Cartilha Ergonômica do Soldador

60 %
40 %
Information about Cartilha Ergonômica do Soldador
Health & Medicine

Published on March 6, 2014

Author: wineraugusto

Source: slideshare.net

Description

Cartilha Ergonômica do Soldador contendo informações cruciais da função.

Volume 1, edição 1 Segurança do Trabalho—3SAARA Cartilha Ergonômica do Soldador Nesta Cartilha: Riscos LER/DORT EPI/EPC Crioterapia Segurança na Soldagem Problemas na Função Tendinite O que faz o Soldador? Eles são encarregados de ligar as peças para criar uma obra-prima. Soldador muito geralmente trabalham com material pesado é por isso que eles têm que estar fisicamente apto. Tenossinovite Hérnia de Disco Na maioria das vezes, eles estão trabalhando com equipamentos pesados, utilizando metais de qualidade. Ser um soldador não é tão fácil como pensam. calor produzido por arco elétrico ou outra fonte de calor, e materiais diversos, para montar, reforçar ou reparar partes ou conjuntos mecânicos: Solda peças de metal, utilizando chama de um gás combustível, Bursite Nº da CBO: 8-72.10 O que é Ergonomia? Ergonomia é um conjunto de disciplinas que estudam o trabalho quando a interação entre os seres humanos e maquinas, o principal objetivo da ergonomia é aplicar as técnicas de adaptação entre o homem e seu local de trabalho, tendo eficiência formas e focando na segurança e na saúde do trabalhador. -Derivado das palavras gregas: ergon (trabalho) e nomos (lei natural); O medico italiano Bernardino Ramazzini foi o primeiro a manifestar estudos a respeito da ergonomia e as lesões relacionadas ao trabalho, já no século XIX Frederick Winslow Taylor lançou seu livro “Administração Científica” com uma abordagem que buscava a melhor maneira de executar os trabalhos sem prejudicar o bem estar dos trabalhadores. Em 1900 outro pesquisador aprimorou as idéias de Taylor, Frank Bunker Gilbreth e sua esposa Lilian desenvolvendo o “Estudos de tempo e movimentos” tendo um melhoramento na abordagem da ergonomia no trabalho, com a segunda guerra mundial a preocupação do tempo que os soldados ficariam em aviões também causou mobilização a respeito, nascendo assim aviões com mais conforto para os pilotos. O termo ergonomia foi introduzido no vocabulário inglês nos anos 50 onde foi fundado em Oxford a Associação Internacional de Ergonomia (IEA) ,e em 1961 ocorreu na Suécia o primeiro congresso da Associação, já nos EUA foi criado o termo Human Factors Society em 1957,levando o uso desse termo até os dias atuais.

PÁGI NA 2 C AR TI LHA ER GONÔMIC A DO SOLDAD OR Como tratar o "flash de soldador" O "flash de soldador", ou queimadura de flash, é causado quando uma onda de luz UV(ultravioleta) atinge os olhos, causando algo similar a uma condição de "queimadura de sol" na córnea. O "flash de soldador" é muito doloroso e é freqüentemente acompanhado com olhos lacrimejantes, inchaço, sensibilidade a luz e uma sensação de areia debaixo das pálpebras. De acordo com a "American Academy of Ophthalmology" (Academia Americana de Oftalmologia), os ferimentos na córnea normalmente se curam dentro de dois dias. Porém, há medidas que você deve tomar para prevenir futuros danos ao olho e que aumentarão a velocidade do tempo de recuperação. Tratando o "flash de soldador" "Mais que de máquinas, precisamos de humanidade" Charlie Chaplin Feche seus olhos. A primeira coisa que você deve fazer quando você sofre um "flash de soldador" é fechar a olho afetado e deixá-lo descansar. Mantendo o olho fechado você também estará ajudando a protegê-lo de outros danos e ajudando a prevenir que bactérias entrem. Coloque compressas de gaze dentro de água gelada. Torça o excesso de água e encontre um local confortável para se deitar. Coloque as compressas de gaze frias sobre o olho e mantenha-as no lugar até se aquecerem. Use óculos de sol com proteção UV quando estiver exposto à luz do sol ou a claridade. O esforço por claridade pode retardar a cura do olho com queimadura de flash, bem como causar uma dor adicional. Veja um médico imediatamente se a dor estiver severa ou se sua visão estiver turva. Estes dois sintomas podem ser um indício de uma "queimadura de flash" mais séria que necessita de atenção médica imediata. Um médico pode prescrever gotas de antibiótico para seu olho para prevenir infecção, bem como gotas especializadas chamadas "gotas atropinas" que dilatam a pupila e ajudam a tirar o esforço dos músculos do seu olho.

VOLUME 1, EDI Ç ÃO 1 PÁGI NA 3 SEGURANÇA NA SOLDAGEM Todo profissional envolvido nos trabalhos de soldagem deve estar consciente das atividades que precisa desempenhar como um todo e, também, conhecer os riscos decorrentes da utilização dos equipamentos manuseados para a execução dessas atividades. É indispensável, ainda, que esse profissional se preocupe em adotar medidas de saúde e segurança capazes de minimizar acidentes,e que vão permitir o desempenho de seu trabalho de forma segura e eficaz. Por isso, vamos apresentar, nesta cartilha, uma série de conteúdos relacionados aos perigos que a soldagem oferece PROBLEMAS DE SAÚDE DO SOLDADOR a) Distúrbios Musculoesqueléticos; b) Problemas Respiratórios; c) Efeitos da radiação UV; d) Queimaduras por faíscas e respingos de solda; e) Ruído; f) Vibração; g) Acidentes; h) Visão.

