este afirma até que o orador não precisa de conhecer o tema de que fala para ser persuasivo, ou para ser mais persuasivo do que um especialista. Assim, o orador conseguirá que o prefiram a qualquer outro, porque não há matéria sobre a qual um orador não fale, diante da multidão, de maneira mais persuasiva do que qualquer profissional. Platão opõe-se vigorosamente à conceção de Górgias da retórica, pois não aceita que a retórica se transforme em manipulação, já que não está comprometida com a verdade objetiva. Platão aponta ainda que, de acordo com esta conceção, o orador só é persuasivo se o auditório for ignorante quanto ao assunto de que fala. Assim, Platão refuta a definição de retórica de Górgias com a sua própria definição, por intermédio da personagem de Sócrates: • Para Platão, a retórica não é uma arte, mas uma atividade empírica que tem por fim produzir no auditório um sentimento de agrado e de prazer - adulação. Assim, Platão e Aristóteles acusavam os retóricos, a quem chamavam de sofistas, de desprezar a razão e a ética, ensinando a manipular a opinião pública consoante fosse mais conveniente pois estes eram professores pagos para ensinar jovens

o As demonstrações são argumentos científicos dedutivamente válidos. Numa demonstração as premissas são verdades estabelecidas que não deixam margem para a dúvida e a conclusão segue-se delas de uma forma constringente, isto é, dado que as premissas são inquestionavelmente verdadeiras e o raciocínio é dedutivamente válido, não podemos deixar de aceitar a conclusão. o A argumentação retórica ou dedução dialética, pelo contrário, o orador não tem de partir de premissas inquestionavelmente verdadeiras. Estas podem consistir apenas em opiniões aceites pelo auditório e, neste caso, as premissas são prováveis ou verosímeis.

Persuadir é convencer alguém a mudar de ideias. Persuasão Racional Manipulação (ou Persuasão Irracional) Tipo de argumentação que respeita a autonomia de pensamento das pessoas e apela à sua inteligência, convidando ao debate e à reflexão. Aqui argumentamos para chegar à verdade das coisas independentemente de saber quem “ganha” o debate. Tipo de argumentação que viola a autonomia de pensamento das pessoas, procurando mesmo impedi-las de pensar e debater. Nesta discute-se para “ganhar” o debate, mesmo não estando no lado da verdade.

Add a comment

Related presentations

Related pages

Argumentação e lógica formal- resumos filosofia - Education

Matriz do 2º teste 11º filosofia Lógica formal e ... informal, falácias informais, persuasão e ... e manipulação, argumentação e retórica, ...
Read more

Argumentação e Retórica - 11º B - Home

... são uma das formas que a lógica tem de estudar a argumentação. ... Retórica e Lógica Informal. ... da persuasão procura manipulação ...
Read more

Argumentação e retórica trb grupo filosofia - Technology

Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias informais, persuasão e manipulação Lógica informal, Falácias informais ...
Read more

Aulas- 11ºAno: Argumentação e Retórica

RETÓRICA/ARGUMENTAÇÃO/ ... distingue a Teoria da Argumentação da Lógica Formal ... escrúpulo para primeiro princípio da Filosofia que ...
Read more

JORNAL DE FILOSOFIA: Lógica informal

Enquanto a lógica formal diz respeito aos argumentos dedutivos ... FALÁCIAS INFORMAIS MAIS ... , Argumentação filosofia e retórica ...
Read more

Filosofar Liberta: Falácias. Falácias formais e informais

Falácias informais - teste intermédio / exame. ... Lógica; Lógica e Filosofia; Lógica formal; ... A importância da argumentação; Lógica informal ...
Read more

Lógica informal - Crítica

... da lógica formal à argumentação ... pela lógica informal e pela retórica. ... falácias História da filosofia Lógica
Read more

Dúvida Metódica: Matriz do 2º teste do 11º ano (turmas ...

Falácias informais e retórica: ... Lógica informal (29) Lógica ... O desprezo pelas humanidades e pela Filosofia; Matriz do 2º mini teste: ...
Read more