Apresentação1 cópia

39 %
61 %
Information about Apresentação1 cópia
Government & Nonprofit

Published on November 10, 2014

Author: DevelopmentWorkshopAngola

Source: slideshare.net

1. Ciclo de Palestras sobre: VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Compreender, Proteger, Intervir DATA: 10 de Outubro de 2014 APRESENTADOR: Carlos Vaguy

2. Ciclo de Palestras sobre: VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Compreender, Proteger, Intervir O fenómeno l O IMPACTO E AS CONSEQUÊNCIAS NAS CRIANÇAS E JOVENS O agressor l INTERVENÇÃO JUNTO DOS AGRESSORES A intervenção l TRABALHO MULTIDISCIPLINAR E EM REDE

3. Ciclo de Palestras sobre: VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Compreender, Proteger, Intervir Celma Pontes Licenciou-se em Administração Pública e Comunicação Empresarial, pela Universidade Agostinho Neto. Actualmente é actriz e jornalista e membro do Grupo Teatral Walpipa. Fez parte do elenco de luxo do grande sucesso de audiência: Windeck. Apoia no projecto "Diga não as Drogas" da produtora MMA. A Madrinha

4. Somos vítimas Violência urbana Banalização do fenómeno (diminuindo a sensação de estranhamento) Mal necessário VIOLÊNCIA O tema violência nos é familiar, devido as informações difundidas através da impressa: notícias, reportagens de violência a vários níveis, nas vivências e no quotidiano do dia-a-dia

5. VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Apesar do fenómeno estar a ocupar maior espaço na impressa, é necessário perguntar: A violência domestica tem de facto crescido ou a percepção a seu respeito é que tem aumentado?

6. LEI CONTRA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA O PORQUE DESSA INICIATIVA A Lei n.º 25/11 de 14 de Julho, contra Violência Doméstica foi vista e aprovada pela Assembleia Nacional, em Luanda aos 21 de Junho de 2011 e promulgada pelo Presidente da República os 07 de Julho do mesmo ano ARTIGO 1.° Incentivar a prevenção da violência doméstica Fomentar políticas educação, informação, saúde e apoio social Desencorajar actos com base nos usos e costumes, atente contra a dignidade da pessoa humana

7. ENQUADRAMENTO DA INICIATIVA DIANTE DA LEI ARTIGO 8.° (Sensibilização e informação) ARTIGO 10.°(Formação) MEDIDAS DE PREVENÇÃO E APOIO A Lei contra Violência Doméstica consagra medidas de prevenção, tais como: Sensibilização e informação junto das comunidades ou ainda expansão dos conhecimentos e a identificação e da difusão de boas práticas. E ainda a necessidade de formação dos profissionais que intervenham no processo

8. É um comportamento violento que ocorre em ambiente familiar O QUE É VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Não existe uma definição uniforme nem critérios objectivos. É um conceito abrangente que integra e liga entre si vários tipos de abusos sobre os membros da família: maus tratos às crianças, às mulheres e aos idosos, ao homem pela mulher e pelos filhos adolescentes sobre os pais adultos

9. Tipos DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA · Maus tratos físicos · Isolamento social · Intimidação · Maus tratos emocionais, verbais e psicológicos · Ameaças · Violência sexual · Controlo económico VIOLÊNCIA DOMÉSTICA O rompimento de vínculos e desestruturação familiar pode refletir-se na progressão da violência. Por outro lado, as acusações de prática de feitiçaria a idosos e as crianças são também motivos catalisadores do fenómeno

10. Relacional Conjectural Sóciocultural ORIGEM DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Uma análise mais profunda do complexo esquema de relações causa e efeitos, diz-nos que a causa mais profunda do fenómeno é o colapso do sistema nacional de educação, sobretudo a educação moral e cívica e a formação profissional

11. 1. O Estado deve promover a criação de condições necessárias para o apoio psicológico e psiquiátrico do agente do crime de violência doméstica. 2. Devem ser elaborados e implementados programas de recuperação dos agentes do crime de violência doméstica. A LEI E O APOIO AO AGRESSOR O ARTIGO 20.° da Lei Contra a violência doméstica consagra o dever do estado em garantir o Apoio ao agente do crime

12. CICLO DA VIOLÊNCIA Violência Doméstica ocorre pela necessidade do agressor exercer poder e controlo total sobre a outra pessoa e sobre a relação

