Auto-narrativas

57 %
43 %
Information about Auto-narrativas
Education

Published on November 11, 2008

Author: vanessabruno

Source: slideshare.net

Description

Apresentação dos textos sobre auto-narrativas do Psicólogo Jerome Bruner

Auto-narrativas Jerome Bruner Vanessa de Oliveira Dagostim 2007/1

Pensamento Narrativo • Oposto ao pensamento lógico-científico (paradigmático) que usa argumentos para convencer da verdade; causalidade; conceituação; consistência • Através da narrativa aborda a maneira pela qual as ações humanas se comportam nas mais diversas situações • As histórias criadas relatam situações humanas Página 2 11/11/2008

Características do Pensamento Narrativo • Busca a verossimilhança (o possível, o que poderia ter acontecido) • Condições prováveis • Pode ser contraditório • Busca a abstração, transcende o particular • Gatilho para a mudança de um plano para o outro Página 3 11/11/2008

Life as Narrative (2004) • Objetivo - estender as idéias sobre narrativas para analisar as histórias que nós contamos sobre nossas vidas: nossas autobiografias. (p.691) • Contar é construir e reconstruir nossa vida e o mundo • Será que construímos nossas histórias a partir de nossas experiências? Página 4 11/11/2008

Culture and autobiography 1) Parecemos não ter outra forma de descrever nosso tempo vivido a não ser pela narrativa 2) Narrativa imita a vida, vida imita a narrativa: a vida como um tipo de construção da mente humana, assim como a narrativa Página 5 11/11/2008

Culture and autobiography Narrador = figura central da narrativa DILEMAS Página 6 11/11/2008

Dilemas (reflexivity) • Como verificar o que é contado? • Como desfigurar-se de si mesmo? • Indeterminação • Racionalização Página 7 11/11/2008

• Ao falar sobre nossas vidas nós transformamos nossa autobiografia • Formas canônicas de nossa cultura • Talking cures • o poder dos processos cognitivos e lingüísticos do “dizer sobre si” das narrativas de vida conseguem estruturar a experiência perceptual para organizar a memória, segmentá-la e ria construir a finalidade de muitos eventos de uma vida. (p.694) Página 8 11/11/2008

• Autobiografias como formas literárias • Pessoas de todos os lugares podem contar algo sobre suas vidas; o que varia é a perspectiva cultural e lingüística ou forma narrativa na qual isso é formulado e expresso Página 9 11/11/2008

Formas de auto-narrativas • Narratologia : “...a narratologia procura descrever o sistema específico narrativo, buscando as regras que presidem à produção e processamento dos textos narrativos. A narratologia incorpora a tendência do estruturalismo por considerar os textos narrativos como meios, regidos por regras, pelos quais os seres humanos re(criam) o seu universo. Competirá à narratologia distinguir os textos narrativos dos restantes textos e descrever as suas características. Dentro de estas, os formalistas russos distinguem a fábula, a história, o agente narrativo, os actores, o acontecimento, o tempo e o lugar.” Página 10 11/11/2008

• A linguagem usada vai auxiliar o que é narrado semanticamente, pragmaticamente e estilisticamente; • O que são os gêneros? (p.697) • meras convenções ou algo próprio do humano...? • Cada gênero se caracteriza pela utilização da língua de uma maneira própria: lírico, épico... Página 11 11/11/2008

Ação X Consciência Agentes: dupla projeção –ação e consciência (mundo interno); Essa dualidade é essencial na narrativa. Página 12 11/11/2008

Quatro auto-narrativas • Pesquisa em 4 membros de uma família e suas auto-narrativas (p.700) • A mãe, o pai e um casal de filhos adultos • Há regras narrativas que selecionam e estruturam a experiência de uma maneira particular • Como esta família seleciona essas regras? Página 13 11/11/2008

Família Goodhertz • Pai • Mãe • Debby, 20 anos • Carl, 30 anos Página 14 11/11/2008

Algumas considerações • Nas narrativas, observa-se a distinção espacial entre o mundo e a casa; • A casa é o ponto de referência deles; • Carl: alta freqüência de voz passiva em sua narração, como se sentisse um objeto; • Sua vida é progressiva; • Debby narra sua vida como cíclica; • O pai é orientado para a ação; • Nas narrativas de pai e filho há pouco espaço para a intimidade; Página 15 11/11/2008

Conclusão (?) • A mente nunca é livre de “precomprometimentos”; não há um olhar inocente e nem um que possa penetrar a realidade primitiva. O que há são hipóteses, versões, o que se espera; concebemos a vida como uma história. • Entendemos melhor a história que alguém pode contar sobre qualquer coisa se consideramos que ela é uma das possibilidades que poderia ser contada. Página 16 11/11/2008

