Estudos Casos

40 %
60 %
Information about Estudos Casos
Entertainment

Published on November 14, 2007

Author: Haralda

Source: authorstream.com

Slide1:  Estudos de Casos © Profa. Francilene Procópio Garcia, 2001 Departamento de Sistemas e Computação DSC/CCT/UFPb francilene@ieee.org Depois dos ajustes ...:  Depois dos ajustes ... Segundo Gartner Group, após a euforia das pontocom, nos últimos dois anos: 75% de iniciativas business-to-business (B2B) sumiram do mapa Já no B2C, o percentual ultrapassou 50% e dos provedores de conteúdo, 30% não resistiram à bolha Os exageros do passado foram corrigidos? “A web caminha para seu pleno desenvolvimento” “O impacto será diferente de setor para setor. Nas áreas pulverizadas, os reflexos serão maiores” - diz o vice-presidente da consultoria norte-americana Bain & Company, André Castellini um futuro promissor ...:  um futuro promissor ... Independentemente das baixas, analistas, empresas usuárias, fornecedores de tecnologia e serviços para o mercado de e-business concordam em um ponto: a internet não é apenas uma onda “As transações on-line são uma tendência que veio para ficar. Não há como voltar atrás” Pelas previsões do instituto norte-americano Forrester Research e do próprio Gartner, os negócios eletrônicos no mundo chegarão a US$ 6 trilhões dentro de três anos. Do total, os mercados públicos on-line (ou e-marketplaces) podem abocanhar uma fatia gigantesca - 37% das transações, ou cerca de US$ 2,7 trilhões Até dezembro 2001, as transações entre empresas pela rede mundial de computadores vão bater na casa de US$ 1 trilhão No Brasil ...:  No Brasil ... embora no momento o pano de fundo não seja tão favorável com a crise energética, alta constante do dólar, a crise na Argentina e a recessão da economia norte-americana, as perspectivas também são otimistas O B2B ainda engatinha e está concentrado em poucas e grandes companhias Na indústria paulista, o B2B é incipiente com apenas 5% realizando transações pela rede mundial de computadores. Metade vai aderir ao B2B em um ou dois anos e 41% sequer têm previsão (Fiesp) A maior barreira apontada pela indústria são as questões operacionais (envolvem a adaptação dos processos internos, desde as compras até a cobrança, passando pela produção e atendimento ao cliente) No Brasil ...:  No Brasil ... Antes de partir para a transação eletrônica, as empresas têm de vencer barreiras culturais e promover uma ampla mudança interna Em 2001, a receita de comércio eletrônico no Brasil pode chegar a cerca de US$ 2 bilhões (incluindo a fatia de publicidade on-line), segundo levantamento da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (Camara-e.net), entidade criada recentemente para defender os interesses do setor Do total, o B2B fica com a maior fatia - US$ 1,5 bilhão, enquanto o B2C, com US$ 317 milhões A Camara-e.net baseou-se nos estudos realizados pelos principais institutos de tecnologia, como International Data Corporation (IDC), Forrester Research, Dataquest e eMarketer E o apagão ...:  E o apagão ... Se ocorrer apagão, 1% dos negócios on-line pode ser afetado, em torno de US$ 20 milhões, segundo a Camara-e.net “No cenário mais pessimista, o impacto dos apagões será de US$ 200 milhões”, segundo Robert Dannenberg, presidente da Via Net.Works Colhendo os frutos da era digital:  Colhendo os frutos da era digital General Electric (GE), onde as transações eletrônicas já fazem parte da rotina da empresa há pelo menos 30 anos. Em 1999, a GE apostou de fato na web. Começou criando, dentro de casa, sistemas para facilitar a troca de informações entre as diversas empresas da holding Resultado: economia de US$ 1,6 bilhão, em 2000, com a compra de materiais de escritório e suprimentos de informática pela web. Isso representa pouco mais de 10% das compras de materiais indiretos, da ordem de US$ 12 bilhões Colhendo os frutos da era digital:  Colhendo os frutos da era digital Pão de Açúcar. Desde o início de 2000, o grupo investiu US$ 4 milhões na rede pd@net, pela qual faz negócios com seus fornecedores eletronicamente. Cerca de 97% das compras do grupo são feitas pela Web Todos os fornecedores deverão se integrar ao sistema Em 2001, US$ 80 milhões foram investidos em logística e tecnologia Resultados esperados: Compras virtuais devem reduzir de 5% a 20% os custos operacionais No tocante aos materiais indiretos (escritório, suprimentos de informática) a redução deve atingir até 60% Um cenário novo e complexo:  Um cenário novo e complexo As empresas passam a operar em redes, nas quais vários pontos de contato ou ligações diretas são definidos com parceiros de negócios Para os setores mais tradicionais, os e-marketplaces aparecem como uma boa oportunidade “As corporações brasileiras não têm escapatória: não podem ficar de fora dessa cadeia de negócios”, diz Waldir Arevolo (Gartner) Divisão mundial:  Divisão mundial 2000 2005 Fonte: Gartner Group Oportunidades do e-marketplace:  Oportunidades do e-marketplace A consolidação dos chamados e-marketplaces, comunidades de negócios na internet formadas por grandes empresas, indústrias e fornecedores, cria novas oportunidades no segmento de B2B A elaboração de catálogos virtuais e a integração dos portais com os sistemas ERP das empresas - o que garante a agilidade na cadeia de suprimentos - são algumas das tendências adotadas por empreendimentos do setor para atrair novos parceiros comerciais “O e-marketplace já deve responder por, pelo menos, 70% das transações feitas no B2B. Há uma tendência de que, em breve, o segmento