Aula 2B_Microbiologia/Imunologia - Bacteriologia

55 %
45 %
Information about Aula 2B_Microbiologia/Imunologia - Bacteriologia
Health & Medicine

Published on February 15, 2014

Author: ceciliasoares3998

Source: slideshare.net

Description

Estas aulas tem conteúdos retirados dos capítulos 2 e 3 do Livro do autor Trabulsi, bem como está presente em diversos materiais pesquisados na Internet. É um compilado e tanto para vocês! Bons estudos!

CLASSIFICAÇÃO DOS MICROORGANISMOS Profª Dra. Maria Cecília Pereira Soares São Paulo, Fevereiro de 2014

Reino Monera

Reino Monera • Os Moneras são seres vivos unicelulares e procariontes. • A célula dos Moneras não apresenta organelas celulares membranosas . As únicas organelas celulares existentes no citoplasma da célula destes seres vivos são os RIBOSSOMOS. • Os ribossomos são responsáveis pela produção de proteínas. • Pertecem a este reino: Bactérias, Cianobactérias, Rickettsias e micoplasmas.

BACTÉRIAS EXISTÊNCIA ESTRUTURA CLASSIFICAÇÃO REPRODUÇÃO BENEFÍCIOS E PATOGENIDADE

CARACTERISTICAS Bactérias são procariontes O tamanho das bactérias geralmente varia de 0,5 a 5 μm Só podem ser vistas com microscópio Sem microscópio é possível ver as colônias A maior bactéria conhecida foi descoberto em 1999 e se chama Pérola de Enxofre de Namibia (Thiomargarita Namibiensis). Ela pode ser vista com olho nu devido a um diâmetro até 0,75mm.

EXISTÊNCIA Bactérias existem há mais do que 3,5 bilhões anos. Graça às estruturas simples, bactérias podem sobreviver em todos ambientes da terra. Podem ser encontrados por exemplo no ar, no solo, na água, vulcão, no mar profundo, nas fontes quentes, no gelo, no sal, na pele dos homens, etc. Em condições desfavoráveis algumas bactérias formam esporos, que podem sobreviver milhões de anos.

Célula bacteriana Membrana plasmática Parede celular Citoplasma Cápsula Mesossomo Ribossomos Fímbrias Enzimas relacionadas com a respiração, ligadas à face interna da membrana plasmática Plasmídeos Nucleóide Flagelo DNA associado ao mesossomo

ESTRUTURA Parede celular - Envoltório extracelular rígido responsável pela forma da bactéria constituída por um complexo protéico - glicídico (proteína + carboidrato) com a função de proteger a célula contra agressões físicas do ambiente. Não possui celulose como as das células vegetais. Cápsula - Camada de consistência mucosa ou viscosa formada por polissacarídeos que reveste a parede celular em algumas bactérias. É encontrada principalmente nas bactérias patogênicas, protegendo-as contra a fagocitose. Membrana plasmática - Mesma estrutura e função das células eucariontes. Citoplasma - Formado pelo hialoplasma e pelos ribossomos. Ausência de organelas membranosas. Mesosomo – invaginação da membrana plasmática, importante durante a duplicação e divisão bacteriana. Nucleóide - Região onde se concentra o cromossomo bacteriano, constituído por uma molécula circular de DNA. É o equivalente bacteriano dos núcleos de células eucariontes. Não possui carioteca ou envoltório nuclear. Além do DNA presente no nucleóide, a célula bacteriana pode ainda conter moléculas adicionais de DNA, chamadas plasmídios ou epissomas. Plasmódios – também possuem material genético Flagelos - Apêndices filiformes usados na locomoção. Fímbrias - Apêndices filamentares, de natureza protéica, mais finos e curtos que os flagelos. Nas bactérias que sofrem conjugação, as fímbrias funcionam como pontes citoplasmáticas permitindo a passagem do material genético.

CLASSIFICAÇÃO Morfologia Corante de Gram Respiração e Nutrição

Morfologia das Bactérias • Tamanho: diâmetro de 0,2 a 1,5 um e comprimento de 1 a 6 um. • Forma:

Diplococos COCOS – Chlamydia trachomatis

Estreptococos (Streptococcus) Estafilococos

ESPIRILOS – Treponema pallidum

VIBRIÃO – Vibrio cholerae BACILO – Mycobacterium tuberculosis

MORFOLOGIA As formas não são constantes, podem variar de acordo com o meio e com o tipo de associação. As mudanças de forma podem ser consideradas como: Involução - mudança de forma devido à condições desfavoráveis, presença ou ausênciade oxigênio, pH, ou por produtos tóxicos, entre outros. Pleomorfismo - a bactéria não apresenta uma morfologia única, mesmo que se encontre em condições favoráveis à sua sobrevivência.

