5º sinal vital2

53 %
47 %
Information about 5º sinal vital2
Health & Medicine

Published on March 9, 2014

Author: Andreadcss

Source: slideshare.net

Description

Como avaliar o 5º sinal vital e estabeler uma assistencia a partir dos dados obtidos.

Dor

Definição Segundo a Associação Internacional para o Estudo da Dor (IASP): “uma experiência sensorial e emocional desagradável que é associada a lesões reais ou potenciais ou descrita em termos de tais lesões. A dor é sempre subjetiva e cada indivíduo aprende a utilizar este termo por meio de suas experiências”. 

Definição   a dor é um mecanismo essencial de sobrevivência: sinaliza que “algo tem que ser feito” para o trauma ou a doença presente no organismo a dor é um sinal sensitivo, transportada por fibras nervosas específicas, tratável, a princípio, através da interrupção em algum lugar das vias nervosas. ( Jornal Dor- SBED,fascículo nº 42)

A DOR COMO 5º SINAL VITAL A dor é um sintoma e uma das causas mais freqüentes da procura por auxílio médico.  A necessidade da dor ser reconhecida como 5° sinal vital foi citada pela primeira vez em 1996 por James Campbell (Presidente da Sociedade Americana de Dor). “se a dor fosse aliviada com o mesmo zelo como os outros sinais vitais haveria uma melhor chance de promover tratamento adequado”. 

IMPORTANTE!

Estímulos causadores de DOR    pressão, distensão ou contração de tecidos ex: entorses falta de fluxo sangüíneo (isquemia) impede que substâncias essenciais alcancem as células: destruição celular e DOR ex.: infarto do miocárdio trauma com destruição celular e DOR local ex.: queimadura

Mecanismos de controle da dor  Medicamentoso  Antinflamatórios  Opióides  Anestésicos locais e regionais  Andidepressivo  Anticonvulsivante  Medicamento específico para patologia de base

Mecanismos de controle da dor  Estratégias físicas:  Toque terapêutico  Estimulação cutânea suave  Massagem  Termoterapia  Mudança de decúbito  Exercícios(hidrognástica e dança)  Acunputura  Aromaterapia  TENS

Escalas

Escala Comportamental de Dor- para pacientes em VMA ITENS DESCRIÇÕES ESCORE Expressão Facial Relaxado 1 Algo desconfortável 2 Muito desconfortável 3 Fazendo careta 4 Sem movimentos 1 Parcialmente fletidos 2 Totalmente fletidos e com dedos flexionados 3 Permanentemente retraídos 4 Tolerando os movimentos 1 Apresentando tosse 2 Brigando com o ventilador 3 Membros superiores Interação com o ventilador mecânico Incapaz de controlar a VMA

Caso Clínico1  RMT, 35 anos, chega a emergência com história de dor abdominal difusa há +- 12 horas, que não responde a analgesia. Ao ser questionada sobre o nível de dor que sentia, ela referiu entre 7 e 9.  Que escala de dor foi utilizada para esta avaliação? Resposta: Escala Analógica/Numérica  Existe outra ferramenta de escolha para o caso?  Resposta: Escala de descritores verbais

Caso Clínico 2  JPS, 5 anos, está internado para tratamento de Pneumonia extensa com DP à direita. Apresenta dreno de tórax + Acesso venoso central. A genitora refere que o paciente não tem conciliado o sono, devido ao incômodo causado pelo dreno.  Qual o melhor instrumento para a avalição de dor deste paciente?  Resposta: Escala de Faces  Seria possível avaliar este quadro consultando a mãe e não o paciente? Porquê?

Caso Clínico 3  MJS, 54 anos, está há uma semana na UTI para tratamento de HAS+AVC, além de todos os cuidados de rotina que recebe, está sob VMA + AVC. Ao avaliar a dor desta paciente o profissional encontrou as seguintes atitudes corporais: Caretas, MMSS fletidos e apresentando tosse  Qual instrumento melhor se adapta para esta avaliação?  Resposta: Escala Comportamental de dor  Qual o escore encontrado?  Resposta: 9  Utilizando uma escala analógica em paralelo, qual escore de dor seria definido?  Resposta: Dor insuportável

BIBLIOGRAFIA    Kazanowski, Mary K. Dor: fundamentos, abordagem clínica, tratamento. Rio de Janeiro, Ed. Guanabara Koogan, 2005. Figueira, Maria Cristina [et al.]. Manual de Enfermagem: Instituto Materno Infantil Professor Fernando Figueira(IMIP). Rio de Janeiro, Ed. Guanabara Koogan, 2007. Chaves, Lucimara Duarte [et al.]. Dor 5º sinal vital: reflexões e intervenções de Enfermagem. 2ª ed. Revista e ampliada. São Paulo, Livraria Martinari, 2007.

OBRIGADA!

Add a comment

Related presentations

Related pages

DOR - 5º SINAL VITAL chaves [Autosaved] - Documents

DOR - 5º SINAL VITAL Unidade de Cuidados Continuados Da Santa Casa da Misericórdia de Chaves 16 de Maio de 2011 Florentino Silva Enfº Graduado DOR A dor ...
Read more

Organização do serviço de enfermagem - Scribd - Read ...

5º Sinal Vital2. Cirurgias Do Sistema Reprodutor. CÁLCULO DE MEDICAÇÃO. ModeloArtigo_IXCongressoTecnologiaEducacao_2011. As Mutacoes Da Educacao Pierre ...
Read more

MANUAL DE ATENÇÃO NEONATAL MS V1 - SlideSearch.org - #1 ...

5º sinal vital2. Health & Medicine. Tweet. 09. 03. 2014 0 views Amamentacao 10 passos. Health & Medicine. Tweet. 09. 03. 2014 0 views ...
Read more

normalizacao monografias direitos autorais - puc minas ...

Academia.edu is a platform for academics to share research papers.
Read more

Test-Retest Reliability Of The Isokinetic Testing Without ...

Official Full-Text Publication: Test-Retest Reliability Of The Isokinetic Testing Without Familiarization Session In Health Elderly on ResearchGate, the ...
Read more