A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas

0 %
100 %
Information about A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas

Published on June 3, 2016

Author: eticademocracia

Source: slideshare.net

1. Recife, 02 de Junho de 2016 A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas Jorge Jatobá

2. A GÊNESIS POLITICA DA CRISE  O discurso político da campanha e a realidade econômica;  Operação Lava Jato: temor, delações e mais recentemente gravações;  Esvaziamento político da Presidência em um regime presidencialista de coalizão;  Conflitos e falta de diálogo com o Congresso; erros de avaliação política;  Fragmentação da base aliada: saída do PMDB e efeito manada;  Resistência do PT ao ajuste fiscal.

3. A CRISE ECONÔMICA CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA CRISE ECONÔMICA EM GRÁFICOS E TABELAS

4. AMBIENTE EXTERNO: EMERGENTES EM DESACELERAÇÃO Mundo e Regiões Selecionadas: variação real do PIB, em % – 2008 a 2016 Fonte: Brasil: IBGE (2008 a 2015) e estimativa WEO/IMF (2016); demais áreas: World Economic Outlook/IMF, abril de 2016. Elaboração Ceplan. Nota: Os dados do WEO/IMF são observados de 2008 a 2015, Para os outros anos, os dados são estimados. 3.0 -0.1 5.4 4.2 3.5 3.3 3.4 3.1 3.2 0.5 -4.5 2.1 1.6 -0.9 -0.3 0.9 1.6 1.5 5.8 3.0 7.4 6.3 5.3 4.9 4.6 4.0 4.15.1 -0.1 7.5 3.9 1.9 3.0 0.1 -3.8 -3.8 9.6 9.2 10.6 9.5 7.7 7.7 7.3 6.9 6.5 -0.3 -2.8 2.5 1.6 2.2 1.5 2.4 2.4 2.4 -6.0 -4.0 -2.0 0.0 2.0 4.0 6.0 8.0 10.0 12.0 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 Mundo Zona do Euro Emergentes Brasil China EUA

5. A CRISE E O MERCADO DE COMMODITIES Brasil: Índice de preços das exportações (2006 = 100)Mundo: Índice de Preços das Commodities (2004 = 100) Fonte: Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex). Elaboração CEPLAN. Fonte: International Financial Statistics/International Monetary Fund(IMF). Elaboração Ceplan. (*) Dados de 2016 a 2020 são projeções do IMF. (1) Combustíveis e não- combustíveis; (2) Inclui alimentos e bebidas e insumos industriais JAN/2016 107,5 79.3 88.9 100.0 139.6 120.9 145.7 179.5 170.7 165.2 156.5 122.7 0 20 40 60 80 100 120 140 160 180 200 JAN JUN NOV ABR SET FEV JUL DEZ MAI OUT MAR AGO JAN JUN NOV ABR SET FEV JUL DEZ MAI OUT MAR AGO JAN JUN NOV ABR SET 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 20 16 Índice Mensal Índice Anual 0 50 100 150 200 250 300 Todas as commodities¹ Não-combustíveis² Alimentos Metais

6. Brasil: Taxa de crescimento do PIB trimestral com respeito ao mesmo período do ano anterior - (%) - I trimestre de 2010 ao I trimestre de 2016 A variação do PIB na comparação trimestral interanual transitou da fase de desaceleração para a de retração da atividade. Estamos em recessão há oito trimestres consecutivos. Uma das maiores da nossa história. (1930=-2,1%; 1931=-3,3%) A ECONOMIA EM ANOS RECENTES: TRAJETÓRIA DE QUEDA