seja dominado por essas comunidades virtuais”, segundo o analista de negócios de internet do banco Opportunity – Arthur Machado Case Quadrem:  Case Quadrem Entre os maiores representantes deste setor está o Quadrem (www.quadrem.com), portal que reúne 21 grandes indústrias da área de mineração, metais e minerais industriais, como a Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), Alcoa, Alcan, BHP e Rio Tinto Com investimento total de US$ 100 milhões feito pelos sócios do portal, o Quadrem já estabelece transações comerciais entre empresas e fornecedores da América do Sul, Estados Unidos, Canadá, Europa, Austrália e África do Sul No momento, o portal toca cerca de 50 projetos de integração com os sistemas de ERP das empresas associadas, garantindo a automação dos processos de reposição de estoques e outras negociações comerciais eletrônicas realizadas pelo Quadrem Case Quadrem:  Case Quadrem Dentre os ganhos de produtividade com a adoção deste sistema de compra virtual, destacam-se: redução de 30 para três dias o tempo de transação o tempo médio das negociações virtuais com os fornecedores é de 72 horas Na opinião de Antunes, presidente da Valepontocom - holding que controla os negócios de internet da CVRD, o sucesso dos e-marketplaces está baseado na cooperação entre as empresas. Embora muitas sejam concorrentes, elas utilizam o portal como meio de agilizar e baratear os processos necessários ao funcionamento eficiente de sua cadeia de suprimentos 20 das 21 empresas associadas têm participação acionária no portal. Possuem cerca de 30 mil fornecedores divididos por várias partes do mundo Case Quadrem:  Case Quadrem Para atrair os fornecedores, o Quadrem oferece gratuitamente uma ferramenta para a criação de catálogos virtuais - eMerge A meta é a criação de uma padronização para a elaboração de catálogos de compras para as áreas de mineração, metais e minerais industriais A Valepontocom, que detém participação no Quadrem entrará, em breve, com uma solução de logística para agilizar ainda mais as negociações – um novo portal de logística Multistrata, a ser criado pela holding da CVRD Dentro dos planos da Valepontocom no B2B para 2001: um investimento total de US$ 50 milhões lançamento de um portal para negociação de equipamentos usados e excedente de estoque, incluindo parceiros na área de siderurgia, petróleo e cimento a Valepontocom pretende manter-se sócia minoritária dos projetos de internet alavancados por ela Case Transora:  Case Transora A integração com os sistemas também é estratégia do portal Transora - um consórcio criado por 50 multinacionais de bens de consumo não-duráveis Elas representam cerca de US$ 350 bilhões em compras anuais, como a Kodak, Unilever, Nestlé e Coca-Cola O portal, cujos investimentos chegam a US$ 250 milhões, estabeleceu este ano uma conexão com o GlobalNetXchange (GNX), canal que intermedia o B2B de algumas das principais redes do varejo mundial, com tecnologia Oracle Exchange Case Johnson & Johnson:  Case Johnson & Johnson A Johnson & Johnson espera ter, nos próximos três anos, 80% de seus clientes e 100% de seus distribuidores conectados via internet Para concretizar a meta, a gigante mundial da área de saúde está investindo pesado em projetos B2B, capazes de aproximar toda a cadeia produtiva: fornecedor, indústria, distribuidor e cliente Para conseguir essa façanha, a companhia desembolsa, somente no Brasil, cerca de US$ 30 milhões em TI como um todo. Dessa quantia, foram destinados US$ 27 milhões apenas para o sistema de gestão empresarial SAP A investida da Johnson & Johnson em transações eletrônicas começou com o uso da tecnologia de EDI, interligando atualmente cerca de 30% de seus clientes por meio de linhas privadas, da Embratel Case Johnson & Johnson:  Case Johnson & Johnson O EDI, que começou a ser empregado há cinco anos, eliminou muito da burocracia da área de vendas: Os pedidos, por exemplo, ao invés de serem entregues no papel para a companhia, passaram a dar entrada nos seus sistemas eletronicamente Os vendedores trocaram o bloco de notas fiscais por laptops e começaram a trabalhar conectados em rede O papel das ordens de pagamento também foi eliminado, permitindo que a empresa fizesse o faturamento on-line Entretanto, apesar dos benefícios, a tecnologia era considerada cara, por depender dos serviços de linhas privadas Case Johnson & Johnson:  Case Johnson & Johnson Ao aderir aos sistemas de B2B, a J&J pretende comunicar-se com seus fornecedores e distribuidores de uma forma mais eficiente e barata Um dos projetos nessa área, já implementado pela indústria, é o VMI (Vendor Management Inventory). A idéia básica é fazer a reposição eletrônica de estoques: Operação conectada ao sistema de estoque dos distribuidores e dos fornecedores. De forma que, quando um vendedor faz um pedido, é dada imediatamente a baixa nos estoques Com o VMI, os estoques são repostos de acordo com as vendas, diminuindo a necessidade de capital de giro das empresas, eliminando o problema de falta de mercadorias nas prateleiras dos distribuidores e aumentando as vendas Case Johnson & Johnson:  Case Johnson & Johnson O VMI deverá enxugar o estoque da indústria em torno de 5% a 10%, e o dos distribuidores em até 20% O objetivo da plataforma - em teste em cinco fornecedo-res e dois distribuidores da J&J - é interligar toda a cadeia produtiva Quando um consumidor tirar uma mercadoria da prateleira de um supermercado, essa informação será repassada para todos os envolvidos num processo de compra e venda de produtos