13. 1. Fase de emergência da violência – fase da tensão; 2. Fase do incidente crítico da agressão – fase da explosão; 3. Fase da reconciliação – fase da lua-de-mel; CICLO DA VIOLÊNCIA Os maus-tratos aumentam em intensidade, frequência e perigosidade, com o decorrer do tempo. E à medida que a violência continua, o ciclo modifica-se: a primeira fase torna-se cada vez mais curta e intensa; a segunda fase torna-se cada vez mais frequente e grave; e a terceira cada vez menos duradoura e intensa

14. O PERFIL DO AGRESSOR Caraterísticas comuns: “alcoolismo; desemprego; autoestima baixa; experiência com maus-tratos; depressão; progressão da violência; e precocidade O companheiro ou cônjuge, Crianças vítimas tornam-se agressoras, maioritariamente de mães e irmãos; As mulheres maus tratos aos filhos;

15. Vistos de fora, os agressores podem parecer responsáveis, dedicados, O PERFIL DO AGRESSOR carinhosos e cidadãos exemplares Na verdade, o que parece faltar na relação permeada pela violência é educação e respeito Não existe um perfil característico de um homem agressor porém a maioria dos homens têm necessidade de controle ou dominação sobre a mulher; possuem sentimento de poder frente à mulher; têm receio da independência da mulher; a maioria deles libertam a raiva em reposta à percepção de que estaria perdendo a posição de chefe da família

16. É necessário, em primeiro lugar, trabalhar lugar as questões relacionadas com a motivação. Compreender as dinâmicas que sustentam a interacção violenta, para poderemos implementar uma adequada intervenção REABILITAÇÃO Dada a natureza deste fenómeno e as características psicossociais dos agressores, uma das formas de proteger as vítimas e de prevenir futuras situações é, precisamente, favorecer a mudança nos agressores no sentido de um comportamento relacional, actual ou futuro, não violento

17. Individual Casal Familiar Grupo REABILITAÇÃO Os programas ou estratégias de gestão da ira/raiva, treinos de competências de auto-controlo; os grupos de auto-ajuda; os programas psico-educacionais; Tem de haver, em paralelo, um investimento fundamental na educação comunitária, na educação para a cidadania e para os direitos/igualdade, no combate às formas de violência socializada sustentadas em crenças e mitos

18. Consumo de álcool. É prioritário intervir primeiro nesta situação e só depois nas outras questões de fundo. Basta o consumo do álcool ter sido controlado para observarmos mudanças no comportamento do indivíduo. Mas atenção: não é dizer que o álcool é responsável, mas sim um factor de risco. Depois de resolvidas estas questões prioritárias, vamos trabalhar aquilo que está por trás da violência conjugal (personalidade e sociculturais). METODOLOGIAS E ESTRATÉGIAS Estas intervenções procuram fazer com que a relação se reequilibre em termos de poder e controlo

19. instituições voltadas à proteção da vítima não englobam o agressor como se este não fizesse parte do processo de violência; É importante implementar-se ações que atinjam, também, aquele que agride; cuidar das crianças, ninguém nasce violento, mas aprende a sê-lo; EM ANGOLA o agressor não tem acompanhamento psicossocial assegurado, mesmo que a sua companheira queira se separar ele poderá fazer o mesmo com outras mulheres e, dar-se-á início ao ciclo, muda-se apenas o endereço

20. "homem não chora nem leva desaforo para casa; quem chora é mulher", É incutindo nas crianças o conceito do choro como demonstração de fragilidade, CUSTO DA INTERVENÇÃO O gasto utilizado com intervenção poderia também ser empregue em prevenção, junto à família: A produtora de agressores e vítimas

21. Não basta aplicar uma pena criminal para que um problema de violência familiar se resolva se não formos às causas, se não explicarmos a violência, não para a justificar, mas para a perceber e resolver, se possível, não conseguiremos nem reabilitar o agressor, nem proteger e apoiar a vítima.

22. Apostando numa efectiva recuperação do agressor, será possível alcançarmos a principal finalidade da Lei Contra a Violência Doméstica.

23. Relações familiares, com os afectos corroídos e com os medos e os ódios sedimentados, numa ambivalência de sentimentos difícil de gerir, importa também uma intervenção com o agressor

24. Eu sou contra a violência doméstica e tu?

25. Obrigado!

Add a comment

Related presentations

Technological Trends by Louise Thomasen, Track 6 Leadership and organisation, ICEG...

Photos from Lodi Public LIbrary NJ of successful community partnership programs th...

This was presented at the Mauritius UNESCO Conference 2014 to celebrate the Inden...

The field of behavioral economics is revolutionizing the policy and business world...

Denne præsentation blev holdt 6/11-14 til et Rotary seminar. Indeholder tips og tr...