Morfologia e Estrutura Bacteriana Diferenças na parede Gram positivas Gram negativas • Gram + –Quantidade > peptideoglicano •Mais espessa e rígida –Proteínas, lipídios, ác. teicóico

Morfologia e Estrutura Bacteriana •Gram – –Menos espessa, mais complexa –Membrana externa •Barreira seletiva •Efeito tóxico •Composição: fosfolipídios, lipoproteínas, lipopolissacarídeos (LPSs)

Características tintoriais

CORANTE DE GRAM Assim designada em memória de Christian Gram, que desenvolveu o procedimento em 1884, a coloração de Gram classifica as bactérias em Grampositivas ou Gram-negativas e continua a ser um dos métodos mais úteis para classificar as bactérias. Neste procedimento, as bactérias são submetidas primeiro à ação de um corante violeta, seguido de fixação com iodo e depois um agente de descoloração, como o metanol. Seguidamente, são novamente coradas com safranina. As bactérias Gram-positivas fixam o primeiro corante, devido à maior espessura da parede celular, e ficam coradas de azul ou violeta, enquanto que as bactérias Gram-negativas, após a descoloração pelo metanol, são coradas pela safranina e ficam vermelhas. As bactérias que retêm a coloração violeta são designadas por Gram-positivas. As bactérias que perdem a coloração violeta depois de descoloradas, mas que adquirem um corante de contraste (ficando com um tom cor-de-rosa) são Gramnegativas. Esta distinção de manchas é um reflexo das suas diferenças no que diz respeito à composição básica das suas paredes celulares.

Características tintoriais

Gram positivo

Gram negativo

CORANTE DE GRAM São exemplos de bactérias Gram-positivas várias espécies de: - Estreptococos; - Estafilococos; - Enterococos. São exemplos de bactérias Gram-negativas: - Vibrão Colérico; - Salmonelas.

Morfologia e Estrutura Bacteriana –Funções da cápsula •Aderência •Proteção desidratação •Reservatório alimentos •Proteção fagocitose –Fator de virulência

ULTRA- ESTRUTURA BACTÉRIAS Estruturas celulares externas • Flagelos –Flagelina –Movimentação da bactéria > tropismo > + e –Ligados na membrana plasmática e na parede celular

Monotríqueo Anfitríqueo

Lofotríqueo Peritríqueo

RESPIRAÇÃO • Aeróbicas podem crescer apenas na presença de oxigénio • Anaeróbicas podem crescer apenas na ausência de oxigénio • Facultativas podem crescer tanto na presença como na ausência de oxigénio E NUTRIÇÃO • Heterótrofos - Saprófitos decompõem material orgânico de animais e plantas mortas - Parasitas envenenam o organismo do hospede com os seus produtos de metabolismo - Simbióticos vivem por exemplo no intestino dos animais que comem plantas e quebram celulose • Autótrofos - Fotossintetizantes obtêm a energia na forma de luz, para a fotossíntese - Quimiossintetizantes obtêm energia pela oxidação de compostos químicos

REPRODUÇÃO Assexuada - Bipartição ou cissiparidade - Nesse processo a célula bacteriana duplica seu cromossomo e se divide ao meio, apoiado no mesossomo, originando duas novas bactérias idênticas à original. Sexuada ou Transmissão genética - Conjugação - Consiste na passagem (ou troca) de material genético entre duas bactérias através de uma ponte citoplasmática formada pelas fímbrias. -Transformação - A bactéria absorve moléculas de DNA disperso no meio. Esse DNA pode ser proveniente, por exemplo, de bactérias mortas. - Transdução - As moléculas de DNA são transferidas de uma bactéria a outra usando vírus como vetores.

Comunicação entre bactérias Quorum sensing

BENEFÍCIO PATOGENIDADE • Produção de alimentos e bebidas • Micróbio patogênico • Estrago dos alimentos • Corrosão • Degradação de lixo problemático • Produção de medicamentos • Digestão • Fixação do N2 na atmosfera

Algumas das bactérias mais nocivas ao homem e as doenças associadas a cada uma dela: •Streptococcus pneumoniae - causa septicemia, infecção no ouvido médio, pneumonia e meningite. •Haemophilus influenzae - causa pneumonia, infecção do ouvido e meningite principalmente em crianças. •Shigella dysenteria - causa disenteria (diarréia sangrenta). Linhagens resistentes podem levar a epidemias e algumas podem ser tratadas apenas com medicamentos muito caros (fluoroquinolonas). •Neisseria gonorrhoeae - causa gonorréia, a resistência às drogas limita o seu tratamento principalmente à cefalosporina. •Pseudomonas aeruginosa - causa septicemia e pneumonia, principalmente em pessoas com fibrose cística ou com o sistema imune comprometido. Algumas linhagens super resistentes não podem ser tratadas com drogas. •Enterococcus faecalis - causa septicemia e infecção do trato urinário, e infecção das vias respiratórias nos pacientes com o sistema imune comprometido. Algumas linhagens ultra resistentes não podem ser tratadas com drogas. •Escherichia coli - causa infecção do trato urinário, infecção do sangue, diarréia e falência dos rins. Algumas linhagens são ultra resistentes. •Acinetobacter - causa septicemia em pacientes com o sistema imune comprometido. •Mycobacterium tuberculosis - causa tuberculose. Algumas linhagens ultra resistentes não podem ser tratadas com drogas. •Staphylococcus aureus - causa septicemia, infecção nas vias respiratórias e pneumonia. Algumas linhagens tem se mostrado muito resistentes a vários antibióticos.

BENEFÍCIOS E PATOGENIDADE 90% das bactérias são benéficas e só 10% patogênicas ao homem. O homem não pode sobreviver sem bactérias, mas as bactérias sem o homem.

Add a comment

Related presentations

Related pages

Aula 2B_Microbiologia/Imunologia - Bacteriologia - Health ...

Estas aulas tem conteúdos retirados dos capítulos 2 e 3 do Livro do autor Trabulsi, bem como está presente em diversos materiais pesquisados na Internet ...
Read more

Aula Prática Bacteriologia de peixes - Documents

Testes bioquímicas utilizados na identificação bacteriana. ... Home; Documents; Aula Prática Bacteriologia de peixes
Read more