PÁGI NA 4 C AR TI LHA ER GONÔMIC A DO SOLDAD OR Os postos de trabalho do soldador A maioria dos postos de soldagem da empresa se encaixa em dois tipos básicos: 1) com o uso de bancadas e 2) com o uso de gabaritos. Em alguns postos, o trabalho do soldador é realizado predominantemente na postura em pé, mas há momentos, dependendo do tipo de peça a ser soldada, em que o soldador senta, ou poderia sentar, para trabalhar. Porém, a maioria dos postos das empresas não disponibiliza espaço suficiente para as pernas o que impossibilita a acomodação das pernas fazendo, portanto, com que elas ficassem comprimidas contra o tampo da bancada, durante o trabalho sentado. Também podem não existir apoios de pé, e os soldadores acabam utilizando a estrutura das bancadas ou dos assentos como apoio, não obtendo sustentação segura que garanta seu equilíbrio sem exigir esforço. Apesar da literatura em ergonomia fomentar a alternância de posturas, poucos estudos avaliam os custos e benefícios do trabalho em diferentes posturas durante uma jornada real de trabalho. A melhor postura de trabalho é alternando, o que é assegurado com o projeto de postos de trabalho que permitam ao usuário trabalhar tanto na postura em pé como na sentada. Isto significa tratar o posto como um todo, considerando que tanto o plano de trabalho quanto o assento estejam adequados para a realização do trabalho em diferentes posturas. Assim, a empresa provem espaço adequado para acomodação do corpo e, portanto, para realizar suas atividades com conforto e segurança.

VOLUME 1, EDI Ç ÃO 1 PÁGI NA 5 Exemplo: ANÁLISE ERGONÔMICA NO SETOR DE SOLDA DE UMA METALÚRGICA Introdução A análise ergonômica de um local de trabalho visa à adaptação das condições de trabalho às características psicológicas dos trabalhadores, com o intuito de proporcionar o máximo de conforto, segurança e eficiência no seu desempenho. As condições de trabalho incluem todos os aspectos relacionados ao trabalhador, ambiente de trabalho, material utilizado, as condições ambientais do posto de trabalho, todos esses aspectos influenciam direta e indiretamente no desempenho do trabalhador sendo que, o conforto e a segurança do trabalhador são aspectos que sofrem constantes melhorias para garantir seu bem estar no ambiente de trabalho. Este estudo tem por objetivo de localizar os pontos que possam oferecer risco ou dificuldades ao trabalhador ou que possam influenciar na sua eficiência e desempenho do trabalho. Objetivos Localizar os pontos que possam oferecer risco ou dificuldades ao trabalhador ou que possa influenciar na sua eficiência e desempenho do trabalho. Metodologia O trabalho foi realizado através de pesquisa bibliográfica, entrevista com os colaboradores e estudo de caso em uma metalúrgica de pequeno porte, localizada na região noroeste do estado do Rio Grande do Sul, trabalha com estampagem de componentes metálicos, conformação de tubos, soldagem e pintura de conjuntos para indústria de equipamentos agrícolas e rodoviários. A coleta dos dados na empresa foi através de conversas informais com os operadores dos equipamentos de solda, seus supervisores e gerente de produção, os quais acompanham o processo produtivo. Resultados As dificuldades encontradas através de observações e entrevistas com colaboradores foram: cumprir as metas; não uso dos EPI’s obrigatórios na execução das operações; alto grau de repetitividade. Foram feitas algumas recomendações de melhorias aos postos de trabalho, para facilitar o desempenho do operador: gabaritos e mesas mais altas para realizar a solda; máscaras mais confortáveis; utilização de talha. Alguns procedimentos devem ser tomados para evitar possíveis acidentes no processo de solda e movimentação de materiais recomenda-se utilizar: calçado de segurança; protetor auricular; óculos de proteção; creme de proteção dermatológica para as mãos; luvas de raspa de couro; avental de raspa de couro; peneira e mangote em raspa de couro; máscara para vapores orgânicos; máscara de solda. Para manter a segurança e bem estar do operador torna-se necessário: alteração das repartições de compensado por material não inflamável; ventilação constante no momento da realização da solda. Conclusão Concluiu-se que a solda é um processo com vários pontos de riscos, pois trabalha com diversos elementos prejudiciais a saúde. Percebeu-se que os colaboradores sentem necessidade de mudança em alguns pontos do setor que facilitariam o desempenho da atividade, com mais segurança e menos esforço físico. Trabalho realizado por: ANA MARIA FABRICIO1, LEONI PENTIADO GODOY2, ADRIANE FABRICIO3, TAIS PENTIADO GODOY3, MARCO AURELIO DOS SANTOS3, EDIO PATRIC GUARIENTI3 1 autor, 2 orientador, 3 co-autor