e matérias-primas O VMI muda o dia-a-dia de trabalho dos vendedores - 'Eles deixam de ser meros tiradores de pedidos, para se tornarem agentes de negócios. Assim ganham tempo para sugerir maneiras de a empresa vender mais‘ A J&J também faz parte do portal Transora A J&J está inaugurando o portal www.jmj.com.br para relacionar-se com médicos, clientes e consumidores (CRM) Case das Teles:  Case das Teles As empresas de telecomunicações que operam no Brasil esperam ainda pela desregulamentação do mercado, prevista para 2002, quando deverão priorizar as atividades de e-commerce Tanto na telefonia fixa como na celular existem companhias que enfrentam problemas societários, de caixa e de crescimento abaixo do esperado. Entretanto, o uso da internet pelas operadoras se dá através do B2B, ainda que restrito, e também com o e-CRM, voltado para a fidelização do cliente O comércio eletrônico é realizado de três formas: integração eletrônica e direta entre clientes e fornecedores marketplaces e portais trade exchanges (bolsas de mercadoria) Case das Teles:  Case das Teles Nos Estados Unidos, os matches são feitos eletronicamen-te, sem qualquer interferência de pessoas, seguindo padrões e legislação das bolsas de valores daquele país e dos outros onde ocorrem as transações comerciais O marketplace tem outro comportamento. Existe interferência humana para executar e finalizar as operações comerciais e para gerar conteúdo e trânsito. Ao se fazer uma análise do B2B é necessário saber do que se está falando. No Brasil, a relação entre o número de fornecedores de tecnologia de telecom e o de compradores justifica o pequeníssimo volume de transações B2B, o que inviabiliza por enquanto a existência de portais, marketplaces ou bolsas Várias operadoras já têm seus sites de compra abertos para seus fornecedores, onde eles podem pegar licitações, enviar propostas, acompanhar os cronogramas de recebimento, entre outras aplicações Case das Teles:  Case das Teles Quando uma operadora compra de um fornecedor global, como Motorola ou Siemens, recebe as entregas no local em que está, São Paulo ou Austrália No Brasil, entretanto, as compras não são realizadas através de portais ou bolsas de produtos porque não existe número de fornecedores, ou de compradores, que os justifiquem Outro entrave para o B2B nas telecomunicações brasileiras é que, enquanto no exterior as operadoras normalmente compram de forma a facilitar a padronização de materiais e fornecedores, no Brasil não existe esta preocupação Para fazer a expansão de uma rede de telefonia, ou a manutenção de estações, são necessários milhares de componentes, cada um de modelo diferente Antes de mais nada, é necessária a padronização de materiais e subconjuntos para proporcionar compras mais baratas e diminuir os custos Case das Teles:  Case das Teles A Siemens AG, segunda empresa no ranking do comércio europeu, e terceira do mundo em negócios B2B, possui 13% de seu market share nesse segmento No Brasil, ela pretende operar com operadoras como a Telefônica e Telemar, com fornecedores de serviços de telefonia e com revendas de produtos Totalmente independentes para comercializar quaisquer produtos e não só os da Siemens, as revendas fazem toda a operação via web (muitas ainda estão na fase de implementar e-procurement, anterior ao B2B) Outra empresa que já oferece produtos para toda a cadeia de telecomunicações através do B2B é a Mude (www.mude.com.br) - maior distribuidor Cisco no Brasil Cerca de 10 mil itens comercializados pela Mude, 70% das vendas resultam de produtos para armazenamento de dados, firewall e wireless – o que não seria possível sem o site de e-commerce Case das Teles:  Case das Teles Uma outra empresa que detém o domínio tecnológico da cadeia de negócios de comunicação integrada, abrangendo soluções de infra-estrutra, gerenciamento e aplicações, é a integradora Prolan (www.prolan.com.br) possui um leque de ofertas que vai de redes inteligentes e de sinalização até tecnologia de true-location, billing, customer care e provisionamento de softwares para portais de gestão de conteúdo a Prolan utiliza ferramental de quatro grandes fornecedoras: Cisco, Nortel, IBM e Lucent dispõem de um site de serviço de comércio eletrônico, cujo objetivo é fazer um atendimento personalizado e estabelecer negociações one-to-one com revendas em 2000 a Prolan obteve faturamento de R$ 60 milhões, 2/3 dos quais efetuados via web através de seus grandes parceiros (Cisco, Nortel, IBM e Lucent). Case Acesita:  Case Acesita A Acesita reformulou em abril/2001 sua página na internet (www.acesita.com.br) e deu-lhe um foco mais comercial Segundo a empresa, o objetivo é transformar o site numa ferramenta voltada para clientes e investidores Com apenas um clique o usuário poderá checar as evoluções das ações da empresa no mercado financeiro, conhecer detalhes dos produtos e as condições comerciais de negócios Para clientes da siderúrgica, são oferecidas ainda informações sobre as regras comerciais, como proceder e quem procurar, de acordo com a área de interesse Além das funções de e-business, o site ganhou mais conteúdo informativo com a introdução da área Como Trabalhar com Inox, munida de dados sobre a utilização correta do material Case Acesita:  Case Acesita A Acesita também se aventura no B2B através da página (http://www.recursos.com.br) da Suprimentos Brasil, em parceria com outras 16 empresas O site coloca à disposição dos interessados produtos novos e usados, que podem ser vendidos em itens ou lotes A idéia da Acesita