7. Brasil: Taxa de crescimento do PIB com respeito ao mesmo período do ano anterior - (%) – janeiro-dezembro de 2010-2015 Pelo lado da demanda o consumo das famílias desacelera acentuadamente enquanto a variação do investimento torna-se novamente negativa, conduzindo os investimentos como proporção do PIB para 16,9%. Pelo lado da oferta, crescimento da agropecuária e retração no resto. A ECONOMIA EM ANOS RECENTES: CONSUMO DEIXA DE SER O MOTOR E INVESTIMENTO TORNA-SE ERRÁTICO Setor de atividade 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Agropecuária 6,7 5,6 -3,1 8,4 2,1 1,8 Indústria 10,2 4,1 -0,7 2,2 -0,9 -6,2 Serviços 5,8 3,4 2,9 2,8 0,4 -2,7 PIB a preços de mercado 7,5 3,9 1,9 3,0 0,1 -3,8 Consumo das famílias 6,2 4,7 3,5 3,5 1,3 -4,0 Consumo da administração pública 3,9 2,2 2,3 1,5 1,2 -1,0 Formação bruta de capital fixo 17,9 6,7 0,8 5,8 -4,5 -14,1 Exportação de bens e serviços 11,7 4,8 0,3 2,4 -1,1 6,1 Importação de bens e serviços (-) 33,6 9,4 0,7 7,2 -1,0 -14,3 Fonte: Contas Nacionais Trimestrais - IBGE. Elaboração CEPLAN. Nota: (1) Refere-se ao crescimento com respeito ao mesmo período do ano anterior

8. Brasil: Taxa Trimestral (variação em volume em relação ao mesmo trimestre do ano anterior - (%) – trimestres de 2015-2016 Crise vai se aprofundando ao longo de 2015. Em 2016 só as exportações cresceram. A ECONOMIA EM ANOS RECENTES: CONSUMO DEIXA DE SER O MOTOR E INVESTIMENTO TORNA-SE ERRÁTICO Setor de atividade 2015.I 2015.II 2015.III 2015.IV 2016.I Agropecuária 5,4 2,2 -2,0 0,6 -3,7 Indústria -4,4 -5,7 -6,7 -8,0 -7,3 Serviços -1,4 -1,8 -2,9 -4,4 -3,7 PIB a preços de mercado -2,0 -3,0 -4,5 -5,9 -5,4 Consumo das famílias -1,5 -3,0 -4,5 -6,8 -6,3 Consumo da administração pública -0,5 -0,3 -0,4 -2,9 -1,4 Formação bruta de capital fixo -10,1 -12,9 -15,0 -18,5 -17,5 Exportação de bens e serviços 3,3 7,7 1,1 12,6 13,0 Importação de bens e serviços (-) -5,0 -11,5 -20,0 -20,1 -21,7 Fonte: Contas Nacionais Trimestrais - IBGE. Elaboração CEPLAN. Nota: (1) Refere-se ao crescimento com respeito ao mesmo período do ano anterior

9. BRASIL 2015: INADIMPLÊNCIA SE ELEVA (2016 NÃO PIORA) Fonte: Peic/CNC. Elaboração Ceplan. Brasil: famílias endividadas, inadimplentes e famílias inadimplentes sem condições de pagar, % em relação ao total de famílias - março/2015 a maio/2016 59.6 61.6 62.4 62.0 61.9 62.7 63.5 62.1 61.0 61.1 61.6 60.8 60.3 59.6 58.7 17.9 19.7 21.1 21.3 21.5 22.4 23.1 23.1 22.7 23.2 23.7 23.3 23.5 23.2 23.7 5.0 10.0 15.0 20.0 25.0 30.0 35.0 40.0 45.0 50.0 55.0 60.0 65.0 70.0 Endividadas Inadimplentes Sem condições de pagar

10. A INFLAÇÃO: TOLERANCIA E HETERODOXIA Brasil: IPCA Acumulado nos últimos 12 meses - (%) - jan/10 a abr/16 Inflação persiste acima do teto da meta, mas apresenta discreta desaceleração. Inconsistência entre política fiscal e monetária até 2014 dificultou a estabilização. Em 2015-2016, realinhamento de preços administrados (energia, combustíveis, transporte urbano), desvalorização do real e elevação de impostos pressionaram a inflação. Focus para 2016, 7,06%