SELF-MAKING NARRATIVES (2002) • Quem é o eu – self? • O que é o eu e o que se espera que sejam auto-narrativas? • Por que temos necessidade de contar histórias? Qual a função disso? Página 17 11/11/2008

EU • No séc XX a resposta padrão é que isto estava em nosso insconsciente; nós precisaríamos de mecanismos para encontrar formas para superar a nossa própria resistência e nos descobrir; • Drama do EGO (Freud): onde havia ID deve haver EGO. Página 18 11/11/2008

EGO ID Inconsciente (impulsos, necessidades...) Controla as experiências EGO conscientes e regula as ações entre pessoa e meio SUPEREGO = EGO Natureza IDEAL superior; fala ao ego quem ele deve ser Página 19 11/11/2008

Por que precisamos de histórias para elucidar o EU? • Primeiramente, não há um eu que está lá, esperando para ser encontrado; mas ele é construído e reconstruído constantemente para ir de encontro às necessidades das situações que nós nos deparamos. Essa reconstrução é feita guiada pelas nossas memórias do passado e nossas esperanças e medo do futuro. • Contando sobre si próprio a si próprio, fazemos uma história sobre quem nós somos, o que aconteceu e porque nós estamos fazendo o que estamos fazendo. Página 20 11/11/2008

Auto-narrativa • É regulada pela memória e pela ficção; • Fontes internas memória, sentimentos, idéias, crenças, subjetividade; • Fontes externas o que esperamos dos outros, o que esperam de nós, expectativas culturais (inconscientes); Página 21 11/11/2008

Selfhood • Há muitos modelos de individualidade em qualquer cultura; • Além dos modelos há homilias (lições, discursos morais) que guiam nossa individualidade; • Distinção entre o nosso eu e o eu dos outros; • Desenvolvemos algo decorado para contar sobre nós a nós mesmos e aos outros; • PACTO DA AUTOBIOGRAFIA o que é apropriado contar sobre nós aos outros? • Nossa individualidade se torna, nesse processo, res publica. Página 22 11/11/2008

Eu X Outro • John Done: “nenhum homem é uma ilha...” • Neisser reuniu artigos de pesquisadores sobre essa área: (individualidade e eu) p. 213 que tentam explicar por que nos retratamos através de histórias, tão naturalmente, que a nossa individualidade parece ser produto da nossa própria construção da história? Página 23 11/11/2008

PENSAMENTO X LÍNGUA • Segundo crenças lingüísticas antigas, pensamos para falar; nosso pensamento seria moldado pela língua; a língua favorece perspectivas particulares; o mundo não apresenta eventos a serem codificadas pela língua, mas é ela q filtra nossa percepção por esses eventos; a individualidade seria um meta-evento. p. 215 Página 24 11/11/2008

... • a pessoa (EU) sobre qual nós escrevemos é apenas uma versão; • balanço entre o que alguém realmente era e o que poderia ter sido; • estamos sempre buscando o equilíbrio entre a nossa memória e a realidade, mas fazemos isso inconscientemente; Página 25 11/11/2008

4 exemplos famosos p. 216 • Santo Agostinho • Vico (século XVII) • Jean Jacques Rosseau (1764) • Samuel Beckett (1906-1989) • Para Agostinho, o eu era produto da regulação guiada da narrativa revelando o que Deus tinha escrito. Um milênio depois, em Beckett, a auto- narrativa era apenas um mero jeito de escrever, produto da imaginação; • As questões deles são muito diferentes, porém todos tem a preocupação com a individualidade. Página 26 11/11/2008

Narrativa: ato de equilíbrio Autonomia X Comprometimento • Autonomia: liberdade de escolha, possibilidades; • Comprometimento: relação com os outros, o que limita a autonomia. • Nossas vidas buscam esse equilíbrio, assim como as auto-narrativas. Página 27 11/11/2008

Exemplos • 1) Christopher McCandless, 23 anos – excesso de autonomia, sem comprometimento com os outros • 2) MÉDICO – comprometimento • Tanto o médico quanto o garoto tiveram impasses: ambos descontentes, chateados, foram moldados por comprometimentos precoces, escolheram e previram a continuação; Página 28 11/11/2008

Turning points • dificilmente se encontra auto-narrativas sem turing points, coisas que provocaram uma mudança de vida; • Eles são parte integral do crescimento? • normalmente eles ocorrem em um momento da vida posterior à juventude; • algumas culturas marcam os turning points através de ritos de passagem marcantes (até dolorosos); os ritos convencionam os turning points; • o rito de passagem não apenas encoraja mas legitima a mudança. • apesar de nossas crenças de que as pessoas nunca mudam, nós mudamos!!!! Página 29 11/11/2008