é alimentar a página com materiais alienados como móveis de escritórios e equipamentos. Qualquer pessoa ou empresa pode solicitar a compra dos materiais Além da Acesita, participam do consórcio empresas como a Alcoa, Aracruz Celulose, Cenibra e Votorantim Cimentos Case Montadoras:  Case Montadoras As montadoras de veículos estão pavimentando uma verdadeira auto-estrada on-line para agilizar negócios com seus parceiros A Ford lançou, em 1999, com a criação da divisão de e-business, um portal B2B que reúne mais de mil empresas, entre fornecedores e distribuidores. Hoje, o portal da fabricante é dividido em dois canais de relacionamento: com os distribuidores e com os fornecedores da produção A Volkswagen inaugurou seu portal B2B em junho de 1999. Segundo informações da empresa, o investimento em transações eletrônicas é de R$ 750 mil, mas existe uma verba aprovada de R$ 550 mil para os próximos 12 meses Case Ford:  Case Ford O portal dos distribuidores lista 395 empresas que vendem carros e caminhões. São mais de dez linhas como Fiesta, Ka, Cargo, Ranger e até a importada Mondeo (oferece um banco de dados com informações de estoque e preços, além de treinamentos técnicos on-line para o pessoal de oficina e força de vendas, com aplicação de exames de conhecimento) No portal de relacionamento com os fornecedores é possível encontrar autorizações de entrega de peças e a posição financeira de mais de 700 empresas. No final do ano passado, o site ganhou recursos de leilão de peças, com cotações de serviços e de peças de produção (uma redução de 5% a 10% nas despesas com aquisições por meio de leilões). É possível ainda cotar material não produtivo, como microcomputadores ou itens de escritório Case Volkswagen:  Case Volkswagen O portal oferece aos fornecedores cadastrados a oportunidade de realizar cotações eletrônicas e analisar informações técnicas como desenhos e normas de fabricação Estão cadastrados no site 600 fornecedores de compras produtivas e três mil de compras gerais A idéia é chegar a 800 fornecedores produtivos e 3,2 mil de negócios diversos Apesar de não revelar o volume de vendas do portal, que tem acesso somente a fornecedores cadastrados e previamente aprovados pela marca, as informações da Volkswagen são que o endereço conta agora com novos recursos como a realização de leilões eletrônicos reversos e a compra por catálogos eletrônicos Case COPENE:  Case COPENE Metade das compras de materiais de manutenção, reparo e operação (MRO) da Copene será realizada pela internet até o final do ano Depois de seis meses de estudos e testes, a central de matérias-primas do Pólo de Camaçari começa a trocar as cotações via fax pelo sistema virtual, aderindo ao e-business A companhia pretende movimentar R$ 30 milhões em transações on-line, o equivalente a 50% das despesas anuais com MRO Além de menores preços - devido ao aumento de concor-rência na base de fornecedores, que passa a abranger 1.070 empresas - a Copene espera maior rapidez com a adoção do B2B nas operações de compra A expectativa é de que os quatro dias, gastos com consul-tas telefônicas e troca de faxes para fechar os negócios, sejam reduzidos a um dia Case COPENE:  Case COPENE Segundo a Copene, nem todas as transações de compras poderão ser feitas na internet. A aquisição de sobressalentes (peças de reposição), geralmente negociada com o mesmo fornecedor, prescinde da transação eletrônica Os maiores ganhos proporcionados pelo B2B estão na aquisição dos materiais administrativos, que não precisam de tanta especialização e com grande oferta no mercado Para adquirir os produtos da área administrativa, além da cotação eletrônica a Copene pretende adotar brevemente a modalidade de leilão reverso A companhia optou pelo portal Mercado Eletrônico (www.me.com.br) para realizar as transações virtuais. A empresa investiu cerca de R$ 300 mil no desenvolvimento de softwares para se habilitar ao B2B Case Singer:  Case Singer Ao ser procurada por uma empresa de internet para desenvolver sua loja na web, a diretoria da Singer mostrou-se incrédula 'Fomos em frente com o projeto mais pelo ganho institucional', comenta o gerente de produtos PORÉM, as vendas vieram, mesmo contra qualquer expectativa da empresa com o SingerShop (singershop.com.br) Hoje a Singer vende pela internet cerca de 50 máquinas por mês. 'É um número bem significativo, se comparado com a média de 25 máquinas vendidas por nossos distribuidores.' 'O grande desafio era trazer para a web um produto tão tradicional como uma máquina de costura' Case Singer:  Case Singer A loja virtual, que levou cerca de um mês para ser construída, iniciou sua operação em fevereiro de 2001 No site, o usuário encontra a linha completa de máquinas de costura e gabinetes Uma vantagem que a loja virtual possui em relação às lojas físicas, que trabalham com um número reduzido de itens Outra novidade é a transformação do site institucional (singer.com.br) em uma fonte de informações para costura doméstica 'Para nós, o importante não é só vender o produto, mas também fazer com que o consumidor o utilize‘ A estratégia é rejuvenescer a imagem da costura e atingir um grupo de consumidores mais jovens e de poder aquisitivo mais elevado. Case Genexis:  Case Genexis 'A qualidade da informação é o diferencial. Ao contrário da abordagem de comércio eletrônico, queremos acrescentar condições de colaboração na cadeia de valor', afirma Hélcio Lima, CEO do Genexis.com 'Com a visualização da demanda em tempo real, o fabricante vê o varejo e o canal de distribuição. No B2B, normalmente só se trabalha sobre a camada da transação. Nesse caso, temos a possibilidade de reduzir estoques e planejar a produção' O Genexis opera desde 1994 na área farmacêutica e de saúde e reúne hoje 54 laboratórios e 300 distribuidores, além dos varejistas Os investimentos em 2000 foram de US$ 25 milhões, dos quais US$ 15,5 milhões foram aplicados pelo Pactual Electra, que comprou 17% do capital, e o restante veio dos lucros de 1999. Há ainda um orçamento de US$ 15 milhões para os próximos dois anos Case Genexis:  Case Genexis Houve também a incorporação de start ups que tinham blocos interessantes. 