Aula sinais e símbolos

45 %
55 %
Information about Aula sinais e símbolos

Published on September 8, 2015

Author: CntiaDalBello

Source: slideshare.net

1. Sinais e Símbolos Profa. Dra. Cíntia Dal Bello

2. PART I : The Dawn of Man – “O Alvorecer do Homem” https://www.youtube.com/watch?v=ypEaGQb6dJk

3. TRAILER https://www.youtube.com/watch?v=7E9CD3Hucws 2001: A Space Odyssey é um filme anglo-americano de 1968 dirigido e produzido por Stanley Kubrick, co-escrito por Kubrick e Arthur C. Clarke. O filme lida com os elementos temáticos da evolução humana, tecnologia, inteligência artificial e vida extraterrestre. É notável por seu realismo científico, efeitos visuais pioneiros, imagens ambíguas que são abertas a ponto de se aproximarem do surrealismo, som no lugar de técnicas narrativas tradicionais e o uso mínimo de diálogo. O filme é memorável por sua trilha sonora, resultado da associação feita por Kubrick entre o movimento de satélites e os dançarinos de valsas, o que o levou a usar Danúbio Azul, de Johann Strauss II e o famoso poema sinfônico de Richard Strauss, Also sprach Zarathustra, para mostrar a evolução filosófica do Homem, teorizado no trabalho de Friedrich Nietzsche de mesmo nome. Apesar de ter sido recebido inicialmente de forma mista, 2001: A Space Odyssey é atualmente reconhecido pela crítica e pelo público como um dos melhores filmes já feitos. Foi indicado a quatro Oscars, recebendo um por melhores efeitos visuais. Em 1991 foi considerado "culturalmente, historicamente ou esteticamente significante" pela Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos para ser preservado no National Film Registry. Fonte: Wikipedia

4. FRUTIGER, Adrian. Sinais e símbolos: desenho, projeto e significado. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

5. Do pensamento à imagem “Produzidos na era glacial (cerca de 60.000 anos antes de nossa era), desenhos em forma de sinais riscados, esculpidos e pintados sobre rochas permanecem intactos. Tende-se a considerar esses “monumentos” como precursores de nossa escrita. Em termos bastante genéricos, certamente o são, mas nunca como modelos relacionados ao que hoje chamamos de escrita, mesmo no que diz respeito a uma escrita pictórica. Naquele tempo, o homem ocupava sua mente com atividades bem mais vitais do que qualquer tentativa de registrar a linguagem. Na verdade, os desenhos em cavernas devem ser avaliados como evocações mágicas, resultantes do medo de fenômenos sobrenaturais, simplesmente por motivo de sobrevivência e para satisfazer o instinto natural”. (FRUTIGER, 1999, p. 83).

6. Cova das Mãos, Argentina (9.000 a.C)

7. “Antes da escrita, existia um tipo de linguagem ou sistema de comunicação desenvolvido em milhões de anos. Supõe-se que parte dele era feita de sons de curta duração, mas certamente esse sistema era mantido por outras formas de expressão, não exclusivamente relacionadas à esfera auditiva. [..] Por isso, é válido admitir que uma ‘linguagem’ primitiva não consistia apenas em sons, mas também em vários tipos de gestos, contatos, sensações olfativas etc. [...] No período neolítico, era bem próxima da atual, o homem tentou reconhecer e compreender cada vez mais as limitações de tempo e espaço de sua própria época. A consciência da vida e da morte levou à invenção e ao impulso da auto-afirmação. A expressão das experiências passadas e dos projetos futuros, a manifestação ds esperanças e dos temores e, ao mesmo tempo, o desejo de preservar esses novos conhecimentos parecem constituir uma sequência natural, mesmo que tardia, do processo de desenvolvimento”. (FRUTIGER, 1999, p. 83-84).

8. “Por isso, quando observamos um desenho pré-histórico, temos a nítida impressão de que existiu um contato muito próximo entre a imagem e uma linguagem gestual e sonora, que servia para acompanhar, esclarecer, registrar os ritos ou narrar. O desenho se manteve, mas a fala (e com ela também o significado dos sinais) não nos foi transmitida diretamente. (FRUTIGER, 1999, p. 84). “Segundo nosso ponto de vista, o despontar do verdadeiro registro ‘plástico’ do pensamento situa-se num progresso de mão dupla, que abrange os sons pronunciados , de um lado, e os gestos desenhados, de outro. Essa expressão complementar tendeu, progressivamente, a associar sempre os mesmos desenhos às mesmas imagens. Nesse momento, as figuras transformaram-se numa escrita que conservou o pensamento e a fala de forma a permitir sua representação e, portanto, sua leitura em qualquer época ”. (FRUTIGER, 1999, p. 85).

9. Pesquisadores estudaram 80 dessas obras Bradshaw, nomeadas em homenagem ao naturalista do século 19 que as identificou, em 16 locais na região da Austrália Ocidental. Eles se concentram em duas das mais antigas pinturas Bradshaw, Tassel e Sash, e constataram que a grande maioria delas apresentava sinais de vida, mas não pintura. A equipe apelidou o fenômeno de “pigmentos vivos”. Segundo os cientistas, os pigmentos da tinta original foram substituídos por microorganismos pigmentados. Estes organismos vivos podem se reabastecer ao longo de milênios, o que pode explicar a aparência fresca das pinturas. Fonte: http://hypescience.com/cores-de-uma- obra-de-arte-antiga-vem-de-microorganismos/ Estima-se que as pinturas tenham cerca de 40 mil anos.