11. RESULTADO FISCAL DO SETOR PÚBLICO SE DETERIORA PÓS 2013 (QUEDA DE RECEITA + JUROS ALTOS + CRISE POLÍTICA) Quadro piora Antes da crise mundial: Quadro melhorava SELIC cai Ano Resultado Nominal Juros nominais Resultado Primário Selic 2002 4,42 7,61 -3,19 25,00 2003 5,18 8,42 -3,24 16,50 2004 2,88 6,56 -3,69 17,75 2005 3,54 7,28 -3,74 18,00 2006 3,57 6,72 -3,15 13,25 2007 2,74 5,98 -3,24 11,25 2008 1,99 5,32 -3,33 13,75 2009 3,19 5,13 -1,94 8,75 2010 2,41 5,03 -2,62 10,75 2011 2,47 5,41 -2,94 11,00 2012 2,27 4,45 -2,18 7,25 2013 2,96 4,68 -1,72 10,00 2014 6,05 5,48 0,57 11,75 2015 10,38 8,50 1,88 14,25 Brasil: Necessidades de financiamento do setor público, em % do PIB - 2002 a 2015 Fonte: Banco Central do Brasil.

12. BRASIL 2014 E 2015: DEFICITS PRIMÁRIOS ENTRE 2014 E 2015 Brasil: Evolução do Resultado Primário do Setor Público – 2002 a 2016¹ -3.19 -3.24 -3.69 -3.74 -3.15 -3.24 -3.33 -1.94 -2.62 -2.94 -2.18 -1.72 0.57 1.88 -0.50 -5.0 -4.0 -3.0 -2.0 -1.0 0.0 1.0 2.0 3.0 Fonte: Gerin/Banco Central do Brasil e Relatório de Inflação-Março2016/Bacen.

13. BRASIL: TRAJETÓRIA DO ENDIVIDAMENTO PÚBLICO, ELEVAÇÃO PÓS 2013 Fonte: "Dívida Pública: a experiência brasileira" (Tesouro Nacional/MF) e Banco Central do Brasil. Elaboração Ceplan. * % PIB acumulado em 12 meses. ** De 2000 a 2005, indicador recalculado pelo Tesouro Nacional, considerando nova metodologia do Banco Central. A partir de 2006, dados divulgados pelo Banco Central. *** Divida liquida = dívida bruta menos a soma dos créditos do setor público não-financeiro e do Banco Central. Brasil: Estoque da dívida bruta do Governo Geral, em % do PIB acumulado em 12 meses dezembro/2000 a março/2016 50.3 50.8 53.1 58.4 53.5 56.3 55.5 56.7 56.0 59.2 51.8 51.3 53.8 51.7 57.2 66.5 67.3 45.5 48.4 50.5 52.4 47.0 46.5 45.3 43.4 37.8 41.3 38.5 35.1 32.9 31.2 33.7 38.5 40.7 0.0 10.0 20.0 30.0 40.0 50.0 60.0 70.0 80.0 Dívida bruta Dívida líquida

14. BANCO CENTRAL ELEVA E DEPOIS ESTABILIZA OS JUROS EM PATAMAR ELEVADO Brasil: Taxa Selic – (% a.a) – 2000-2016 SELIC em alta com viés neutro. Até 2014 política monetária era inconsistente com a política fiscal, mas agora voltou a ser coadjuvante. Juros na ponta respondem com forte elevação desestimulando o investimento e o consumo. Aumento dos juros eleva os encargos da divida e precisam parar de subir. A inflação não é de demanda. Focus para 2016 = 12,88%

15. Descrição DEZ/2013 DEZ/2014 DEZ/2015 R$ bilhões % PIB R$ bilhões % PIB R$ bilhões % PIB Resultado Nominal 158 2,96 344 6,05 613 10,38 Juros nominais 249 4,68 311 5,48 502 8,50 Resultado Primário -91 -1,72 33 0,57 111 1,88 PIB 5.316 100,00 5.687 100,00 5.904 100,00 A ECONOMIA EM 2015: O AJUSTE FISCAL É NEUTRALIZADO PELO AVANÇO DOS JUROS Brasil: Resultados fiscais consolidados do setor público - 2013 a 2015 Juros como proporção do PIB elevam-se substancialmente (de 5,5% para 8,5%) conduzindo a aumento na relação Dívida/PIB. (Pagamento dos juros aumentaram em R$ 190 bilhões)

16. Brasil: Composição (%) das Despesas do Governo Federal - 2015 CONJUNTURA ECONÔMICA 2015: ALTOS GASTOS COM JUROS E POUCA FLEXIBILIDADE NO ORÇAMENTO 11.2 17.8 42.4 12.2 3.1 13.3 Pessoal e Encargos Sociais Benefícios Previdenciários Serviços da Dívida (1) Transferências a Estados e Municípios Investimentos e Inversões Financeiras Demais Despesas Fonte: Relatório Resumido da Execução Orçamentária (RREO)/STN/MF. Elaboração CEPLAN. (1) Incluídos os valores referentes ao refinanciamento da Dívida Pública.