'É sempre necessário uma combinação complexa de ferramentas; nenhum fornecedor resolve tudo. Temos ainda que prever condições não contempladas pelos sistemas; às vezes é preciso instrumentalizar o jeitinho brasileiro‘ Outro valor agregado citado por Lima é a qualidade do 'conteúdo da transação'. 'Todo um esquema de fornecimento pode ser derrubado se um digitador coloca 1mil unidades em um pedido, quando deveriam ser 10 Aprendeu-se, nesses três anos, a implementar no sistema o que qualquer bom vendedor ou transportador faz: perceber variações bruscas e disparar uma verificação, por exemplo. 'Isso gera uma fidelização, não apenas motivada pela redução de custos' Setor de Agronegócios:  Setor de Agronegócios Na área de agronegócios, no início de 2001: fechamento do Campo21.com fusão do Megaagro, especializado em commodities e insumos agrícolas, e do Agro1, que movimenta 2,5 mil cabeças de gado por dia Com uma receita total de R$ 20 milhões, e projeção de R$ 400 milhões até o final de 2001, o Megaagro tem como sócios os grupos Bunge (agronegócios), Martins (atacadista) e das empresas de investimentos em tecnologia LID Group e Pescarmona (da Argentina) Na ocasião da fusão, em abril, foram investidos US$ 10 milhões, com break even (ponto de equilíbrio) previsto para julho Setor de Agronegócios:  Setor de Agronegócios Lançado em maio de 2000, o Megaagro atuou só com serviços de conteúdo até setembro Em setembro, foram ativadas as funções de e-business, com uma reformulação da estratégia. 'Vimos que a internet é mais um meio, que complementa outros canais, como o contato telefônico. O grande diferencial está nos sistemas de retaguarda, que permitem a oferta de valor para os produtores', diz o diretor de operações do Megaagro Se alguém está comprando algodão em caroço e não se consegue volume com o disparo de e-mail, usa-se o telefone. Alguns produtores cadastrados não usam a internet, mas o provedor os conhecemos e podem incluí-los no marketplace. Só o cadastro de e-mail conta com 25 mil destinatários - até hoje houve apenas dez pedidos de retirada da lista Setor Têxtil:  Setor Têxtil A redução da atividade dos grandes atacadistas do setor têxtil estreitou as relações entre tecelagens e confeccio-nistas Um passou a depender do outro para fazer chegar ao consumidor final seus produtos, por meio das redes de varejo A necessidade deste contato mais estreito, aliada ao avanço da tecnologia, tem feito surgir portais especializados em facilitar a realização de novos negócios O portal Texlinea, criado em 2000 por uma das maiores cimenteiras do mundo, a Cemex, com investimentos de US$ 3 milhões, vem aproximando as duas pontas da cadeia de produção do setor têxtil 'Atualmente, apenas 15% do mercado é composto de atacadistas. O restante é negociação entre quem fabrica os tecidos e quem vende para o varejo', afirma Gabriele Zuccarelli, um dos sócios do portal Setor Têxtil:  Setor Têxtil O Texlinea conta atualmente com 40 tecelagens cadastra-das, cerca de 50% do mercado: Do lado dos confeccionistas são mais de 2 mil clientes e uma média de 12 mil visitas por mês Os números do faturamento são obtidos com contratos de publicidade no site e através de uma taxa cobrada aos fabricantes de tecidos O Texlinea oferece soluções para auxiliar o processo produtivo da confecção, desde o desenho da coleção até a compra dos materiais Para as tecelagens, o portal apresenta ferramentas para a venda e o marketing dos produtos na internet O Texlinea também possui um serviço de consultoria on-line que auxilia o confeccionista a identificar produtos em seu catálogo têxtil, além de uma área de trabalho privativa onde é possível verificar todos os pedidos solicitados através do site, por data e fornecedor Setor Têxtil:  Setor Têxtil Para as confecções, os contatos via internet possibilitam redução de custos e melhores condições de negociação com fornecedores As transações eletrônicas mudaram a rotina de trabalho da empresa carioca Sanfio (há 35 anos no mercado) Sem muito capital para investir em viagens internacionais, as tendências da moda mundial começaram a chegar por meio da internet. 