VOLUME 1, EDI Ç ÃO 1 PÁGI NA 6 Conhecendo os Problemas Distúrbios Musculoesqueléticos— As posturas que o soldador adota durante a execução de suas tarefas típicas são basicamente estáticas, com movimentos curtos, sendo que ele pode adotar uma determinada posição por meia hora ou até por um dia inteiro, o que representa um fator de estresse físico. Que aponta as Lesões por Esforço Repetitivo – LER como responsáveis por 40% das doenças ocupacionais dos soldadores. Doenças como Tendinite,Tenossinovite, Epicondilite e Síndrome do túnel de carpo, podem estar sendo causadas devido às características do posto de trabalho do soldador. Problemas respiratórios— Há numerosos riscos à saúde associados à exposição a fumos, gases e vapores liberados durante operações de solda, corte e brasagem. Estes riscos variam dependendo do tipo de material e superfície de solda. Os efeitos a longo prazo devem ser levados a sério. Febre dos fumos metálicos, pneumonia, asma, bronquite, siderose, enfisema são algumas doenças que podem surgir no decorrer do tempo. Efeitos da radiação Ultravioleta – UV Ela é gerada pelos processos de soldagem que empregam arco elétrico, como MIG/MAG, TIG, e pode causar danos tanto aos soldadores como aos demais trabalhadores dos postos vizinhos aos de solda. São relatados danos à pele e aos olhos. Os locais mais comuns de sofrerem queimaduras por radiação UV são as laterais e a frente do pescoço. A pele desprotegida ou mesmo coberta por tecido muito fino pode ficar avermelhada, semelhante à que sofre queimadura provocada por raios solares, a radiação é responsável por 23% dos danos aos olhos dos soldadores. A radiação UV pode danificar a conjuntiva por desnaturação de proteína e resultar em uma fotoqueratocunjuntivite (arc eye ou eye flash), acompanhada por sintomas como dor, lacrimejo, sensação de areia nos olhos e fotofobia. Queimaduras por faíscas e respingos de solda— Os respingos de solda são pequenas porções de metal derretido que podem desprender-se do ponto onde se realiza a solda. Em geral, estes respingos caem verticalmente, mas pode ocorrer que sejam projetados em outras direções, atingindo os soldadores. Em postos de trabalho em que os soldadores trabalham sobre o próprio produto, principalmente quando vários soldadores trabalham ao mesmo tempo, pode ser bastante comum a ocorrência de queimaduras por respingos de solda pelo trabalho dos colegas. Dependendo do local do corpo atingido, da maneira como é atingido e do tempo que o metal derretido fica em contato com a pele, os danos podem ser mais graves. As faíscas provenientes dos processos a arco elétrico saltam em várias direções e podem atingir distâncias que ultrapassam os limites do posto de soldagem. Estas faíscas podem atingir os olhos, causando queimaduras na conjuntiva. Também podem atingir a pele descoberta ou mesmo a pele que estiver coberta por tecidos menos espessos. As faíscas também podem se alojar dentro de dobras da roupa, entrar nos calçados dos soldadores ou atrás do cinto o que, considerando o tempo necessário para retirá-las, pode resultar em queimaduras mais graves

PÁGI NA 7 T ÍT ULO DO BOLET I M I NF OR MATI VO Conhecendo os Problemas Ruído— O soldador está exposto a um ambiente ruidoso, seja em conseqüência do equipamento que utiliza, do emprego de ferramentas de acabamento, como esmerilhos, que muitas vezes compartilham o mesmo posto de trabalho, seja pelo uso de marretas na correção do posicionamento das peças eventualmente deformadas durante a soldagem, seja pelo ruído gerado nos outros postos de trabalho que compartilham o mesmo ambiente. O ruído é considerado como o agente responsável por 60% das doenças ocupacionais apresentadas por estes profissionais. Além do risco de perda auditiva, o ruído no ambiente de trabalho também pode interferir na comunicação entre os trabalhadores, perturbar ou distrair as pessoas expostas ou alterar o desempenho de algumas tarefas, além de sérios problemas no organismo como por exemplo: insônia, irritabilidade, falta de concentração, disfunções gastrointestinais. Vibração— Dependendo da ferramenta que utilizam, os soldadores podem estar expostos à vibração, o que pode causar danos, principalmente nas extremidades em contato com a ferramenta. Já houve relatos de alguns soldadores, em estudo comparativo, em um índice de 11% contra 1% do grupo de controle, de Síndrome de Raynauld, ou Síndrome do Dedo Branco. Seus dedos ficavam brancos ou azuis em dias frios, principalmente pela manhã, sendo que alguns apresentavam, também, entorpecimento, formigamento ou dor nos dedos afetados. Acidentes— Os soldadores estão sujeitos a sofrer acidentes de diversas naturezas, como os do tipo ―impacto sofrido‖, quando um objeto é agente do impacto, ou do tipo ―impacto contra‖, quando o próprio trabalhador é o agente do impacto, além de choques elétricos e das doenças ocupacionais já comentadas. Visão— Problemas com visão podem causar tontura e dor de cabeça, além de diminuir a capacidade de realização de tarefas pelo soldador, pela sua menor acuidade visual e conseqüente redução da atenção. Estes são fatores que também podem contribuir para a incidência de acidentes com os soldadores, principalmente quando estes estão fora de seus postos de trabalho. Entre os problemas de visão encontrados nos soldadores, pode-se citar problemas de convergência, queratite por UV, siderose ocular, corpos estranhos intra-ocultares. Além disso, os soldadores apresentam córnea embaçada e granular, podendo-se identificar um soldador pelos olhos, principalmente aquele que atua por muitos anos na profissão.

VOLUME 1, EDI Ç ÃO 1 Equipamentos de proteção para soldador: PÁGI NA 8

VOLUME 1, EDI Ç ÃO 1 Equipamentos de proteção para soldador: PÁGI NA 10

VOLUME 1, EDI Ç ÃO 1 Equipamentos de proteção para soldador: PÁGI NA 12

Riscos ambientais: Agentes físicos e químicos associados ao ambiente de trabalho em soldagem Agentes físicos – diversas formas de energia a que possam estar expostos os trabalhadores, tais como: ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações ionizantes, radiações não ionizantes, bem como o infrassom e o ultrassom. Exemplos associados à soldagem: Radiação ultravioleta (UVA, UVB e UVC), radiação infravermelha (IVA), superfícies aquecidas, outras. Agentes químicos – substâncias, compostos ou produtos que possam penetrar no organismo pela via respiratória, nas formas de poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases ou vapores, ou que, pela natureza da atividade de exposição, possam ter contato ou ser absorvidos pelo organismo através da pele ou por ingestão. Exemplos associados à soldagem: Partículas sólidas e gases gerados a partir do metal de base, eletrodo, diferentes fluxos e gases de proteção. EPC’s - Equipamento de Proteção Coletiva Para proteger as pessoas ao redor e o ambiente de radiações e respingos, é utilizado biombos de material não inflamável, ou cortinas próprias para essa utilização. As cortinas vem ganhando espaço na indústria pelo fato delas favorecerem a visibilidade do trabalho realizado pelo soldador sem afetar a saúde visual das pessoas próximas. Suas cores podem variar conforme a aplicação do serviço.