17. 6.8 7.4 7.9 8.0 8.1 8.3 8.6 8.7 8.9 8.9 9.0 9.0 9.5 10.2 10.9 11.2 0.0 2.0 4.0 6.0 8.0 10.0 12.0 jan/15 fev/15 mar/15 abr/15 mai/15 jun/15 jul/15 ago/15 set/15 out/15 nov/15 dez/15 jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 DESEMPREGO: FORTE TRAJETÓRIA DE ELEVAÇÃO, COM ACELERAÇÃO NO ÚLTIMO TRIMESTRE Brasil: taxa de desocupação das pessoas de 14 anos ou mais de idade, em % janeiro/2015 a abril/2016 (média em 3 meses) Fonte: PNAD-Contínua/IBGE. Elaboração Ceplan. Desocupados fev-mar-abr/2015: 8.029 mil fev-mar-abr/2016: 11.411 mil Variação: ↑42,1% Diferença: 3.382 mil Ocupados ↓1,7% Conta Própria ↑4,9%

18. BRASIL 2015/16: MASSA SALARIAL REAL DECLINA, AFETANDO NEGATIVAMENTE O CONSUMO Fonte: PNAD Contínua/IBGE. Elaboração Ceplan. Brasil: variação real da massa de rendimento do trabalho, em % (acumulada em 12 meses e variação anual) - dezembro/2013 a abril/2016 5.2 5.0 5.5 5.8 5.6 5.6 4.9 4.0 4.0 3.7 2.8 2.8 2.9 2.6 1.9 1.6 1.3 0.8 1.5 2.0 1.2 1.2 1.2 0.3 -0.2 -0.7 -1.4-1.4 -1.8 JUN/14, 2.9 JUL/15, -0.2 -3.0 -2.0 -1.0 0.0 1.0 2.0 3.0 4.0 5.0 6.0 7.0 Variação em 12 meses Variação anual

19. POUPANÇA EXTERNA COMPLEMENTA A BAIXA POUPANÇA INTERNA Brasil: Saldo da Balança de Transações Correntes (BTC) - US$ (bilhões) - 2000-2016¹ Déficit nas transações com o exterior é considerada uma poupança externa. Poupança doméstica se situa em 14,3%, abaixo da taxa de investimento (16,9%). Cai o déficit em transações correntes por causa da retração econômica e da desvalorização do real. -24.2 -23.2 -7.6 4.2 11.7 14.0 13.6 1.6 -28.2 -24.3 -47.3 -52.5 -54.2 -81.1 -103.6 -58.9 -25.0 -120.0 -100.0 -80.0 -60.0 -40.0 -20.0 0.0 20.0 40.0 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016¹ Fonte: Depec/BCB. Elaboração Ceplan. Nota: ¹Projeção do Relatório de Inflação de março de 2016 do BCB.

20. O SETOR EXTERNO DA ECONOMIA NÃO ESTÁ VULNERÁVEL Brasil: Investimentos diretos no país (líquido) – US$ (milhões) – 2010 -2016¹ Queda no IDP líquido, mas suficiente para cobrir o déficit de transações correntes em 2015. A despeito das dificuldades o país continua atraindo para a sua economia investimento estrangeiro, mas a crise está drenando capitais especulativos e atraindo menos investimentos. 33.0 23.2 16.6 10.1 18.2 15.5 19.4 44.6 50.7 31.5 88.5 101.2 86.6 69.2 96.9 75.1 60.0 0.0 20.0 40.0 60.0 80.0 100.0 120.0 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016¹ Fonte: Depec/BCB. Elaboração Ceplan. Nota: ¹Projeção do Relatório de Inflação de março de 2016 do BCB.

