Conformados, não! Transformados, sim.

50 %
50 %
Information about Conformados, não! Transformados, sim.

Published on September 22, 2016

Author: wellingtondetrindade

Source: slideshare.net

1. Vivemos hoje o grande desafio de sermos cristãos autênticos. Na turma da escola, da faculdade, do trabalho, da rua e, sobretudo, em casa, somos desafiados a sempre estar prontos a responder para qualquer pessoa que pedir que expliquem a fé que temos (1Pe 3.15). Às vezes, e muitas vezes, essa explicação tem de ser dada com a própria vida. Os que estão à nossa volta querem saber e ver se nós levamos a vida ou se é a vida que nos leva. Quem é cristão, tem que sê-lo 24 horas por dia! Mas como fazer isso se somos "convidados" a não sê-lo "25 horas"? Como ser cristão de fato se o que está na moda é ser cristão de qualquer jeito. Alguns dizem: “Deus é amor e ele está preocupado com o meu coração e não com minhas roupas, nem com aquilo que faço ou sou”. Outros dizem: “Deus me aceita do jeito que eu sou e não vai me condenar por eu ser sincero”. Nessas duas afirmações acima, percebe- se nitidamente que o foco não está em Deus e sim no “EU”. As pessoas prestam o culto de qualquer jeito, não respeitando o próximo e nem a Deus. Assim surgem igrejas dos mais diversos “sabores”, para todos os gostos, no entanto não há mudança na sociedade. Será que tem que ser assim mesmo? As pessoas querem viver o um cristianismo “mundano”, centrado nos desejos e justificativas humanas. A Bíblia nos mostra alguns caminhos seguros e importantes nas relações com o sistema mundano. Caminhos que, se percorridos, nos ajudarão a ser agentes de transformação e instrumentos nas mãos de Deus para reconciliar muitos que nos cercam com Ele. Vamos refletir sobre o texto de Romanos 12.1,2: "Rogo-vos, pois irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus". As quatro expressões em negrito formarão a base de nossa argumentação. Docapítulo1ao11,Paulo, oescritordacarta à igreja de Roma, basicamente expõe um tratado teológico e doutrinário sobre a justificação pela fé, a manifestação da graça em Cristo Jesus, a soberania de Deus. Finaliza o capítulo 11 exaltando a sabedoria e a soberania de Deus. A partir do capítulo 12 começa a "ortopraxia" da fé, ou seja, mostra-nos a fé na prática da vida. Apresentar o corpo é uma excelente maneira de demonstrar que quem é cristão deve sê- lo todo dia e o dia todo. O evangelho é uma pro- posta de vida que deve ser levada a sério. Aliás, cristianismo não é uma instituição, ou um conjunto de normas e procedimentos que têm de ser cumpridos. Cristianismo é vida diária. Apresentar o corpo é um ato da vontade. O conceito apresen- tar, no texto de Romanos 12, significa separar algo para algum propósito particular. Paulo faz lembrar que da mesma forma que os sacrifícios do Antigo Testamento eram preparados e dedicados à adoração a Deus, assim também devem ser os corpos dos redimidos por Cristo. A dedicação a Cristo deve ser total, alma e corpo. A vida cristã autêntica passa pelo culto. Não somente aquele culto público do domingo. Nossa compreensão de culto não pode limitar-se ex- clusivamente em um dia da semana. Infelizmente, muito se vê no cristianismo atual uma prática de culto fundamentada ainda no modelo judaico, do "encontro" com o Senhor no tabernáculo, e posteriormente no templo. No diálogo com a mulher samaritana (Jo 4.1-12), Jesus propõe uma nova e necessária interpretação de culto a Deus. A mulher afirmara que a adoração, o prestar culto a Deus, teria validade se acontecesse naquele monte, à beira do poço, onde estavam conversando, enquan- to que para os judeus, no templo em Jerusalém. Jesus, porém, desafiou todo aprendizado que ela recebera sobre o culto, dizendo que o novo ensinamento já chegou. Não é o lugar que será mais importante agora e, sim, a qualidade do culto presta- do pelo indivíduo (em espírito e em verdade). Não são os aspectos externos os mais importantes, mas as motivações interiores (Jo 4.23). O culto que prestamos aqui ou em qualquer outro lugar, só tem valor se nossa vida for um culto a Deus. As expres- sões da vida cotidiana precisam ser reflexos da intimidade com Deus. A apresentação do corpo na maneira de falar, de agir, de pensar está intimamente ligado ao culto na vida. Outro caminho interessante e eficaz de ter vida cristã autêntica é apresentado no início do versículo 2 de Romanos 12: "E não vos conformeis a este mundo..." Observemos o verbo conformar. © 2016 – Trindade, W. N. 1 CONFORMADOS, NÃO! TRANSFORMADOS, SIM!