VOLUME 1, EDI Ç ÃO 1 PÁGI NA 14 Ruídos Excessivos Os altos índices de ruído são comuns no ambiente de trabalho dos soldadores. A utilização de esmeris, lixadeiras, martelos e as próprias fontes de soldagem, são vilãs da audição dos mesmos. O uso de protetores auriculares tipo plug, concha, capacetes, para soldador entre outros, é obrigatório em ambientes com ruídos acima de 80 decibéis. Os protetores auriculares não eliminam completamente os ruídos dependendo do modelo e das informações técnicas do EPI, os índices de redução podem variar. A poluição sonora em muitas indústrias ou em linhas de produção obriga em alguns casos a utilização de até dois pares de protetor auricular simultaneamente, sendo um tipo Plug e o outro do tipo Concha

As fontes de energia para soldagem trabalham com Os riscos que o soldador passa por usar as fontes de correntes para soldagem são inevitáveis, a utilização da energia elétrica é baixas tensões e altas intensidades, indispensável. Todos nós temos a consciência do que pode este fato traz um ocorrer com o ser humano mediante uma descarga elétrica: Risco enorme para o soldador •Formigamento pelo corpo; Choques elétricos •Espasmo muscular; •Taquicardia; •Parada cardíaca podendo levar o indivíduo a óbito. Precauções: • Verificar as condições dos cabos e conectores das máquinas; • Não fechar o circuito com corpo; • Utilizar as vestimentas em raspa de couro para um bom isolamento; • Usar botas de segurança adequadas; • Não executar trabalhos se estiver molhado ou em ambientes da mesma forma; • Realizar a limpeza interna dos equipamentos com os mesmos desconectados da rede de alimentação. •Verificar as condições dos cabos e conectores das máquinas; Não executar trabalhos se estiver molhado ou em ambientes da mesma forma; • A água é um excelente condutor de eletricidade, portanto mesmo que o soldador esteja totalmente protegido com todos os EPI’s possíveis, caso tenha contato com água a eliminação da função isolante destes será imediata. • Realizar a limpeza interna dos equipamentos com os mesmos desconectados da rede de alimentação. • Durante a limpeza de equipamentos para soldagem, se faz necessário a utilização de Ar comprido seco ELETRICIDADE MATA.

VOLUME 1, EDI Ç ÃO 1 PÁGI NA 16 LER/DORT L.E.R. (Lesões por Esforço Repetitivo) não é propriamente uma doença. É uma síndrome constituída por um grupo de doenças – tendinite, tenossinovite, bursite, epicondilite, síndrome do túnel do carpo, dedo em gatilho, síndrome do desfiladeiro torácico, síndrome do pronador redondo, mialgias -, que afeta músculos, nervos e tendões dos membros superiores principalmente, e sobrecarrega o sistema musculoesquelético. Esse distúrbio provoca dor e inflamação e pode alterar a capacidade funcional da região comprometida. A prevalência é maior no sexo feminino. Também chamada de D.O.R.T. (Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho), L.T.C. (Lesão por Trauma Cumulativo), A.M.E.R.T. (Afecções Musculares Relacionadas ao Trabalho) ou síndrome dos movimentos repetitivos, L.E.R. é causada por mecanismos de agressão, que vão desde esforços repetidos continuadamente ou que exigem muita força na sua execução, até vibração, postura inadequada e estresse. Tal associação de terminologias fez com que a condição fosse entendida apenas como uma doença ocupacional, e que existem profissionais expostos a maior risco: pessoas que trabalham com computadores, em linhas de montagem e de produção ou operam britadeiras, assim como digitadores, músicos, esportistas, pessoas que fazem trabalhos manuais, por exemplo tricô e crochê. Diagnóstico O diagnóstico é basicamente clínico. O mais importante é determinar a causa dos sintomas para eleger o tratamento adequado. Para tanto, muitas vezes, é preciso recorrer a uma avaliação multidisciplinar. Sintomas Os principais sintomas são: dor nos membros superiores e nos dedos, dificuldade para movimentá-los, formigamento, fadiga muscular, alteração da temperatura e da sensibilidade, redução na amplitude do movimento, inflamação. É importante destacar que, na maioria das vezes, esses sintomas estão relacionados com uma atividade inadequada não só dos membros superiores, mas de todo o corpo, que se ressente, por exemplo, se houver compressão mecânica de uma estrutura anatômica, ou se a pessoa ficar sentada diante do computador ou tocando piano por oito, dez horas seguidas. Tratamento Nas crises agudas de dor, o tratamento inclui o uso de anti-inflamatórios e repouso das estruturas musculoesqueléticas comprometidas. Nas fases mais avançadas da síndrome, a aplicação de corticóides na área da lesão ou por via oral, fisioterapia e intervenção cirúrgica são recursos terapêuticos que devem ser considerados. Os conhecimentos da ergonomia, ciência que estuda a melhor forma de atingir e preservar o equilíbrio entre o homem, a máquina, as condições de trabalho e o ambiente com o objetivo de assegurar eficiência e bem-estar do trabalhador, têm-se mostrado muito úteis no tratamento e prevenção da L.E.R. Recomendações * Procure manter as costas eretas, apoiadas num encosto confortável e os ombros relaxados enquanto estiver trabalhando sentado. Cuide também para que os punhos não estejam dobrados. A cada hora, pelo menos, levante-se, ande um pouco e faça alongamentos; * Certifique-se de que a cadeira e/ou banco em que se senta para trabalhar sejam adequados ao tipo de atividade que você exerce; * Não imagine que L.E.R. é uma síndrome que acomete apenas as pessoas que trabalham em determinadas funções. Quem usa o computador, por exemplo, para o lazer durante horas a fio, também está sujeito a desenvolver o distúrbio.