21. Qual é o caminho da recuperação da economia? (algumas medidas principais)  Restaurar a credibilidade da Presidência;  Dialogar e negociar com o Congresso Nacional;  Restabelecer a unidade da base aliada;  Realizar um ajuste fiscal crível e viável: limitar o crescimento do gasto público;  Reduzir os juros, respeitadas as condições fiscais. CONJUNTURA ECONÔMICA 2016: PERSPECTIVAS E SAÍDAS

22. Qual é o caminho da recuperação da economia? (algumas medidas principais)  Retomar os investimentos em parceria com o setor privado, através de PPs e Concessões em infraestrutura; rodovias, portos, aeroportos, etc.  Aumentar a produtividade da economia; melhorar a educação e a qualidade da infraestrutura;  Eliminar os resíduos de indexação ainda existentes;  Apoiar a indústria para que retome seu crescimento e importância na economia; aumento da produtividade e inovação em produtos e processos;  Realizar as reformas da previdência, tributária e trabalhista. CONJUNTURA ECONÔMICA 2016: PERSPECTIVAS E SAÍDAS

23. Qual tem sido, até agora, o caminho seguido pelo Governo Interino? A. NA POLÍTICA  Busca restaurar, com dificuldades devido a composição do ministério, a credibilidade da Presidência;  Está dialogando com o Congresso Nacional; teve uma primeira vitória. Terá outras?  Restabeleceu a unidade da base aliada, mas tal unidade terá de resistir a Lava Jato, gravações traiçoeiras e a propostas importantes e polêmicas. Terá que negociar com o Congresso para aprovar medidas importantes na economia. AS PROPOSTAS DO GOVERNO TEMER

24. Qual tem sido, até agora, o caminho seguido pelo Governo Interino? B. NA ECONOMIA  Estabeleceu teto para as despesas pública: despesa real está congelada. Crescimento nominal igual a inflação do ano anterior;  Congelou alguns subsídios; aumentos precisam ser compensados (medida administrativa);  Fim do Fundo Soberano: $ 2 bi voltam ao Tesouro (medida administrativa);  Antecipação de pagamentos do BNDES no valor de $ 100 bilhões: deve ser avaliado se não fere LRF (medida administrativa);  Busca realizar um ajuste fiscal crível e viável; meta é um déficit primário de R$ 170,5 bilhões já aprovada pelo Congresso;  Deu autonomia informal ao BC, mas precisa que o MF assegure as condições do lado da política fiscal para baixar a taxa de juros cujo custo é muito alto;  Busca retomar os investimentos em parceria com o setor privado, através de PPs e Concessões em infraestrutura; rodovias, portos, aeroportos, etc. Priorizou iniciativa que procura criar incentivos corretos para a iniciativa privada. AS PROPOSTAS DO GOVERNO TEMER

25. O que ainda não foi proposto, mas precisaria sê-lo A. No curto prazo (nos próximos 6 meses) Desindexar piso previdenciário do salário-mínimo pois tem forte impacto fiscal; Desvincular receitas; as vinculações criam rigidez, retirando autonomia do orçamento, reduzindo o grau de liberdade da política fiscal; a desvinculação geraria maior flexibilidade na administração do orçamento público uma vez que há excessiva rigidez para baixo nas despesas; Remover todas as formas de subsídios, isenções, regimes especiais de tributação e privilégios que envolvam recursos do tesouro nacional. MEDIDAS NECESSÁRIAS

26. O que ainda não foi proposto, mas precisaria sê-lo A. No curto prazo (nos próximos 6 meses) Reduzir a taxa de juros básica de economia (SELIC) quando a política fiscal começar a produzir resultados; Reforma da Previdência: prioritária porque é fonte de profundos desajustes nas contas públicas tanto no RGP quanto no regime do serviço público, revisão de alguns benefícios para assegurar maior capacidade de ajuste em tempos de necessidade; aumento da idade mínima acompanhando o crescimento da expectativa de vida; Instituir boa governança corporativa nas estatais e nas agências reguladoras. MEDIDAS NECESSÁRIAS