10. Grande touro vermelho rodeado de caçadores Arte neolítica, Catal Huyuk, Anatólia (Ásia Menor).

11. Neolítico = Pedra Polida • 10.000 a.C (sedentarização) a 3.000 a.C (Idade dos Metais) • Aldeias próximas a rios • Plantio e domesticação dos animais • Divisão do trabalho entre homens e mulheres • Aumento do tempo de lazer • Comércio e dinheiro (sementes) • Pedra Polida: machados e outros instrumentos • Estocagem de alimentos – cerâmicas – decoração • Vestuário: das peles de animais para os tecidos • Moagem, cestaria, roda e tração animal • Fim do período: surgimento da escrita

12. Cultura • O cultivo da terra deu origem a cultos agrários, já que os homens acreditavam que havia fenômenos naturais e forças sobrenaturais que influenciavam as colheitas. Surgiram, assim, as primeiras estátuas, que mostram uma deusa, ligando a fertilidade da mulher à fertilidade da terra. • Outra manifestação artística foi a criação dos monumentos megalíticos, para o culto funerário. Os mais simples são os menires e os dólmens. Ao agrupamento de vários menires em linha ou círculo dá-se o nome de cromeleques. Fonte: Wikipedia

13. Dolmen de Poulnabrone (Poll na mBrón em irlandês significa "buraco das pedras Quern“ - Ir em irlandês) Túmulo portal no Burren, County Clare, Irlanda, que remonta ao Neolítico, entre 4200 aC e 2900 aC. Fonte: Wikipedia

14. “O monumento circular de pedras pré-histórico de Stonehenge, na Inglaterra, estava rodeado de 17 templos, segundo revelou uma análise com scanner do subsolo. Stonehenge, na planície de Salisbury, no sudoeste da Inglaterra, é um dos monumentos pré-históricos mais conhecidos do mundo, mas acreditava-se que nunca houve mais do que já havia sido descoberto” – Fonte: http://pelaestradafora.com.br/noticias/arqueologos-descobrem-17-templos-ao-redor-de- stonehenge/ Cromeleque de Stonehenge

15. Vênus de Willendorf 24 a 22.000 a.C. Áustria Calcário Vênus de Hohle Fels 40 a 35.000 a.C. Alemanha Marfim de Mamute Venus of Lespugue 26 a 24.000 a.C. França Marfim de Mamute

16. Venus de Chiozza Neolítico Itália Vênus da tribo Çatal Huyuk Neolítico Localizada entre os rios Nilo, Tigre e Eufrates

17. A transcrição da linguagem “Estima-se que a escrita, no sentido de uma verdadeira preservação do pensamento e da fala, começou a existir no momento em que desenhos ou sinais surgiram relacionados diretamente com as sílabas, palavras ou frases pronunciadas. Calcula-se que os primeiros ‘escribas’ da proto-história tenham vivido no quinto milênio antes de Cristo, na região do Oriente Médio. Com a ajuda dos chamados ‘pictogramas’, esquematizavam objetos, datas e ações. No entanto, a escrita, propriamente dita nasceu apenas no momento em que começaram a organizar e ‘alinhar’ os sinais lado a lado ou um sobre o outro, correspondendo à evolução linea dos seus pensamentos” (FRUTIGER, 1999, p. 87).

18. DOIS TIPOS DE DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA 1. ESCRITAS QUE PERMANECERAM FIGURATIVAS FONTE: https://verenanachina.wordpress.com/2010/12/11/uma-breve-historia-dos-%E6%B1%89%E5%AD%97- hanzi-os-ideogramas/

19. Fonte: http://www.mundoeducacao.com/historiageral/origem-escrita.htm 2. ESCRITAS ALFABÉTICAS

20. PICTOGRAMAS – AINDA EM VOGA!

21. FONTE: http://los7pecadoscapitales.com/15-prejuicios-de-genero- representados-en-pictogramas/ Preconceitos de gênero representados em pictogramas

Add a comment

Related pages

Aula 2 - sinais-e-sistemas - Passei Direto: A maior rede ...

Baixe grátis o arquivo Aula 2 enviado para a disciplina de sinais-e-sistemas Categoria: Aulas - 2104016
Read more

video aula escrita de sinais 02 - YouTube

Como criar símbolos com a tecla ALT ... Seu saber 129,411 views. 2:31 video aula escrita de sinais 01 - Duration ... +YouTube; Terms;
Read more

PLANO DE AULA: SINAIS DE PONTUAÇÃO

PLANO DE AULA: SINAIS DE PONTUAÇÃO. ... Neste post um plano de aula e algumas atividade para auxiliar os estudantes na produção textual.
Read more

Aula: Sinais de Trânsito - Ensino Nacional

Aula: Sinais de Trânsito ... Dar a conhecer as placas retangulares azuis, que contam com símbolos que indicam serviços como estacionamento, ...
Read more

AulaMCAMatemática0001 - Sinais de Maior e Menor - YouTube

APRENDA A DIFERENCIAR OS DOIS SINAIS MATEMÁTICOS DE MAIOR E MENOR COM SEGURANÇA. Um Abraço a Todos
Read more

PLANO DE AULA: SINAIS DE PONTUAÇÃO | Alfabetização Consciente

* Compreende e faz uso dos símbolos convencionais da escrita de forma adequada, ... 4 respostas para PLANO DE AULA: SINAIS DE PONTUAÇÃO.
Read more

Aula Sinais de Pontuação V – Reticências e parênteses ...

Sinais de Pontuação V – Reticências e Parênteses Escrita por ßShoose Nível: Básico Olá, pessoal! Bom, nesta aula vou explicar como e quando ...
Read more

Portal do Ensino Religioso: SÍMBOLOS

na aula anterior, e elaborar com a turma um cartaz contendo o nome das diversas. religiões (Catolicismo, Espiritismo, ... ALGUNS SÍMBOLOS RELIGIOSOS.
Read more