O que é Tendinite? A tendinite é a inflamação, lesão e inchaço de um tendão, que é uma estrutura fibrosa que une o músculo ao osso. Causas A tendinite pode acontecer como um resultado de lesão, excesso de uso ou envelhecimento, uma vez que o tendão vai perdendo a elasticidade. A tendinite pode surgir em qualquer tendão, mas alguns locais mais freqüentemente afetados incluem: Cotovelo Calcanhar (tendinite de Aquiles) Ombro Pulso Sintomas de Tendinite Os sintomas mais comuns da tendinite são: -Dor e sensibilidade no tendão, geralmente perto de uma articulação;Dor à noite;Dor que piora com movimentos ou atividade Tratamento de Tendinite Repouso ou imobilização dos tendões afetados é útil para a recuperação. Pode-se conseguir isso utilizando uma tala ou um suporte removível. A aplicação de calor ou frio na área afetada pode ajudar. Fisioterapia que alongue e fortaleça o músculo e o tendão é essencial. Isso pode restaurar a habilidade do tendão de funcionar corretamente, agilizar a cura e prevenir lesões futuras.

VOLUME 1, EDI Ç ÃO 1 PÁGI NA 18 O que é Tenossinovite? Tenossinovite é a inflamação do revestimento da bainha que circunda um tendão (o cordão que une o músculo ao osso). Causas A causa da inflamação pode ser desconhecida, ou pode ser resultado do seguinte: Doenças que causam inflamação Infecção Lesão Esforço excessivo Distensão Os pulsos, mãos e pés são normalmente afetados. No entanto, a condição pode ocorrer em qualquer bainha de tendão. Observação: Um corte infeccionado nas mãos ou pulsos que ocasione tenossinovite pode ser uma emergência que requer cirurgia Sintomas de Tenossinovite Movimentação difícil de uma junta Inchaço articular na área afetada Dor e sensibilidade ao redor da junta, especialmente na mão, pulso, pé ou tornozelo Dor ao movimentar uma junta Vermelhidão no comprimento do tendão Febre, inchaço e vermelhidão podem indicar uma infecção, especialmente se uma punção ou corte tiver ocasionado esses sintomas. Tratamento de Tenossinovite O objetivo do tratamento é aliviar a dor e reduzir a inflamação. Descansar ou manter os tendões afetados parados é essencial para recuperação. Você pode usar uma tala ou cinta removível para ajudar a manter os tendões imobilizados. Aplicar calor ou frio à área afetada deve ajudar a reduzir a dor e a inflamação. Depois de recuperado, faça exercícios para fortalecimento usando os músculos ao redor do tendão afetado para ajudar a evitar a volta da lesão.

O que é Bursite? Bursite é a inflamação da bolsa cheia de líquido (bursa) que se localiza entre um tendão e a pele ou entre um tendão e o osso. A doença pode ser aguda ou crônica. Causas As bursas são cavidades cheias de líquido próximas a articulações, onde tendões ou músculos passam por cima de saliências ósseas. Elas auxiliam o movimento e reduzem o atrito entre as partes móveis. A bursite pode ser causada pelo uso excessivo crônico de articulações, trauma, artrite reumatoide, gota ou infecção. Algumas vezes, a causa não pode ser determinada. A bursite ocorre normalmente nos ombros, joelhos, cotovelos e no quadril. Outras áreas também podem ser afetadas, como o tendão de Aquiles e os pés. A inflamação crônica pode ocorrer com lesões ou ataques de bursite repetidos. Sintomas de Bursite Você pode notar: Dor nas articulações e sensibilidade ao pressionar ao redor da articulação Rigidez e dor ao mover a articulação afetada Inchaço, calor ou vermelhidão na articulação Tratamento de Bursite Seu médico poderá recomendar repouso temporário ou imobilização da articulação afetada. Os anti-inflamatórios não esteróides (AINEs), como o ibuprofeno, podem aliviar a dor e a inflamação. A fisioterapia formal também pode ser útil. Se a inflamação não responder ao tratamento inicial, poderá ser necessário extrair líquido da bursa e injetar corticóides. A cirurgia raramente é necessária. Os exercícios na área afetada devem começar assim que cessar a dor. Se houver atrofia muscular (debilidade ou redução de tamanho), o médico poderá recomendar exercícios para fortalecimento e aumento da mobilidade. A bursite causada por infecção é tratada com antibióticos. Algumas vezes, a bursa infectada deve ser drenada cirurgicamente.

