Crises e revoluçoes portugal século xiv 5º

63 %
38 %
Information about Crises e revoluçoes portugal século xiv 5º

Published on March 10, 2014

Author: e-for-all

Source: slideshare.net

História 5º ano – Crises e revoluções Portugal século XIV 1. Portugal no século XIV – tempo de crise A situação que se viveu em Portugal no século XIV foi de uma situação de crise, e foram vários os fatores que contribuíram para isso:  Crise agrária – os Invernos muito frios e chuvosos que destruíam as colheitas, aliados a um esgotamento de terras agrícolas, devido a uma exploração prolongada, provocaram maus anos agrícolas. A produção agrícola começou a ser insuficiente para alimentar uma população em crescimento. Com esta situação, a fome instala-se na Europa. As crises cerealíferas provocaram falta de alimentos e subida dos preços, dando origem a uma crise económica. Muitos morreram de fome ou ficaram doentes (diminuição da população).  Epidemias – estas estavam associadas a más condições de higiene (exemplo: Peste Negra, que entrou Portugal em 1348 e alastrou-se facilmente a todo o país).  Guerras com Castela (entre 1369 e 1381) – Mais tarde com a morte de D. Fernando instala-se uma crise política (que será posteriormente abordada). 2. A morte de D. Fernando e o problema da sucessão De acordo com o Tratado de Salvaterra de Magos, assinado entre D. Fernando e o rei de Castela (1383), estabelecia-se uma nova paz entre os dois reinos consignada pelo casamento de D. Beatriz (filha de D. Fernando) com D. João I de Castela. Após a morte de D. Fernando, a Regência do trono seria entregue a D. Leonor Teles (mulher de D. Fernando) até que D. Beatriz fosse mãe. A esse filho ou filha seria, na idade devida, entregue o governo do reino de Portugal Mas o rei D. Fernando morre em 1383, sem que D. Beatriz tivesse um filho que herdasse o reino de Portugal, e isso punha em causa a independência de Portugal porque no caso de D. Beatriz não ter um filho seria o rei de Castela a assumir a coroa portuguesa. D. Leonor Teles fica como regente do reino e aclama D. Beatriz como rainha de Portugal. Esta nova situação política foi mal aceite pelo povo, baixa nobreza e burguesia, uma vez que D. Leonor Teles favorecia os interesses de Castela, o que punha em causa a independência do reino além disso tinha um caso amoroso com um nobre galego, chamado de Conde Andeiro, que não era do agrado da população portuguesa. Esperança Marques 1

História 5º ano – Crises e revoluções Portugal século XIV Assim, alguns nobres e burgueses decidem preparar uma conspiração, uma vez que era urgente encontrar alguém candidato à regência do reino, alguém que unisse a população e garantisse a independência do reino. A escolha recaiu em D. João Mestre da Ordem Militar de Avis, filho bastardo de D. Pedro I e meio-irmão de D. Fernando, portanto um legítimo pretendente ao trono (Figura 1). Figura 1 – Morte de D. Fernando e problema da sucessão ao trono. De imediato se forma uma revolta popular, que rapidamente se alastra a todo o país. Decidem matar o Conde Andeiro, que consideravam responsável por toda a situação politica que se vivia. Formam-se então 2 grupos que entram em confronto, de um lado os que apoiavam D. Beatriz – alta nobreza e clero, do outro os que apoiavam D. João Mestre de Avis – baixa nobreza, parte do clero, burguesia e povo. Com dona Leonor em fuga para Castela, era preciso organizar a defesa face à previsível resposta de D. João de Castela na defesa dos seus próprios interesses e dos de sua mulher, D. Beatriz. Aclamam D. João Mestre de Avis como Regedor e Defensor do Reino. Este nomeia D. Nuno Álvares Pereira como Condestável do Reino (Chefe Militar). 3. Resistência à invasão castelhana A resposta do rei de Castela foi rápida. Invadiu Portugal pelo Alentejo, em 1384, e Esperança Marques 2