'Passamos a consultar uma infinidade de portais de moda e com alguns deles podemos até contratar consultorias especializadas‘ Com um ritmo de produção de 700 mil peças de roupa por ano, a Sanfio vale-se da tecnologia do e-business para melhorar a produção e buscar preços competitivos com os fornecedores 'Antes, ficávamos nas mãos das grandes tecelagens, que gostam de impor preços e condições, na maior parte dos casos, injustas para nós. Agora temos mais opções e negociamos com mais tranqüilidade' Setor Têxtil:  Setor Têxtil Na Remix Confecções, as transações via internet cresceram cerca de 20% no último ano e possibilitaram uma redução de 5% nos custos finais de produção das peças, de acordo com seu presidente, João Mascarenhas dos Santos 'Em um único portal é possível consultar uma infinidade de fornecedores e diversas ofertas de preço. Em 1999, tínhamos no máximo dois fornecedores para cada tipo de produto. Hoje, são mais de cinco‘ A Remix, que fabrica cerca de 800 mil peças de roupa/mês, estuda a possibilidade de criar portal próprio para vender os produtos direto às redes varejistas. PMIs de Minas:  PMIs de Minas As pequenas e médias indústrias mineiras estão mudando as suas rotinas de compras e contratação de serviços com a estréia do portal B2B Indus.com O portal encontra-se em caráter experimental na web, mas já cadastrou 260 empresas dos ramos de calçados, construção civil, moveleiro, panificação e vestuário que passaram a integrar um e-marketplace com estimativas de movimentação de R$ 2 milhões/mês O portal é voltado essencialmente para as empresas com faturamento anual entre R$ 1,2 milhão e R$ 200 milhões O projeto do Indus.com é uma iniciativa da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), que decidiu organizar o negócio para que as indústrias de menor porte também tivessem acesso às facilidades de operações on-line como cotações, levantamento de preços e compras corporativas via leilões diretos ou reversos PMIs de Minas:  PMIs de Minas A iniciativa do portal é uma tentativa de evitar que as indústrias com menor faturamento fiquem excluídas dos negócios digitais Uma pesquisa feita pelo Sebrae nacional junto a 382 mil empresários do País, no final de 2000, mostrou o seguinte: 60% decidiram aderir à informatização por considerarem fator essencial para a competitividade 24% consideraram que a internet melhora os processos de controle e 16% disseram que é uma demanda do cliente Apesar do Indus.com não estar voltado para as grandes indústrias, elas terão papel fundamental no processo de sustentação dos negócios das empresas menores poderão ser âncoras e atuar como parceiras do portal ou mesmo como compradoras PMIs de Minas:  PMIs de Minas As operações de e-Comm do portal serão feitas por meio das tecnologias da IBM, Ariba e Dynamic Trade Uma parceria foi fechada com o portal B2B Webb, especializado em leilões diretos e reversos on-line, para a montagem de toda a infra-estrutura tecnológica do Indus.com A experiência do Webb indica que as empresas poderão reduzir os custos de aquisição de matérias-primas em até 15%, além de ampliar o número de fornecedores e eliminar gastos com atravessadores Com o sistema, assim como já fazem as indústrias de grande porte, as pequenas empresas podem terceirizar completamente as suas operações de compra de materiais diretos e indiretos Terceirização da TI:  Terceirização da TI Terceirizar a infra-estrutura de tecnologia é mais rápido e pode trazer economia de 25%, em média, nos investimentos Algumas empresas recorrem ao modelo ASP (Application Service Provider), que inclui os provedores de infra-estrutura e empresas de software que operam pela internet É a evolução da terceirização de tecnologia da informação (TI), incluindo infra-estrutura, software, hardware e serviços É o caso do distribuidor farmacêutico Audifar Comercial (receita de R$ 480 milhões em 2000) que deverá lançar em breve o site 'Farmácia em casa' para a venda de medicamentos para o consumidor Risco: ainda não existe lei regulamentando a venda desse tipo de produto pela internet ou por telefone Terceirização da TI:  Terceirização da TI O projeto 'Farmácia em casa' foi implantado pela Promon IP, em três meses investimento de R$ 3 milhões o portal já tem 1,5 mil drogarias cadastradas e a meta é chegar a 20 mil até o final do ano além da infra-estrutura tecnológica, o pacote de serviços inclui o programa de CRM da Onix Ao acessar o portal, o usuário digita o código de endereçamento postal (CEP) e o sistema indica a farmácia mais próxima para que ele possa fazer o pedido 'Tivemos uma economia de 25%, em relação aos gastos que teríamos para montar nossa própria infra-estrutura', relatou o diretor da Audifar Terceirização da TI:  Terceirização da TI Apesar da euforia em 2000, o mercado de ASP ainda não decolou. Espera-se que isso venha a acontecer a partir deste ano - as empresas ainda tinham dúvidas de como poderiam cobrar pelo serviço No Brasil, as barreiras culturais associadas à cultura de terceirização e os altos custos dos serviços de telecomunicações são as principais dificuldades enfrentadas pelo modelo ASP Em 2000, a Microsoft anunciou a política de venda de seus produtos no modelo ASP e o modelo de licenciamento de software fechou parceria com 12 provedores de soluções, como Optiglobe, Unisys, Diveo e Impsat, entre outros, que fornecem a linha de produtos Microsoft via web Fazem parte do programa de licenciamento o Windows 2000, o Exchange Server, o pacote de aplicativos Office e o gerenciador de banco de dados SQL Server Terceirização da TI:  Terceirização da TI Em alguns casos, o novo modelo de venda de software pode reduzir entre 70% e 80% o investimento em tecnologia nos dois primeiros anos e o tempo de implantação da solução É o caso da brasileira ABC71, que fornece pacote de gestão empresarial e investiu US$ 500 mil para criar sua unidade ASP Para contratar a solução completa, os clientes pagam em torno de R$ 10 mil mensais e as aplicações podem ser acessadas por 15 ou 20 usuários simultaneamente. Pelo modelo tradicional, o cliente gastaria entre R$ 70 mil e R$ 80 mil Em outra frente, portais independentes como o Webb, do grupo Macal, e o Mercado Eletrônico apostam na oferta de pacotes CSP (Commerce Service Providers), específicos para atender os portais Oferecem a infra-estrutura