VOLUME 1, EDI Ç ÃO 1 PÁGI NA 20 O que é Epicondilite lateral? A epicondilite lateral também é conhecida como "cotovelo do tenista", mas não é um problema limitado a quem pratica esse esporte. Qualquer atividade que realize movimentos repetitivos do punho e dedos para cima (extensão) podem gerar a epicondilite lateral, como movimentos no computador e exercícios de musculação. Movimentos chamados de prono-supinação repetitivos, como os movimentos para se usar uma chave de fenda, também são um fator de risco. Causas A parte do músculo que se liga ao osso é denominada tendão. Alguns músculos do antebraço ligamse ao osso na parte externa do cotovelo. Ao usar esses músculos repetidamente, desenvolvem-se algumas fissuras no tendão. Com o tempo, isso gera irritação e dor no local onde o tendão se une ao osso. Sintomas da Epicondilite Dor no cotovelo com piora gradual Irradiação da dor da parte externa do cotovelo para o antebraço e para as costas da mão ao segurar ou torcer alguma coisa. Aperto fraco Tratamento da Epicondilite O primeiro passo é descansar o braço e evitar a atividade que causa os sintomas por, pelo menos, duas a três semanas. Pode-se também: Colocar gelo na parte externa do cotovelo de duas a três vezes por dia. Tomar medicamentos anti-inflamatórios não esteróides (como ibuprofeno, naproxeno ou aspirina). Se seu cotovelo de tenista for decorrente de atividade esportiva, você pode desejar: Perguntar sobre algumas mudanças que podem ser feitas na sua técnica. Verificar se há alterações que possam ajudar com relação aos equipamentos esportivos que está utilizando. Se você joga tênis, trocar o tamanho do cabo da raquete pode ajudar. Reflita sobre a freqüência com que você joga e se é possível diminuí-la. Caso seus sintomas estejam relacionados a atividades realizadas no computador, pergunte a seu gerente se é possível fazer mudanças na sua estação de trabalho ou se alguém pode verificar o ajuste de sua cadeira, mesa e computador. Um terapeuta operacional pode mostrar como se exercitar para alongar e fortalecer os músculo do antebraço. Você pode comprar uma cotoveleira especial para o cotovelo de tenista na maioria das drogarias. Essa cotoveleira envolve a parte superior do antebraço e tira um pouco da pressão dos músculos. Além disso, o médico pode injetar cortisona e um medicamento anestésico em torno da área onde o tendão se liga ao osso. Isso pode ajudar a diminuir o inchaço e a dor.

O que é Hérnia de disco? A hérnia de disco ocorre quando todo, ou parte, de um disco na espinha é forçado a atravessar uma parte mais fraca do disco. Isso gera pressão nos nervos vizinhos. Causas Os ossos (vértebras) da coluna vertebral protegem os nervos que se originam no cérebro e descem pelas costas formando a medula espinhal. As raízes dos nervos são nervos longos que se ramificam a partir da medula espinhal e saem da coluna vertebral entre cada vértebra. Os ossos são separados por discos. Esses discos protegem a coluna vertebral e deixam espaço entre as vértebras. Os discos permitem que haja movimento entre as vértebras, o que permite a você se curvar ou se alongar. Sintomas de Hérnia de disco A dor lombar ou no pescoço pode ter sensações bem diferentes. Pode ser formigamento suave, dor surda ou dor com queimação ou pulsante. Em alguns casos, a dor é tão forte que você não consegue se mexer. Você também pode sentir dormência. A dor da hérnia de disco ocorre mais freqüentemente em um lado do corpo. Com uma hérnia de disco na região lombar, você poderá sentir uma dor aguda em uma parte da perna, quadril ou nádegas, e dormência em outras partes. Você também pode sentir dor ou dormência na parte posterior da panturrilha ou na planta do pé. Pode ainda haver fraqueza nessa mesma perna. Com uma hérnia de disco no pescoço, talvez você sinta dor ao mover o pescoço, dor profunda próxima à escápula, ou sobre ela, ou dor que se irradia para o braço, antebraço ou dedos (raramente). Você também pode sentir dormência nos ombros, cotovelo, antebraço e dedos. A dor da hérnia de disco em geral começa gradualmente. Ela pode piorar: Depois de ficar em pé ou sentar Durante a noite Ao espirrar, tossir ou rir Ao se dobrar para trás ou andar mais do que alguns metros Você também pode sentir fraqueza em certos músculos. Às vezes, você pode até nem perceber até que seu médico o examine. Em outros casos, pode ser difícil levantar a perna ou o braço, ficar na ponta de um dos pés, apertar forte com uma das mãos ou outros problemas. Em geral, a dor, a dormência ou a fraqueza provocada pela hérnia de disco desaparecem ou melhoram muito em um período de semanas a meses.

VOLUME 1, EDI Ç ÃO 1 PÁGI NA 22 Tratamento de Hérnia de disco O primeiro tratamento para a hérnia de disco é um período curto de repouso com medicamentos analgésicos, seguido por fisioterapia. A maioria das pessoas que segue esses tratamentos se recupera e retorna a suas atividades normais. Poucas pessoas precisarão de mais tratamento, que pode incluir injeções de esteróides ou cirurgia. Medicamentos As pessoas que sofreram um deslocamento de disco súbito causado por lesão (como um acidente de carro ou levantamento de objeto pesado) receberão medicamentos anti-inflamatórios (AINEs) e drogas analgésicas narcóticas se apresentarem dor forte nas costas e na perna. Se você tiver espasmos nas costas, provavelmente receberá relaxantes musculares. Em raras ocasiões, podem ser receitados esteróides, tanto em comprimidos quanto diretamente no sangue por via intravenosa. Os AINEs são usados para controlar a dor a longo prazo, mas podem ser receitados narcóticos caso a dor não responda aos anti-inflamatórios. Mudanças no estilo de vida Dieta e exercícios são cruciais para melhorar a dor nas costas de pacientes com excesso de peso. A fisioterapia é importante para quase todas as pessoas com hérnia de disco. Os terapeutas ensinam como levantar objetos, se vestir, caminhar e realizar outras atividades corretamente. Eles trabalham para fortalecer os músculos que ajudam a sustentar a coluna. Você também aprenderá a aumentar a flexibilidade de sua coluna e das pernas. Pode ser recomendável reduzir a atividade nos primeiros dias. Depois, retome lentamente suas atividades normais. Evite levantar muito peso ou torcer as costas nas primeiras seis semanas após o início da dor. Depois de duas a três semanas, volte a se exercitar gradualmente. Injeções As injeções de esteróides nas costas na região da hérnia de disco podem ajudar a controlar a dor por vários meses. Essas injeções ajudam a reduzir o inchaço ao redor do disco e a aliviar muitos sintomas. As injeções espinhais normalmente são aplicadas no consultório médico, usando raio X ou fluoroscopia para localizar a área onde a injeção é necessária. Cirurgia A cirurgia pode ser uma opção para os poucos pacientes cujos sintomas não desaparecem com outros tratamentos e ao longo do tempo.