Narrativa como construção • O dom da narrativa é distintamente humano, como nossa postura ereta, etc; parece ser nossa maneira natural de contar as coisas; • é através da narrativa que criamos e recriamos a individualidade. O eu é um produto da nossa “auto-contação”; • sem a capacidade de fazer história sobre nós mesmos não há como ter a individualidade. Página 30 11/11/2008

A morte da identidade • Dysnarrativia: desordem neurológica, além de uma lesão na memória, quebra o senso do eu; a individualidade é virtualmente apagada; completa perda da habilidade de se colocar no lugar dos outros; perde o senso do eu e também do outro; • os indivíduos que perderam a habilidade de construir narrativas perderam a si próprio; a construção da individualidade não pode ser processada sem a capacidade de narrar; uma vez que nós nos equipamos dessa capacidade, podemos construir essa individualidade que nos une com os outros, nos permite voltar ao passado; • a dysnarrativia é mortal para a identidade. Página 31 11/11/2008

O homem que confundiu sua mulher com um chapéu (SACKS, 1997) Prefácio: • “O ser essencial do paciente é muito relevante nas esferas superiores da neurologia e na psicologia, pois, nestas áreas, a individualidade do paciente está essencialmente envolvida, e o estudo da doença e da identidade não pode ser desarticulado. De fato, esses distúrbios, juntamente com sua descrição e estudo, exigem uma nova disciplina, que podemos denominar “neurologia da identidade ”, pois lida com as bases neurais do eu, com o antiqüíssimo problema de mente e cérebro.” (Sacks, 1997, p.10). Página 32 11/11/2008

... • A cultura é dialética, repleta de narrativas alternativas sobre o q o eu é ou pode ser e as histórias q nós contamos para criar a nós mesmos refletem essa dialética. Página 33 11/11/2008

Agradecimento À colega Lílian Página 34 11/11/2008

bibliografia complementar • E-dicionário de termos literários: http://www.fcsh.unl.pt/edtl/verbetes/N/narratologia.htm • http://www.bonde.com.br/colunistas/colunistasd.php?id _artigo=1569 • http://www.tvebrasil.com.br/salto/boletins2005/mpi/tetx t1.htm • Representações Mentais: O Pensamento Narrativo e o Pensamento Paradigmático Integrados. Ana Teresa Contier e Marcio Lobo Netto. Disponível em: www.revistafenix.pro.br Página 35 11/11/2008

Add a comment

Related presentations

Related pages

Pedagogical Practice and Possibility: Establishing La ...

Pedagogical Practice and Possibility: Establishing La Clase Mágica at a ... Auto-narrativas digitales (Digital auto-narratives) • Task cards on
Read more

Cristóbal Bravo, Hacia una narrativa de la naturaleza: la ...

Hacia una narrativa de la naturaleza: la psicología ante el reto sustentable. Maintained and operated by. Sponsored by. About PhilPapers. General Editors:
Read more

Universidade do Minho: Maintenance and transformation of ...

Estabilidade e transformação de auto-narrativas em psicoterapia breve : contribuições teóricas e empíricas: Autor: Ribeiro, António P. Orientador:
Read more

Narrative and identity construction – an analysis of the ...

Narrative and identity construction – an analysis of the L2 Learning process 1 Luiz Antônio Caldeira Andrade Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
Read more

Narrative and identity construction: an analysis of the L2 ...

Narrative and identity construction: an analysis of the L2 ... investigam o processo de aprendizagem de L2 a partir de auto-narrativas que refletem o ...
Read more

Camille Foletto | Facebook

Camille Foletto is on Facebook. Join Facebook to connect with Camille Foletto and others you may know. Facebook gives people the power to share and makes...
Read more

Disorganized Narratives in Clinical Practice - ResearchGate

Disorganized Narratives in Clinical Practice. ... Neste contexto, concebemos as auto-narrativas problemáticas como regras implícitas de significado ...
Read more

NARRATIVA E IDENTIDADE - MONOGRAFIA

O presente estudo investiga as experiências de aprendizes através da análise de um grupo de auto-narrativas registradas ... MONOGRAFIA Author: Luiz ...
Read more

Meaning-creation, selfhood, and religion: From religious ...

Meaning-creation, selfhood, and religion: From religious metanarratives to spiritual self-narrativesSignificado-creación, individualización y religión: ...
Read more