Clipping cnc 20022014 versão de impressão

60 %
40 %
Information about Clipping cnc 20022014 versão de impressão
News & Politics

Published on February 20, 2014

Author: pauloandreck

Source: slideshare.net

CLIPPING – 20/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br Pesquisadores do IEA avaliam os efeitos da falta de chuva sobre as lavouras paulistas IEA - Assessora de Imprensa 20/02/2014 Nara Guimarães Atentos às pressões que a estiagem prolongada exerce sobre a agricultura, pesquisadores do Instituto de Economia Agrícola (IEAApta) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo apresentam uma avaliação sobre possíveis danos para as principais culturas do Estado. Desde o final de 2013, o clima no centro-sul do Brasil tem se caracterizado pela escassez de chuvas, baixa umidade relativa do ar e alta incidência de luminosidade. Combinados, esses fatores provocaram diversos efeitos sobre a agropecuária conduzida em território paulista, afirmam Carlos Bueno, Celso Vegro, Denise Caser, José Roberto da Silva, Katia Nachiluk, Marisa Zeferino Barbosa, Renata Martins, Rejane Cecília Ramos e Rosana Pithan, pesquisadores do IEA. Conforme entidades de monitoramento de dados meteorológicos, em janeiro o volume de chuvas em território paulista ficou bem abaixo dos 200 mm a 250 mm historicamente registrados. Na lavoura de cana de açúcar, principal cultivo paulista, os efeitos climáticos desfavoráveis poderão afetar sua produção no estado, pois o período de calor sem chuvas é inapropriado ao desenvolvimento da planta. Com a escassez de precipitações, associada às altas temperaturas, a cana poderá não atingir seu potencial, repercutindo em queda na produção. Na citricultura, importante cultivo na classificação do valor da produção do estado, a temperatura é fator crítico no desenvolvimento dos pomares. Antes da anomalia climática, previa-se que a produção de laranja em São Paulo na temporada 2014/15 poderia crescer até 20%. Todavia, o potencial de expansão da safra, diante da escassez de chuva, poderá se reduzir consideravelmente. Para a cafeicultura, quinto item no valor da produção paulista, o levantamento da safra 2014/15, divulgado em dezembro de 2013, previa colheita de 4.441.520 sc., representando avanço de 10,76% frente à safra anterior. A irregularidade das precipitações, associada à baixa umidade relativa do ar e às elevadas temperaturas registradas, nos principais cinturões de cultivo da rubiácea, indica a diminuição na quantidade colhida da ordem de 10% a 20% nas lavouras mais antigas e de 15% a 20% naquelas de primeira safra e segunda safra. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck

Nas áreas de cerrados, os frutos da parte superior da planta (ponteiro) já entraram em processo de maturação. Como os talhões ainda não foram preparados para a colheita, esses frutos provavelmente virão ao chão e se perderão quando se iniciar a colheita (a partir de maio). Se confirmada essa ocorrência o potencial de perda saltará para a parte superior do limite estabelecido (20%). A produção paulista de milho em 2014 foi estimada em 3,2 milhões de toneladas, enquanto para a soja a perspectiva era de crescimento da produção, alcançando 2,13 milhões de toneladas. Para ambas as culturas, os efeitos da ausência de chuvas regulares concorrem para criar expectativa de redução nas respectivas produções. Os efeitos trazidos pela estiagem nas lavouras devem acirrar a redução na oferta paulista de milho, haja vista a diminuição de 7,5% na produção prevista no 2º Levantamento de Previsão de Safras do IEA/CATI de novembro último. Para a sojicultura, os fatores climáticos devem frustrar a expansão de seu cultivo que tem apresentado mercados com demanda crescente (brasileira e mundial). Nas lavouras de amendoim, a seca pode comprometer a formação das vagens, o desenvolvimento dos grãos e a ocorrência de fissuras na casca que favorecem a contaminação do grão por fungos que causam a aflatoxina. Nessas condições, fica evidenciada a possibilidade de redução da produtividade e do comprometimento da qualidade do grão, resultando na retração da oferta e queda dos preços devido à baixa qualidade. Na principal região produtora de mandioca industrial, Médio Vale do Paranapanema, a estiagem que se prolonga por mais de dois meses dificultou seu arranquio, exigindo maior dependência de máquinas nessa operação. Porém, praticamente não há mais mandioca da safra velha em campo. Quanto à mandioca nova (com até um ano de plantio), deverá ser arrancada a partir de março quando começa a melhorar seu rendimento industrial (aumento da concentração de amido). As hortaliças são grupos de culturas agrícolas que mais precisam de irrigação. No entorno da capital (200 km) está a maior parte da produção de folhosas e legumes. Nas regiões das encostas das serras do Mar e da Mantiqueira já está previsto o racionamento de água nas cidades. Os municípios do Alto Tietê e aqueles da Serra do Paranapiacaba (Ibiúna, Piedade até Capão Bonito), em razão do racionamento implantado, já não possuem água suficiente para irrigação. Devido aos altos preços praticados para o tomate de mesa ao início de 2013, houve forte aumento da área cultivada. Todavia, com o excessivo calor a maturação dos frutos foi acelerada, havendo perdas no campo e preços baixíssimos, devido à perda de qualidade. Entre fevereiro e março se realiza a semeadura do tomate para indústria. Portanto, esse cultivo não foi ainda afetado pela estiagem. Do mesmo modo, a semeadura da batata colhida na seca iniciou-se em janeiro e deverá se encerrar em fevereiro. Com a estiagem esse calendário deverá ser atrasado. Finalmente, a cebola, cujos bulbinhos e semeadura direta começariam em fevereiro, tende a ser adiados até que o clima retorne a sua normalidade. Alguns produtores de leite já apontam problemas com sua produção, pois grande parte dos pastos está seco. Os meses do verão constituem o período do ano em que a pecuária leiteira deveria ter à disposição pastagens de boa qualidade, graças ao volume de precipitações, característico da época. Essa condição garantiria a produção de volumosos necessários para resultar em maior de produção de leite. Todavia, sob efeito da estiagem, os pastos encontram-se muito fibrosos, tendo Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck

seu valor nutricional comprometido e insuficiente na alimentação do animal. Isso afeta a produtividade do leite principalmente se a alimentação não for suplementada. A pecuária leiteira no Estado de São Paulo é composta por diversos tipos de produtores. Entre os produtores de leite, a utilização da alimentação suplementar via utilização de silagem, por exemplo, não é 100% praticada. Assim, aqueles que não contam com silagem para garantir o fornecimento de alimento para o gado, caso continue a ausência de chuvas, deverão ter sua produção comprometida em plena safra. Leia o artigo completo no site do CNC: http://www.cncafe.com.br/site/capa.asp?id=17105 Comercialização de café ganha ritmo e alcança 70% da safra CaféPoint 20/02/2014 A comercialização da safra de café do Brasil 2013/14 (julho/junho) chegou a 70% até o dia 7 de fevereiro. O dado faz parte de levantamento da consultoria Safras & Mercado. Os trabalhos estão avançados em relação a 2013, quando, até 31 de janeiro do ano passado, 67% da safra 2012/13 estavam comercializados. Há atraso em relação à média dos últimos cinco anos, que aponta que 76% da produção normalmente já estão negociados no período. Em relação ao mês de dezembro, houve avanço de sete pontos percentuais na comercialização até 7 de fevereiro. Com isso, já foram vendidas 36,95 milhões de sacas de 60 kg, tomando-se por base a estimativa da consultoria de uma safra 2013/14 de café brasileira de 52,9 milhões de sacas. Segundo o analista Gil Barabach, os ganhos nas bolsas de futuros e a alta do dólar "semearam um terreno fecundo para os negócios no mercado físico brasileiro de café". "Os preços avançaram bem, o que estimulou os negócios", comenta. Inclusive os produtores que detêm opções de venda para março, a R$ 343, estão vendendo os seus cafés, acelerando as negociações, aproveitando a cotação atual no mercado, de R$ 350/R$ 360 a saca, não devendo exercer os títulos. "O produtor percebeu o bom momento e começou a dar mais dinâmica às suas vendas, o que acelerou o ritmo dos negócios. Além das vendas da safra 2013, também aproveitou para desovar o espólio de safras anteriores", observa Barabach. "As cooperativas sul-mineiras, que ainda tinham café da safra 2012/13 e anteriores, aproveitaram para se desfazer desses lotes, rejuvenescendo seus estoques", comenta o analista. Além disso, a receptividade e a agressividade da demanda também ajudaram o andamento dos negócios. Estímulos – Os preços mais altos e o spread favorável à venda futura estimularam as negociações antecipadas, comenta. O arábica duro foi negociado de R$ 375 a R$ 390 a saca, dependendo da catação, para entrega e pagamento em setembro na semana passada. Quanto às vendas antecipadas, Barabach recomenda que "o primeiro ponto a avaliar é o custo de produção. O produtor também deve ponderar com a possibilidade de alta do dólar, em especial para as posições com safra 2015 e 2016, que são sondadas com maior freqüência pelos compradores. As informações são do Diário do Comércio, adaptadas pelo CafePoint. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck

Café: alta dos preços traz alívio a produtores na América Central e Colômbia Agência Estado 20/02/2014 Os futuros do café arábica já subiram mais de 50% neste ano na Bolsa de Nova York (ICE Futures US), devido ao clima quente e seco nas regiões produtoras do Brasil, e esse movimento também está impulsionando o mercado de cafés especiais. Os cafés cultivados em áreas montanhosas na Colômbia e na América Central e colhidos manualmente são bastante procurados por torrefadoras por causa de seus sabores complexos. Devido à oferta mais restrita, esses cafés já são mais caros do que o arábica negociado na ICE. Agora, com a forte alta das cotações em Nova York, os preços dos cafés especiais também estão disparando. No caso de alguns tipos de café colombianos, o prêmio em relação ao arábica negociado na ICE quase dobrou desde o final do ano passado, para cerca de 14 cents por libra-peso, disse Mauricio Bernal, executivo-chefe da exportadora A. Laumayer & Co., que tem sede em Medellín, na Colômbia. "É uma bênção que isso esteja acontecendo", disse Bernal sobre a alta dos preços. Alguns meses atrás, no entanto, a situação era bem diferente. Em novembro do ano passado, por exemplo, cafeicultores estavam enfrentando dificuldades devido aos baixos preços internacionais, próximos de 100 cents/lb. Segundo eles, esse preço não era suficiente sequer para cobrir os custos de produção. Henry Hüeck, presidente de dois grupos de agricultores da Nicarágua, disse que a paciência, em seu caso, compensou. À espera de melhores preços, ele havia vendido antecipadamente apenas um terço de sua safra. "Estamos muito contentes", disse. "Agora, estamos conseguindo cobrir os custos de produção ou até lucrar um pouco." Outros produtores não tiveram tanta sorte. "Já vendemos nossa colheita", disse Nelson Guerra, administrador geral da cooperativa Café la Encarnacion, de Honduras. A queda dos preços no ano passado foi particularmente dura para os cafeicultores da América Central, que já vinham sofrendo com a disseminação do fungo roya, causador da ferrugem do café. Fonte: Dow Jones Newswires. Crise do café deixa 140 mil desempregados em El Salvador CafePoint 20/02/2014 A baixa na produção de café para a colheita de 2013-14, atribuída em grande medida à ferrugem, gerou uma perda de 140 mil empregos no campo, segundo estimativas da Associação Salvadorenha de Beneficiadores e Exportadores de Café (ABECAFE). “Uma estimativa aproximada fala de 140 mil empregos perdidos. É um problema bem sério que repercutirá não somente na parte econômica, mas também na parte social, porque se há menos produção de café, há menos trabalho”, disse o diretor executivo da ABECAFE, Marcelino Samayoa. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck

Nessa semana, o Conselho Salvadorenho de Café (CSC) baixou de novo as projeções de produção de café da atual safra para 554,3 mil sacas de 60 quilos. A estimativa anterior era de 690 mil sacas, segundo a entidade. Em outubro de 2013, quando a colheita da atual safra estava por iniciar, a CSC estimou uma perda de 40 mil empregos temporários nos trabalhos de corte do grão. Nessa ocasião, a entidade disse que seriam criados 75 mil empregos temporários. A isso, Samayoa disse que precisa agregar 100 mil empregos que não serão gerados pelas atividades relacionadas com produção de café, entre essas, a poda do café, a poda de sombra, controle de ferrugem e fertilização. “Quarenta mil são os empregos de corte que se perderam, outros 100 mil adicionais são a falta de trabalho que haverá nas fazendas, porque não há dinheiro suficiente para trabalhar nas fazendas”. O presidente da cooperativa Siglo XXI, Víctor Mencía, localizada em Comasagua, departamento de La Libertad, disse que a contratação de pessoas para o corte na fazenda baixou para metade. “Perderam-se mais de 101 mil empregos e outra coisa mais triste é que agora mesmo deveriam estar contratando pessoas para poder o café, mas ninguém está podando café, porque nenhum banco está dando créditos e os cafeicultores não têm dinheiro para realizar esses trabalhos agrícolas”. Esse produtor considera que a baixa produção afetará a todo o comércio, às famílias, aos negócios, às pequenas lojas e a toda a cadeia que está relacionada com o comércio de café. Mencía disse que quando em sua cooperativa buscam pessoas para trabalhar, chega o triplo das que precisam pela falta de trabalho. Devido a presente safra de café ter gerado menos empregos, também se reduziu o pagamento dos salários, especificamente no que se refere ao corte, disse Samayoa, que estimou que US$ 30 milhões não circularão esse ano. “O problema social do trabalho no campo é tremendo. E não quero falar dos efeitos ecológicos, o manto coletor de água principal do país que é o bosque de café”. A reportagem é do http://www.prensalibre.com, adaptada pelo CafePoint. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck

Add a comment

Related presentations

Cfbp barometre octobre

Cfbp barometre octobre

November 10, 2014

VITOGAZ vous présente: CFBP baromètre gpl carburant

Ata Escrita da 16ª Sessão Ordinária realizada em 16/10/2014 pela Câmara de Vereado...

Ata Escrita da 10ª Sessão Extraordinária realizada em 16/10/2014 pela Câmara de Ve...

Rx1 nasil kullanilir

Rx1 nasil kullanilir

November 8, 2014

Rx1 zayiflama hapi, kullanimi nasildir, yan etkileri var mi? yan etkiler var ise h...

Esposto del MoVimento 5 Stelle sul Patto del Nazareno

Slide Servizi postali

Slide Servizi postali

November 7, 2014

Slides per i servizi postali presentati in occasione dell'incontro azienda e organ...

Related pages

CNC - Clipping Café de 16/06/2016 - Versão de Impressão

Confira a versão de impressão do . ... Versão de Impressão P1 / Ascom CNC 16/06/2016. Clipping cnc 16062016 versão de impressão from Paulo André ...
Read more

Lista de chamada de escola dominical para impressão ...

Clipping cnc 26062015 versão de impressão 1. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar ...
Read more