Crioterapia, seus benefícios e aplicação para alivio da dor A crioterapia é a utilização do frio com fins terapêuticos. É conhecida também como terapia por frio. A crioterapia é indicada nos casos de controle da inflamação, controle do edema, controle da dor, diminuição do espasmo muscular e facilitação da contração muscular. Essa terapia possui diversas aplicações, entre elas: bolsas de gelo, imersão em água gelada e os sprays muito utilizados nos esportes. O tempo de aplicação varia de acordo com a área e tamanho da lesão, mas em geral são usados cerca de 20 minutos de terapia. Em grandes porções musculares a crioterapia pode ser aplicada até em 40 minutos. A fisiologia (ciência) dessa terapia consiste em: - Diminuição da condução elétrica nervosa gerando alguns benefícios como analgesia (diminuição da dor); - Redução do edema (impede que o inchaço se instale após uma lesão imediata); - Redução dos efeitos da hipoxia secundária: quando temos uma lesão tecidual, uma pancada por exemplo, há naquele local, células que são destruídas pela lesão chamadas de hipóxia; o corpo ao tentar reparar essa lesão, acaba destruindo as células que estão perto das lesadas e a esse fenômeno damos o nome de hipóxia secundária; - É um excelente estimulador e dessensibilizador: podemos usar o gelo para estimular uma área paralisada ou com hiper ou hiposensibilidade a fim de restabelecer a sensibilidade próxima do normal naquela região. Esse efeito de dessensibilização é muito usado em amputações a fim de diminuir a ―dor em membro fantasma‖. Isso ocorre devido à hipersensibilidade causada pela ligação de várias terminações nervosas que foram descontinuadas em um determinado ponto do membro. A estimulação pelo gelo ajuda que as fibras nervosas parem de enviar impulsos elétricos de forma exacerbada. Ou seja, ajuda a diminuir a condução do impulso nervoso, para que as informações cheguem ―bagunçadas‖ ao cérebro, diminuindo esse efeito ―doloroso‖. O universo de pesquisas que envolve essa terapia hoje é muito amplo com relação a alguns anos atrás e vem derrubado alguns mitos. É mito dizer que se fica gripado quando se usa crioterapia no ombro ou pés. Pelo contrário, para uma torção de tornozelo o protocolo de criocinética (combinação de gelo e exercício) é excelente, garantindo uma boa recuperação em pouco tempo. É mito dizer que em uma contusão (contração em um determinado ponto causando dores) o melhor é o uso do calor. A terapia por frio tem seu efeito de relaxamento muscular comprovado em literatura, e é muito eficaz a sua aplicação nesse tipo de lesão. Outro mito é que a crioterapia só é usada em esportistas. A modalidade é utilizada em todas as pessoas, sejam elas atletas ou não, desde que não tenha nenhuma restrição fisiológica para o seu uso. Um grande exemplo é o uso popular da ―faca de metal na testa para não criar ―galo‖, como dizia a vovó, isso porque o metal é frio e não é isolante térmico, com isso mantém a temperatura fria retirando o calor do local. Por isso a vovó já fazia crioterapia sem saber. Protocolo de PRICE O protocolo PRICE é uma sigla em inglês que significa proteção, repouso, gelo, compressão e elevação - colocar mesmo o membro lesado para cima. Ao levar a faca de metal à testa, a vovó fazia uma ligeira compressão, justamente para impedir que o edema se instalasse. Esse protocolo de PRICE consiste em proteger o local lesado, manter em repouso com gelo comprimindo a área machucada, conservando-a em elevação.

VOLUME 1, EDI Ç ÃO 1 PÁGI NA 24 Ginástica Laboral para Soldadores Ginástica laboral é a prática de atividades físicas, realizada por trabalhadores coletivamente, no próprio local de trabalho, durante a sua jornada diária, visando melhorar a qualidade de vida e a condição física do trabalhador. Tem como objetivo fortalecer determinadas musculaturas muito exigidas durante a jornada de trabalho, o que faz prevenir problemas posturais e lesões que, além de trazerem riscos aos funcionários, representam prejuízo para a empresa. Esta ginástica não leva o trabalhador a fadiga, por ser de curta duração de 10 a 15min. A ginástica laboral contribui para a prevenção e recuperação das chamadas "doenças do trabalho" (LER e DORT) promovendo o bem estar e melhorando as relações interpessoais. Quais os benefícios da Ginástica Laboral? A ginástica laboral proporciona benefícios fisiológicos, psicológicos, sociais e empresariais: Fisiológicos - Promove a sensação de disposição e bem estar para o trabalho. Combate e previne doenças profissionais, sedentarismo, estresse, depressão, ansiedade. - Melhora a flexibilidade, a coordenação e a resistência, promovendo uma maior mobilidade e melhor postura. - Diminui as inflamações e traumas. - Diminui a tensão muscular desnecessária. - Diminui o esforço na execução das tarefas diárias. Psicológicos: - Favorece a mudança da rotina. - Reforça a auto-estima e melhora a auto-imagem. - Mostra a preocupação da Empresa com seus funcionários. - Melhora a capacidade de atenção e concentração no trabalho. - Desenvolve a consciência corporal. - Combate tensões emocionais. Sociais: - Desperta o surgimento de novas lideranças. - Favorece o contato pessoal. - Promove a integração social. - Favorece o trabalho em equipe. - Melhora as relações interpessoais. Empresariais: - Propicia maior produtividade por parte do trabalhador. - Melhora a imagem da instituição perante os empregados e a sociedade. - Diminui o número de queixas, afastamentos médicos, acidentes e lesões. - Reduz os gastos com afastamentos e substituições de pessoal.