completa para que a empresa possa fazer transações pela web Integração de dados:  Integração de dados O grande desafio para o desenvolvimento do e-Comm no Brasil ainda é a integração entre back-office e front-office, ou seja, entre os sistemas organizados internamente pelas empresas para colocar seus produtos no mercado e a linha de frente que tem contato direto com os clientes Segundo a Avaya Communications , o e-Comm no Brasil está entre os 'estágios 2 e 3', ou seja, entre o que está decolando e ganhando velocidade O estágio 2 engloba a fase das primeiras transações on-line e as compras de varejo pela internet O três é o das empresas que vão em busca da fidelização de clientes por meio de sistemas como CRM e marketing direto - o ambiente de competição mais refinada A Avaya tem entre seus clientes grandes empresas do setor de telecomunicações, como a MCI/Embratel, bancos (Itaú e Unibanco), provedores de serviços e contact centers (evolução dos call centers que incluem serviços de internet) Fornecedores de tecnologia:  Fornecedores de tecnologia Os negócios entre empresas pela internet serão uma das principais prioridades este ano para fornecedores de tecnologia e infra-estrutura em e-Comm Empresas como Commerce One, Sun Microsystems, Oracle, Microsoft Brasil e Cisco Systems não medem esforços para abocanhar uma fatia de um mercado que desponta como um dos mais promissores do setor Segundo o instituto norte-americano de pesquisas Yankee Group, o B2B poderá movimentar até o final do ano cerca de US$ 5 bilhões somente no Brasil A norte-americana Commerce One desembarcou no Brasil há menos de seis meses com metas ambiciosas pretende investir até dezembro R$ 4 milhões para consolidar sua estratégia inicial: conquistar de 60% a 70% da demanda de serviços de marketplaces brasileiros Fornecedores de tecnologia:  Fornecedores de tecnologia A Commerce One participa da construção de mais de 140 portais No Brasil, quatro grandes projetos que utilizam a tecnologia da empresa foram anunciados Um deles é o Covisint, bancado por companhias do setor automobilístico como GM, Ford e Daimler Chrysler O outro é o Quadrem, portal B2B que serve às indústrias de mineração e metalurgia Os demais são projetos para comercialização de materiais indiretos - como artigos de escritório e produtos de limpeza - do Citibank e dos sócios Unibanco e Portugal Telecom no portal Tradecom A Oracle do Brasil possui 50 pessoas treinadas para auxiliar as empresas Em 2000, lançou um aplicativo - Exchange Marketplace - que permite a realização de negócios em qualquer moeda, idioma e em tempo real Para divulgar seus aplicativos para B2B, a Oracle vai investir R$ 24 milhões em marketing este ano no Brasil Fornecedores de tecnologia:  Fornecedores de tecnologia No Brasil, a Oracle implementou dois projetos: um para a Belgo-Mineira outro para o Interáguas, que se prepara para operar on-line com a privatização do setor de saneamento A Sun Microsystems também aposta no potencial do B2B no Brasil Para isso, a empresa investiu US$ 5 milhões na unidade de São Paulo. O capital foi aplicado em compra de equipamentos e treinamento de funcionários para tocar projetos de comércio na web. Um deles é o portal da Asmae, que oferece suporte à negociação virtual de excedentes de energia de empresas A Sun foi também responsável pela infra-estrutura de servidores para o projeto do sistema de compras on-line do Amélia.com - do Pão de Açúcar. Logística:  Logística Em razão da importância dessa atividade, começaram a surgir no Brasil, a partir de 2000, vários portais de logística Alguns se retiraram do ciberespaço, porque não obtiveram o movimento de negócios esperado Segundo especialistas em logística na web, um dos fatores que colaboraram para a retirada de alguns portais foi a falta de hábito dos empresários em contratar fretes pela rede mundial – “a maioria prefere usar o telefone para fechar negócios” Os mais conhecidos e visitados pelas corporações da área são o Webtrans, Maxlog, Varilog e Sologistica Nos bastidores desses sites estão o Grupo Martins, ALL, GP Investimentos, Multicargas e a Varig Alguns sites são institucionais e mostram só os produtos de fornecedores de softwares, fabricantes de empilhadeiras e outros Uma aplicação de logística que deverá ganhar força na internet é o rastreamento de cargas Logística:  Logística Hoje, os recursos oferecidos por estes portais para a comunidade de logística - transportadoras, operadores, embarcadores e consumidores - são praticamente os mesmos oferecem desde notícias atualizadas sobre o setor até serviços e transações comerciais uma ferramenta muito usada é a Bolsa de Fretes -permite que o usuário faça consulta de preços com as transportadoras que estão no portal e até contrate o frete Criado em fevereiro de 2000, o Webtrans - uma joint venture entre a Eccom, empresa de e-comm, e a Multicargas, empresa que reúne 120 empresas de transporte - registra atualmente na sua bolsa de fretes cerca de 50 cotações por semana. Dessas, 10% acabam virando negócios As cotações on-line são a ferramenta mais usada pelos freqüentadores desses portais E-Comm vs. Normas legais:  E-Comm vs. Normas legais ... a análise de riscos legais, além de uma necessidade para uma boa gestão de um comércio eletrônico, torna-se um grande diferencial, minimizando o risco relativo a indesejáveis ações judiciais adversas, contingências ou custos não esperados e o pior: a exposição negativa de imagem junto a um mercado consumidor extremamente exigente. (ver texto editado sobre o tema)