27. O que ainda não foi proposto, mas precisaria sê-lo B. A médio prazo (Até 2018) Alinhar e balizar LDO, LOA e PPA por meio de uma permanente avaliação das políticas públicas para aumentar a efetividade da despesa e definir que políticas/programas devem continuar, quais políticas devem ser melhoradas e quais deveriam ser extintas. Em particular, melhorar a efetividade dos programas sociais e reavaliar outros que não são direcionados para os mais pobres;  Remover resíduos de indexação ainda existentes na economia; Retomar seletivamente programa de privatizações; Iniciar ações e programas de crescimento econômico e desenvolvimento social cujos efeitos exigem tempo para maturação e que precisariam ser continuados após 2018, conforme indicado a seguir. Será necessário aumentar os impostos? A carga é alta porque se gasta muito. AS PROPOSTAS DO GOVERNO TEMER

28. O que ainda não foi proposto, mas precisaria sê-lo C. Até e após 2018: Crescimento econômico e desenvolvimento social Promover maior abertura comercial; buscar novos parceiros externos através de tratados bi e multilaterais de comércio. Concluir negociações com a União Europeia e aperfeiçoar o Mercosul; Reduzir o protecionismo na economia para melhorar a produtividade e a competitividade; Aumentar a competitividade da indústria brasileira por meio de incentivos à inovação em produtos e processos. AS PROPOSTAS DURANTE E APÓS TEMER

29. O que ainda não foi proposto, mas precisaria sê-lo C. Até e após 2018: Crescimento econômico e desenvolvimento social Reforma Tributária: a carga é alta, o sistema é regressivo, iniquo e retira produtividade; racionalizar alguns impostos, unificar o ICMS, desonerar investimentos e exportações; Reforma trabalhista: assegurar direitos básicos e fortalecer a negociação coletiva, mas flexibilizar regras para reduzir custos e aumentar a produtividade, regulamentar o direito de greve no serviço público; Investir em conhecimento por meio de reformas no sistema de ensino formal (educação básica: educação infantil, ensino fundamental, médio e superior) e profissional. AS PROPOSTAS DURANTE E APÓS TEMER

30. Obrigado!

Add a comment

Related pages

Propostas e Desafios. O tema do curso de capacitação dos ...

IEA - Desafios e propostas para o brasil em ciência, tecnologia e inovação - Duration: 1:30:00. ... Desafios e Propostas - Duration: 5:07.
Read more

ECONOMIA SEM CRISE – Economia em uma linguagem simples e ...

ECONOMIA SEM CRISE Economia em ... existem certos desafios ... Rombo fiscal pode ir a R$ 150 bilhões neste ano – Economia Estadão; Propostas ...
Read more

Blog das PPPs acompanhou o Seminário “A Economia em Época ...

Blog das PPPs na pessoa de seu Editor Augusto Saboia participou do Seminário “A Economia em Época de Crise, Desafios e ... propostas para educação de ...
Read more

Movimento Ética e Democracia | Facebook

A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas - Parte 8. ... "A Economia em época de crise: desafios e propostas", ocorrido em junho de 2016.
Read more

Do “Desenvolvimento sustentável” à economia verde: as ...

Do “Desenvolvimento sustentável” à economia verde: as falsas propostas do capital em época de crise. ... Economia verde: desafios e oportunidades.
Read more

Propostas | LinkedIn

Especialista em Propostas at Lamb Construções e Engenharia Past ... A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas . 94 Views. CONASS. CONASS Debate ...
Read more

‘CRISE É OPORTUNIDADE PARA PROPOSTAS’, DIZ IGNACY SACHS ...

‘CRISE É OPORTUNIDADE PARA PROPOSTAS’, ... as maiores implicações da transição para uma economia verde em países emergentes como ... Coluna Época;
Read more

Governos apontam propostas para enfrentar crise - YouTube

Os chefes dos executivos apresentaram propostas para retomada do cres... Skip navigation Upload. Sign in ...
Read more

Economia - Veja os principais desafios da nova equipe ...

Veja os principais desafios da nova ... "O quadro atual na economia em que se gasta mais do que se ... a crise fiscal, traduzida em ...
Read more

Movimento Ética e Democracia - Timeline | Facebook

A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas - Parte 8. ... "A Economia em época de crise: desafios e propostas", ocorrido em junho de 2016.
Read more