Congresso Faro 2006 GlicéRia Gil

50 %
50 %
Information about Congresso Faro 2006 GlicéRia Gil

Published on April 13, 2008

Author: cerita

Source: slideshare.net

PROMOÇÃO DA SAÚDE E RESILIÊNCIA NA ESCOLA Glicéria Gil¹, José Alves Diniz² ¹gliceria@iol.pt, Jardim de Infância nº 4 de Portimão ²jadiniz@fmh.utl.pt, Faculdade de Motricidade Humana INTRODUÇÃO Nos últimos tempos, a promoção da saúde e resiliência nas escolas tem merecido por parte dos investigadores uma atenção especial (Benard, 1993; Henderson, N., Milstein, M.1996 ; Masten & Sesma, 1999; Waxman, Gray & Pádron, 2002). Na maior parte dos estudos existe uma preocupação acentuada com o insucesso educativo de muitas crianças e jovens e, particularmente, com o modo como o insucesso poderá estar associado a dificuldades de aprendizagem e problemas de comportamento (Dias, 2001). Uma das apostas dos sistemas educativos é a implementação nas escolas, de programas que ajudem a minimizar e/ou ultrapassar as dificuldades que as crianças e jovens apresentam. Em Portugal, desde a década de 90, que as escolas beneficiam de programas de Educação para a Saúde (EpS), programas esses que visam a implementação nos seus currículos de projectos vocacionados para a promoção da saúde e a prevenção da doença. No ensino em geral, e na educação pré-escolar em particular, verifica-se a tendência para uma abordagem holística da promoção da saúde, que passa pela potenciação de factores protectores e a minimização de factores de risco, factores estes que contribuem significativamente para o desenvolvimento saudável e resiliente das crianças, em especial as crianças em risco (Henderson & Milstein, 1996). OBJECTIVO Este estudo inseriu-se no âmbito de um projecto de investigação mais alargado realizado em 2002-03 (mestrado em Saúde Escolar) que visou analisar as percepções e intervenções dos educadores de infância na área da promoção da saúde e resiliência. São apresentados alguns dados relativos à percepção dos educadores acerca do conceito de EpS e resiliência na vertente da potenciação de mecanismos de protecção e minimização de mecanismos de risco. MÉTODO PARTICIPANTES  274 educadores da região do Algarve e Alentejo  34% dos educadores trabalham em Jardins de Infância integrados na RNEPS ¹ .  66% dos inquiridos referem que a EpS ² está integrada no PE ³ de escola.  71% dos educadores integram nas suas salas crianças em situação de risco educativo. INSTRUMENTO  Questionário EIPSR - Escala de Identificação da Promoção da Saúde e Resiliência  Fiabilidade α de Cronbach .72  O questionário é constituído por 4 partes (formação em EpS; contexto de exercício profissional; intervenção em EpS; percepção da EpS e resiliência). ANÁLISE DE DADOS  Análise descritiva;  Análise de conteúdo das questões abertas;  Análise de classificação ( Cluster Analysis ) ;  Análise de correspondências múltiplas ¹ .Rede Nacional de Escolas Promotoras de Saúde ² Educação para a Saúde ³ Projecto Educativo de Escola Flying Paula Rego RESULTADOS Gráfico 1: Percepção do Conceito de EpS e Resiliência A percepção de EpS e resiliência dos educadores de infância situa-se entre um nível de neutralidade e concordância com os mecanismos de protecção e risco, ou seja, 58% dos inquiridos acreditam que na vida das crianças determinados mecanismos podem funcionar como protecção ou risco, enquanto 37% dos educadores demonstram alguma neutralidade, o que pressupõe uma atitude ainda não definida, quer a favor quer contra esses mecanismos. Gráfico 2 : Percepção dos mecanismos de protecção Verifica-se uma tendência por parte dos inquiridos para considerar esta sub-dimensão do conceito de promoção de saúde e resiliência como favorável, ou seja, 96% dos inquiridos concordam que determinados mecanismos protegem o desenvolvimento das crianças em situação de risco. Gráfico 3 : Percepção dos mecanismos de risco 67% dos inquiridos tem uma percepção concordante com os mecanismos de risco. Contudo, 23% dos educadores situam-se numa encruzilhada no que respeita às suas certezas e incertezas face aos processos que põem em risco o desenvolvimento das crianças que se encontram em situação de vulnerabilidade, ou seja, a sua posição não se encontra definida, nem é clara sobre estes aspectos. CONCLUSÕES A vida das crianças é composta de múltiplos riscos. Os mecanismos subjacentes a esses riscos tem como função proteger ou acentuar a situação de risco em que a criança vive. Os educadores de infância inquiridos têm uma percepção favorável no que respeita à activação dos mecanismos de protecção. Porém, no que respeita aos mecanismos de risco verifica-se uma tendência para a concordância versus neutralidade. Neste sentido urge desencadear acções clarificadoras sobre a importância da minimização de mecanismos de risco e potenciação de mecanismos protectores para o desenvolvimento da resiliência e consequente sucesso educativo das crianças. Estes resultados podem ser úteis para os profissionais desta área, assim como para os responsáveis pela formação inicial e contínua dos educadores de infância. REFERÊNCIAS Benard, B. (1993). Fostering resilience in kids. Educational Leadership , 51, p.44-48. Dias, N. (2001). Observatório dos apoios educativos. Ministério da Educação. Henderson, N., Milstein, M. (1996). Resiliency in Schools - Making it happen for Students and Educators . California: Corwin Press, Inc. Masten, A. S., Sesma, A. (1999). Risk and Resilience among children homeless in Minneapolis. Cura Reporter , volume XXIX, nº 1.p.1-6. Waxman, H. C., Gray, J. P., Padrón, Y. (2002). Resiliency Among Students At Risk of Academic Failure. Yearbook of the National Society for the Study of Education ,101,vol.2, p.29-48.

Add a comment

Related presentations

Related pages

cerita 7 uploads | Scribd - Scribd - Read Unlimited Books

cerita (cerita) has uploaded 7 documents on Scribd. Upload Sign in Join. Books Audiobooks Comics Sheet Music. ... Congresso Faro 2006 Glicéria Gil. cerita.
Read more

presentations - gliceriagil2

GLICÉRIA FÁTIMA BAPTISTA GIL PERSONAL DATA EDUCATION ... Gil, G. (2010, Janeiro ... Comunicação apresentada no II Congresso Nacional de Educação para ...
Read more

6º Congresso Regional Algarve SPEM Faro, 17 Janeiro 2015 ...

6º Congresso Regional Algarve SPEM Faro, 17 Janeiro 2015 - Cartaz. by spem-sociedade-portuguesa-de-esclerose-multipla. on Aug 20, 2015. Report
Read more

6º Congresso Regional Algarve SPEM Faro, 17 Janeiro 2015 ...

6º Congresso Regional Algarve SPEM Faro, 17 Janeiro 2015 - Programa; System is processing data Please download to view 1
Read more

T - max 2006: installazione kit xenon e led di posizioni e ...

T max black max 2006 limited edition bellissimo - Duration: 1:10. ... GIL RED MOTORS T-MAX 500 2001 - Duration: 1:43. gilop2 17,576 views.
Read more

I Congresso FLC Cgil

Nel mese di febbraio 2006 la CGIL celebrerà il suo XV Congresso.
Read more

Die wilden Hühner (2006) - IMDb

Enhance your IMDb Page. ... The new girl in School, ... See full summary » ... (2006) 5.8 /10.
Read more