Add a comment

Related presentations

Related pages

Casos de Estudo - Infosistema

Casos de Estudo - A Infosistema, tem vindo a desenvolver projectos à medida dos nossos clientes nacionais e internacionais nos setores da Banca, Seguros ...
Read more

Caso de estudo – Wikipédia, a enciclopédia livre

Caso de estudo ou estudo de caso são expressões sinônimas que designam um método da abordagem de investigação em ciências sociais simples ou aplicadas.
Read more

Fatos: Estudos de casos

Pesquisar estudos de casos. Para consultar os estudos de casos sobre outros tópicos, visite o Localizador de Estudos de Casos da Microsoft, onde você ...
Read more

Estudos de Caso - PMI no Brasil - a Maior Associação ...

Estudos de Caso em Gerenciamento de Projetos. O PMI oferece vários estudos de caso para exemplificar o uso efetivo das metodologias de gerenciamento de ...
Read more

Planejamento de estudo de caso-1 - YouTube

HCPA - Estudos Clínicos - 100° Estudo Clínico do Processo e Diagnóstico de Enfermagem - Duration: 1:27:15. Hospital de Clínicas de Porto ...
Read more

Estudos De Casos | LinkedIn

View 3822 Estudos De Casos posts, presentations, experts, and more. Get the professional knowledge you need on LinkedIn.
Read more

Estudos de caso e sucesso do cliente - Amazon Web Services ...

Da Airbnb à Zillow, veja estudos de caso, vídeos e outros materiais para conhecer casos de sucesso de clientes que usam a AWS. A AWS fornece serviços de ...
Read more

Planejamento de estudo de caso-2 - YouTube

Planejamento de estudo de caso-2 ... Estudo de Caso A CASA DO PÃO DE QUEIJO - Duration: 13:31. Daniel Freires Oliveira 3,877 views. 13:31
Read more

Estudos de casos (global) - Camfil - Bem vindo a Camfil ...

Estudos de casos (global) Startpage / Estudos de casos (global) Estudos de casos (global) Aeroportos . root. Home. CamSorb-TCO-Airport-North_American ...
Read more

USOS E ABUSOS DOS ESTUDOS DE CASO - SciELO - Scientific ...

Cadernos de Pesquisa, v. 36, n. 129, set./dez. 2006 637 Usos e abusos... USOS E ABUSOS DOS ESTUDOS DE CASO ALDA JUDITH ALVES-MAZZOTTI Programa de Pós ...
Read more