História 5º ano – Crises e revoluções Portugal século XIV cercou Lisboa durante 4 meses (Maio a Agosto), só desistindo quando a Peste se instalou entre as suas tropas e recebeu a mensagem de que D. Beatriz estava gravemente doente. Entretanto, no mesmo ano, D. Nuno Álvares Pereira tinha vencido o exército castelhano na Batalha dos Atoleiros (6 de Abril). O rei de Castela resolve invadir novamente Portugal, desta vez com um exército muito mais numeroso. Os Portugueses, em muito menor número e auxiliados por arqueiros ingleses, comandados por D. Nuno Álvares Pereira, e utilizando processos militares inovadores – táctica do quadrado, vencem os Castelhanos na Batalha de Aljubarrota (6 de Agosto de 1385). Como agradecimento por esta vitória, D. João I mandou construir no local onde ocorreu a batalha o Mosteiro da Batalha. Derrotados os Castelhanos, era altura de escolher um rei. Convocam as Cortes em Coimbra, e aclamam D. João Mestre de Avis como D. João I de Portugal, iniciando-se assim uma nova dinastia – a Dinastia de Avis. 4. Consolidação da Independência Era também altura de consolidar a Independência adquirida:  Retirou privilégios e terras aos nobres e clérigos que tinham apoiado D. Beatriz.  Deu terras e privilégios a quem o tinha auxiliado, sendo os burgueses quem mais beneficiou com estas medidas. Permitiu também que elementos da burguesia tivessem cargos importantes no Conselho do Rei e nas Cortes.  Fez um tratado com Inglaterra – o Tratado de Windsor (1386), a partir do qual sempre que um dos 2 países entrasse num confronto militar iriam auxiliar-se mutuamente. Este tratado foi reforçado pelo casamento entre D. João I e D. Filipa de Lencastre, em 1387;  Tratado de paz com Castela (1411). Esperança Marques 3

História 5º ano – Crises e revoluções Portugal século XIV Resumindo - Portugal no século XIV – tempo de crise Crise Século XIV Crise Económica Maus anos agrícolas Fomes e doenças Crise Política Guerras com Castela Morte de D. Fernando provocou uma crise de sucessão Referências Bibliográficas  http://www.slideshare.net/lidia76/crise-sculo-xiv  http://www.slideshare.net/tubucci/crise-do-sculo-xiv  http://www.slideshare.net/helder33701/a-crise-de-1383-1385-1-1639120  http://www.slideshare.net/marcostiago/2-portugal-a-revoluo-de-1383  http://www.slideshare.net/Albino217/crises-e-revolues-no-sculo-14a Esperança Marques 4

Add a comment

Related presentations

Related pages

1. Portugal no século XIV tempo de crise esgotamento de ...

História 5º ano – Crises e revoluções Portugal século XIV Esperança Marques 4 Resumindo - Portugal no século XIV – tempo de crise Referências ...
Read more

Crises e revoluçoes portugal século xiv 5º - Documents

Crises e revoluçoes portugal século xiv 5º. by education-for-all. on Dec 26, 2014. Report Category: Documents
Read more

História e Geografia 6. ano - ensinobasico.com

Matemática 5º ano; ... crises e revoluçoes Portugal século XIV.pdf: Crises e revoluções do século XIV: Esperança Marques: 238 kB:
Read more

1º Crises do Século XIV - Documents - docslide.com.br

1. Século XIV: Um Século de Dificuldades. 2. O século XIV foi um século de dificuldades em que as populações europeias sofreram os efeitos dafome, da ...
Read more

História do Brasil século 20 - uje.com.br

Linha do tempo da história do Brasil, século 20 : Conteúdo de Informação e Pesquisa História do Brasil Século XX: Cedido pelo: Séculos XV e XVI ...
Read more

Resumos.net | História

Portugal: Da 1.ª República ... Crises e revolução no séc. XIV ... Crise do século XVI no império português Crise da sucessão. Resumo | Autor: ...
Read more

A Revolução Industrial dos séculos XIX e XX - Consciência

Ao findar o século diligências especiais, ... Daí resultam a superprodução, as crises periódicas e o desemprego. Como solução, ...
Read more

7.2 - Revoluções e Estados Liberais Conservadores - Fazer ...

4.Crises-Séc.XIV 5.Expansão e Mudança-Séc. XV,XVII. 6.Contexto ... 5º Quais as conquistas da revolução francesa (pag. 167)
Read more

História === História === História ==== História - Centro ...

5º Ano. 6º Ano. 3º CICLO. 7º Ano. ... => Crises e revolução séc. XIV / Expansão sécs. ... => Instabilidade Política em Portugal ...
Read more