advertisement

Fernando Pessoa

33 %
67 %
advertisement
Information about Fernando Pessoa

Published on February 6, 2008

Author: naishabr

Source: slideshare.net

advertisement

FERNANDO PESSOA Clique para passar os slides

Ao longe, ao luar, No rio uma vela Serena a passar, Que é que me revela? Não sei, mas meu ser Tornou-se-me estranho, E eu sonho sem ver Os sonhos que tenho. Que angústia me enlaça? Que amor não se explica? É a vela que passa Na noite que fica. 05/08/1921

O meu olhar é nítido como um girassol. Tenho o costume de andar pelas estradas Olhando para a direita e para a esquerda, E de vez em quando olhando para trás... E o que vejo a cada momento É aquilo que nunca antes eu tinha visto, E eu sei dar por isso muito bem... Sei ter o pasmo essencial Que tem uma criança se, ao nascer, Reparasse que nascera deveras... Sinto-me nascido a cada momento Para a eterna novidade do Mundo...

Creio no mundo como num malmequer, Porque o vejo. Mas não penso nele Porque pensar é não compreender... O Mundo não se fez para pensarmos nele (Pensar é estar doente dos olhos) Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo... Eu não tenho filosofia; tenho sentidos... Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é, Mas porque a amo, e amo-a por isso Porque quem ama nunca sabe o que ama Nem sabe por que ama, nem o que é amar... Amar é a eterna inocência, E a única inocência não pensar... Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos“ 8-3-1914

Vaga, no azul amplo solta, Vai uma nuvem errando. O meu passado não volta. Não é o que estou chorando. O que choro é diferente. Entra mais na alma da alma. Mas como, no céu sem gente, A nuvem flutua calma. E isto lembra uma tristeza E a lembrança é que entristece, Dou à saudade a riqueza De emoção que a hora tece.

Mas, em verdade, o que chora Na minha amarga ansiedade Mais alto que a nuvem mora, Está para além da saudade. Não sei o que é nem consinto À alma que o saiba bem. Visto da dor com que minto Dor que a minha alma tem. 29-3-1931

Eu tenho idéias e razões, Conheço a cor dos argumentos E nunca chego aos corações. 1932

Por quem foi que me trocaram Quando estava a olhar pra ti? Pousa a tua mão na minha E, sem me olhares, sorri. Sorri do teu pensamento Porque eu só quero pensar Que é de mim que ele está feito É que tens para mo dar. Depois aperta-me a mão E vira os olhos a mim... Por quem foi que me trocaram Quando estás a olhar-me assim?

Eu amo tudo o que foi, Tudo o que já não é, A dor que já me não dói, A antiga e errônea fé, O ontem que dor deixou, O que deixou alegria Só porque foi, e voou E hoje é já outro dia. 1931

Amigos! Agradeço se divulgarem essas poesias de Fernando Pessoa. Divulgar poesias de poetas consagrados é uma forma de espalhar cultura e participar ativa e positivamente da teia mundial de informações e trocas , a “nossa” Internet! Agradeço também por respeitarem os créditos ! Muitas alegrias, conquistas, reconhecimentos e vitórias nesse ano que se inicia! Poesias: Fernando Pessoa Fonte: http://www.insite.com.br/art/pessoa/ Imagens: www.whatatop.com e www.trekearth.com Música: Trecho de Adiós Nonino, de Astor Piazzolla Criação: Fátima Graziottin 02/02/2008

Add a comment

Related pages

Fernando Pessoa – Wikipedia

Fernando Pessoa [fɨɾˈnɐ̃du pɨˈsoɐ] (* 13. Juni 1888 in Lissabon; † 30. November 1935 ebenda), eigentlich Fernando António Nogueira de Seabra ...
Read more

1982: Das Buch der Unruhe | ZEIT ONLINE

Für die Weltliteratur des 20. Jahrhunderts bedeutete die späte Entdeckung des portugiesischen Dichters Fernando Pessoa (1888 bis 1935) ein ähnliches ...
Read more

Fernando Pessoa - Wikipedia

Fernando Pessoa, born Fernando António Nogueira Pessoa (/ p ɛ ˈ s oʊ ə /; European Portuguese: [fɨɾˈnɐ̃dw ɐ̃ˈtɔnju nuˈɣɐjɾɐ ...
Read more

Amazon.de: Fernando Pessoa: Bücher, Hörbücher ...

Besuchen Sie Amazon.de's Fernando Pessoa Autorenseite und kaufen Sie Bücher von Fernando Pessoa und ähnliche Produkte (DVDs, CDs, usw.). Dort finden Sie ...
Read more

Fernando Pessoa - Perlentaucher

Fernando Pessoa (1888-1935), ist nicht nur der Begründer der modernen Dichtung Portugals, sondern eine der Schlüsselfiguren in der Entwicklung der ...
Read more

Fernando Pessoa: Poesia - Poesie. Portugiesisch - Deutsch ...

Aus dem Portugiesischen von Inés Koebel und Georg Rudolf Lind. Fernando Pessoa (1888-1935) schuf Gedichte und poetische Prosatexte verschiedenster, ja ...
Read more

S. Fischer Verlage - Pessoa, Fernando

Fernando Pessoa (1888-1935), der bedeutendste moderne Dichter Portugals, ist auch bei uns mit dem ›Buch der Unruhe‹ bekannt geworden. 1905 kehrte er ...
Read more

Fernando Pessoa (1888-1935) - gabi-buchner.de

Fernando Pessoa (1888-1935) ... »Ich habe Gedanken, die, wenn ich sie verwirklichen und lebendig machen könnte, den Sternen ein neues Licht, der Welt ...
Read more

Das Buch der Unruhe des Hilfsbuchhalters Bernardo Soares ...

Der gewissenhafte Angestellte teilt etliche Eigenschaften mit seinem Erfinder Fernando Pessoa; ... Fernando Pessoas Buch der Unruhe umspannt die Seele mit ...
Read more

Fernando Pessoa (Author of The Book of Disquiet)

Fernando António Nogueira Pessoa was a poet and writer. It is sometimes said that the four greatest Portuguese poets of modern times are Fernando Pessoa.
Read more