Modalidades da Ginástica Laboral Quais os tipos de Ginástica Laboral? A ginástica laboral pode ser realizada no início do expediente que seria uma ginástica (preparatória), durante o expediente chamada ginástica de pausa ou (compensatória) e após o trabalho (relaxamento). Preparatória Realizada no início da jornada de trabalho. Tem como objetivo principal preparar o trabalhador aquecendo os grupos musculares que serão solicitados nas suas tarefas e despertando-os para que se sintam mais dispostos ao iniciar o trabalho. Compensatória Realizada durante a jornada de trabalho. Interrompe a monotonia operacional, aproveita as pausas para executar exercícios específicos de compensação aos esforços repetitivos, e às posturas inadequadas solicitadas nos postos operacionais. Relaxamento Realizado após o expediente de trabalho. Tem como objetivo reduzir a tensão muscular criada pelas atividades realizadas no trabalho, para que estes músculos não desenvolvam, aos poucos, micro lesões que irão acarretar em lesões maiores com o passar dos dias. Quais os benefícios para a saúde? Em termos de qualidade de vida e saúde, é possível alcançar: • Redução dos fatores de riscos coronarianos; • Melhora o sistema Cárdio Respiratório; • Melhora da resistência muscular localizada; • Melhora da flexibilidade articular; • Melhora da qualidade do sono; • Melhora da auto – estima; • Melhora da capacidade de concentração; • Redução do nível de stress; • Atitudes mais positivas em relação ao trabalho; • Melhora nos relacionamentos (maior sociabilização e integração social); • Redução de traumas, inflamações e tensão muscular; • Melhora no padrão postural, mobilidade articular.

Bibliografia Para desenvolver este trabalho, foi utilizado informações das seguintes fontes; Portal Educação http://www.portaleducacao.com.br/enfermagem/artigos/50168/a-historia-daergonomia Fabiano Cardos - Especialista em Solda Brasagem - Instrutor de Soldagem MIG MAG at Invensys Controls - SENAI RS Médico Dráuzio Varella http://drauziovarella.com.br/letras/l/lesoes-por-esforcos-repetitivos-l-e-r-d-o-r-t/ Portal Minha Vida http://www.minhavida.com.br/ - saude, alimentação e bem estar Vya Estelar - Qualidade de Vida na Web Publicações de Juliana Prestes Mancuso DBC Oxigênio Manual da Ginástica Laboral

Segurança do Trabalho Winer Augusto da Fonseca BOAS PRÁTICAS DE SEGURANÇA Nunca inicie um trabalho sem que a área esteja liberada. Avalie diariamente os riscos existentes nas atividades e cumpra as medidas para eliminá-los. Antes de iniciar qualquer trabalho, certifique-se das precauções necessárias. Siga as recomendações de companheiros mais experientes (mas sem descumprir as normas de segurança). Avise ao seu supervisor sempre que observar alguma condição que possa causar um acidente ou que ofereça riscos. Comunique os (quase) acidentes e incidentes. Mantenha sempre desobstruídas as rotas de fuga e acesso aos equipamentos de segurança. Ao sofrer qualquer lesão, por menor que seja, comunique imediatamente ao encarregado, líder e segurança do trabalho e procure atendimento no ambulatório. É obrigatório o uso de botas, capacetes, protetor auricular, óculos de segurança nas áreas industriais e EPI específico para sua função ou atividade. '' Cuide de você e dos companheiros de trabalho ''. Nunca inicie uma atividade com dúvidas. Procure os locais identificados onde é permitido fumar. Fique atento quanto às placas de segurança e sinalização „'Respeitando-as Sempre''. Conserve sua área de trabalho sempre limpa e arrumada (evite acidentes). Mantenha sempre limpo seu local de trabalho. Recolha o lixo e coloque-os nos recipientes apropriados de coleta-seletiva. Não jogue copos descartáveis em qualquer lugar. Coloque-os nos coletores. Só mexa em equipamentos de segurança (armários, hidrantes, mangueiras, extintores) com a autorização do setor de segurança, salvo em caso de emergência. Não utilize adornos (anel, pulseira e cordão). Compareça aos treinamentos (TDS) nos locais e hora predeterminados. Certifique-se que existe uma (APR) para sua atividade, tome conhecimento e cumpra a mesma. Pare imediatamente um serviço que esteja sendo realizado de forma insegura

Add a comment

Related presentations

Related pages

Cartilha Ergonômica do Soldador - Health & Medicine

Cartilha Ergonômica do Soldador contendo informações cruciais da função.
Read more

Cartilha Soldador PDF[1] - Documents - DOCSLIDE.COM.BR

Cartilha Ergonômica do Soldador Cartilha Ergonômica do Soldador contendo informações cruciais da função. Pdf1 1. imprensa CERRADODO Janeiro de 2011 ...
Read more

Cartilha Protecao Respiratoria ANVISA - pt.scribd.com

Análise ergonômica do trabalho do soldador - Contribuição para projetação ergonômica - 01235 [ E 1 ].pdf
Read more

Os Soldador - pt.scribd.com

Análise Ergonômica do Posto de Trabalho do Soldador. Análise Preliminar de Risco - Soldas. ORDEM DE SERVIÇO ... Cartilha Do Trabalhador Em Enfermagem. Avc.
Read more

Cartilha Protecao Respiratoria ANVISA - scribd.com

Análise ergonômica do trabalho do soldador - Contribuição para projetação ergonômica - 01235 [ E 1 ].pdf
Read more

Apr Para Soldador Grátis Artigos Acadêmicos

CARTILHA DO SOLDADO SMS GEP General Engenharia Produções Mensagem ao soldador Esta cartilha trata de ... ERGONÔMICA DO TRABALHO DO SOLDADOR: ...
Read more

Ordem De Serviço Soldador Grátis Artigos Acadêmicos

Grátis Artigos Acadêmicos em Ordem De Serviço Soldador para estudantes. Use nossos trabalhos para ajudá-lo a redigir os seus
Read more