2. Ele traz a noção de tomar a forma de algo a partir da influência recebida. Seria deixar-se moldar por uma forma externa. Por maior que seja a pressão do mundo, o cristão não deve se moldar a ele. Atitude do crente autêntico é de constante inconformismo com as formas que o mundo quer lhe dar. Havia alguns dentre os cristãos romanos adorando o que a maioria das pessoas adotava como estilo de vida. Hoje seria o vulgarmente chamado "maria-vai-com- as-outras". Nossa postura cristã é deformar as formas, não entrar no esquema, não sermos "crente- cama-leão". Na zoologia, um camaleão é um lagarto originário da África coberto por uma pele cujas rugosidades mudam de cores. No sentido figurado, camaleão é o indivíduo inconstante, que muda facilmente de opinião. Em vez do conformismo, diz Paulo, "não vos conformeis... transformai-vos". É contraditório seguir a Cristo e viver conformado com o sistema do mundo. A corrupção, o baixo valor dado aos princípios da moral, a de- gradação da ética familiar e a desconstrução da necessidade de relacionamento com Cristo têm levado muitos cristãos a não serem o sal e a luz que foram chamados a serem. Digamos não a esta forma de vida destituída de compromisso com Cristo. Todo crente sincero tem como objetivo de vida fazer a vontade de seu Senhor e viver dentro dela. Para tanto, é necessário transformação. O vocábulo grego empregado neste contexto (metamorfusthe = transformai-vos ou sede transformados), não se limita a uma transformação meramente externa. Tem a ver com metamorfose. É a mesma palavra registrada em Mateus 17.2 (metamorfóthe), quando Jesus teve seu semblante transfigurado, transformado diante de alguns discípulos. Então essa recomendação bíblica de transformação visa à natureza essencial do crente em Jesus e não apenas sua natureza externa. O apóstolo Paulo, inspirado por Deus, também fala sobre esta transformação ao escrever aos Coríntios (2Co 3.18) onde lemos que "...com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados (metamorfumetha), de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito". Essa transformação é segundo os moldes da pessoa de Cristo Jesus, uma experiência para todos pelo poder do Espírito Santo que vive em nós. A partir do deixar-se transformar no modo de pensar, de agir, somos capacitados a demolir os moldes do mundo, do sistema pecaminoso que noite e dia exercem pressãosobrenós. Na escola, na faculdade, na rua, em casa ou no trabalho, Cristo nos convida a sermos parecidos com ele, a pensarmos como Ele, a agir- moscomoEle. Então, venceremoso mundocomseu sistemapecaminoso porqueelevenceu(Jo16.33). Certamente, há muitas outras lições práticas que podem ser compreendidas no texto bíblico utilizado. Mas, se atentarmos diligentemente a estas aqui apresentadas, não há dúvida que nossa vida cristã se mostrará com mais força e influência na vida de outros. Porque estas propostas de cristianismo autêntico não são fundamentadas em experiências in- dividuais, mas, na Palavra de Deus, queécapazdeir fundo em nosso ser e provocar mudanças maravilhosas em nós (Hb.4.12). Referência Bibliográfica: 1. Revista Atitude. 3Trim. Rio de Janeiro: JUERP, 2003 © 2016 – Trindade, W. N. 2

Add a comment